Clobazam

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
Clobazam é um medicamento de classe benzodiazepínica.

O objectivo principal do desenvolvimento era proporcionar maior eficácia ansiolítica e anti-obsessiva com menos efeitos colaterais relacionados à benzodiazepina.
Usos comuns
Clobazam é usado em combinação com outros medicamentos para o tratamento de convulsões provocadas pela síndroma de Lennox-Gastaut, uma forma grave de epilepsia infantil que também provoca problemas de desenvolvimento e de comportamento.
Tipo
Molécula pequena.
História
O clobazam foi sintetizado pela primeira vez em 1966 e publicado pela primeira vez em 1969.
O clobazam foi originalmente comercializado como um ansiolítico ansioselectivo desde 1970 e um anticonvulsivante desde 1984.
Tem sido comercializado como um ansiolítico desde 1975 e como anticonvulsivo desde 1984.
Indicações
Perturbações da ansiedade e sintomas ansiosos.

Também é usado no tratamento de epilepsia, associado com medicamentos específicos antiepiléticos.
Classificação CFT

2.9.1 : Ansiolíticos, sedactivos e hipnóticos

Mecanismo De Acção
Clobazam liga-se a zonas de ligação distintas associadas com o ionóforo do cloreto de GABA no receptor pós-sináptico.
Estes receptores de GABA estão em vários locais no SNC (sistema límbico, formação reticular) e o Clobazam, aumenta a duração do tempo durante o qual o cloreto de ionóforo é aberto.
Como resultado, a polarização hiper e a estabilização da membrana ocorre reforçando o efeito inibidor pós-sináptico do GABA.
Posologia Orientativa
Dose média diária 20 mg em 2 administrações; se necessário podem atingir-se os 80 mg.
Administração
Via oral.
Pode ser administrado com ou sem alimentos.

Pode esmagar o comprimido Clobazam e misturar o medicamento numa colher de sumo de maçã para o tornar mais fácil de engolir.
Contra-Indicações
As doses nos indivíduos idosos devem ser em geral menores do que no adulto jovem; nas crianças, tal como no idoso, podem desencadear-se reacções paradoxais.
Ter atenção na miastenia gravis, na insuficiência respiratória grave, síndrome de apneia do sono.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Sonolência e incoordenação motora, alterações gastrintestinais, obstipação, diarreia, vómitos e alterações do apetite; alterações visuais e irregularidades cardiovasculares; alteração da memória a curto prazo, confusão, depressão, vertigem.

O uso prolongado pode causar dependência e síndrome de abstinência quando a medicação é interrompida.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Como é norma para os medicamentos deste tipo, clobazam não deve ser administrado à mulher grávida, durante o primeiro trimestre de gravidez. Em estadios mais avançados da gravidez, só deve ser administrado quando houver indicação clínica que realmente o justifique.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Uma vez que o clobazam é eliminado no leite materno, a utilização deste medicamento durante este período, não é recomendada.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Ver Benzodiazepinas.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Ver Ansiolíticos e Hipnóticos.
Condução
Condução
Condução:A capacidade de reacção e concentração na condução automóvel e utilização de máquinas, podem reduzir-se com o tratamento, sobretudo se houver ingestão de álcool.
Precauções Gerais
É muito importante que o médico verifique o seu progresso em visitas regulares para se certificar que Clobazam está a funcionar correctamente.

Clobazam irá adicionar aos efeitos do álcool e outros depressores do SNC (medicamentos que fazem com que se sinta sonolento ou menos alerta).

Alguns exemplos de depressores do SNC são os anti-histamínicos ou medicamentos para a febre dos fenos, alergias e constipações; sedativos, tranquilizantes, ou medicamentos para dormir; analgésicos de prescrição ou narcóticos; fármacos para convulsões ou barbitúricos; relaxantes musculares; ou anestésicos, incluindo alguns anestésicos dentários.

Fale com o médico ou Dentista antes de tomar qualquer um destes medicamentos com Clobazam.

Clobazam pode levar algumas pessoas a ficarem tontas, sonolentas ou menos alerta que o normal.

Certifique-se que sabe como reagir aos efeitos do Clobazam antes de conduzir, utilizar máquinas, ou executar tarefas que possam ser perigosas se não estiver alerta ou capaz de pensar rapidamente.

Não pare de repente a toma de Clobazam sem falar primeiro com o médico. o médico pode querer reduzir gradualmente a quantidade que está a usar antes de parar completamente.

Isso pode ajudar a evitar um possível agravamento dos seus ataques e reduzir a possibilidade de sintomas de abstinência, como dores de cabeça, náuseas, irritabilidade, tremores, ou problemas para dormir.

Clobazam pode criar hábito-dependência. Se sentir que o medicamento não está a funcionar bem, não tome mais do que a dose prescrita. Chame o médico para obter instruções.

Se desenvolver pensamentos e comportamentos incomuns ou estranhos ao tomar Clobazam, não se esqueça de o referir ao médico.

Algumas das alterações que ocorreram em pessoas que tomam Clobazam são semelhantes às observadas em pessoas que bebem álcool em excesso.

O Clobazam pode causar confusão, agravamento da depressão, alucinações (ver, ouvir ou sentir coisas que não existem), pensamentos suicidas e excitacção incomum, nervosismo, ou irritabilidade.

As pílulas anticoncepcionais podem não ser eficazes, enquanto estiver a tomar Clobazam.

Para não ficar grávida, use outra forma de controle de natalidade efectiva, juntamente com a pílula de controle de natalidade durante o tratamento e durante 28 dias após ter tomado a última dose.

Outras formas de controle de natalidade incluem preservativos, diafrágma, ou uma espuma contraceptiva ou gel.

Não tome outros medicamentos que não tenham sido aprovados pelo médico.

Isso inclui medicamentos de prescrição ou sem receita (OTC), fitoterapêuticos ou suplementos vitamínicos.
Cuidados com a Dieta
O álcool aumenta a absorção de Clobazam em 50%.
Administre a toma, independentemente das refeições.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose assim que se lembrar.
Não tome a dose esquecida se for quase hora da sua próxima dose.
Não tome medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Armazenar à temperatura ambiente longe da humidade e calor.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Estiripentol Clobazam

Observações: Não se encontra devidamente esclarecida a influência de outros medicamentos antiepilépticos na farmacocinética do estiripentol. Estudos in vitro sugeriram que o metabolismo de fase 1 do estiripentol é catalizado pela CYP1A2, CYP2C19 e CYP3A4 e possivelmente outras enzimas. É aconselhada precaução ao associar o estiripentol com outras substâncias que inibem ou induzem uma ou mais destas enzimas.
Interacções: Efeitos noutros antiepiléticos: A inibição de CYP450 isoenzima CYP2C19 e CYP3A4 pode provocar interacções farmacocinéticas (inibição do seu metabolismo hepático) com fenobarbital, primidona, fenitoína, carbamazepina, clobazam, valproato, diazepam (aumento do miorrelaxamento), etossuximida e tiagabina. As consequências são o aumento dos níveis plasmáticos destes anticonvulsivantes, com potencial risco de sobredosagem. Recomenda-se a monitorização clínica dos níveis plasmáticos de outros anticonvulsivantes, quando combinados com estiripentol, com possíveis ajustes posológicos. O aumento nos níveis de estado estacionário com a utilização combinada de estiripentol, valproato e clobazam é semelhante em adultos e em crianças, embora se observe uma marcada variabilidade inter-individual. - Clobazam
Sem efeito descrito

Perampanel Clobazam

Observações: Perampanel não é considerado um indutor ou inibidor potente das enzimas do citocromo P450 ou da UGT. O perampanel é administrado até obtenção do efeito clínico independentemente de outros antiepiléticos. Os estudos de interacção só foram realizados em adultos. Num estudo farmacocinético populacional dos doentes adolescentes dos estudos clínicos de Fase 3, não se observaram diferenças dignas de nota entre esta população e a população global.
Interacções: As interacções potenciais entre Perampanel (até 12 mg uma vez por dia) e outros medicamentos antiepiléticos foram analisadas em estudos clínicos e avaliadas na análise farmacocinética populacional de quatro estudos agrupados de Fase 3, incluindo doentes com crises epiléticas parciais e convulsões tónico-clónicas generalizadas primárias. Clobazam: Influência do antiepilético na concentração de Perampanel: Sem influência Influência de Perampanel na concentração do antiepilético: Diminuição <10% Numa análise farmacocinética populacional de doentes com crises epiléticas parciais medicados com Perampanel até 12 mg/dia em ensaios clínicos controlados com placebo, Perampanel não afetou a depuração do clonazepam, levetiracetam, fenobarbital, fenitoína, topiramato, zonisamida, carbamazepina, clobazam, lamotrigina e ácido valpróico de maneira clinicamente relevante com a dose mais elevada de perampanel avaliada (12 mg/dia). - Clobazam
Sem significado Clínico

Retigabina Clobazam

Observações: Os estudos de interacção só foram realizados em adultos.
Interacções: Com base nesses dados agrupados, a retigabina não causou efeitos clinicamente significativos no plasma nas concentrações dos seguintes antiepiléticos: Carbamazepina, clobazam, clonazepam, gabapentina, lamotrigina, levetiracetam, oxcarbazepina, fenobarbital, fenitoína, pregabalina, topiramato, valproato, zonisamida. - Clobazam
Não recomendado/Evitar

Etcorvinol Clobazam

Observações: n.d.
Interacções: Usando etclorvinol com qualquer um dos seguintes medicamentos normalmente não é recomendada, mas pode não ser necessária em alguns casos. Se ambos os medicamentos são prescritos em conjunto, o médico pode alterar a dose. - Adinazolam - Alfentanil - Alprazolam - Amobarbital - Anileridina - Aprobarbital - Brofaromina - Bromazepam - Brotizolam - Buprenorfina - Butabarbital - Butalbital - Carbinoxamina - Carisoprodol - Clorodiazepóxido - Clorzoxazona - Clobazam - Clonazepam - Clorazepato - Clorgilina - Codeína - Dantroleno - Diazepam - Estazolam - Fentanilo - Flunitrazepam - Flurazepam - Furazolidona - Halazepam - Hidrocodona - Hidromorfona - Iproniazida - Isocarboxazida - Cetazolam - Lazabemida - Levorfanol - Linezolida - lorazepam - lormetazepam - Meclizina - Medazepam - meperidina - mefenesina - meprobamato - metaxalone - metadona - Metocarbamol - Metoexital - Midazolam - Moclobemida - Morfina - Nialamida - Nitrazepam - Nordazepam - Oxazepam - Oxicodona - Oximorfona - Pargilina - Pentobarbital - Fenelzina - Fenobarbital - Prazepam - Primidona - Procarbazina - Propoxifeno - Quazepam - Rasagilina - Remifentanil - Secobarbital - Selegilina - Sufentanil - Suvorexanto - Tapentadol - Temazepam - Tiopental - Toloxatona - Tranilcipromina - Triazolam - Zolpidem - Clobazam
Sem efeito descrito

Brivaracetam Clobazam

Observações: Os estudos de interacção formais foram realizados apenas em adultos.
Interacções: Clobazam: Influência dos medicamentos antiepiléticos sobre as concentrações plasmáticas do brivaracetam: Sem informação disponível. Influência do brivaracetam nas concentrações plasmáticas dos medicamentos antiepiléticos: Nenhuma. - Clobazam
Consultar informação actualizada

Oxcarbazepina Clobazam

Observações: n.d.
Interacções: Fármacos antiepiléticos: Nos estudos clínicos foram avaliadas as potenciais interacções entre oxcarbazepina e outros fármacos antiepiléticos (AEs). O efeito destas interacções nas AUCs e Cmin médias está resumido a seguir. Influência da oxcarbazepina na concentração do fármaco AE: Carbamazepina: 0-22% de diminuição (30% de aumento de carbamazepina-epóxido) Clobazan: Não estudada. Felbamato: Não estudada. Fenobarbitona: 14-15% de aumento. Fenitoína: 0-40% de aumento. Ácido valpróico: Sem influência. Influência do fármaco AE na concentração do DMH: Carbamazepina: 40% de diminuição. Clobazan: Sem influência. Felbamato: Sem influência. Fenobarbitona: 30-31% de diminuição. Fenitoína: 29-35% de diminuição. Ácido valpróico: 0-18% de diminuição. - Clobazam
Usar com precaução

Canabidiol Clobazam

Observações: n.d.
Interacções: Tratamentos com MAE concomitantes As farmacocinéticas do canabidiol são complexas e podem provocar interacções com os tratamentos com MAE concomitantes do doente. O canabidiol e/ou tratamento com MAE concomitante deverá ser assim ajustado durante a supervisão médica regular e o doente deverá ser cuidadosamente monitorizado em relação a reacções adversas ao medicamento. Além disso, a monitorização das concentrações plasmáticas deverá ser considerada. O potencial de interacções medicamentosas com outros MAE concomitantes foi avaliado em voluntários saudáveis e em doentes com epilepsia para o clobazam, valproato e estiripentol. Embora não tenham sido realizados estudos de interacção medicamentosa formais para outros MAE, a fenitoína e lamotrigina são abordadas com base em dados in vitro. Clobazam Quando o canabidiol e clobazam são co-administrados, ocorrem interacções de FC bidirecionais. Com base num estudo com voluntários saudáveis, os níveis elevados (3 a 4 vezes) de N-desmetilclobazam (um metabólito activo de clobazam) podem ocorrer quando combinado com o canabidiol, provavelmente mediados pela inibição de CYP2C19. Além disso, houve uma exposição aumentada a 7-hidroxi-canabidiol (7-OH-CBD; um metabólito activo de canabidiol), para o qual a área sob a curva (AUC) no plasma aumentou em 47%. Os níveis sistémicos aumentados destas substâncias activas poderão levar a efeitos farmacológicos melhorados e a um aumento nas reacções adversas ao medicamento. O uso concomitante de canabidiol e clobazam aumenta a incidência de sonolência e sedação em comparação com placebo. Deverá ser considerada a redução na dose de clobazam caso se observe sonolência ou sedação quando o clobazam é co-administrado com canabidiol. Potencial de canabidiol afectar outros medicamentos Substratos de CYP1A2, CYP2B6, CYP2C8, CYP2C9, CYP2C19, UGT1A9 e UGT2B7 Os dados in vitro preveem interacções medicamentosas com substratos de CYP1A2 (por exemplo, teofilina, cafeína), substratos de CYP2B6 (por exemplo, bupropiona, efavirenz), uridina 5'-difosfato glucuronosiltransferase 1A9 (UGT1A9) (por exemplo, diflunisal, propofol, fenofibrato) e UGT2B (por exemplo, gemfibrozil, morfina, lorazepam) quando co-administrados com canabidiol. Também se prevê que a co-administração de canabidiol provoque interacções clinicamente significativas com substratos de CYP2C8 (repaglinida) e CYP2C9 (por exemplo, varfarina). Os dados in vitro demonstraram que o canabidiol inibe o CYP2C19, o que poderá provocar o aumento de concentrações plasmáticas de medicamentos que são metabolizados por esta isoenzima, como clobazam e omeprazol. A redução da dose deverá ser considerada para os medicamentos concomitantes que sejam substratos de CYP2C19 sensíveis ou que tenham um índice terapêutico estreito. Devido ao potencial de inibição de actividade enzimática, a redução da dose de substratos de UGT1A9, UGT2B7, CYP2C8, e CYP2C9 deverá ser considerada, conforme clinicamente relevante, caso sejam observadas reacções adversas quando administrados concomitantemente com canabidiol. Devido ao potencial da indução e da inibição de actividade enzimática, deverá considerar-se o ajuste da dose de substratos de CYP1A2 e CYP2B6, conforme clinicamente adequado. - Clobazam
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Fenfluramina Clobazam

Observações: n.d.
Interacções: Interacções farmacocinéticas Estudos clínicos Efeito do estiripentol com clobazam e/ou valproato em estado estacionário sobre a fenfluramina No estado estacionário, em estudos de fase 3, a co-administração de 0,2 mg/kg de fenfluramina duas vezes por dia (0,4 mg/kg/dia), num máximo de 17 mg/dia, com um regime terapêutico antiepilético padrão de estiripentol com clobazam e/ou valproato, resultou num aumento de 130% da AUC0-24 da fenfluramina e numa diminuição de 60% da AUC0-24 da norfenfluramina, em comparação com 0,35 mg/kg de fenfluramina duas vezes por dia (0,7 mg/kg/dia), num máximo de 26 mg/dia, sem estiripentol. Efeito da fenfluramina noutros medicamentos A co-administração de uma dose única de 0,7 mg/kg de fenfluramina com uma dose única de uma combinação de estiripentol, clobazam e ácido valproico não afectou a farmacocinética do estiripentol, nem a farmacocinética do clobazam nem do seu metabolito N-desmetil, o norclobazam, nem a farmacocinética do ácido valproico, em comparação com combinação de estiripentol, clobazam e ácido valproico administrada isoladamente. - Clobazam
Usar com precaução

Cenobamato Clobazam

Observações: O cenobamato é extensamente metabolizado, principalmente pela glucuronidação, com a oxidação a contribuir num menor grau.
Interacções: Interacções com outros antiepilépticos Clobazam As análises farmacométricas de dados de participantes saudáveis e doentes preveem que clobazam aumente ligeiramente as exposições a cenobamato (em 24%). Não é necessário ajuste da dose de cenobamato. Devido a um possível aumento na exposição do metabolito activo de clobazam (N-desmetilclobazam), relacionados com a indução do CYP3A4 (formação) e a inibição do CYP2C19 (eliminação), a dose de clobazam pode ter de ser reduzida. - Clobazam
Usar com precaução

Clobazam Álcool

Observações: n.d.
Interacções: Álcool Não é recomendada a ingestão concomitante de álcool uma vez que pode aumentar a biodisponibilidade do clobazam em 50% e consequentemente levar ao aumento dos efeitos do clobazam. - Álcool
Usar com precaução

Clobazam Depressores do SNC

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos depressores do sistema nervoso central (SNC) Impõe-se prudência quando se associa a outros medicamentos depressores do SNC. Pode ocorrer uma intensificação do efeito depressor no caso de uso simultâneo com antipsicóticos, hipnóticos, ansiolíticos, certos fármacos antidepressivos, anticonvulsivantes, analgésicos narcóticos, fármacos antiepilépticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos, entre outros sedativos. É também necessária uma atenção especial quando o clobazam é administrado em casos de intoxicação com os medicamentos acima mencionados ou com o lítio. - Depressores do SNC
Usar com precaução

Clobazam Antipsicóticos

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos depressores do sistema nervoso central (SNC) Impõe-se prudência quando se associa a outros medicamentos depressores do SNC. Pode ocorrer uma intensificação do efeito depressor no caso de uso simultâneo com antipsicóticos, hipnóticos, ansiolíticos, certos fármacos antidepressivos, anticonvulsivantes, analgésicos narcóticos, fármacos antiepilépticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos, entre outros sedativos. É também necessária uma atenção especial quando o clobazam é administrado em casos de intoxicação com os medicamentos acima mencionados ou com o lítio. - Antipsicóticos
Usar com precaução

Clobazam Hipnóticos

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos depressores do sistema nervoso central (SNC) Impõe-se prudência quando se associa a outros medicamentos depressores do SNC. Pode ocorrer uma intensificação do efeito depressor no caso de uso simultâneo com antipsicóticos, hipnóticos, ansiolíticos, certos fármacos antidepressivos, anticonvulsivantes, analgésicos narcóticos, fármacos antiepilépticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos, entre outros sedativos. É também necessária uma atenção especial quando o clobazam é administrado em casos de intoxicação com os medicamentos acima mencionados ou com o lítio. - Hipnóticos
Usar com precaução

Clobazam Ansiolíticos

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos depressores do sistema nervoso central (SNC) Impõe-se prudência quando se associa a outros medicamentos depressores do SNC. Pode ocorrer uma intensificação do efeito depressor no caso de uso simultâneo com antipsicóticos, hipnóticos, ansiolíticos, certos fármacos antidepressivos, anticonvulsivantes, analgésicos narcóticos, fármacos antiepilépticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos, entre outros sedativos. É também necessária uma atenção especial quando o clobazam é administrado em casos de intoxicação com os medicamentos acima mencionados ou com o lítio. - Ansiolíticos
Usar com precaução

Clobazam Antidepressores

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos depressores do sistema nervoso central (SNC) Impõe-se prudência quando se associa a outros medicamentos depressores do SNC. Pode ocorrer uma intensificação do efeito depressor no caso de uso simultâneo com antipsicóticos, hipnóticos, ansiolíticos, certos fármacos antidepressivos, anticonvulsivantes, analgésicos narcóticos, fármacos antiepilépticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos, entre outros sedativos. É também necessária uma atenção especial quando o clobazam é administrado em casos de intoxicação com os medicamentos acima mencionados ou com o lítio. - Antidepressores
Usar com precaução

Clobazam Anticonvulsivantes

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos depressores do sistema nervoso central (SNC) Impõe-se prudência quando se associa a outros medicamentos depressores do SNC. Pode ocorrer uma intensificação do efeito depressor no caso de uso simultâneo com antipsicóticos, hipnóticos, ansiolíticos, certos fármacos antidepressivos, anticonvulsivantes, analgésicos narcóticos, fármacos antiepilépticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos, entre outros sedativos. É também necessária uma atenção especial quando o clobazam é administrado em casos de intoxicação com os medicamentos acima mencionados ou com o lítio. Anticonvulsivantes Se o clobazam for administrado simultaneamente com anticonvulsivantes no tratamento da epilepsia, a posologia deve ser ajustada sob supervisão médica regular (monitorização por EEG), dado que pode ocorrer uma interacção. Em doentes que recebem tratamento concomitante com ácido valpróico, pode ocorrer um aumento ligeiro a moderado da concentração plasmática do ácido valpróico. Também os níveis plasmáticos de fenitoína podem aumentar com tratamento simultâneo com clobazam. Sempre que possível, recomenda-se que os níveis sanguíneos do ácido valpróico e da fenitoína sejam monitorizados em casos de administração concomitante com clobazam. A carbamazepina e a fenitoína podem causar um aumento da conversão metabólica do clobazam no seu metabólito activo N-desmetilclobazam. O estiripentol aumenta os níveis plasmáticos de clobazam e do seu metabólito activo N-desmetilclobazam, através da inibição dos citocromos CYP3A e CYP2C19. Recomenda-se a monitorização sanguínea, antes de iniciar o estiripentol e depois quando for atingida nova concentração de equilíbrio, isto é, após 2 semanas aproximadamente. - Anticonvulsivantes
Usar com precaução

Clobazam Narcóticos

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos depressores do sistema nervoso central (SNC) Impõe-se prudência quando se associa a outros medicamentos depressores do SNC. Pode ocorrer uma intensificação do efeito depressor no caso de uso simultâneo com antipsicóticos, hipnóticos, ansiolíticos, certos fármacos antidepressivos, anticonvulsivantes, analgésicos narcóticos, fármacos antiepilépticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos, entre outros sedativos. É também necessária uma atenção especial quando o clobazam é administrado em casos de intoxicação com os medicamentos acima mencionados ou com o lítio. Analgésicos narcóticos Se o clobazam for usado em simultâneo com analgésicos narcóticos, uma possível euforia pode ser reforçada, o que pode levar a um aumento da dependência psicológica. - Narcóticos
Usar com precaução

Clobazam Antiepilépticos (AEs)

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos depressores do sistema nervoso central (SNC) Impõe-se prudência quando se associa a outros medicamentos depressores do SNC. Pode ocorrer uma intensificação do efeito depressor no caso de uso simultâneo com antipsicóticos, hipnóticos, ansiolíticos, certos fármacos antidepressivos, anticonvulsivantes, analgésicos narcóticos, fármacos antiepilépticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos, entre outros sedativos. É também necessária uma atenção especial quando o clobazam é administrado em casos de intoxicação com os medicamentos acima mencionados ou com o lítio. - Antiepilépticos (AEs)
Usar com precaução

Clobazam Anestésicos

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos depressores do sistema nervoso central (SNC) Impõe-se prudência quando se associa a outros medicamentos depressores do SNC. Pode ocorrer uma intensificação do efeito depressor no caso de uso simultâneo com antipsicóticos, hipnóticos, ansiolíticos, certos fármacos antidepressivos, anticonvulsivantes, analgésicos narcóticos, fármacos antiepilépticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos, entre outros sedativos. É também necessária uma atenção especial quando o clobazam é administrado em casos de intoxicação com os medicamentos acima mencionados ou com o lítio. - Anestésicos
Usar com precaução

Clobazam Sedativos

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos depressores do sistema nervoso central (SNC) Impõe-se prudência quando se associa a outros medicamentos depressores do SNC. Pode ocorrer uma intensificação do efeito depressor no caso de uso simultâneo com antipsicóticos, hipnóticos, ansiolíticos, certos fármacos antidepressivos, anticonvulsivantes, analgésicos narcóticos, fármacos antiepilépticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos, entre outros sedativos. É também necessária uma atenção especial quando o clobazam é administrado em casos de intoxicação com os medicamentos acima mencionados ou com o lítio. - Sedativos
Usar com precaução

Clobazam Lítio

Observações: n.d.
Interacções: Medicamentos depressores do sistema nervoso central (SNC) Impõe-se prudência quando se associa a outros medicamentos depressores do SNC. Pode ocorrer uma intensificação do efeito depressor no caso de uso simultâneo com antipsicóticos, hipnóticos, ansiolíticos, certos fármacos antidepressivos, anticonvulsivantes, analgésicos narcóticos, fármacos antiepilépticos, anestésicos e anti-histamínicos sedativos, entre outros sedativos. É também necessária uma atenção especial quando o clobazam é administrado em casos de intoxicação com os medicamentos acima mencionados ou com o lítio. - Lítio
Usar com precaução

Clobazam Ácido Valpróico (Valproato de sódio)

Observações: n.d.
Interacções: Anticonvulsivantes Em doentes que recebem tratamento concomitante com ácido valpróico, pode ocorrer um aumento ligeiro a moderado da concentração plasmática do ácido valpróico. Também os níveis plasmáticos de fenitoína podem aumentar com tratamento simultâneo com clobazam. Sempre que possível, recomenda-se que os níveis sanguíneos do ácido valpróico e da fenitoína sejam monitorizados em casos de administração concomitante com clobazam. - Ácido Valpróico (Valproato de sódio)
Usar com precaução

Clobazam Fenitoína

Observações: n.d.
Interacções: Anticonvulsivantes Em doentes que recebem tratamento concomitante com ácido valpróico, pode ocorrer um aumento ligeiro a moderado da concentração plasmática do ácido valpróico. Também os níveis plasmáticos de fenitoína podem aumentar com tratamento simultâneo com clobazam. Sempre que possível, recomenda-se que os níveis sanguíneos do ácido valpróico e da fenitoína sejam monitorizados em casos de administração concomitante com clobazam. A carbamazepina e a fenitoína podem causar um aumento da conversão metabólica do clobazam no seu metabólito activo N-desmetilclobazam. - Fenitoína
Usar com precaução

Clobazam Carbamazepina

Observações: n.d.
Interacções: Anticonvulsivantes A carbamazepina e a fenitoína podem causar um aumento da conversão metabólica do clobazam no seu metabólito activo N-desmetilclobazam. - Carbamazepina
Usar com precaução

Clobazam Estiripentol

Observações: n.d.
Interacções: Anticonvulsivantes O estiripentol aumenta os níveis plasmáticos de clobazam e do seu metabólito activo N-desmetilclobazam, através da inibição dos citocromos CYP3A e CYP2C19. Recomenda-se a monitorização sanguínea, antes de iniciar o estiripentol e depois quando for atingida nova concentração de equilíbrio, isto é, após 2 semanas aproximadamente. - Estiripentol
Usar com precaução

Clobazam Relaxantes musculares

Observações: n.d.
Interacções: Relaxantes musculares Os efeitos dos relaxantes musculares e do óxido nitroso podem ser reforçados. - Relaxantes musculares
Usar com precaução

Clobazam Inibidores do CYP2C19

Observações: n.d.
Interacções: Inibidores CYP2C19 A administração concomitante de inibidores fortes e moderados do citocromo CYP2C19 pode resultar numa exposição aumentada ao N-desmetilclobazam, o metabólito activo do clobazam. Podem ser necessários ajustes de dosagem do clobazam quando co-administrado com inibidores CYP2C19 fortes (ex: fluconazol, fluvoxamina, ticlopidina) ou moderados (ex: omeprazol). - Inibidores do CYP2C19
Usar com precaução

Clobazam Fluconazol

Observações: n.d.
Interacções: Inibidores CYP2C19 A administração concomitante de inibidores fortes e moderados do citocromo CYP2C19 pode resultar numa exposição aumentada ao N-desmetilclobazam, o metabólito activo do clobazam. Podem ser necessários ajustes de dosagem do clobazam quando co-administrado com inibidores CYP2C19 fortes (ex: fluconazol, fluvoxamina, ticlopidina) ou moderados (ex: omeprazol). - Fluconazol
Usar com precaução

Clobazam Fluvoxamina

Observações: n.d.
Interacções: Inibidores CYP2C19 A administração concomitante de inibidores fortes e moderados do citocromo CYP2C19 pode resultar numa exposição aumentada ao N-desmetilclobazam, o metabólito activo do clobazam. Podem ser necessários ajustes de dosagem do clobazam quando co-administrado com inibidores CYP2C19 fortes (ex: fluconazol, fluvoxamina, ticlopidina) ou moderados (ex: omeprazol). - Fluvoxamina
Usar com precaução

Clobazam Ticlopidina

Observações: n.d.
Interacções: Inibidores CYP2C19 A administração concomitante de inibidores fortes e moderados do citocromo CYP2C19 pode resultar numa exposição aumentada ao N-desmetilclobazam, o metabólito activo do clobazam. Podem ser necessários ajustes de dosagem do clobazam quando co-administrado com inibidores CYP2C19 fortes (ex: fluconazol, fluvoxamina, ticlopidina) ou moderados (ex: omeprazol). - Ticlopidina
Usar com precaução

Clobazam Omeprazol

Observações: n.d.
Interacções: Inibidores CYP2C19 A administração concomitante de inibidores fortes e moderados do citocromo CYP2C19 pode resultar numa exposição aumentada ao N-desmetilclobazam, o metabólito activo do clobazam. Podem ser necessários ajustes de dosagem do clobazam quando co-administrado com inibidores CYP2C19 fortes (ex: fluconazol, fluvoxamina, ticlopidina) ou moderados (ex: omeprazol). - Omeprazol
Usar com precaução

Clobazam Substratos do CYP2D6

Observações: n.d.
Interacções: Substratos CYP2D6 O clobazam é um fraco inibidor do citocromo CYP2D6. Pode ser necessário um ajuste de dose dos medicamentos metabolizados pelo CYP2D6 (ex: dextrometorfano, pimozida, paroxetina, nebivolol). - Substratos do CYP2D6
Usar com precaução

Clobazam Dextrometorfano

Observações: n.d.
Interacções: Substratos CYP2D6 O clobazam é um fraco inibidor do citocromo CYP2D6. Pode ser necessário um ajuste de dose dos medicamentos metabolizados pelo CYP2D6 (ex: dextrometorfano, pimozida, paroxetina, nebivolol). - Dextrometorfano
Usar com precaução

Clobazam Pimozida

Observações: n.d.
Interacções: Substratos CYP2D6 O clobazam é um fraco inibidor do citocromo CYP2D6. Pode ser necessário um ajuste de dose dos medicamentos metabolizados pelo CYP2D6 (ex: dextrometorfano, pimozida, paroxetina, nebivolol). - Pimozida
Usar com precaução

Clobazam Paroxetina

Observações: n.d.
Interacções: Substratos CYP2D6 O clobazam é um fraco inibidor do citocromo CYP2D6. Pode ser necessário um ajuste de dose dos medicamentos metabolizados pelo CYP2D6 (ex: dextrometorfano, pimozida, paroxetina, nebivolol). - Paroxetina
Usar com precaução

Clobazam Nebivolol

Observações: n.d.
Interacções: Substratos CYP2D6 O clobazam é um fraco inibidor do citocromo CYP2D6. Pode ser necessário um ajuste de dose dos medicamentos metabolizados pelo CYP2D6 (ex: dextrometorfano, pimozida, paroxetina, nebivolol). - Nebivolol
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Clobazam
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Se o fármaco for prescrito a uma mulher em idade fértil, esta deve ser avisada para contactar o médico no sentido de descontinuar a terapêutica se tiver a intenção de engravidar ou se suspeitar poder estar grávida.
Como é norma para os medicamentos deste tipo, clobazam não deve ser administrado à mulher grávida, durante o primeiro trimestre de gravidez. Em estadios mais avançados da gravidez, só deve ser administrado quando houver indicação clínica que realmente o justifique.

Uma vez que o clobazam é eliminado no leite materno, a utilização deste medicamento durante este período, não é recomendada.

Sedação, amnésia, dificuldade de concentração e alteração da função muscular podem afectar negativamente a capacidade de conduzir ou utilizar máquinas. Se a duração do sono for insuficiente, há maior probabilidade de a capacidade de reacção estar diminuída.

A capacidade de reacção e concentração na condução automóvel e utilização de máquinas, podem reduzir-se com o tratamento, sobretudo se houver ingestão de álcool.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021