Cloropromazina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
Ver também Clorpromazina.

A cloropromazina é um neuroléptico padrão dotado de uma potente acção sedativa e antipsicótica (antidelirante e antialucinatória).
Trata-se de um fármaco eficaz na maioria dos tipos de agitação psicomotora de origem psiquiátrica.
Possui ainda uma actividade vagolítica, simpatolítica e antiemética.
Usos comuns
Psicoses agudas: estados de agitação psicomotora, excitacção maníaca e síndromes confusionais.

Psicoses crónicas: estados esquizofrénicos incluindo a esquizofrenia paranóide, estados delirantes crónicos. Manifestações de agressividade nas psicoses do adulto e da criança. Neuroses graves e incapacitantes. Vómitos de origem central.
Tipo
Molécula pequena.
História
Em 1933, a empresa farmacêutica francesa Laboratoires Rhône-Poulenc começou a investigar novos anti-histamínicos.

Em 1947, sintetizou a Prometazina, um derivado da Fenotiazina, que foi desenvolvido para ter propriedades sedativas mais pronunciadas que as fármacos anti-histamínicos anteriores.

O químico Paul Charpentier produziu uma série de compostos, tendo selecionado o que possuía actividade menos periférica, conhecida como RP4560 ou Cloropromazina, em 11 de Dezembro de 1950.

Simone Courvoisier realizou testes comportamentais e descobriu que a Cloropromazina produzida era indiferente a estímulos aversivos em ratos. A Cloropromazina foi distribuída para testes médicos entre abril e agosto de 1951.

Por volta de 1954, a Cloropromazina estava a ser usada nos Estados Unidos para tratar a esquizofrenia, mania, excitacção psicomotora e outros transtornos psicóticos.

A Rhône-Poulenc licenciou a Cloropromazina à Smith Kline & French (atual GlaxoSmithKline) em 1953. Em 1955 foi aprovada nos Estados Unidos para o tratamento da emese (vómito).

O efeito deste fármaco no esvaziamento hospitais psiquiátricos foi comparado com a de doenças infecciosas e da penicilina.

Mas a popularidade do fármaco caiu do final dos anos 1960, com a entrada de novas drogas em cena. A partir da Cloropromazina foram desenvolvidas uma série de outros antipsicóticos similares, tendo levado também à descoberta de antidepressivos.

A Clorpromazina substituíu grande parte da eletroconvulsoterapia, psicocirurgia, e terapia de choque da insulina.

Em 1964, cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo a tinham tomado.
A Clorpromazina, com uso difundido durante mais de 50 anos, continua a ser uma droga " referência " no tratamento da esquizofrenia, uma droga eficaz, embora não seja perfeita.
Indicações
Psicoses agudas: estados de agitação psicomotora, excitacção maníaca e síndromes confusionais.

Psicoses crónicas: estados esquizofrénicos incluindo a esquizofrenia paranóide, estados delirantes crónicos. Manifestações de agressividade nas psicoses do adulto e da criança. Neuroses graves e incapacitantes. Vómitos de origem central.
Classificação CFT

02.09.02 : Antipsicóticos

Mecanismo De Acção
A cloropromazina é um antipsicótico neuroléptico constituído por uma fenotiazina com uma cadeia alifática.
Os antipsicóticos neurolépticos possuem propriedades antidopaminérgicas às quais são atribuídos:
- o efeito antipsicótico pretendido na terapêutica
- os efeitos secundários (síndrome extrapiramidal, discinesias, hiperprolactinémia).

No caso da cloropromazina a actividade antidopaminérgica é moderada, a actividade antipsicótica é nítida e os efeitos extrapiramidais são evidentes, mas moderados.
A molécula possui igualmente propriedades anti-histamínicas (que estão na origem da sedação normalmente pretendida na clínica), adrenolíticas e anticolinérgicas marcadas.
Posologia Orientativa
No adulto a posologia diária pode variar entre 25 e 150 mg distribuídos por 2 a 3 tomas.
A posologia média situa-se habitualmente entre os 50 e os 70 mg/dia.
A dose máxima indicada poderá ser eventualmente ultrapassada nomeadamente em Neuropsiquiatria e de acordo com o critério médico.

Na criança a posologia diária varia entre 1 a 5 mg/kg/dia distribuídos por 3 a 4 tomas.
Na criança com menos de 6 anos a Cloropromazina só deve ser utilizado em situações expcecionais e em meio especializado.
Em crianças com menos de 3 anos a Cloropromazina não deve ser utilizado, salvo se o critério médico determinar que a sua administração é vital para o doente.
Administração
Os comprimidos destinam-se a administração por via oral.
A posologia mínima eficaz será sempre procurada.
Desde que o estado clínico do doente o permita, o tratamento deverá ser iniciado com doses pequenas e depois aumentado progressivamente.
Contra-Indicações
Cloropromazina está contra-indicada em caso de:
- hipersensibilidade à substância activa, a derivados da fenotiazina
- coma, independentemente da etiologia
- depressão grave do sistema nervoso central
- risco de glaucoma
- risco de retenção urinária (de origem uretro-prostática)
- antecedentes de depressão da medula óssea
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Com doses reduzidas

Perturbações neurovegetativas:
- hipotensão ortostática
- efeitos anticolinérgicos do tipo boca seca, alterações da acomodação, risco de retenção urinária, obstipação e possível iléus adinâmico

Perturbações neuropsíquicas:
- sedação e/ou sonolência, mais marcada no início do tratamento
- indiferença, reacções ansiosas, variações do estado de humor Com doses mais elevadas

Perturbações neurológicas:
- discinesias precoces (cervico-faciais e oculares)
- síndrome extrapiramidal (acatísia, parkinsonismo) cedendo parcialmente aos antiparkinsónicos anticolinérgicos
- discinesias tardias, sobretudo em caso de tratamentos prolongados, não cedendo aos antiparkinsónicos anticolinérgicos
- convulsões

Doenças endócrinas e doenças do metabolismo e da nutrição:
- hiperprolactinémia podendo conduzir a amenorreia, galactorreia, ginecomastia, impotência e frigidez
- alteração da regulacção da temperatura corporal
- aumento de peso
- intolerância à glucose, hiperglicemia
- hipertrigliceridemia
- hiponatremia
- secreção inapropriada da hormona antidiurética

Raramente e dose-dependentes

Alterações cardíacas:
- alongamento do intervalo QT
- arritmias incluindo raros casos do tipo torsade de pointes
- foram relatados casos isolados de morte súbita de possível origem cardíaca
- casos inexplicados de morte súbita em doentes que recebiam neurolépticos fenotiazínicos

Mais raramente e não dose-dependentes

Doenças do sangue e do sistema linfático:
- leucopenia
- agranulocitose
- eosinofilia
- anemia hemolítica, anemia aplásica
- púrpura trombocitopénico
- pancitopenia

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneos e doenças do sistema imunitário:
- reacções cutâneas do tipo alérgico (eritema, urticária, angioedema)
- reacções anafilácticas muito raras
- reacções de fotossensibilidade
- o lúpus eritematoso sistémico foi raramente associado ao tratamento com cloropromazina, estando ainda descritos casos de presença de anticorpos antinucleares sem manifestação clínica da doença
- edema

Afecções oculares:
- depósitos pigmentares no segmento anterior do olho habitualmente sem consequências para a visão

Doenças gastrointestinais:
- colite isquémica
- obstrução intestinal
- necrose gastrointestinal
- colite necrosante (por vezes fatal)
- perfuração intestinal (por vezes fatal)
- náuseas

Afecções hepatobiliares:
- icterícia do tipo colestático, mais frequente nas primeiras 4 semanas de tratamento e de mecanismo provavelmente alérgico
- lesões hepáticas do tipo colestático, citolítico ou misto que podem ser graves

Doenças dos orgãos genitais e da mama
- foram descritos casos muito raros de priapismo em doentes tratados com cloropromazina

Doenças do sistema nervoso:
- síndrome maligna dos neurolépticos: interromper imediatamente o tratamento em caso de hipertermia sem causa aparente

Vasculopatias:
- casos de tromboembolismo venoso, incluindo embolia pulmonar e casos de trombose venosa profunda, foram notificados com medicamentos antipsicóticos
- frequência desconhecida.

Situações na gravidez, no puerpério e perinatais:
Frequência desconhecida: síndrome neonatal de privação de fármacos.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:A utilização de Cloropromazina durante a gravidez deve ser evitada, salvo se o médico a considerar indispensável.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:A Cloropromazina passa para o leite materno pelo que a amamentação é desaconselhada durante o tratamento.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Podem precipitar coma; as fenotiazinas são hepatotóxicas. Ver Antipsicóticos.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Iniciar terapêutica com doses baixas na IR grave; sensibilidade cerebral aumentada. Ver Antipsicóticos.
Condução
Condução
Condução:Não conduza nem manipule máquinas, nomeadamente no início do tratamento, devido ao risco de sonolência.
Precauções Gerais
Tome especial cuidado com Cloropromazina
Se você ou alguém na sua família tem antecedentes (ou história) de coágulos no sangue, uma vez que este tipo de medicamentos está associado à formação de coágulos sanguíneos.

Em caso de hipertermia inexplicada (sem causa aparente): a possibilidade de síndrome maligna dos neurolépticos deve ser sempre colocada (hipertermia, palidez, alterações neurovegetativas, alterações da vigilância, rigidez muscular) e o tratamento com Cloropromazina imediatamente interrompido.

Sintomas neurovegetativos tais como sudacção e instabilidade da tensão arterial podem preceder o aparecimento da hipertermia.

Nas situações de instabilidade hemodinâmica e hipotensão ortostática: a Cloropromazina pode estar na origem de alterações da pressão arterial, nomeadamente episódios de hipotensão transitória e/ou de hipotensão postural (ortostática), efeitos que devem ser considerados quando da sua prescrição nomeadamente no doente idoso (maior susceptibilidade e risco de queda) e no doente cardiovascular, sobretudo em caso de patologia com risco de hipotensão transitória.

Em caso de alterações do electrocardiograma: os neurolépticos fenotiazínicos podem potenciar o prolongamento do intervalo QT aumentando o risco inicial de arritmias ventriculares graves do tipo torsade de pointes (potencialmente fatal: morte súbita).
O prolongamento do intervalo QT é particularmente agravado na presença de bradicardia, hipocaliemia e prolongamento do intervalo QT congénito ou adquirido.

Alerta-se para o facto de que estas situações de particular risco podem ser induzidas por fármacos: alguns antagonistas dos canais do cálcio (ex. diltiazem e verapamil), betabloqueantes (excepto o sotalol), digitálicos, diuréticos espoliadores de potássio, laxantes, etc..
excepto nas situações de urgência, deve ser realizada uma avaliação médica, um ECG e testes laboratoriais de forma a excluir possíveis factores de risco antes de iniciar o tratamento com fármacos neurolépticos (e, sempre que necessário, também durante o tratamento).
Em caso de risco de retenção urinária e de glaucoma.

Em caso de ter obstipação: o efeito obstipante de Cloropromazina pode conduzir ao iléus adinâmico, nomeadamente no doente idoso obstipado.

A Cloropromazina só em situações expcecionais deve ser administrado ao doente com doença de Parkinson uma vez que a sua acção antidopaminérgica pode, ela própria, ser responsável por quadros extrapiramidais (distonia aguda, acatísia, parkinsonismo, discinesia tardia) sendo, no entanto, o sintoma mais frequente apenas o tremor.

Recomenda-se vigilância oftalmológica em caso de administração prolongada de Cloropromazina na sequência da possibilidade de depósitos acastanhados no segmento anterior do olho (normalmente sem consequências sobre a visão) e de retinopatia pigmentada.

A Cloropromazina pode ser responsável por efeitos hormonais: hiperprolactinémia a qual, em caso de tumor dependente da prolactina, exige vigilância e reavaliação do tratamento.

A Cloropromazina reduz a capacidade do organismo transpirar o que interfere com a regulacção da temperatura do corpo.
Este efeito pode ser grave para determinados doentes (por exemplo durante as estações mais quentes e/ou que vivem em habitações quentes), uma vez que existe o perigo de temperatura do corpo atingir níveis fatais.

Doentes com risco de pneumonia de aspiração: o efeito sedativo da Cloropromazina, sobretudo no início do tratamento, pode ser importante e constituir um risco suplementar de pneumonia de aspiração se administrado a doentes em situação de risco para a mesma.

Alterações do hemograma: uma vigilância hematológica regular é recomendada em caso de tratamentos prolongados.

Infeções de repetição com febre (ex. amigdalites) devem fazer suspeitar alterações do hemograma.
O tratamento com Cloropromazina deverá ser objecto de uma vigilância médica reforçada sempre que se tratar de:
- crianças com menos de 6 anos nas quais só deve ser utilizado em situações expcecionais e em meio especializado
- doentes com epilepsia devido à possibilidade de diminuição do limiar convulsivo.
O aparecimento de crises convulsivas impõe a interrupção do tratamento
- indivíduos idosos (maior susceptibilidade para a sedação, hipotensão, efeitos extrapiramidais, retenção urinária, obstipação grave e complicações intestinais)
- doentes cardiovasculares (avaliar o impacto de possível alteração hemodinâmica, hipotensão, eventual arritmia)
- doentes parkinsónicos (agravamento da sintomatologia)
- doentes insuficientes renais e/ou hepáticos devido ao risco de acumulação e consequente sobredosagem.

Acidente Vascular Cerebral (AVC): em ensaios clínicos randomizados versus placebo numa população de pacientes idosos com demência e tratados com alguns antipsicóticos atípicos, foi observado um aumento do risco de acontecimentos adversos cerebrovasculares três vezes superior.
O mecanismo de tal aumento de risco não é conhecido.
Um aumento de risco com outros antipsicóticos ou com outras populações de pacientes não pode ser excluído.
Cloropromazina deve ser usado com precaução em doentes com factores de risco de AVC.

Doente idoso com demência: aumento do risco de morte no doente idoso com psicose associada à demência, tratado com antipsicóticos.
Foram notificados casos de hiperglicemia ou intolerância à glucose em doentes tratados com Cloropromazina.

Doentes com diagnóstico estabelecido de diabetes mellitus ou com factores de risco para o desenvolvimento de diabetes a quem foi prescrita Cloropromazina deverão monitorizar os níveis de glicemia durante o tratamento.

Outros medicamentos e Cloropromazina
Informe o médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente, ou se vier a tomar outros medicamentos.

Inibidores acetilcolinérgicos e medicamentos com acção anticolinérgica: os antiespasmódicos atropínicos, os antidepressivos tricíclicos, os anti-histamínicos H1 sedativos, os antiparkinsónicos anticolinérgicos, entre outros, podem potenciar os efeitos indesejáveis anticolinérgicos da Cloropromazina do tipo retenção urinária, obstipação, boca seca, etc.
Os medicamentos anticolinérgicos podem igualmente reduzir a acção antipsicótica da Cloropromazina.

Medicamentos de acção tópica intestinal: os sais de magnésio, alumínio e de cálcio diminuem a absorção digestiva da Cloropromazina devendo por esse motivo haver um intervalo de pelo menos 2 horas entre a administração deste tipo de substâncias e da Cloropromazina.

Anti-hipertensivos: o efeito hipotensor da maioria dos medicamentos anti-hipertensivos (e especialmente dos bloqueadores alfa-adrenérgicos) pode ser aumentado pela Cloropromazina assim como o risco de hipotensão ortostática.

Epinefrina e outros medicamentos com acção simpaticomimética beta-adrenégica elevada: o efeito bloqueador alfa-adrenérgico da Cloropromazina pode estar na origem de um desequilíbrio da estimulação simpaticomimética e conduzir a hipotensão grave pelo que a epinefrina não deve ser usada em doentes a tomar Cloropromazina, incluindo numa eventual situação de sobredosagem.

Anfetaminas: a acção deste tipo de medicamentos é diminuída pela Cloropromazina não devendo ser utilizados em conjunto (ver também ponto precedente).

Guanetidina: a Cloropromazina pode antagonizar o efeito hipotensivo da guanetidina.
No entanto, em termos clínicos, tem sobretudo relevo o facto da Cloropromazina poder potenciar a hipotensão ortostática da guanetidina.
A associação de ambas as substâncias deve ser evitada.

Levodopa: existe um antagonismo recíproco entre a levodopa e os neurolépticos fenotiazínicos como a Cloropromazina pelo que, no doente com doença de Parkinson, se utilizados em conjunto devem-no ser apenas nas doses mínimas eficazes.

Bromocriptina e outros agonistas dopaminérgicos: como no ponto precedente, existe um antagonismo recíproco de efeitos entre os agonistas dopaminérgicos e a Cloropromazina.
Nunca interromper bruscamente o tratamento com um agonista dopaminérgico em caso de associação aa Cloropromazina uma vez que tal expõe ao risco de síndrome maligna dos neurolépticos.
Em caso de síndrome extrapiramidal induzido pela Cloropromazina utilizar antiparkinsónicos anticolinérgicos.

Depressores do SNC: outros neurolépticos, analgésicos e antitússicos opiáceos, barbitúricos, hipnóticos em geral, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos, todos os depressores em geral do SNC quando associados aa Cloropromazina potenciam o efeito sedativo (efeito aditivo) podendo ocorrer depressão respiratória central.

Lítio: a associação de lítio e Cloropromazina pode estar na origem de neurotoxicidade (estados de confusão, hipertonia, reflexos exacerbados) e aumento dos níveis séricos do lítio.

Metoclopramida: o uso concomitante com a Cloropromazina pode aumentar o risco de efeitos extrapiramidais descritos com ambos.

Fenitoína: o uso concomitante com a Cloropromazina pode diminuir as concentrações deste último (por indução enzimática) mas as consequências clínicas deste efeito não são consistentes.
A fenitoína pode eventualmente agravar a discinesia tardia dos neurolépticos.

Propranolol: a Cloropromazina e o propranolo l administrados em simultâneo podem, reciprocamente, inibir o seu metabolismo hepático.
O propranolol pode aumentar os níveis plasmáticos da Cloropromazina e, por sua vez, este último pode aumentar as concentrações plasmáticas e a biodisponibilidade do propranolol.
Fármacos que prolongam o intervalo QT: antiarrítmicos (ex. quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex. fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros.

Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes.

Antidepressivos tricíclicos: para além do perfil sedativo da maioria destes fármacos que adicionado ao da Cloropromazina pode conduzir a depressão grave do SNC (incluindo depressão respiratória central já aqui referida) é imperativa uma avaliação cardiológica rigorosa dado o caráter arritmogénico de ambas as classes de fármacos, nomeadamente na sequência de alterações do intervalo QT.

Trazodona: antidepressivo com efeito sedativo importante cuja associação aa Cloropromazina deve ser cuidadosamente ponderada pelo possível efeito aditivo do mesmo.
Os numerosos casos descritos de priapismo com trazodona devem alertar para o facto de que, em caso de associação, a Cloropromazina poderá aumentar o risco desse efeito indesejável.

Ácido valpróico: a Cloropromazina pode antagonizar a actividade antiepilética do ácido valpróico pela diminuição do limiar convulsivo do doente epiléptico.

Inibidores do CYP1A2 A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlukaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina.
Por esse motivo, os doentes podem ter reacções adversas dose-dependentes.
Cuidados com a Dieta
O doente medicado com Cloropromazina não deve ingerir álcool uma vez que este potencia de forma importante o efeito sedativo dos neurolépticos, podendo acontecer alterações graves da vigilância.
Terapêutica Interrompida
Em caso de omissão de uma ou mais doses, o doente deverá manter o esquema terapêutico definido pelo médico.
A interrupção do tratamento deverá no entanto ser feita seguindo as recomendações do médico.
Cuidados no Armazenamento
Conservar à temperatura ambiente, entre 20 e 25 graus C.

É permitido guardá-lo a temperaturas entre 15 e 30 graus C, por períodos curtos.

Armazene longe do calor, humidade e luz. Não o armazene na casa de banho.

Mantenha a Cloropromazina fora do alcance de crianças e longe de animais de estimação.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Antiespasmódicos (espasmolítico, antiespástico)

Observações: N.D.
Interacções: Inibidores acetilcolinérgicos e medicamentos com acção anticolinérgica: Os antiespasmódicos atropínicos, os antidepressivos tricíclicos, os anti-histamínicos H1 sedativos, os antiparkinsónicos anticolinérgicos, entre outros, podem potenciar os efeitos indesejáveis anticolinérgicos da Cloropromazinal do tipo retenção urinária, obstipação, boca seca, etc. Os medicamentos anticolinérgicos podem igualmente reduzir a acção antipsicótica da Cloropromazina. - Antiespasmódicos (espasmolítico, antiespástico)
Contraindicado

Piperazina + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: A piperazina e a cloropromazina não devem ser administradas concomitantemente sem vigilância médica durante o tratamento, pois podem ocorrer convulsões. Apesar da interacção destes fármacos ainda não estar sustentada de forma conclusiva, existem relatos de ocorrência de efeitos indesejáveis. - Cloropromazina
Sem efeito descrito

Palonossetrom + Cloropromazina

Observações: Palonossetrom é metabolizado principalmente pela isoenzima CYP2D6, com uma contribuição menor das isoenzimas CYP3A4 e CYP1A2. Com base em estudos in vitro, palonossetrom não demonstrou inibir nem induzir as isoenzimas do citocromo P450 em concentrações clinicamente relevantes.
Interacções: Numa análise farmacocinética populacional, demonstrou-se não haver qualquer efeito significativo na depuração de palonossetrom quando este era co-administrado com inibidores (incluindo amiodarona, celecoxib, cloropromazina, cimetidina, doxorrubicina, fluoxetina, haloperidol, paroxetina, quinidina, ranitidina, ritonavir, sertralina ou terbinafina) da CYP2D6. - Cloropromazina
Usar com precaução

Metamizol sódico + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: A administração concomitante de metamizol com cloropromazina pode provocar hipotermia grave. - Cloropromazina
Usar com precaução

Isoprenalina + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: Diversas associações devem ser evitadas: IMAO, derivados halogenados, cloropromazina. - Cloropromazina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Estiripentol + Cloropromazina

Observações: Não se encontra devidamente esclarecida a influência de outros medicamentos antiepilépticos na farmacocinética do estiripentol. Estudos in vitro sugeriram que o metabolismo de fase 1 do estiripentol é catalizado pela CYP1A2, CYP2C19 e CYP3A4 e possivelmente outras enzimas. É aconselhada precaução ao associar o estiripentol com outras substâncias que inibem ou induzem uma ou mais destas enzimas.
Interacções: Estiripentol aumenta o efeito depressivo central de cloropromazina. - Cloropromazina
Usar com precaução

Dextrometorfano + Quinidina + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: A utilização concomitante da flecainida, cloropromazina ou haloperidol, substratos da CYP2D6 que também prolongam o intervalo QT, requer precaução. - Cloropromazina
Potencialmente Grave

Cloropromazina + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: N.D.
Interacções: Inibidores acetilcolinérgicos e medicamentos com acção anticolinérgica: Os antiespasmódicos atropínicos, os antidepressivos tricíclicos, os anti-histamínicos H1 sedativos, os antiparkinsónicos anticolinérgicos, entre outros, podem potenciar os efeitos indesejáveis anticolinérgicos da Cloropromazinal do tipo retenção urinária, obstipação, boca seca, etc. Os medicamentos anticolinérgicos podem igualmente reduzir a acção antipsicótica da Cloropromazina. Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. Antidepressivos tricíclicos: Para além do perfil sedativo da maioria destes fármacos que adicionado ao da Cloropromazina pode conduzir a depressão grave do SNC (incluindo depressão respiratória central já aqui referida) é imperativa uma avaliação cardiológica rigorosa dado o caráter arritmogénico de ambas as classes de fármacos, nomeadamente na sequência de alterações do intervalo QT. - Antidepressores (Tricíclicos)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Antihistamínicos

Observações: N.D.
Interacções: Inibidores acetilcolinérgicos e medicamentos com acção anticolinérgica: Os antiespasmódicos atropínicos, os antidepressivos tricíclicos, os anti-histamínicos H1 sedativos, os antiparkinsónicos anticolinérgicos, entre outros, podem potenciar os efeitos indesejáveis anticolinérgicos da Cloropromazinal do tipo retenção urinária, obstipação, boca seca, etc. Os medicamentos anticolinérgicos podem igualmente reduzir a acção antipsicótica da Cloropromazina. Depressores do SNC: Outros neurolépticos, analgésicos e antitússicos opiáceos, barbitúricos, hipnóticos em geral, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos, todos os depressores em geral do SNC quando associados á Cloropromazina potenciam o efeito sedativo (efeito aditivo) podendo ocorrer depressão respiratória central. - Antihistamínicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Antiparkinsónicos

Observações: N.D.
Interacções: Inibidores acetilcolinérgicos e medicamentos com acção anticolinérgica: Os antiespasmódicos atropínicos, os antidepressivos tricíclicos, os anti-histamínicos H1 sedativos, os antiparkinsónicos anticolinérgicos, entre outros, podem potenciar os efeitos indesejáveis anticolinérgicos da Cloropromazinal do tipo retenção urinária, obstipação, boca seca, etc. Os medicamentos anticolinérgicos podem igualmente reduzir a acção antipsicótica da Cloropromazina. - Antiparkinsónicos
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Magnésio

Observações: N.D.
Interacções: Medicamentos de acção tópica intestinal: Os sais de magnésio, alumínio e de cálcio diminuem a absorção digestiva da Cloropromazinal devendo por esse motivo haver um intervalo de pelo menos 2 horas entre a administração deste tipo de substâncias e da Cloropromazina. - Magnésio
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Cálcio

Observações: N.D.
Interacções: Medicamentos de acção tópica intestinal: Os sais de magnésio, alumínio e de cálcio diminuem a absorção digestiva da Cloropromazinal devendo por esse motivo haver um intervalo de pelo menos 2 horas entre a administração deste tipo de substâncias e da Cloropromazina. - Cálcio
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Alumínio

Observações: N.D.
Interacções: Medicamentos de acção tópica intestinal: Os sais de magnésio, alumínio e de cálcio diminuem a absorção digestiva da Cloropromazinal devendo por esse motivo haver um intervalo de pelo menos 2 horas entre a administração deste tipo de substâncias e da Cloropromazina. - Alumínio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Antihipertensores

Observações: N.D.
Interacções: O efeito hipotensor da maioria dos medicamentos anti-hipertensivos (e especialmente dos bloqueadores alfa adrenérgicos) pode ser aumentado pela Cloropromazina assim como o risco de hipotensão ortostática. - Antihipertensores
Contraindicado

Cloropromazina + Adrenalina (epinefrina)

Observações: N.D.
Interacções: Epinefrina e outros medicamentos com acção simpaticomimética beta-adrenérgica elevada: O efeito bloqueador alfa-adrenérgico da Cloropromazina pode estar na origem de um desequilíbrio da estimulação simpaticomimética e conduzir a hipotensão grave pelo que a epinefrina não deve ser usada em doentes a tomar Cloropromazina, incluindo numa eventual situação de sobredosagem. - Adrenalina (epinefrina)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Bloqueadores adrenérgicos alfa

Observações: N.D.
Interacções: O efeito hipotensor da maioria dos medicamentos anti-hipertensivos (e especialmente dos bloqueadores alfa adrenérgicos) pode ser aumentado pela Cloropromazina assim como o risco de hipotensão ortostática. - Bloqueadores adrenérgicos alfa
Não recomendado/Evitar

Cloropromazina + Anfetaminas

Observações: N.D.
Interacções: Anfetaminas: A acção deste tipo de medicamentos é diminuída pela Cloropromazina não devendo ser utilizados em conjunto. - Anfetaminas
Não recomendado/Evitar

Cloropromazina + Guanetidina

Observações: N.D.
Interacções: A Cloropromazina pode antagonizar o efeito hipotensivo da guanetidina. No entanto, em termos clínicos, tem sobretudo relevo o facto da Cloropromazina poder potenciar a hipotensão ortostática da guanetidina. A associação de ambas as substâncias deve ser evitada. - Guanetidina
Usar com precaução

Cloropromazina + Levodopa (L-dopa)

Observações: N.D.
Interacções: Existe um antagonismo recíproco entre a levodopa e os neurolépticos fenotiazínicos como a Cloropromazina pelo que, no doente com doença de Parkinson, se utilizados em conjunto devem-no ser apenas nas doses mínimas eficazes. - Levodopa (L-dopa)
Usar com precaução

Cloropromazina + Bromocriptina

Observações: N.D.
Interacções: Bromocriptina e outros agonistas dopaminérgicos: Como no ponto precedente, existe um antagonismo recíproco de efeitos entre os agonistas dopaminérgicos e a Cloropromazina. Nunca interromper bruscamente o tratamento com um agonista dopaminérgico em caso de associação á Cloropromazina uma vez que tal expõe ao risco de síndrome maligno dos neurolépticos. Em caso de síndrome extrapiramidal induzido pela Cloropromazina utilizar antiparkinsónicos anticolinérgicos. - Bromocriptina
Usar com precaução

Cloropromazina + Dopaminérgicos

Observações: N.D.
Interacções: Bromocriptina e outros agonistas dopaminérgicos: Como no ponto precedente, existe um antagonismo recíproco de efeitos entre os agonistas dopaminérgicos e a Cloropromazina. Nunca interromper bruscamente o tratamento com um agonista dopaminérgico em caso de associação á Cloropromazina uma vez que tal expõe ao risco de síndrome maligno dos neurolépticos. Em caso de síndrome extrapiramidal induzido pela Cloropromazina utilizar antiparkinsónicos anticolinérgicos. - Dopaminérgicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Depressores do SNC

Observações: N.D.
Interacções: Depressores do SNC: Outros neurolépticos, analgésicos e antitússicos opiáceos, barbitúricos, hipnóticos em geral, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos, todos os depressores em geral do SNC quando associados á Cloropromazina potenciam o efeito sedativo (efeito aditivo) podendo ocorrer depressão respiratória central. - Depressores do SNC
Usar com precaução

Cloropromazina + Neurolépticos

Observações: N.D.
Interacções: Depressores do SNC: Outros neurolépticos, analgésicos e antitússicos opiáceos, barbitúricos, hipnóticos em geral, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos, todos os depressores em geral do SNC quando associados á Cloropromazina potenciam o efeito sedativo (efeito aditivo) podendo ocorrer depressão respiratória central. Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Neurolépticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Analgésicos

Observações: N.D.
Interacções: Depressores do SNC: Outros neurolépticos, analgésicos e antitússicos opiáceos, barbitúricos, hipnóticos em geral, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos, todos os depressores em geral do SNC quando associados á Cloropromazina potenciam o efeito sedativo (efeito aditivo) podendo ocorrer depressão respiratória central. - Analgésicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Antitússicos

Observações: N.D.
Interacções: Depressores do SNC: Outros neurolépticos, analgésicos e antitússicos opiáceos, barbitúricos, hipnóticos em geral, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos, todos os depressores em geral do SNC quando associados á Cloropromazina potenciam o efeito sedativo (efeito aditivo) podendo ocorrer depressão respiratória central. - Antitússicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interacções: Depressores do SNC: Outros neurolépticos, analgésicos e antitússicos opiáceos, barbitúricos, hipnóticos em geral, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos, todos os depressores em geral do SNC quando associados á Cloropromazina potenciam o efeito sedativo (efeito aditivo) podendo ocorrer depressão respiratória central. - Barbitúricos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Hipnóticos

Observações: N.D.
Interacções: Depressores do SNC: Outros neurolépticos, analgésicos e antitússicos opiáceos, barbitúricos, hipnóticos em geral, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos, todos os depressores em geral do SNC quando associados á Cloropromazina potenciam o efeito sedativo (efeito aditivo) podendo ocorrer depressão respiratória central. - Hipnóticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Benzodiazepinas

Observações: N.D.
Interacções: Depressores do SNC: Outros neurolépticos, analgésicos e antitússicos opiáceos, barbitúricos, hipnóticos em geral, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos, todos os depressores em geral do SNC quando associados á Cloropromazina potenciam o efeito sedativo (efeito aditivo) podendo ocorrer depressão respiratória central. - Benzodiazepinas
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Ansiolíticos

Observações: N.D.
Interacções: Depressores do SNC: Outros neurolépticos, analgésicos e antitússicos opiáceos, barbitúricos, hipnóticos em geral, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos, todos os depressores em geral do SNC quando associados á Cloropromazina potenciam o efeito sedativo (efeito aditivo) podendo ocorrer depressão respiratória central. - Ansiolíticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Antidepressores

Observações: N.D.
Interacções: Depressores do SNC: Outros neurolépticos, analgésicos e antitússicos opiáceos, barbitúricos, hipnóticos em geral, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, antidepressivos sedativos, anti-histamínicos H1 sedativos, todos os depressores em geral do SNC quando associados á Cloropromazina potenciam o efeito sedativo (efeito aditivo) podendo ocorrer depressão respiratória central. - Antidepressores
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Lítio

Observações: N.D.
Interacções: A associação de lítio e Cloropromazina pode estar na origem de neurotoxicidade (estados de confusão, hipertonia, reflexos exacerbados) e de aumento dos níveis séricos do lítio. - Lítio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Metoclopramida

Observações: N.D.
Interacções: Metoclopramida: O uso concomitante com a Cloropromazina pode aumentar o risco de efeitos extrapiramidais descritos com ambos. - Metoclopramida
Usar com precaução

Cloropromazina + Fenitoína

Observações: N.D.
Interacções: Fenitoína: O uso concomitante com a Cloropromazina pode diminuir as concentrações deste último (por indução enzimática) mas as consequências clínicas deste efeito não são consistentes. A fenitoína pode eventualmente agravar a discinesia tardia dos neurolépticos. - Fenitoína
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Cloropromazina + Propranolol (propanolol)

Observações: N.D.
Interacções: A Cloropromazina e o propranolol administrados em simultâneo podem, reciprocamente, inibir o seu metabolismo hepático. O propranolol pode aumentar os níveis plasmáticos da Cloropromazina e, por sua vez, este último pode aumentar as concentrações plasmáticas e a biodisponibilidade do propranolol. - Propranolol (propanolol)
Usar com precaução

Cloropromazina + Antiarrítmicos

Observações: N.D.
Interacções: Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Antiarrítmicos
Usar com precaução

Cloropromazina + Disopiramida

Observações: N.D.
Interacções: Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Disopiramida
Usar com precaução

Cloropromazina + Amiodarona

Observações: N.D.
Interacções: Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Amiodarona
Usar com precaução

Cloropromazina + Sotalol

Observações: N.D.
Interacções: Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Sotalol
Usar com precaução

Cloropromazina + Fenotiazidas (fenotiazinas)

Observações: N.D.
Interacções: Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Fenotiazidas (fenotiazinas)
Usar com precaução

Cloropromazina + Sulpirida

Observações: N.D.
Interacções: Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Sulpirida
Usar com precaução

Cloropromazina + Amissulprida

Observações: N.D.
Interacções: Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Amissulprida
Usar com precaução

Cloropromazina + Haloperidol

Observações: N.D.
Interacções: Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Haloperidol
Usar com precaução

Cloropromazina + Cisaprida

Observações: N.D.
Interacções: Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Cisaprida
Usar com precaução

Cloropromazina + Eritromicina

Observações: N.D.
Interacções: Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Eritromicina
Usar com precaução

Cloropromazina + Moxifloxacina

Observações: N.D.
Interacções: Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Moxifloxacina
Usar com precaução

Cloropromazina + Trazodona

Observações: N.D.
Interacções: Trazodona: Antidepressivo com efeito sedativo importante cuja associação à Cloropromazina deve ser cuidadosamente ponderada pelo possível efeito aditivo do mesmo. Os numerosos casos descritos de priapismo com trazodona devem alertar para o facto de que, em caso de associação, a Cloropromazina poderá aumentar o risco desse efeito indesejável. - Trazodona
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Cloropromazina + Ácido Pipemídico

Observações: N.D.
Interacções: A Cloropromazina pode antagonizar a actividade antiepilética do ácido valpróico pela diminuição do limiar convulsivo do doente epilético. A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Ácido Pipemídico
Contraindicado

Cloropromazina + Álcool

Observações: N.D.
Interacções: O doente medicado com Cloropromazina não deve ingerir álcool uma vez que este potencia de forma importante o efeito sedativo dos neurolépticos, podendo acontecer alterações graves da vigilância. - Álcool
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Inibidores do CYP1A2

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Inibidores do CYP1A2
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Ciprofloxacina

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Ciprofloxacina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Enoxacina

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Enoxacina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Fluvoxamina

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Fluvoxamina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Idrocilamida

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Idrocilamida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Rofecoxib

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Rofecoxib
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Zafirlucaste

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Zafirlucaste
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Metoxsaleno

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Metoxsaleno
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Mexiletina

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Mexiletina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Contracetivos orais

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Contracetivos orais
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Fenilpropanolamina

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Fenilpropanolamina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Vemurafenib

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Vemurafenib
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Zileuton

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Zileuton
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Tiabendazol

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Tiabendazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Clinafloxacina

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Clinafloxacina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Oltipraz

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Oltipraz
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloropromazina + Etintidina

Observações: N.D.
Interacções: A administração de cloropromazina com inibidores do CYP1A2, nomeadamente inibidores potentes (como por exemplo a ciprofloxacina, enoxacina, fluvoxamina, clinafloxacina, idrocilamida, oltipraz, ácido pipemídico, rofecoxib, etintidina, zafirlucaste) ou inibidores moderados (como por exemplo metoxsaleno, mexiletina, Contraceptivos orais, fenilpropanolamina, tiabendazol, vemurafenib, zileuton) aumentam as concentrações plasmáticas da cloropromazina. Por esse motivo, os doentes podem ter reações adversas dose-dependentes. - Etintidina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Mexazolam + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: Nos animais de experiência verificaram-se as seguintes interacções: Fármacos que potenciaram o efeito do mexazolam: Cloropromazina, haloperidol, diazepam, ciproheptadina, aminopirina, fenobarbital, etanol, sulpiride, triclorometiazida e alfa-metildopa. - Cloropromazina
Usar com precaução

Amlodipina + Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: interacções potenciais relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante que requer precaução: Medicamentos afetados pelos desequilíbrios do potássio sérico: É recomendada uma monitorização periódica do potássio sérico e a realização de ECG quando Amlodipina / Olmesartan medoxomilo / Hidroclorotiazida é administrada com medicamentos afetados pelos desequilíbrios do potássio sérico (por exemplo, glicosidos digitálicos e antiarrítmicos) e com os seguintes medicamentos indutores de “torsades de pointes” (taquicardia ventricular) (incluindo alguns antiarrítmicos), sendo a hipocaliemia um fator de predisposição para “torsades de pointes” (taquicardia ventricular): - Antiarrítmicos Classe Ia (por exemplo, quinidina, hidroquinidina, disopiramida). - Antiarrítmicos Classe III (por exemplo, amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida). - Alguns antipsicóticos (por exemplo, tioridazina, cloropromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol). - Outros (por exemplo, bepridilo, cisaprida, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, esparfloxacina, terfenadina, vincamina I.V.). - Cloropromazina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Magaldrato + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: Pode ocorrer uma ligeira diminuição da absorção de digoxina, isoniazida, compostos de ferro e cloropromazina, quando estes fármacos são administrados concomitantemente com os comprimidos de Magaldrato. - Cloropromazina
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Bicarbonato de sódio + Carbonato de cálcio + Carbonato de magnésio + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: Todos os antiácidos podem aumentar ou diminuir a taxa e/ou extensão da absorção de outros fármacos administrados concomitantemente por via oral, quer por modificação do tempo de trânsito intestinal quer por um efeito quelante dos fármacos. O aumento do pH do meio gástrico induzido pelos antiácidos pode influenciar a desintegração, dissolução, solubilidade ou ionização de fármacos com revestimento resistente ao ácido gástrico e ácidos fracos ou bases. Exemplo de alguns fármacos cuja absorção é prejudicada em presença de antiácidos: Tetraciclinas, sais de ferro, cloropromazina, digoxina, antagonistas H2, indometacina, nitrofurantoína e quinolonas. - Cloropromazina
Usar com precaução

Brimonidina + Timolol + Cloropromazina

Observações: Não foram realizados estudos específicos de interações com a associação fixa brimonidina timolol.
Interacções: Não se encontram disponíveis dados sobre o nível de catecolaminas em circulação após a administração de Brimonidina / Timolol. No entanto, é aconselhada precaução em doentes a tomar medicação que possa afetar o metabolismo e recaptação de aminas circulantes, p.ex. cloropromazina, metilfenidato, reserpina. - Cloropromazina
Contraindicado

Ciamemazina + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: Associações contra-indicadas: Risco de torsade de pointes: - alguns neurolépticos (tioridazina, cloropromazina, levomepromazina, trifluoperazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol) e outros fármacos como: bepridilo, cisaprida, difemanil, eritromicina IV, mizolastina, vincamina IV. - Cloropromazina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Desmopressina + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: Substâncias conhecidas como libertadoras da hormona anti-diurética, como por exemplo, antidepressivos tricíclicos, inibidores selectivos da retoma da serotonina, a cloropromazina e a carbamazepina, podem originar um efeito anti-diurético aditivo e um risco acrescido da retenção de água e/ou hipronatremia. - Cloropromazina
Usar com precaução

Gliclazida + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: Os seguintes medicamentos podem provocar um aumento da glicémia: Associações que requerem precauções durante a utilização: Cloropromazina (neuroléptico): Em doses elevadas (> 100 mg por dia de cloropromazina) aumenta os níveis da glicémia (reduz a libertação de insulina). Prevenir o doente e reforçar a importância do controlo glicémico. Poderá ser necessário ajustar a dose da substância ativa antidiabética durante e após o tratamento com o neuroléptico. - Cloropromazina
Não recomendado/Evitar

Vandetanib + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: interacções farmacodinâmicas: Combinações não recomendadas: Metadona, haloperidol, amissulprida, cloropromazina, sulpirida, zuclopentixol, halofantrina, pentamidina e lumefantrina. Se não existir terapêutica alternativa apropriada, combinações não recomendadas com vandetanib podem ser feitas com monitorização adicional do intervalo QTc do ECG, avaliação eletrolítica e controlo redobrado no início ou agravamento de diarreia. - Cloropromazina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Glimepirida + Pioglitazona + Cloropromazina

Observações: Não existem estudos formais de interação para o Glimepirida / Pioglitazona, contudo, a utilização concomitante das substâncias ativas em doentes em utilização clínica não teve como resultado interações inesperadas. As informações disponíveis são sobre as substâncias ativas individualmente (pioglitazona e glimepirida).
Interacções: GLIMEPIRIDA Enfraquecimento do efeito hipoglicemiante e como tal, poderá ocorrer aumento dos níveis de glicemia quando uma das seguintes substâncias ativas é tomada, por exemplo: estrogénios e progestogénios, saluréticos, diuréticos de tiazida, agentes estimuladores da tiroide, glucocorticoides, derivados de fenotiazina, cloropromazina, adrenalina e simpaticomiméticos, ácido nicotínico (doses elevadas) e derivados de ácido nicotínico, laxantes (utilização prolongada), fenitoína, diazóxido, glucagon, barbitúricos e rifampicina, acetazolamida. - Cloropromazina
Não recomendado/Evitar

Halofantrina + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: Medicamentos que possam provocar torsades de pointes: Antiarrítmicos de classe IA (por exemplo quinidina, hidroquinidina, disopiramida), antiarrítmicos de classe III (por exemplo amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida), alguns neurolépticos (por exemplo tioridazina, cloropromazina, levomepormazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, amisilprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol, sultoprida), antiparasíticos (lumefantrina, pentamidina), bepridil, cisaprida, difemanil, eritromicina IV, metadona, mizolastina, veraliprida, vincamicina IV. A interacção com a mefloquina demonstrou prolongar ainda mais o intervalo QTc. Risco aumentado de disrritmias ventriculares, especialmente torsades de pointes. Medicamentos passíveis de provocar torsade de pointes não anti-infecciosos devem ser interrompidos, mas se tal não for possível, o intervalo QTc deve ser controlado antes do início do tratamento e o ECG deve ser monitorizado durante o tratamento. Inibidores da protease (amprenavir, atazanavir, fosamprenavir, indinavir, lopinavir, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, tipranavir): risco aumentado de disrritmias ventrículares, especialmente torsades de pointes. - Cloropromazina
Usar com precaução

Indapamida + Cloropromazina

Observações: N.D.
Interacções: Associações que exigem precauções de utilização: Alguns antipsicóticos: Fenotiazinas (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol). - Cloropromazina
Usar com precaução

Nebivolol + Hidroclorotiazida + Cloropromazina

Observações: n.d.
Interacções: interacções farmacodinâmicas: HIDROCLOROTIAZIDA: Potenciais interacções relacionadas com a hidroclorotiazida: Precauções necessárias em caso de uso concomitante com: Medicamentos afetados pelos distúrbios do potássio sérico: Recomenda-se uma monitorização periódica dos níveis séricos do potássio e a realização de ECG quando se administra Nevivolol / Hidroclorotiazida com medicamentos afetados pelos distúrbios do potássio sérico (por exemplo, glicosidos digitálicos e antiarrítmicos) e com os seguintes medicamentos indutores de “torsades de pointes” (taquicardia ventricular) (incluindo alguns antiarrítmicos), sendo que a hipocaliemia é um fator de predisposição para “torsades de pointes” (taquicardia ventricular): Antiarrítmicos Classe IA (por exemplo, quinidina, hidroquinidina, disopiramida). Antiarrítmicos Classe III (por exemplo, amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida). Alguns antipsicóticos (por exemplo, tioridazina, cloropromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol). Outros (por exemplo, bepridilo, cisaprida, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, esparfloxacina, terfenadina, vincamina I.V.). - Cloropromazina
Usar com precaução

Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Cloropromazina

Observações: n.d.
Interacções: interacções potenciais relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante com precaução: Medicamentos afetados pelos desequilíbrios do potássio sérico: É recomendada uma monitorização periódica do potássio sérico e a realização de ECG quando o Olmesartan / Hidroclorotiazida é administrado com medicamentos afetados pelos desequilíbrios do potássio sérico (por exemplo, glicósidos digitálicos e antiarrítmicos) e com os seguintes medicamentos indutores de “torsades de pointes” (taquicardia ventricular) (incluindo alguns antiarrítmicos), sendo a hipocaliemia um fator de predisposição para “torsades de pointes” (taquicardia ventricular): Antiarrítmicos Classe Ia (por exemplo, quinidina, hidroquinidina, disopiramida). Antiarrítmicos Classe III (por exemplo, amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida). Alguns antipsicóticos (por exemplo, tioridazina, cloropromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol) Outros (por exemplo, bepridilo, cisaprida, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, esparfloxacina, terfenadina, vincamina I.V.). - Cloropromazina
Usar com precaução

Pasireotido + Cloropromazina

Observações: n.d.
Interacções: interacções farmacodinâmicas previstas: Medicamentos que prolongam o intervalo QT: O pasireotido deve ser utilizado com precaução em doentes que estão a tomar concomitantemente medicamentos que prolongam o intervalo QT, tais como antiarrítmicos de classe Ia (por exemplo, quinidina, procainamida, disopiramida), antiarrítmicos de classe III (por exemplo amiodarona, dronedarona, sotalol, dofetilida, ibutilida), determinados antibacterianos ( eritromicina endovenosa, injeção de pentamidina, claritromicina, moxifloxacina), determinados antipsicóticos (por exemplo cloropromazina, tioridazina, flufenazina, pimozida, haloperidol, tiaprida, amissulprida, sertindol, metadona ), determinados Anti-histamínicos (por exemplo, terfenadina, astemizol, mizolastina), antimaláricos (por exemplo, cloroquina, halofantrina, lumefantrina) determinados antifúngicos (cetoconazol, exceto no champô). - Cloropromazina
Usar com precaução

Perindopril + Indapamida + Cloropromazina

Observações: n.d.
Interacções: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. - Cloropromazina
Contraindicado

Saquinavir + Cloropromazina

Observações: A maioria dos estudos de interação medicamentosa com saquinavir foi desenvolvida com saquinavir não potenciado ou com saquinavir cápsulas moles não potenciado. Um número reduzido de estudos foi desenvolvido com saquinavir potenciado com ritonavir ou com saquinavir cápsulas moles potenciado com ritonavir. Os dados obtidos a partir dos estudos de interação medicamentosa realizados com saquinavir não potenciado podem não ser representativos dos efeitos observados com a terapêutica de saquinavir/ritonavir. Adicionalmente, os resultados observados com saquinavir cápsulas moles podem não ser preditivos relativamente à magnitude destas interações com saquinavir/ritonavir.
Interacções: Medicamentos que são substrato da glicoproteína-P: Neurolépticos: Clozapina, Haloperidol, Cloropromazina, Mesoridazina, Fenotiazinas, Sertindol, Sultoprida, Tioridazina, Ziprasidona (saquinavir/ritonavir) contra-indicados em combinação com saquinavir/ritonavir devido ao risco de arritmia cardíaca potencialmente fatal - Cloropromazina
Usar com precaução

Telmisartan + Hidroclorotiazida + Cloropromazina

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos influenciados pelos distúrbios de potássio sérico: Recomenda-se a monitorização periódica dos níveis séricos de potássio e ECG quando se procede à administração de Telmisartan / Hidroclorotiazida com estes medicamentos influenciados por distúrbios do potássio sérico (por exemplo, glicósidos digitálicos, antiarrítmicos) e os seguintes medicamentos indutores de torsades de pointes (que incluem alguns antiarrítmicos), quando a hipocaliemia é um fator predisponente a torsades de pointes: Antiarrítmicos classe Ia (por exemplo, quinidina, hidroquinidina, disopiramida) Antiarrítmicos classe III (por exemplo, amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida) Alguns antipsicóticos (por exemplo, tioridazina, cloropromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol). - Cloropromazina
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida + Cloropromazina

Observações: n.d.
Interacções: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Cloropromazina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções da Cloropromazina
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

O risco teratogénico, se existe, parece reduzido. No entanto, como com os outros medicamentos, a utilização de Cloropromazina durante a gravidez deve ser evitada, salvo se o médico a considerar indispensável.

A Cloropromazina passa para o leite materno pelo que a amamentação é desaconselhada durante o tratamento.

Não conduza nem manipule máquinas, nomeadamente no início do tratamento, devido ao risco de sonolência.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2021