Cloreto de suxametónio

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
O cloreto de suxametónio, também conhecido como suxametónio ou succinilcolina é um medicamento usado para relaxamento dos músculos durante a cirurgia ou ao usar um aparelho de respiração (ventilador).

Também é utilizado para induzir a anestesia ou quando é necessária a inserção de um tubo na traqueia.

A Succinilcolina é um relaxante muscular despolarizante.

Evita que os músculos se contraiam, podendo provocar a paralisia dos músculos da face e os que são usados ​​para respirar e se mover.
Usos comuns
O Cloreto de Suxametónio é um Relaxante Muscular Esquelético.

É usado na promoção de relaxamento muscular esquelético durante procedimentos de curta duração (por exemplo, a entubação endotraqueal, exames endoscópicos, terapia convulsiva induzida electricamente ou farmacologicamente) após anestesia geral induzida;

Agente bloqueador neuromuscular de escolha para procedimentos com duração inferior a 3 minutos.

Fármaco de escolha para o relaxamento do músculo esquelético durante manipulações ortopédicas.

Facilitação de entubação endotraqueal, procedimento geralmente preferido em situações de emergência em que é necessária a intubação rápida.

Tratamento para aumentar a complacência pulmonar durante a respiração assistida ou controlada.
Tipo
Molécula pequena.
História
Suxametónio foi descrito já em 1906 e entrou em uso médico em 1951.
Está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial de Saúde.
Indicações
A forma injetável de Cloreto de Suxametónio é utilizada como auxiliar da anestesia cirúrgica, de modo a obter relaxamento do músculo esquelético, particularmente da parede abdominal.
Classificação CFT

02.03.02 : acção periférica

Mecanismo De Acção
O Cloreto de Suxametónio apresenta uma elevada afinidade para os receptores da acetilcolina e, tal como esta, determina uma despolarização da placa motora terminal na junção mioneural.

Imediatamente a seguir à administração intravenosa, o Cloreto de Suxametónio determina fasciculações passageiras do músculo esquelético, após o que se segue, o bloqueio da transmissão neuromuscular e paralisia do músculo.

Devido à grande afinidade para os receptores da acetilcolina e à resistência em relação à acetilcolinesterase, o período de despolarização na placa motora terminal, é superior ao determinado pela acetilcolina.

Os primeiros músculos a serem afectados após a administração do Cloreto de Suxametónio são os que produzem movimentos finos e rápidos, tais como os dos olhos, da face e do pescoço.

Seguem-se os músculos dos membros superiores e inferiores, abdómen, peito e por último os do diafragma.

A recuperação destes músculos dá-se, normalmente, por ordem inversa.

O envolvimento dos músculos intercostais e do diafragma poderá conduzir á depressão respiratória ou apneia, enquanto que, o relaxamento dos músculos da língua, faringe e epiglote poderá impedir completamente a entrada de ar.

O Cloreto de Suxametónio é susceptível de determinar a libertação de histamina, bem como, o estímulo do vago cardíaco e, consequentemente, do gânglio simpático.

Este fármaco produz também um aumento transitório na pressão intraocular, quando administrado por via intravenosa e durante a fase de fasciculação, que poderá persistir após a paralisia completa.
Posologia Orientativa
Conforme prescrição médica.
Administração
Via IM profunda ou IV.
Pode ser utilizada sem diluir. É incompatível com Bicarbonato de sódio, Tiopental e Fenobarbital.
Contra-Indicações
Não use Succinilcolina (Succinilcolina) se:
– é alérgico a qualquer ingrediente em Succinilcolina (Succinilcolina);
– teve recentemente uma queimadura grave, trauma, lesão do nervo, ou uma lesão movimento do corpo superior;
– tem uma história pessoal ou familiar de doença muscular ou hipertermia maligna (um estado de risco de vida, que inclui altas temperaturas do corpo).
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Todos os medicamentos podem causar efeitos colaterais, mas muitas pessoas não os têm, ou têm menos. Verifique com Médico se qualquer destes efeitos secundários mais comuns persistirem ou se tornarem incómodos:

– Aumento da saliva, dor muscular após a cirurgia, espasmos musculares.

Procure ajuda médica imediatamente se algum destes efeitos secundários graves ocorrem:
– reacções alérgicas graves (rash, urticária, comichão, dificuldade em respirar; aperto no peito, inchaço da boca, face, lábios ou língua), dor torácica, desmaios; respiração rápida; rápido, batimento cardíaco lento ou irregular; rubor; altas temperatura do corpo, aumento da pressão no olho, faz uma pausa na respiração; batendo no peito, dor muscular grave, com ou sem diminuição da urina, tonturas ou dor de cabeça grave ou persistente; retardado ou respiração superficial; aperto da mandíbula ou outros músculos.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Suxametónio apenas deve ser utilizado durante a gravidez quando o médico decidir que os benefícios para si são superiores aos possíveis riscos para o feto. Deve ter-se cuidado após a administração de suxametónio em grávidas e puérperas.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Desconhece-se se o suxametónio passa para o leite materno. No entanto, uma vez que o suxametónio é rapidamente metabolizado num metabolito inactivo, não se espera qualquer efeito nos recém-nascidos/lactentes amamentados.
Condução
Condução
Condução:Pode ser perigoso conduzir ou utilizar máquinas muito pouco tempo depois de ter tomado este medicamento. O médico informá-lo-á do tempo que deve esperar até poder conduzir ou utilizar máquinas.
Precauções Gerais
A hipertermia maligna é uma síndrome possivelmente fatal que pode ser causada pela Succinilcolina.

Os sintomas podem incluir ritmo cardíaco acelerado, respiração rápida, temperatura corporal elevada, espasmo ou rigidez do maxilar ou outros músculos.
Contacte o médico imediatamente se tiver algum destes sintomas.

– Informe o médico ou Dentista que está a tomar Succinilcolina antes de receber qualquer assistência médica ou odontológica, atendimento de emergência, ou cirurgia.

– A Succinilcolina só deve ser utilizado em crianças em situações de emergência.

Efeitos colaterais raros, mas graves, ocorreram em crianças que receberam Succinilcolina.

– Se ficar grávida, contacte o médico. Vai precisar de discutir os benefícios e riscos do uso de Succinilcolina, enquanto estiver grávida.
Se está ou vai estar a amamentar enquanto utiliza Succinilcolina, fale com seu Médico.
Discutir os possíveis riscos para o bebé.
Cuidados com a Dieta
Sem informação.
Terapêutica Interrompida
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
A Succinilcolina é geralmente manipulada e armazenada por um Prestador de Cuidados de Saúde.

Se estiver usando Succinilcolina no seu domicílio, guarde a Succinilcolina como indicado pelo seu Farmacêutico ou Profissional de Saúde.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antiarrítmicos Cloreto de suxametónio

Observações: Aumentam a depressão do miocárdio quando são administrados com outros AA. Aumentam o risco de arritmias ventriculares quando são dados com AA que prolongam o intervalo QT
Interacções: Lidocaína: Bloqueio neuromuscular potenciado com: - Suxametónio - Cloreto de suxametónio
Consultar informação actualizada

Bambuterol Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Bambuterol age como um inibidor de colinesterase, e pode prolongar a duração da acção do suxametónio (succinilcolina) e outras drogas cuja quebra no corpo depende da função da colinesterase. Actividade de butirilcolinesterase retorna ao normal cerca de duas semanas após o bambuterol está parado. - Cloreto de suxametónio
Não recomendado/Evitar

Brometo de piridostigmina Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: O brometo de piridostigmina pode prolongar os efeitos inibidores da succinilcolina. Deve evitar-se a administração concomitante de brometo de piridostigmina (revestido) e a aplicação externa de N,N-dietil-meta-toluamida (DEET) em grandes extensões da pele. A metilcelulose previne a absorção do brometo de piridostigmina. Assim, deve evitar-se a utilização concomitante de medicamentos que contêm metilcelulose como excipiente. - Cloreto de suxametónio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Fosfato monopotássico Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Hipercaliemia acentuada pode também resultar da administração simultânea de potássio e suxametónio. - Cloreto de suxametónio
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Inibidores de colinesterases (I-ChE)

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Inibidores de colinesterases (I-ChE)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Desflurano Cloreto de suxametónio

Observações: Não foi determinado o efeito do desflurano no metabolismo de outros medicamentos.
Interacções: Comparado com a anestesia de N2O/ opiáceo as concentrações anestésicas do desflurano em equilíbrio reduzem o DE95 do suxametónio em aproximadamente 30% e o do atracúrio e do pancurónio em aproximadamente 50%. - Cloreto de suxametónio
Potencialmente Grave

Isoflurano Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: A utilização concomitante de succinilcolina com agentes anestésicos inalatórios tem sido associada a elevações raras nos níveis séricos de potássio, que têm resultado em arritmias cardíacas e morte em doentes pediátricos durante o período pós-cirúrgico. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Neostigmina Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Neostigmina pode inibir o metabolismo de suxametónio e outros relaxantes musculares despolarizantes e potenciar e prolongar a sua acção. Neostigmina reverte o bloqueio muscular causado por relaxantes musculares não-despolarizantes. Esta interacção pode ser aproveitada como fim terapêutico. - Cloreto de suxametónio
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Azatioprina Cloreto de suxametónio

Observações: Os doentes devem ser aconselhados no sentido de informar o seu anestesiologista do tratamento com Azatioprina antes de uma cirurgia.
Interacções: Os dados experimentais confirmam que azatioprina reverte o bloqueio neuromuscular produzido pela d-tubocurarina, e mostram que azatioprina potencia o bloqueio neuromuscular produzido pela succinilcolina. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Tiotepa Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Os agentes quimioterapêuticos alquilantes, incluindo o tiotepa, inibem a pseudocolinesterase plasmática em 35% a 70%. A acção da succinilcolina pode ser prolongada entre 5 e 15 minutos. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Amicacina Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Anestésicos, fármacos neuromusculares (tubocurarina, succinilcolina, decametónio) ou transfusões maciças de sangue citratado: pode ocorrer bloqueio neuromuscular e paralisia respiratória após o uso por via parentérica, tópica (ortopodia, irrigação abdominal, tratamento local do empiema) e oral de aminoglicosídeos. - Cloreto de suxametónio
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Amifampridina Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos com acção relaxante muscular despolarizante: A utilização concomitante de Amifampridina com medicamentos com efeito relaxante muscular despolarizante (p. ex. suxametónio) pode originar uma redução do efeito de ambos os medicamentos e deve ser tida em consideração. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Metoclopramida Cloreto de suxametónio

Observações: Devido ao efeito procinético da metoclopramida, a absorção de alguns medicamentos pode ser alterada.
Interacções: Combinação a ter em consideração: Devido ao efeito procinético da metoclopramida, a absorção de alguns medicamentos pode ser alterada. Micacuvirum e suxametónio: A injecção de metoclopramida pode prolongar a duração do bloqueio neuromuscular (através da inibição da colinesterase plasmática). - Cloreto de suxametónio
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Estriol Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Na prática clínica, não foram registados casos de interacção entre o Estriol e outros medicamentos. Embora os dados sejam limitados, podem ocorrer interacções entre Estriol e outros medicamentos. Foram descritas as seguintes interacções com o uso de Contraceptivos orais combinados, que podem ser também relevantes para o Estriol. Possivelmente, o estriol pode aumentar os efeitos dos corticosteróides, succinilcolina, teofilinas e troleandomicina. - Cloreto de suxametónio
Não recomendado/Evitar

Besilato de atracúrio Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Não deve administrar-se um relaxante muscular despolarizante como o cloreto de suxametónio com o objectivo de prolongar os efeitos bloqueadores musculares dos agentes não despolarizantes, tais como o besilato de atracúrio, uma vez que pode ocorrer um bloqueio prolongado e complexo, difícil de reverter com fármacos anticolinérgicos. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Besilato de cisatracúrio Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: A administração prévia de suxametónio não tem qualquer efeito sobre a duração do bloqueio neuromuscular após doses de bólus de Cisatracúrio ou sobre a velocidade de perfusão necessária. A administração de suxametónio para prolongar os efeitos de bloqueadores neuromusculares não despolarizantes pode conduzir a um bloqueio prolongado e completo cuja reversão por anticolinesterásicos pode ser difícil. - Cloreto de suxametónio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Brometo de pancurónio Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Aumento do efeito: Os anestésicos inalatórios halogenados potencializam o bloqueio neuromuscular induzido pelo brometo de pancurónio. O efeito só se torna notório com a dosagem de manutenção. A reversão do bloqueio neuromuscular pode ser igualmente inibida pelos inibidores da colinesterase. A administração prévia de suxametónio. A administração concomitante de corticosteróides e brometo de pancurónio na unidade de cuidados intensivos, pode resultar num prolongamento da duração do bloqueio neuromuscular ou em miopatia. Diminuição do efeito: Administração crónica de fenitoína ou carbamazepina. Efeito variável: A administração de outros agentes bloqueadores neuromusculares não despolarizantes em combinação com brometo de pancurónio pode atenuar ou potenciar o bloqueio neuromuscular, dependendo do modo de administração e do agente bloqueador neuromuscular utilizado. O suxametónio após a administração do brometo de pancurónio pode ampliar ou atenuar o efeito de bloqueio neuromuscular. - Cloreto de suxametónio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Brometo de rocurónio Cloreto de suxametónio

Observações: Não foram realizados estudos de interacção formais. As interações mencionadas anteriormente para os doentes adultos e as suas advertências e precauções especiais de utilização devem ser igualmente tidas em conta no caso de doentes pediátricos.
Interacções: Aumento de Efeito: Doses elevadas de: Tiopental, metohexital, cetamina, fentanilo, gama-hidroxibutirato, etomidato e propofol. Após intubação com suxametónio. A administração concomitante e a longo prazo de corticosteróides e rocurónio na UCI pode resultar num prolongamento do bloqueio neuromuscular, ou miopatia. Efeito variável: A administração de outros bloqueadores neuromusculares não-despolarizantes em associação com o brometo de rocurónio, pode atenuar ou potenciar o bloqueio neuromuscular, dependendo da ordem da administração e do agente de bloqueio neuromuscular empregue. O suxametónio administrado após o brometo de rocurónio pode originar uma potenciação ou atenuar o efeito de bloqueio neuromuscular do brometo de rocurónio. - Cloreto de suxametónio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Brometo de vecurónio Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Aumento do efeito: Após intubação com suxametónio: O uso concomitante na UCI de corticosteróides e Brometo de vecurónio por um período de tempo prolongado pode resultar num prolongamento da duração do bloqueio neuromuscular ou em miopatia. Efeito variável: Dependendo da ordem de administração e da substância utilizada, a administração de outras substâncias bloqueadoras neuromusculares não despolarizantes em combinação com Brometo de vecurónio, pode atenuar ou potenciar o bloqueio neuromuscular. O suxametónio utilizado após a administração deste medicamento pode potenciar ou atenuar o bloqueio neuromuscular do Brometo de vecurónio. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Ciclofosfamida Cloreto de suxametónio

Observações: A coadministração planeada ou a administração sequencial de outras substâncias ou tratamentos que podem aumentar os efeitos semelhantes ou a gravidade da toxicidade (através de interacções farmacodinâmicas ou farmacocinéticas) exigem uma avaliação individual cuidada dos benefícios e dos riscos esperados. Os doentes que recebem tais combinações devem ser monitorizados cuidadosamente quanto a sinais de toxicidade para permitir uma intervenção atempada. Os doentes em tratamento com ciclofosfamida e agentes que reduzem a sua ativação devem ser monitorizados quanto a uma possível redução da eficácia terapêutica e a necessidade de um ajuste de dose.
Interacções: interacções que afectam a farmacocinética e/ou ações de outros medicamentos: - Relaxantes musculares despolarizantes O tratamento com ciclofosfamida provoca uma inibição marcada e persistente da actividade da colinesterase. Pode ocorrer apneia prolongada com relaxantes musculares despolarizantes concomitantes (por ex., succinilcolina). Se um doente foi tratado com ciclofosfamida a 10 dias de uma anestesia geral, o anestesista deve ser alertado. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Cloreto de potássio + Glucose Cloreto de suxametónio

Observações: Não são conhecidas outras interações medicamentosas farmacológicas clinicamente relevantes.
Interacções: Deve ter-se cuidado com a utilização concomitante de fármacos que contenham potássio e fármacos com o potencial para induzir uma hipercaliémia, tais como: - diuréticos poupadores de potássio, p.ex. espironolactona, triamtereno - inibidores da ECA antagonistas dos receptores da angiotensina II - tacrolímus - ciclosporina - suxametónio - Cloreto de suxametónio
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Ciclofosfamida

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Ciclofosfamida
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Contraceptivos orais

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Contraceptivos orais
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Glucocorticóides

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Glucocorticóides
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Brometo de pancurónio

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Brometo de pancurónio
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Neostigmina

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Neostigmina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Fenelzina

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Fenelzina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Fenotiazidas (fenotiazinas)

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Fenotiazidas (fenotiazinas)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Tiotepa

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Tiotepa
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Brometo de piridostigmina

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Brometo de piridostigmina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Cloreto de edrofónio

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Cloreto de edrofónio
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Clorpromazina

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Clorpromazina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Morfina

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Morfina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Petidina (meperidina, piperosal, dolosal ou demerol)

Observações: n.d.
Interacções: Os inibidores da colinesterase, particularmente aqueles pertencentes ao grupo dos organofosforados irreversíveis, reduzem substancialmente a actividade das pseudocolinesterases plasmáticas. Outros fármacos, como por exemplo, a ciclofosfamida, Contraceptivos orais, glucocorticóides, o pancurónio, a neostigmina, a fenelzina, as fenotiazinas, a tiotepa, piridostigmina, edrofónio, clorpromazina, morfina, antagonistas da morfina e petidina reduzem as concentrações de pseudocolinesterases e, consequentemente, aumentam os efeitos de bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio. - Petidina (meperidina, piperosal, dolosal ou demerol)
Usar com precaução

Cloreto de suxametónio Terbutalina

Observações: n.d.
Interacções: A terbutalina e a metoclopramida têm também efeitos potencialmente deletérios nas colinesterases plasmáticas. - Terbutalina
Usar com precaução

Cloreto de suxametónio Metoclopramida

Observações: n.d.
Interacções: A terbutalina e a metoclopramida têm também efeitos potencialmente deletérios nas colinesterases plasmáticas. - Metoclopramida
Usar com precaução

Cloreto de suxametónio Glicósideos digitálicos

Observações: n.d.
Interacções: Doentes a receber fármacos digitálicos são mais susceptíveis aos efeitos da hipercaliémia exacerbada pelo suxametónio. - Glicósideos digitálicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Magnésio

Observações: n.d.
Interacções: Certos fármacos podem aumentar ou prolongar os efeitos neuromusculares do suxametónio por mecanismos não relacionados com a actividade das colinesterases plasmáticas, nomeadamente sais de magnésio, lítio, quinina, cloroquina, aminoglicosídeos, clindamicina, fármacos antiarrítmicos. - Magnésio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Lítio

Observações: n.d.
Interacções: Certos fármacos podem aumentar ou prolongar os efeitos neuromusculares do suxametónio por mecanismos não relacionados com a actividade das colinesterases plasmáticas, nomeadamente sais de magnésio, lítio, quinina, cloroquina, aminoglicosídeos, clindamicina, fármacos antiarrítmicos. - Lítio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Quinina

Observações: n.d.
Interacções: Certos fármacos podem aumentar ou prolongar os efeitos neuromusculares do suxametónio por mecanismos não relacionados com a actividade das colinesterases plasmáticas, nomeadamente sais de magnésio, lítio, quinina, cloroquina, aminoglicosídeos, clindamicina, fármacos antiarrítmicos. - Quinina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Cloroquina

Observações: n.d.
Interacções: Certos fármacos podem aumentar ou prolongar os efeitos neuromusculares do suxametónio por mecanismos não relacionados com a actividade das colinesterases plasmáticas, nomeadamente sais de magnésio, lítio, quinina, cloroquina, aminoglicosídeos, clindamicina, fármacos antiarrítmicos. - Cloroquina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Aminoglicosídeos

Observações: n.d.
Interacções: Certos fármacos podem aumentar ou prolongar os efeitos neuromusculares do suxametónio por mecanismos não relacionados com a actividade das colinesterases plasmáticas, nomeadamente sais de magnésio, lítio, quinina, cloroquina, aminoglicosídeos, clindamicina, fármacos antiarrítmicos. - Aminoglicosídeos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Clindamicina

Observações: n.d.
Interacções: Certos fármacos podem aumentar ou prolongar os efeitos neuromusculares do suxametónio por mecanismos não relacionados com a actividade das colinesterases plasmáticas, nomeadamente sais de magnésio, lítio, quinina, cloroquina, aminoglicosídeos, clindamicina, fármacos antiarrítmicos. - Clindamicina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Antiarrítmicos

Observações: n.d.
Interacções: Certos fármacos podem aumentar ou prolongar os efeitos neuromusculares do suxametónio por mecanismos não relacionados com a actividade das colinesterases plasmáticas, nomeadamente sais de magnésio, lítio, quinina, cloroquina, aminoglicosídeos, clindamicina, fármacos antiarrítmicos. - Antiarrítmicos
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Antiepilépticos (AEs)

Observações: n.d.
Interacções: A administração concomitante com antiepilépticos, nomeadamente, fenitoína e/ou carbamazepina reduz o tempo de recuperação após a administração de suxametónio. - Antiepilépticos (AEs)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Fenitoína

Observações: n.d.
Interacções: A administração concomitante com antiepilépticos, nomeadamente, fenitoína e/ou carbamazepina reduz o tempo de recuperação após a administração de suxametónio. - Fenitoína
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de suxametónio Carbamazepina

Observações: n.d.
Interacções: A administração concomitante com antiepilépticos, nomeadamente, fenitoína e/ou carbamazepina reduz o tempo de recuperação após a administração de suxametónio. - Carbamazepina
Potencialmente Fatal

Cloreto de suxametónio Ecotiofato

Observações: n.d.
Interacções: Já foram registados casos de apneia prolongada e morte após a administração repetida de cloreto de suxametónio a pacientes sujeitos a uma terapia prolongada de gotas oftálmicas de iodeto de ecotiofato. - Ecotiofato
Não recomendado/Evitar

Cloreto de suxametónio Procaína

Observações: n.d.
Interacções: A procaína, quando em concentrações sanguíneas elevadas, é susceptível de competir com o cloreto de suxametónio relativamente às pseudocolinesterases. Assim, a primeira não deve ser administrada por via intravenosa concomitante com o cloreto de suxametónio, devido ao possível aparecimento de apneia prolongada. Embora a importância clínica destas interacções seja desconhecida, é conveniente tomar alguns cuidados aquando da administração simultânea dos fármacos descritos, com o cloreto de suxametónio. - Procaína
Usar com precaução

Cloreto de suxametónio Brometo de demecário

Observações: n.d.
Interacções: Não devem ser descuradas eventuais reacções em doentes submetidos à administração de isofluorofato ou brometo de demecário ou expostos recentemente a insecticidas organofosforados. - Brometo de demecário
Usar com precaução

Cloreto de suxametónio Isofluorofato (Diisopropilo fluorofosfato)

Observações: n.d.
Interacções: Não devem ser descuradas eventuais reacções em doentes submetidos à administração de isofluorofato ou brometo de demecário ou expostos recentemente a insecticidas organofosforados. - Isofluorofato (Diisopropilo fluorofosfato)
Não recomendado/Evitar

Galantamina Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: interacções farmacodinâmicas: É provável que a galantamina, como colinomimético, potencie o relaxamento muscular do tipo induzido pela succinilcolina durante a anestesia, especialmente em casos de deficiência de pseudocolinesterase. - Cloreto de suxametónio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cloreto de cálcio + Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Lactato de sódio Cloreto de suxametónio

Observações: População pediátrica: Não existem características especiais.
Interacções: A administração desta associação de acordo com as indicações e contraindicações recomendadas não eleva as concentrações plasmáticas dos eletrólitos que a solução contém. Em caso de aumento da concentração de qualquer eletrólito devido a outras causas as seguintes interacções devem ser consideradas. Relacionadas com POTÁSSIO: O suxametónio, diuréticos poupadores de potássio (amilorida, espironolactona, triamterene, isolados ou em combinação), Inibidores da ECA (p.ex. captopril, enalapril), antagonistas dos receptores da Angiotensina II (p.ex. valsartan, losartan), tacrolimus, ciclosporina podem aumentar a concentração de potássio no plasma e conduzir a hipercalemia potencialmente fatal em particular em caso de falência renal que aumenta o efeito hipercalémico. - Cloreto de suxametónio
Sem efeito descrito

Cloreto de mivacúrio Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Cloreto de mivacúrio foi administrado com segurança após intubação traqueal iniciada com suxametónio. Previamente à administração de Cloreto de mivacúrio deve observar-se evidência de recuperação espontânea do efeito do suxametónio. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Rivastigmina Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Sendo um inibidor da colinesterase, a rivastigmina pode potenciar os efeitos dos relaxantes musculares do tipo da succinilcolina durante a anestesia. É recomendada precaução aquando da seleção dos agentes anestésicos. Se necessário, podem ser considerados ajustes de dose ou interrupção temporária do tratamento. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Sevoflurano Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Bloqueadores Neuromusculares: Como acontece com outros anestésicos inalatórios, o sevoflurano afecta tanto a intensidade quanto a duração do bloqueio neuromuscular pelos relaxantes musculares não-despolarizantes. Quando usado para suplementar a anestesia com alfentanil-N2O, o Sevoflurano potencia o bloqueio neuromuscular induzido com pancurónio, vecurónio ou atracurium. Os ajustes da dose para estes relaxantes musculares, quando administrados com sevoflurano, são semelhantes aos necessários com isoflurano. Não foi estudado o efeito do sevoflurano na succinilcolina e a duração do bloqueio neuromuscular despolarizante. A redução da dose de bloqueadores neuromusculares durante a indução da anestesia pode resultar em atraso no início das condições adequadas para intubação endotraqueal ou relaxamento muscular inadequado porque a potenciação dos bloqueadores neuromusculares é observada alguns minutos após o início da administração de sevoflurano. Entre os fármacos não-despolarizantes, foram estudadas as interacções com vecurónio, pancurónio e atracurium. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Donepezilo Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Existe também o potencial de actividade sinérgica com tratamento concomitante que envolva medicamentos como a succinilcolina, outros bloqueadores neuromusculares ou agonistas colinérgicos ou agentes bloqueadores beta com efeitos na condução cardíaca. - Cloreto de suxametónio
Potencialmente Fatal

Cloreto de potássio + Cloreto de sódio + Glucose Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: interacções relacionadas com a presença de potássio: A administração concomitante da solução com um dos seguintes medicamentos pode originar uma hipercalémia fatal, particularmente em doentes com insuficiência renal (adição de efeitos de hipercalémia): - Diuréticos poupadores de potássio (só ou em combinação) (amilorida, triamtereno, espironolactona, eplerenona) - Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA) (tais como captopril, enalapril, lisinopril) - Bloqueadores dos receptores da Angiotensina II (Candesartan, telmisartan, eprosartan, irbesartan, losartan, valsartan) - Medicamentos com potássio tais como sais potássicos de penicilina - Medicamentos anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) (diclofenac, indometacina, piroxicam, ácido mefenâmico, celecoxib) - Heparina (inibidor da síntese de aldosterona) - Pentamidina, trimetoprim (bloqueadores dos canais de sódio) - Ciclosporina, tacrolimus (inibidores da calcineurina) - Bloqueadores β-adrenérgicos (propranolol, nadolol, atenolol) - Succinilcolina (suxametonium) (relaxante muscular) - Cloreto de suxametónio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Neomicina Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: A Neomicina potencia o relaxamento muscular induzido por outros bloqueadores do relaxamento muscular, a exemplo da tubocurarina, succinilcolina e decametónio e, da associação com anestésicos gerais ou opióides, pode resultar depressão respiratória. - Cloreto de suxametónio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Digoxina Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Os doentes em tratamento com Digoxina estão mais susceptíveis aos efeitos do suxametónio – hipercaliemia exacerbada. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Vancomicina Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Relaxantes Musculares: Caso a vancomicina seja administrada durante, ou imediatamente após, cirurgia, o efeito (bloqueio neuromuscular) dos relaxantes musculares (tais como succinilcolina) utilizados simultaneamente pode ser aumentado e prolongado. A colestiramina demonstrou em testes in vitro ligar-se à vancomicina. Consequentemente, caso a vancomicina por via oral seja utilizada com colestiramina, os dois fármacos devem ser administradas com várias horas de diferença um do outro. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Esmolol Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: O efeito de Esmolol na duração do bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio, foi estudado em doentes submetidos a cirurgia. O início do bloqueio neuromuscular devido ao cloreto de suxametónio não foi afectado pelo Esmolol, mas a duração do bloqueio neuromuscular foi prolongada de 5 para 8 minutos. Ainda que as interacções observadas em estudos com varfarina, digoxina, morfina ou cloreto de suxametónio não sejam de importância clínica relevante, o Esmolol deve ser titulado com cuidado em doentes a receber tratamento simultâneo com varfarina, digoxina, morfina ou cloreto de suxametónio. - Cloreto de suxametónio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ifosfamida Cloreto de suxametónio

Observações: A administração sequencial ou a coadministração planeada de outras substâncias ou tratamentos que possam aumentar a probabilidade ou a gravidade dos efeitos tóxicos (por meio de interacções farmacodinâmicas ou farmacocinéticas) requer uma avaliação individual cuidadosa do benefício esperado e dos riscos. Os doentes que recebem tais combinações devem ser cuidadosamente monitorizados para sinais de toxicidade de forma a permitir a intervenção atempada. Doentes tratados com ifosfamida e agentes que reduzem a sua ativação devem ser monitorizados para uma potencial redução de eficácia terapêutica e da necessidade de ajuste de dose.
Interacções: As interacções seguintes são concebíveis em analogia com a ciclofosfamida: O efeito terapêutico e a toxicidade da ifosfamida podem ser aumentados pela administração simultânea de clorpromazina, triiodotironina ou inibidores do aldeído desidrogenase, tais como dissulfiram (Antabus). Potenciação do efeito musculo-relaxante do suxametónio. A administração concomitante de agentes antidiabéticos, tais como sulfonilureias e ifosfamida pode aumentar os efeitos de hipoglicemia dos medicamentos anteriores. interacções teóricas da ifosfamida e alopurinol resultam num aumento da gravidade da depressão da medula óssea. - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Lidocaína Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Pode haver um maior risco de bloqueio neuromuscular aumentado e prolongado em doentes tratados em simultâneo com relaxantes musculares (ex: suxametónio). - Cloreto de suxametónio
Usar com precaução

Lidocaína + Fenilefrina Cloreto de suxametónio

Observações: n.d.
Interacções: Relaxantes musculares: A acção do suxametónio pode ser prolongada pela lidocaína. A fenilefrina pode causar hipertensão quando usada concomitantemente com doxapram ou ocitocina. Existe um risco aumentado de ergotismo quando a fenilefrina e os alcaloides do ergot são tomados concomitantemente. - Cloreto de suxametónio
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Cloreto de suxametónio
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar, consulte o médico antes de lhe ser administrado este medicamento.
Suxametónio apenas deve ser utilizado durante a gravidez quando o médico decidir que os benefícios para si são superiores aos possíveis riscos para o feto.
Deve ter-se cuidado após a administração de suxametónio em grávidas e puérperas.

Desconhece-se se o suxametónio passa para o leite materno. No entanto, uma vez que o suxametónio é rapidamente metabolizado num metabolito inactivo, não se espera qualquer efeito nos recém-nascidos/lactentes amamentados.

Pode ser perigoso conduzir ou utilizar máquinas muito pouco tempo depois de ter tomado este medicamento. O médico informá-lo-á do tempo que deve esperar até poder conduzir ou utilizar máquinas.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021