Citarabina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Condução
O que é
A citarabina, também conhecida como citosina arabinosídeo (ara-C), é um medicamento quimioterápico usado para tratar leucemia mieloide aguda (LMA), leucemia linfocítica aguda (LLA), leucemia mielóide crónica (LMC) e linfoma não-Hodgkin.
Usos comuns
A Citarabina é usada para tratar certos tipos de leucemia (cancro no sangue).
Também é usada para tratar a leucemia associada a meningite.
Tipo
Molécula pequena.
História
A Citarabina foi sintetizada pela primeira vez em 1959 por Richard Walwick, Walden Roberts, e Charles Dekker, da Universidade da Califórnia, em Berkeley.

A citarabina foi patenteada em 1960 e aprovada para uso médico em 1969.
Está na Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial de Saúde.
Indicações
A Citarabina é indicada para indução da remissão na leucemia mielóide aguda em adultos e para outras leucemias agudas em adultos e crianças.
Classificação CFT

16.01.03 : Antimetabólitos

Mecanismo De Acção
A Citarabina actua através de lesão directa do DNA e incorporação no ADN.

A Citarabina é citotóxica para uma grande variedade de proliferação de células de mamíferos em cultura.

Exibe especificidade de fase celular, matando as células primeiramente submetidos a síntese de ADN (fase S) e, sob certas condições de bloqueio da progressão de células da fase G1 para a fase S.

Embora o mecanismo de acção não está completamente compreendido, afigura-se que a citarabina actua através da inibição da polimerase de ADN.

Também foi relatada uma incorporação limitada, mas significativa, de citarabina em ambos o ADN e ARN.
Posologia Orientativa
Dose usual em adultos para Leucemia não linfocítica aguda:
Como parte de uma quimioterapia de combinação:
100 mg/m2/dia por infusão intravenosa contínua (dia 1 a 7) ou 100 mg/m2 IV a cada 12 horas (dia 1 a 7) com uma antraciclina.

Dose usual em adultos para o linfoma não-Hodgkin:
Leucemia Aguda de indução:
100 a 200 mg/m2/dia, ou 2 a 6 mg/kg/dia como uma infusão intravenosa contínua, durante 24 horas, ou em doses divididas por injecção rápida de 5 a 10 dias. Este ciclo pode ser repetido cerca de cada 2 semanas.

Para linfoma refractário não-Hodgkin e leucemia mielóide aguda:
2 a 3 g/m2 IV a cada 12 horas para até 12 doses. A infusão IV, geralmente tem lugar durante 1 a 3 horas.

A dose de Citarabina deve ser suspensa ou modificada se o ANC estiver abaixo de 1000/mm3 ou a contagem de plaquetas for inferior a 50.000/mm3.

Para a leucemia/leucemia mielóide granulocítica crónica:
20 mg/m2 por via subcutânea durante 10 dias por mês durante 6 meses com interferão alfa.

Dose usual em adultos para a leucemia mielóide crónica:
Leucemia Aguda de indução:
100 a 200 mg/m2/dia, ou 2 a 6 mg/kg/dia como uma infusão intravenosa contínua, durante 24 horas, ou em doses divididas por injecção rápida de 5 a 10 dias.

Este ciclo pode ser repetido cerca de cada 2 semanas.

Para refractário não-Hodgkin, linfomas e leucemia mielóide aguda:
2 a 3 g/m2 IV a cada 12 horas para até 12 doses. A infusão IV, geralmente tem lugar durante 1 a 3 horas.

A dose de Citarabina deve ser suspensa ou modificada se o ANC estiver abaixo de 1000/mm3 ou a contagem de plaquetas for inferior a 50.000/mm3.

Para a leucemia/leucemia mielóide granulocítica crónica:
20 mg/m2 por via subcutânea durante 10 dias por mês durante 6 meses com interferão alfa.

Dose usual em adultos para Leucemia Mielóide Aguda:
Leucemia Aguda de indução:
100 a 200 mg/m2/dia, ou 2 a 6 mg/kg/dia como uma infusão intravenosa contínua, durante 24 horas, ou em doses divididas por injecção rápida de 5 a 10 dias. Este ciclo pode ser repetido a cada 2 semanas aproximadamente.

Para refractário não-Hodgkin, linfomas e leucemia mielóide aguda:
2 a 3 g/m2 IV a cada 12 horas para até 12 doses. A infusão IV, geralmente tem lugar durante 1 a 3 horas.

A dose de Citarabina deve ser suspensa ou modificada se o ANC estiver abaixo de 1000/mm3 ou a contagem de plaquetas for inferior a 50.000/mm3.

Para a leucemia/leucemia mielóide granulocítica crónica:
20 mg/m2 por via subcutânea durante 10 dias por mês durante 6 meses com interferão alfa.

Dose usual em adultos para a leucemia:
Leucemia Aguda de indução:
100 a 200 mg/m2/dia, ou 2 a 6 mg/kg/dia como uma infusão intravenosa contínua, durante 24 horas, ou em doses divididas por injecção rápida de 5 a 10 dias. Este ciclo pode ser repetido a cada 2 semanas aproximadamente.

Para refractário não-Hodgkin, linfomas e leucemia mielóide aguda:
2 a 3 g/m2 IV a cada 12 horas para até 12 doses. A infusão IV, geralmente tem lugar durante 1 a 3 horas.

A dose de Citarabina deve ser suspensa ou modificada se o ANC estiver abaixo de 1000/mm3 ou a contagem de plaquetas for inferior a 50.000/mm3.

Para a leucemia/leucemia mielóide granulocítica crónica:
20 mg/m2 por via subcutânea durante 10 dias por mês durante 6 meses com interferão alfa.

Dose usual em adultos para Leucemia meníngea:
O fabricante indicou que as doses que variam de 5 mg/m2 a 75 mg/m2, foram usadas por via intratecal e a frequência de administração variou entre uma vez por dia, durante 4 dias a uma vez a cada quatro dias.

O fabricante afirmou ainda que 30 mg/m2 a cada 4 dias, até que resultados do líquido cefalorraquidiano normalizem, seguido por um tratamento adicional foi a terapia utilizada com mais frequência.

Alguns médicos recomendam actualmente 10 a 30 mg por via intratecal, até 3 vezes por semana.

Usual Dose pediátrica para Leucemia não linfocítica aguda:
Como parte de uma quimioterapia de combinação:
100 mg/m2/dia por infusão intravenosa contínua (dia 1 a 7) ou 100 mg/m2 IV a cada 12 horas (dia 1 a 7) com uma antraciclina.

Usual Dose pediátrica para o linfoma não-Hodgkin:
Para o linfoma refractário não-Hodgkin e leucemia mielóide aguda:
1 a 3 g/m2, via IV a cada 12 horas para um máximo de 12 doses. A infusão IV geralmente tem lugar durante 1 a 3 horas.

A dose de Citarabina deve ser suspensa ou modificada se o ANC ficar abaixo de 1000/mm3 ou a contagem de plaquetas for inferior a 50.000/mm3.

Dose pediátrica Usual para a Leucemia Mielóide Aguda:
Para o linfoma refractário não-Hodgkin e leucemia mielóide aguda:
1 a 3 g/m2 IV a cada 12 horas para um máximo de 12 doses. A infusão IV geralmente tem lugar durante 1 a 3 horas.

A dose de Citarabina deve ser suspensa ou modificada se o ANC ficar abaixo de 1000/mm3 ou a contagem de plaquetas for inferior a 50.000/mm3.

Usual Dose pediátrica para Leucemia meníngea:
O fabricante indicou que doses que variaram de 5 mg/m2 a 75 mg/m2, foram usadas por via intratecal e a frequência de administração variou entre uma vez por dia, durante 4 dias, a uma vez a cada quatro dias.

O fabricante afirmou ainda que, 30 mg/m2 a cada 4 dias, até que resultados do líquido cefalorraquidiano normalizem, seguido por um tratamento adicional foi a terapia utilizada com mais frequência.

No entanto, alguns médicos recomendam a seguinte dosagem com base na idade:
– menos de 1 ano: 20 mg;
– 1 a 2 anos: 30 mg;
– 2 a 3 anos: 50 mg;
– mais de 3 anos: 70 a 75 mg.
Administração
Vias IV, IV, Subcutânea, Intratecal.

O tratamento com Citarabina deve ser iniciado por, ou deve ser consultado, um Médico com experiência no tratamento com citostáticos.

Apenas se podem fornecer recomendações gerais, já que a leucemia aguda é tratada quase exclusivamente com associações de citostáticos.

Administração por perfusão intravenosa ou injecção intravenosa, ou por injecção subcutânea. A injecção subcutânea é geralmente bem tolerada, e pode ser recomendada quando usada em terapêutica de manutenção.
Contra-Indicações
Hipersensibilidade à Citarabina.
Anemia, leucopenia e trombocitopenia de etiologia não-maligna (por exemplo aplasia da medula óssea); excepto se o Médico considerar que este tratamento se apresenta como a melhor alternativa para o doente.

Encefalopatias degenerativas ou tóxicas, especialmente após a utilização de metotrexato ou tratamento com radiação ionizante.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Os efeitos indesejáveis da Citarabina são dependentes da dose.
Os mais frequentes são efeitos indesejáveis gastrointestinais.
A Citarabina é tóxica para a medula óssea e causa efeitos indesejáveis hematológicos.

Infecções e infestações:
Pouco frequentes: Sépsis (imunossupressão), celulite no local de injecção.
Desconhecido: Pneumonia, abcesso hepático.

Neoplasias benignas malignas e não especificadas (incl. quistos e pólipos)
Pouco frequentes: Lentigo.

Doenças do sangue e do sistema linfático:
Frequentes: Anemia, megaloblastose, leucopenia, trombocitopenia.
Desconhecido: Diminuição dos reticulócitos.

A gravidade destas reacções depende da dose e do esquema.
Podem prever-se alterações da morfologia celular em esfregaços de medula óssea e sangue periférico.

Doenças do sistema imunitário:
Pouco frequentes: Anafilaxia.
Desconhecido: Edema alérgico.

Doenças do metabolismo e da nutrição:
Frequentes: Anorexia, hiperuricemia.

Doenças do sistema nervoso:
Frequentes: Em doses elevadas, sintomas a nível cerebelar ou cerebral com deterioração do nível de consciência, disartria, nistagmo.
Pouco frequentes: Cefaleia, neuropatia periférica.
Desconhecido: Toxicidade neurológica, nevrite, tonturas.

Afecções oculares:
Frequentes: Conjuntivite hemorrágica reversível (fotofobia, ardor, perturbações visuais, lacrimacção aumentada), queratite.
Desconhecido: Conjuntivite (pode ocorrer com erupção cutânea).

Cardiopatias:
Pouco frequentes: Pericardite.
Muito raros: Arritmia.

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino:
Pouco frequentes: Pneumonia, dispneia, dor de garganta.

Doenças gastrointestinais:
Frequentes: Disfagia, dor abdominal, náuseas, vómitos, diarreia, inflamação ou ulceração oral / anal.
Pouco frequentes: Esofagite, ulceração esofágica, pneumatose cistóide intestinal, colite necrosante, peritonite.
Desconhecido: Pancreatite.

Afecções hepatobiliares
Frequentes: Efeitos reversíveis no fígado com níveis de enzimas aumentados.
Pouco frequentes: Icterícia.
Desconhecido: Disfunção hepática.

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneos:
Frequentes: Efeitos indesejáveis reversíveis na pele, tais como eritema, dermatite bolhosa, urticária, vasculite, alopecia.
Pouco frequentes: ulceração cutânea, prurido, ardor nas palmas das mãos e plantas dos pés.
Muito raros: Hidradenite écrina neutrófila.
Desconhecido: Aparecimento de sardas, erupção cutânea.

Afecções musculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos
Pouco frequentes: Mialgia, artralgia.

Doenças renais e urinárias:
Pouco frequentes: Compromisso renal, retenção urinária.

Perturbações gerais e alterações no local de administração:
Frequentes: Febre, tromboflebite no local de injecção.
Pouco frequentes: Dor torácica.

Síndrome da Citarabina (Ara-C) (Efeito Imunoalérgico):
Podem ocorrer febre, mialgia, dor óssea, ocasionalmente dor torácica, exantema, conjuntivite e náuseas 6-12 horas após o início da terapêutica.
Os corticosteróides podem ser considerados como profilaxia e terapêutica.
Se forem eficazes, a terapêutica com Citarabina pode continuar.

Efeitos adversos devidos ao tratamento com doses elevadas de Citarabina, diferentes dos observados com as dosagens convencionais, incluem:
Toxicidade hematológica:
Observada como pancitopenia profunda que pode durar 15-25 dias, sendo acompanhada de aplasia da medula óssea mais grave do que a observada com as doses convencionais.

Infecções e infestações: Sépsis, abcesso hepático.

Doenças do sistema nervoso:
Após tratamento com doses elevadas de Citarabina, em 8-37% dos doentes tratados, aparecem sintomas a nível cerebral ou cerebelar como alterações da personalidade, estado de alerta afectado, disartria, ataxia, tremores, nistagmo, cefaleias, confusão, sonolência, tonturas, coma, convulsões, etc.
Neuropatias periféricas motoras e sensoriais também foram notificadas com a terapêutica de dose elevada.
A incidência em idosos (> 55 anos) pode ser ainda mais elevada.

Outros factores predisponentes são o compromisso da função hepática e renal, o tratamento anterior do SNC (p. ex., radioterapia) e o abuso de álcool.
As perturbações do SNC são, na maioria dos casos, reversíveis.

O risco de toxicidade do SNC aumenta se o tratamento com Citarabina, administrada em dose elevada por via intravenosa, for associado a outro tratamento tóxico do SNC como radioterapia ou dose elevada.

Toxicidade da córnea e da conjuntiva
Têm sido descritas lesão reversível da córnea e conjuntivite hemorrágica.
Estes fenómenos podem ser prevenidos ou diminuídos pela aplicação de gotas oftálmicas com corticosteróides.

Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneos: Erupção cutânea que causa descamação, alopecia.

Infecções virais, bacterianas, fúngicas, parasitárias ou saprofíticas, em qualquer local do organismo, podem estar associadas à utilização de Citarabina em monoterapia ou em associação com outros agentes imunossupressores após doses imunossupressoras que afectam a imunidade celular e humoral.
Estas infecções podem ser ligeiras, mas podem ser graves.

Foi descrita uma síndrome da Citarabina.
É caracterizada por febre, mialgia, dor óssea, ocasionalmente dor torácica, erupção maculopapular, conjuntivite e mal-estar.
Ocorre normalmente 6 a 12 horas após administração do medicamento.
Demonstrou-se que os corticosteróide são benéficos no tratamento ou prevenção desta síndrome.
Se os sintomas da síndrome forem suficientemente graves para justificar tratamento, os corticosteróides devem ser considerados assim como a continuação da terapêutica com Citarabina.

Doenças gastrointestinais:
Especialmente no tratamento com doses elevadas de Citarabina, podem desenvolver-se reacções mais graves além dos sintomas habituais.
Foram notificados casos de perfuração ou necrose intestinal com íleo e peritonite.

Observaram-se abcessos hepáticos, hepatomegalia, síndrome de Budd-Chiari (trombose venosa hepática) e pancreatite após terapêutica de dose elevada.

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino:
Podem desenvolver-se sinais clínicos como os que estão presentes no edema pulmonar/SDRA, especialmente na terapêutica de dose elevada.
A reacção é provavelmente causada por uma lesão dos capilares alveolares.
É difícil avaliar as frequências (especificadas entre 10-26% em diferentes publicações), dado que os doentes tinham geralmente recidivado em casos onde outros factores poderiam contribuir para esta reacção.

Outros:
Após a terapêutica com Citarabina, foram notificados casos de cardiomiopatia e rabdomiólise.
Foi notificado um caso de anafilaxia que resultou em paragem cardiopulmonar e exigiu reanimação.
Esta ocorreu imediatamente após a administração intravenosa de Citarabina.

Os efeitos indesejáveis gastrointestinais diminuem se a Citarabina for administrada por perfusão.
Os glucocorticóides locais são recomendados como profilaxia da Conjuntivite hemorrágica.

Amenorreia e azoospermia.

A Citarabina não é recomendada por via intratecal; contudo, os seguintes efeitos secundários foram notificados após utilização por esta via.

Reacções sistémicas previstas: depressão da medula óssea, náuseas, vómitos.
Ocasionalmente foram notificados casos de toxicidade grave da medula espinal, causando inclusivamente quadriplegia e paralisia, encefalopatia necrosante, cegueira e outras neurotoxicidades isoladas.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Este medicamento não deve normalmente ser administrado a doentes grávidas.
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:Reduzir a dose.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Este medicamento não deve normalmente ser administrado a mães que estão a amamentar.
Condução
Condução
Condução:Os doentes a receber quimioterapia podem ter uma capacidade alterada para conduzir ou utilizar máquinas e devem ser advertidos desta possibilidade e aconselhados a evitar estas tarefas se forem afectados.
Precauções Gerais
Se a sua medula óssea estiver em deficientes condições, a terapêutica deve ser iniciada sob vigilância médica rigorosa.
Se tem problemas de fígado.
A Citarabina diminui fortemente a produção de células do sangue na medula óssea. Isto podefazer com que tenha mais tendência para infecções ou hemorragias.
O número de células no sangue pode continuar a diminuir até uma semana depois de ter parado o tratamento.

O médico efectuará análises regulares ao seu sangue e examinará a sua medula óssea senecessário.

Podem ocorrer efeitos secundários graves e, por vezes, associados a risco de vida, no sistema nervoso central, intestinos ou pulmões.

As funções do fígado e rins devem ser monitorizadas durante a terapêutica com Citarabina.
Se o fígado não estiver a funcionar bem antes do tratamento, a Citarabina só deverá ser administrada com extremo cuidado.

Os níveis de ácido úrico (que indicam que as células cancerosas são destruídas) no sangue (hiperuricemia) podem estar elevados durante o tratamento.
O médico dir-lhe-á se necessita de tomar outro medicamento para controlar esta situação.
Durante o tratamento com a administração de Citarabina não é aconselhável a administração de vacinas vivas ou atenuadas.

Se necessário, consulte o médico.
A utilização de vacinas inactivadas pode não ter o efeito desejado, devido à supressão do sistema imunitário, enquanto estiver a ser administrada a Citarabina.
Cuidados com a Dieta
Os alimentos e bebidas não afectam a eficácia terapêutica do medicamento, dado que este é administrado por via parentérica.
Terapêutica Interrompida
Consulte o Médico para obter instruções se esquecer a toma de uma injecção de Citarabina.
Cuidados no Armazenamento
Não conservar acima de 25º C.
Não refrigerar ou congelar.
Este medicamento é armazenado em meio hospitalar.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Sem efeito descrito

Fludarabina Citarabina

Observações: n.d.
Interacções: Na utilização de fludarabina em terapêutica combinada com citarabina, em ensaios clínicos e experiências in vitro, verificou-se que o pico de concentração intracelular, assim como a exposição intracelular de Ara-CTP (metabólito activo da citarabina) apresentavam um incremento em células leucémicas. As concentrações plasmáticas de Ara-C e a taxa de eliminação de Ara-CTP não foram afetadas. - Citarabina
Não recomendado/Evitar

Citarabina Flucitosina

Observações: n.d.
Interacções: 5-fluorocitosina: A 5-fluorocitosina não deve ser administrada com a citarabina, uma vez que foi demonstrado que a eficácia terapêutica da 5-fluorocitosina é anulada durante este tipo de terapêutica. - Flucitosina
Sem efeito descrito

Palonossetrom Citarabina

Observações: Palonossetrom é metabolizado principalmente pela isoenzima CYP2D6, com uma contribuição menor das isoenzimas CYP3A4 e CYP1A2. Com base em estudos in vitro, palonossetrom não demonstrou inibir nem induzir as isoenzimas do citocromo P450 em concentrações clinicamente relevantes.
Interacções: Em estudos pré-clínicos, palonossetrom não demonstrou inibir a actividade antitumoral dos cinco agentes quimioterapêuticos testados (cisplatina, ciclofosfamida, citarabina, doxorrubicina e mitomicina C). - Citarabina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Pegaspargase Citarabina

Observações: A diminuição nas proteínas séricas causada por Pegaspargase pode aumentar a toxicidade de outros medicamentos ligados a proteínas. Além disso, ao inibir a síntese da proteína e a divisão celular, Pegaspargase pode perturbar o mecanismo de acção de outras substâncias que requerem a divisão celular para produzir efeitos, como o metotrexato. Pegaspargase pode interferir com a desintoxicação enzimática de outros medicamentos, sobretudo no fígado.
Interacções: O metotrexato e a citarabina podem interferir de modo diferente: a administração prévia destas substâncias pode aumentar a acção de Pegaspargase de forma sinérgica. Se estas substâncias forem administradas posteriormente, o efeito de Pegaspargase pode ser enfraquecido de forma antagónica. - Citarabina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ciclofosfamida Citarabina

Observações: A coadministração planeada ou a administração sequencial de outras substâncias ou tratamentos que podem aumentar os efeitos semelhantes ou a gravidade da toxicidade (através de interacções farmacodinâmicas ou farmacocinéticas) exigem uma avaliação individual cuidada dos benefícios e dos riscos esperados. Os doentes que recebem tais combinações devem ser monitorizados cuidadosamente quanto a sinais de toxicidade para permitir uma intervenção atempada. Os doentes em tratamento com ciclofosfamida e agentes que reduzem a sua ativação devem ser monitorizados quanto a uma possível redução da eficácia terapêutica e a necessidade de um ajuste de dose.
Interacções: interacções farmacodinamicas e interacções de mecanismos desconhecidos que afectam a utilização da ciclofosfamida A utilização sequencial ou combinada da ciclofosfamida e outros agentes com toxicidade similar pode causar efeitos tóxicos combinados (aumento). A cardiotoxicidade aumentada pode resultar de um efeito combinado da ciclofosfamida e por exemplo: – Antraciclinas – Citarabina – Pentostatina – Radioterapia na região cardíaca – Trastuzumab - Citarabina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Citarabina Digoxina

Observações: n.d.
Interacções: Digoxina: Observaram-se diminuições reversíveis nas concentrações plasmáticas de digoxina no estado estacionário e na excreção renal de glicósidos em doentes a receber beta-acetildigoxina e regimes quimioterapêuticos contendo ciclofosfamida, vincristina e prednisona com ou sem citarabina ou procarbazina. As concentrações plasmáticas de digitoxina no estado estacionário não parecem alterar-se. Deste modo, pode estar indicada a monitorização dos níveis plasmáticos de digoxina em doentes submetidos a regimes quimioterapêuticos com associações semelhantes. Pode considerar-se como alternativa a utilização de digitoxina nestes doentes. - Digoxina
Usar com precaução

Citarabina Gentamicina

Observações: n.d.
Interacções: Gentamicina: Um estudo de interacção in vitro entre a gentamicina e a citarabina demonstrou um antagonismo relacionado com a citarabina relativamente à suscetibilidade às estirpes de Klebsiella pneumoniae. Em doentes a receber citarabina tratados com gentamicina para uma infecção por K. pneumoniae, a ausência de uma resposta terapêutica imediata pode indicar a necessidade de reavaliação da terapêutica antibacteriana. - Gentamicina
Usar com precaução

Citarabina Imunossupressores

Observações: n.d.
Interacções: Utilização da citarabina em monoterapia ou em associação com outros agentes imunossupressores: Devido à acção imunossupressora da citarabina, podem ocorrer infecções víricas, bacterianas, fúngicas, parasitárias ou saprófitas em qualquer parte do organismo, estando associadas com a utilização da citarabina, em monoterapia ou em associação com outros agentes imunossupressores, após doses imunossupressoras que afectam a imunidade celular ou humoral. Estas infecções podem ser ligeiras, mas podem ser graves e por vezes fatais. - Imunossupressores
Sem efeito descrito

Cladribina Citarabina

Observações: n.d.
Interacções: Não se observou nenhuma influência da cladribina sobre a actividade de outros antineoplásicos nem in vitro (por ex., doxorrubicina, vincristina, citarabina, ciclofosfamida) nem in vivo. Contudo, um estudo in vitro revelou resistência cruzada entre a cladribina e a mostarda nitrogenada (clormetina); para a citarabina um autor descreveu uma reacção cruzada in vivo sem perda de actividade. - Citarabina
Usar com precaução

Pirimetamina Citarabina

Observações: n.d.
Interacções: Casos de aplasia fatal da medula óssea têm sido associados à administração de daunorrubicina, citosina arabinosido e pirimetamina em indivíduos que sofrem de leucemia mielóide aguda. - Citarabina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Doxorrubicina Citarabina

Observações: n.d.
Interacções: Os efeitos tóxicos de uma terapêutica com doxorrubicina podem aumentar numa associação com outros citostáticos (ex., citarabina, cisplatina, ciclofosfamida). Necroses do intestino grosso com hemorragia maciça e infecções graves podem ocorrer em relação com terapêuticas de associação com a citarabina. - Citarabina
Usar com precaução

Asparaginase Citarabina

Observações: n.d.
Interacções: Citarabina Dados laboratoriais in vitro e in vivo indicam uma diminuição da eficácia da citarabina em alta dose com a administração prévia de asparaginase. Contudo, quando a asparaginase foi administrada após a citarabina, observou-se um efeito sinérgico. Este efeito foi mais proeminente com um intervalo entre tratamentos de cerca de 120 horas. - Citarabina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções da Citarabina
Informe o Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

A Citarabina é conhecida por ser teratogénica em algumas espécies animais.

A utilização de Citarabina em mulheres que estão, ou que podem ficar, grávidas deve ser realizada apenas após devida ponderacção dos potenciais benefícios e riscos.

As mulheres têm de utilizar métodos contraceptivos eficazes durante e até 6 meses após o tratamento.

Este medicamento não deve normalmente ser administrado a doentes grávidas ou a mães que estão a amamentar.

Não foram realizados estudos de fertilidade para avaliar a toxidade reprodutiva da Citarabina.
Pode ocorrer supressão das gónadas, resultando em amenorreia ou azoospermia, em doentes submetidos a terapêutica com Citarabina, especialmente em combinação com agentes alquilantes.

Em geral, estes efeitos parecem estar relacionados com a dose e a duração do tratamento e podem ser irreversíveis.
Sendo que a Citarabina tem um potencial mutagénico que poderá induzir lesões cromossómicas nos espermatozóides humanos, os homens submetidos a tratamento com Citarabina e as suas parceiras devem ser aconselhados a usar um método contraceptivo fiável durante e até 6 meses após o tratamento.

Os doentes a receber quimioterapia podem ter uma capacidade alterada para conduzir ou utilizar máquinas e devem ser advertidos desta possibilidade e aconselhados a evitar estas tarefas se forem afectados.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021