Colquicina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
Colchicina ou colquicina é um alcaloide altamente venenoso, originalmente extraído da planta Colchicum autumnale.
A colchicina é um medicamento usado para tratar a gota e a doença de Behçet.
Na gota, é menos preferível aos AINEs ou esteróides.
Outros usos da colchicina incluem o manejo da pericardite e da febre familiar do Mediterrâneo.
Usos comuns
Gota:
Acesso agudo de gota; Terapêutica de prevenção de acessos de gota, quando no início de tratamentos hipouricemiantes com inibidores de síntese de ácido úrico ou com uricosíricos.

Outros depósitos microcristalinos: condrocalcinose e reumatismo com hidroxiapatite.

Outras indicações mais raras: Febre Mediterrânea Familiar, doença de Behçet.
Tipo
Molécula pequena.
História
A colchicina, na forma de açafrão de outono (Colchicum autumnale), foi usada já em 1500 aC para tratar o inchaço das articulações.

O extrato Colchicum foi descrito pela primeira vez como um tratamento para a gota em De Materia Medica por Pedanius Dioscorides, no primeiro século dC. O uso dos rebentos bulbo-like de Colchicum para tratar a gota data provavelmente de cerca de 550 AD, como o " hermodactyl " recomendado por Alexander de Tralles.

Os rebentos Colchicum foram usados pelo Médico persa Avicena e outros Médicos islâmicos, foram recomendados por Ambroise Paré, no século XVI, e apareceu na London Farmacopeia de 1618.

As plantas Colchicum foram trazidas para a América por Benjamin Franklin, que sofria de gota e que havia escrito um burlesco humorístico sobre a doença durante sua passagem como enviado para a França.

A Colchicina foi isolada pela primeira vez em 1820 pelos químicos franceses PS Pelletier e J.B.Caventou.

Em 1833, P.L. Geiger purificou um ingrediente activo, que chamou Colchicina.

A determinação da estrutura da Colchicina levou décadas, embora, em 1945, Michael Dewar tenha dado uma importante contribuição quando sugeriu que, entre três anéis da molécula, dois eram anéis de 7 membros.

A sua acção de alívio da dor e os efeitos anti-inflamatórios estavam relacionados com a sua capacidade de se ligar à tubulina.
Indicações
Gota:
Acesso agudo de gota; Terapêutica de prevenção de acessos de gota, quando no início de tratamentos hipouricemiantes com inibidores de síntese de ácido úrico ou com uricosíricos.

Outros depósitos microcristalinos: condrocalcinose e reumatismo com hidroxiapatite.

Outras indicações mais raras: Febre Mediterrânea Familiar, doença de Behçet.
Classificação CFT

09.03 : Medicamentos usados para o tratamento da gota

Mecanismo De Acção
O mecanismo de acção exacto ainda não foi completamente estabelecido.

Em pacientes com Gota, a Colquicina, aparentemente, interrompe o ciclo de deposição de cristais de urato monossódico em tecidos articulares e a resposta inflamatória resultante que inicia e mantém um ataque agudo.

A Colquicina diminui a quimiotaxia dos leucócitos e fagocitose e inibe a formação e libertação de uma glicoproteína quimiotáctica que é produzida durante a fagocitose de cristais de urato.

A Colquicina inibe também a deposição de cristais de urato, que é reforçada por um pH baixo nos tecidos, provavelmente através da inibição da oxidação de glicose e subsequente produção de ácido láctico nos leucócitos.

A Colquicina não tem acção analgésica ou actividade antihiperuricémica. A Colquicina inibe a montagem de microtúbulos em várias células, incluindo os leucócitos, provavelmente por liga-ser e interferir com a polimerização da subunidade do microtúbulo da tubulina.

Embora alguns estudos tenham revelado que esta acção provavelmente não contribui significativamente para a acção anti-Gota da Colquicina, um estudo recente in vitro mostrou que pode-a ter pelo menos parcialmente.
Posologia Orientativa
A dose habitual é:
Gota e depósitos microcristalinos:
Acesso agudo de gota 1º dia: 3 comprimidos (1 comprimido de manhã, 1 comprimido ao meio dia, 1 comprimido à noite);
2º e 3º dias: 2 comprimidos por dia (1 comprimido de manhã e 1 comprimido à noite);
4º dia: 1 comprimido à noite
Dias seguintes: 1 comprimido à noite

Prevenção dos acessos de gota aquando dos tratamentos hipo-uricemiantes: A dose diária profilática de colquicina depende da frequência e da gravidade dos episódios anteriores e pode variar de 0,5 mg duas a quatro vezes por semana até 1,5 mg por dia.
É normalmente eficaz numa dose oral de 0,5-1 mg por dia, ajustada de modo a não causar diarreia. O tratamento com colquicina deve manter-se até pelo menos um mês após a redução da concentração de urato no sangue e que é comum a cobertura profilática durante 3 a 4 meses.

Outras indicações:
Febre Mediterrânea Familiar, doença de Behçet: habitualmente 1 comprimido por dia à noite, permanentemente.

Febre Mediterrânea Familiar: utilização em adultos 1 mg a 2 mg de colquicina, por dia.
O seu médico pode aumentar a dose através de aumentos de 0,5 mg (metade de um comprimido) até a um máximo de 2 mg de colquicina, por dia, dependendo da resposta clínica e biológica.

Utilização em crianças De 0,5 mg a 2 mg / dia de colquicina (1/2 comprimido a 2 comprimidos) uma ou duas vezes ao dia.
A dosagem deve ser ajustada de acordo com a idade e resposta clínica.
A dose de colquicina será aumentada gradualmente, pelo médico.

Utilização em idosos: Os doentes idosos, mesmo os que apresentam funções renal e hepática normais, podem ser mais susceptíveis a toxicidade cumulativa com colquicina.
Recomenda-se redução da dose nestes doentes.

Utilização em doentes com insuficiência hepática ou insuficiência renal: Nestes doentes existe um risco aumentado de toxicidade cumulativa.
A dose deve ser reduzida ou devem ser aumentados os intervalos entre as doses. Em doentes com depuração de creatinina inferior a 50 ml/min a dose deve ser reduzida para metade.
Em doentes com depuração de creatinina inferior a 10 ml/min deve ser considerado um tratamento alternativo.
Administração
Via oral.

Administrar com água.
Contra-Indicações
Hipersensibilidade à Colquicina.
Gravidez e aleitamento.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Tome a dose em falta assim que se lembrar.
Se estiver quase na altura de tomar a dose seguinte, não tome a dose em falta e tome Colquicina na hora habitual.
Não tome duas doses ao mesmo tempo.
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Caso deseje engravidar, recomenda-se a interrupção do tratamento com Colquicina três meses antes da concepção.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Quando o uso do medicamento for estritamente necessário para a mãe, deverá esta suspender a amamentação.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Reduzir dose na IR moderada; evitar na IR grave.
Condução
Condução
Condução:Não foram observados efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas.
Precauções Gerais
Nos tratamentos de longo curso: Nos indivíduos em idade de procriar, deverá ser instaurada uma contracepção eficaz qualquer que seja o parceiro tratado.
É recomendado interromper o tratamento com colquicina três meses antes da concepção.
A contracepção deverá manter-se até 3 meses após a interrupção da colquicina.

Em tratamento de ataque: Deverá haver uma vigilância atenta em caso de insuficiência renal ou hepato-biliar.

Deverá associar-se a retardadores do trânsito intestinal ou antidiarreicos, em caso de aparecimento de diarreia ou colopatia evolutiva.

Nos tratamentos de longo curso, nas doses de 0,5 a 1 mg, as complicações são raras.
Por prudência, despistagem sistemática dos efeitos secundários.
É aconselhada uma vigilância hematológica semestral.

A utilização concomitante de Colquicina e de pristinamicina ou macrólidos (com excepção de espiramicina) não é recomendada.

Informe o médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Associações não recomendadas: Macrólidos com excepção da espiramicina (telitromicina, azitromicina, claritromicina, diritromicina, eritromicina, josamicina, midecamicina, roxitromicina, troleandomicina).
Podem aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal.

Pristinamicina
Pode aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal.

Associações que necessitam de precauções de utilização:
Ciclosporina
Potencia os efeitos indesejáveis neuromusculares da colquicina.
Em caso de associação com a ciclosporina deverá realizar-se vigilância clínica e biológica (doseamento do CPK).
Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Cuidados com a Dieta
Evite bebidas alcoólicas, uma vez que aumenta os níveis de ácido úrico.
Beba moderadamente.
Tome, independentemente das refeições.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose em falta assim que se lembrar.
Se estiver quase na altura de tomar a dose seguinte, não tome a dose em falta e tome Colquicina na hora habitual.
Não tome duas doses ao mesmo tempo.
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Guarde a Colquicina em temperatura ambiente, entre 200 e 25 graus C, em recipiente bem fechado.
Armazene longe do calor, luz e humidade.
Não guarde na casa de banho.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Não recomendado/Evitar

Colquicina + Macrólidos

Observações: Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Interacções: Associações não recomendadas: Macrólidos com exceção da espiramicina (telitromicina, azitromicina, claritromicina, diritromicina, eritromicina, josamicina, midecamicina, roxitromicina, troleandomicina). Podem aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal. - Macrólidos
Não recomendado/Evitar

Colquicina + Telitromicina

Observações: Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Interacções: Associações não recomendadas: Macrólidos com exceção da espiramicina (telitromicina, azitromicina, claritromicina, diritromicina, eritromicina, josamicina, midecamicina, roxitromicina, troleandomicina). Podem aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal. - Telitromicina
Não recomendado/Evitar

Colquicina + Azitromicina

Observações: Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Interacções: Associações não recomendadas: Macrólidos com exceção da espiramicina (telitromicina, azitromicina, claritromicina, diritromicina, eritromicina, josamicina, midecamicina, roxitromicina, troleandomicina). Podem aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal. - Azitromicina
Não recomendado/Evitar

Colquicina + Claritromicina

Observações: Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Interacções: Associações não recomendadas: Macrólidos com exceção da espiramicina (telitromicina, azitromicina, claritromicina, diritromicina, eritromicina, josamicina, midecamicina, roxitromicina, troleandomicina). Podem aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal. - Claritromicina
Não recomendado/Evitar

Colquicina + Diritromicina

Observações: Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Interacções: Associações não recomendadas: Macrólidos com exceção da espiramicina (telitromicina, azitromicina, claritromicina, diritromicina, eritromicina, josamicina, midecamicina, roxitromicina, troleandomicina). Podem aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal. - Diritromicina
Não recomendado/Evitar

Colquicina + Eritromicina

Observações: Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Interacções: Associações não recomendadas: Macrólidos com exceção da espiramicina (telitromicina, azitromicina, claritromicina, diritromicina, eritromicina, josamicina, midecamicina, roxitromicina, troleandomicina). Podem aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal. - Eritromicina
Não recomendado/Evitar

Colquicina + Josamicina

Observações: Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Interacções: Associações não recomendadas: Macrólidos com exceção da espiramicina (telitromicina, azitromicina, claritromicina, diritromicina, eritromicina, josamicina, midecamicina, roxitromicina, troleandomicina). Podem aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal. - Josamicina
Não recomendado/Evitar

Colquicina + Miocamicina

Observações: Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Interacções: Associações não recomendadas: Macrólidos com exceção da espiramicina (telitromicina, azitromicina, claritromicina, diritromicina, eritromicina, josamicina, midecamicina, roxitromicina, troleandomicina). Podem aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal. - Miocamicina
Não recomendado/Evitar

Colquicina + Roxitromicina

Observações: Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Interacções: Associações não recomendadas: Macrólidos com exceção da espiramicina (telitromicina, azitromicina, claritromicina, diritromicina, eritromicina, josamicina, midecamicina, roxitromicina, troleandomicina). Podem aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal. - Roxitromicina
Não recomendado/Evitar

Colquicina + Troleandomicina

Observações: Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Interacções: Associações não recomendadas: Macrólidos com exceção da espiramicina (telitromicina, azitromicina, claritromicina, diritromicina, eritromicina, josamicina, midecamicina, roxitromicina, troleandomicina). Podem aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal. - Troleandomicina
Potencialmente Fatal

Colquicina + Pristinamicina

Observações: Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Interacções: Associações não recomendadas: Pristinamicina: Podem aumentar significativamente os níveis séricos de colquicina e o risco de toxicidade, podendo esta tornar-se fatal. - Pristinamicina
Usar com precaução

Colquicina + Ciclosporina

Observações: Não ultrapassar mais do que alguns dias de tratamento com a colquicina.
Interacções: Associações que necessitam de precauções de utilização: Ciclosporina: Potencia os efeitos indesejáveis neuromusculares da colquicina. Em caso de associação com a ciclosporina deverá realizar-se vigilância clínica e biológica (doseamento do CPK). - Ciclosporina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções da Colquicina
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Caso deseje engravidar, recomenda-se a interrupção do tratamento com Colquicina três meses antes da concepção.

Quando o uso do medicamento for estritamente necessário para a mãe, deverá esta suspender a amamentação.

Consulte o médico antes de tomar qualquer medicamento.

Não foram observados efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021