Cilazapril

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
O Cilazapril é um medicamento do tipo IECA, inibidor da enzima de conversão da angiotensina.

É indicado para tratamento de hipertensão arterial.

É pouco solúvel na água e facilmente solúvel no metanol e no cloreto de metileno.
Usos comuns
Cilazapril pertence a um grupo de medicamentos denominados “inibidores da ECA” (inibidores da enzima de conversão da angiotensina).

Cilazapril é utilizado para tratar:
- Pressão arterial elevada (hipertensão)
- Insuficiência cardíaca crónica (a longo termo).

Cilazapril atua fazendo com que os vasos sanguíneos relaxem e se dilatem. Isto ajuda a diminuir a pressão arterial. Faz também com que o coração bombeie o sangue pelo organismo mais facilmente, caso sofra de insuficiência cardíaca crónica.
Tipo
Molécula pequena.
História
Sem informação.
Indicações
Cilazapril está indicado no tratamento da hipertensão e da insuficiência cardíaca crónica.
Classificação CFT

03.04.02.01 : Inibidores da enzima de conversão da angiotensina

Mecanismo De Ação
O Cilazapril é um inibidor específico, de ação prolongada, da enzima de conversão da angiotensina (ECA), que suprime o sistema renina-angiotensina-aldosterona e, consequentemente, a conversão da angiotensina I inativa em angiotensina II, a qual é um potente vasoconstritor.

Nas doses recomendadas, o efeito de Cilazapril em doentes hipertensos e em doentes com insuficiência cardíaca crónica mantém-se até 24 horas.
Posologia Orientativa
Hipertensão: A dose inicial é 1 mg/dia.
Administração
Via oral.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao Cilazapril ou a outros inibidores da ECA.
História de angioedema associado a terapêutica prévia com inibidor da ECA.
Angioedema idiopático ou hereditário.
Segundo e terceiro trimestres de gravidez.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Doenças do sangue e do sistema linfático
Raras: Neutropenia, agranulocitose, trombocitopenia, anemia.

Doenças do sistema imunitário
Pouco frequentes: Angioedema (pode envolver a face, lábios, língua, laringe e trato gastrointestinal

Raras: Anafilaxia; Síndrome do tipo Lúpus (sintomas podem incluir vasculite, mialgia, artralgia/artrite, anticorpos antinucleares positivos, taxa de sedimentação eritrocitária aumentada, eosinofilia e leucocitose)

Doenças do sistema nervoso
Frequentes: Cefaleia

Pouco frequentes: Disgeusia

Raras: Isquemia cerebral, acidente isquémico transitório, AVC isquémico; Neuropatia periférica

Cardiopatias
Pouco frequentes: Isquemia miocárdica, angina de peito, taquicardia, palpitações

Raras: Enfarte do miocárdio, arritmia

Vasculopatias
Frequentes: Tonturas

Pouco frequentes: Hipotensão, hipotensão postural. Os sintomas de hipotensão podem incluir síncope, fraqueza, tonturas e insuficiência visual.

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino
Frequentes: Tosse

Pouco frequentes: Dispneia, broncoespasmo, rinite

Raras: Doença pulmonar intersticial, bronquite, sinusite

Doenças gastrointestinais
Frequentes: Náuseas

Pouco frequentes: Boca seca, estomatite aftosa, diminuição do apetite, diarreia, vómitos

Raras: Glossite, pancreatite

Afeções hepatobiliares
Raras: Provas funcionais do fígado anormais (incluindo transaminases, bilirrubina, fosfatase alcalina, gama GT). Hepatite colestática com ou sem necrose

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos
Pouco frequentes: Erupção cutânea, erupção cutânea maculopapulosa

Raras: Dermatite psoriasiforme, psoríase (exacerbação), líquen plano, dermatite exfoliativa, urticária, eritema multiforme, síndrome Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, penfigoide bolhoso, pênfigo, sarcoma de Kaposi, vasculite/púrpura, reações de fotossensibilidade, alopecia, onicólise

Afeções musculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos
Pouco frequentes: Cãibras musculares, mialgia, artralgia

Doenças renais e urinárias
Raras: Compromisso renal, insuficiência renal aguda, creatininemia aumentada, ureia no sangue aumentada; Hipercaliemia, hiponatremia, proteinúria, síndrome nefrótica, nefrite

Doenças dos órgãos genitais e da mama
Pouco frequentes: Impotência

Raras: Ginecomastia

Perturbações gerais e alterações no local de administração
Frequentes: Fadiga

Pouco frequentes: Suor em excesso, afrontamento, astenia, perturbação do sono

Descrição de reações adversas seleionadas: A hipotensão e a hipotensão postural podem ocorrer quando se inicia o tratamento ou se aumenta a dose, especialmente em doentes de risco.

O compromisso renal e a insuficiência renal aguda são mais prováveis em doentes com insuficiência cardíaca grave, estenose da artéria renal, anomalias renais pré-existentes ou depleção de volume.

É mais provável que ocorra hipercaliemia em doentes com compromisso renal e em doentes que tomem diuréticos poupadores de potássio ou suplementos de potássio.

Os acontecimentos de isquemia cerebral, acidente isquémico transitório e AVC isquémico notificados raramente em associação com inibidores da ECA podem estar relacionados com a hipotensão em doentes com doença cerebrovascular subjacente.

Da mesma forma, a isquemia miocárdica pode estar relacionada com a hipotensão em doentes com doença isquemica cardíaca subjacente.

A cefaleia é um efeito adverso frequentemente notificado, embora a sua incidência seja superior em doentes a receber placebo do que em doentes tratados com inibidores da ECA.
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
Os inibidores da ECA não devem ser iniciados durante a gravidez.
A não ser que a manutenção do tratamento com inibidor da ECA seja considerada essencial, nas doentes que planeiem engravidar a medicação deve ser substituída por terapêuticas anti hipertensoras alternativas cujo perfil de segurança durante a gravidez esteja estabelecido.
Quando é diagnosticada a gravidez, o tratamento com inibidor da ECA deve ser interrompido imediatamente e, se apropriado, deverá ser iniciada terapêutica alternativa.

Os inibidores da ECA podem causar hipotensão grave, especialmente no início do tratamento.
A hipotensão associada à primeira dose é mais provável que ocorra nos doentes em que o sistema renina-angiotensina-aldosterona está ativado, tais como na hipertensão renovascular ou outras causas de hipoperfusão renal, depleção de sódio ou volume, ou tratamento prévio com outros vasodilatadores.
Estas condições podem coexistir, particularmente na insuficiência cardíaca grave.
A hipotensão deve ser tratada colocando o doente em posição supina e com expansão de volume. Após a reposição de volume, a administração de cilazapril pode ser retomada, mas com uma dose menor ou descontinuada se a hipotensão persistir.
Os doentes de risco devem começar o tratamento com cilazapril sob supervisão médica, com uma dose inicial baixa e titulação cuidadosa.
Se possível, a terapêutica diurética deve ser descontinuada temporariamente.
Deve ser tomada precaução semelhante nos doentes com angina de peito ou doença cerebrovascular, pois nestes doentes a hipotensão pode causar isquémia miocárdica ou cerebral.

Em doentes com compromisso renal, a dose de cilazapril deve ser ajustada de acordo com a depuração da creatinina. A monitorização de rotina do potássio e creatinina faz parte da prática clínica habitual para estes doentes.
Os inibidores da ECA estabeleceram efeitos nefroprotetores, mas podem causar o compromisso da função renal reversível na condição de perfusão renal reduzida, quer devida a estenose bilateral da artéria renal, insuficiência cardíaca congestiva grave, depleção de volume, hiponatremia ou elevadas doses de diuréticos, e em doentes em tratamento com AINEs.
As medidas preventivas incluem o início da terapêutica com doses muito pequenas dos inibidores da ECA, a titulação cuidadosa da dose e a descontinuação ou suspensão temporária de diuréticos.
Em doentes com estenose da artéria renal, a ativação do sistema da renina-angiotensina-aldosterona contribui para manter a perfusão renal através da constrição da arteríola eferente.
Deste modo, o bloqueio da formação da angiotensina II, e possivelmente também um aumento da formação da bradiquinina, provoca vasodilatação arteríolar eferente, resultando na redução da pressão da filtração glomerular.
A hipotensão contribui adicionalmente para a redução da perfusão renal.
Tal como com outros agentes que atuem no sistema renina-angiotensina, existe um risco aumentado de insuficiência renal, incluindo insuficiência renal aguda, quando doentes com estenose da artéria renal são tratados com cilazapril.
Por conseguinte, deve ter-se precaução nestes doentes.
Se ocorrer insuficiência renal, o tratamento deve ser descontinuado.

O angioedema tem sido associado aos inibidores da ECA, com uma incidência reportada de 0,1-0,5%.
O angioedema devido aos inibidores da ECA pode apresentar-se como episódios recorrentes de tumefação facial, que cessa com a suspensão, ou como edema orofaríngeo agudo com obstrução das vias aéreas, o qual requere tratamento de emergência e pode ser ameaçador de vida.
Uma forma variante é o angioedema do intestino, o qual tende a ocorrer dentro das primeiras 24-48 horas de tratamento.
O risco de angioedema aparenta ser superior em doentes de raça negra do que nos doentes de raça não negra.
Os doentes com história de angioedema não relacionado com inibidores da ECA podem apresentar um risco superior.

Hemodiálise: Ocorreu anafilaxia em doentes em diálise com membranas de elevado fluxo (ex.AN 69) em tratamento com inibidores da ECA.
Deve ser considerada a utilização de um tipo diferente de membrana de diálise ou de uma classe diferente de anti-hipertensores nestes doentes.
Aférese de lipoproteínas de baixa densidade (LDL): Os doentes em tratamento com inibidores da ECA durante a aférese de LDL co m sulfato de dextrano desenvolveram anafilaxia ameaçadora de vida.
Isto pode ser evitado suspendendo temporariamente a terapêutica com o inibidor da ECA antes de cada aférese.
Dessensibilização: Podem ocorrer reações anafiláticas em doentes em terapêutica de dessensibilização com veneno de vespa ou de abelha e que se encontrem sob tratamento com um inibidor da ECA.
O tratamento com cilazapril deve ser interrompido antes do início da terapêutica de dessensibilização, e não deve ser substituído por um beta bloqueante.

Têm sido notificados casos únicos de afeções da função hepática, tais como valores aumentados das provas funcionais do fígado (transaminases, bilirrubina, fosfatase alcalina, gama GT) e hepatite colestática com ou sem necrose.
Os doentes em tratamento com cilazapril que desenvolvam iterícia ou elevações pronunciadas dos enzimas hepáticos devem descontinuar o cilazapril e receber acompanhamento médico apropriado.
Em doentes com cirrose hepática (mas sem ascites) que requerem terapêutica para a hipertensão, o cilazapril deve ser iniciado com uma dose inferior e com especial precaução, porque pode ocorrer hipotensão significativa.
Nos doentes com ascites, a administração de cilazapril não está recomendada.

Foram raramente associadas neutropenia e agranulocitose com inibidores da ECA, especialmente em doentes com insuficiência renal ou vasculopatia colagénica e em doentes a fazerem terapêutica imunossupressora.
Recomenda-se a monitorização periódica do número de leucócitos nestes doentes.

Os inibidores da ECA podem causar hipercaliemia porque inibem a libertação de aldosterona.
O efeito não é geralmente significativo em doentes com função renal normal.
No entanto, pode ocorrer hipercaliemia em doentes com função renal insuficiente e/ou em doentes que tomem suplementos de potássio (incluindo substitutos do sal), diuréticos poupadores do potássio, e especialmente antagonistas da aldosterona.
Os diuréticos poupadores de potássio devem ser utilizados com precaução em doentes em tratamento com inibidores da ECA, e o potássio sérico e a função renal deve ser monitorizados.

A administração de inibidores da ECA em doentes com diabetes pode potenciar a redução da glicemia pelos agentes hipoglicemiantes orais ou pela insulina, especialmente em doentes com compromisso renal.
Nestes doentes, os níveis de glicemia devem ser monitorizados durante o início do tratamento com um inibidor da ECA.

Os agentes anestésicos que diminuam a pressão arterial podem causar hipotensão em doentes em tratamento com inibidores da ECA.
A hipotensão nesta condição pode ser corrigida com a expansão de volume.

Os inibidores da ECA devem ser utilizados com precaução em doentes com afeções cardíacas obstrutivas (por ex. estenose mitral, estenose da aorta, cardiomiopatia hipertrófica), uma vez que o débito cardíaco não pode aumentar para compensar a vasodilatação sistémica, e existe o risco de hipotensão grave.

Os inibidores da ECA são menos efetivos como anti-hipertensores em doentes de raça negra.
Estes doentes possuem também um risco superior de angioedema.

Informe o Médico ou Farmacêutico se está a tomar qualquer um dos medicamentos seguintes:
– Diuréticos (“medicamentos que aumentam a quantidade de água que passa através dos seus rins”).
– Qualquer medicamento utilizado para tratar a pressão arterial elevada.
– Medicamentos chamados “anti-inflamatórios não esteroides” (AINEs). Estes incluem aspirina, indometacina e ibuprofeno.
– Insulina ou outros medicamentos para tratar a diabetes.
– Lítio (utilizado para tratar a depressão).
– Medicamentos esteroides (tais como a hidrocortisona, prednisolona e dexametasona) ou outra medicação que suprima o sistema imunitário.
– Suplementos de potássio (incluindo substitutos do sal) ou diuréticos poupadores de potássio.
– Antagonistas da aldosterona.
– Simpaticomiméticos.
– Anestésicos, narcóticos.
– Antidepressivos tricíclicos, antipsicóticos.
– Compostos de ouro (utilizados para tratar a artrite reumatoide).
Cuidados com a Dieta
Informe o seu Médico ou Farmacêutico caso esteja a tomar suplementos que contenham potássio.
Terapêutica Interrompida
Caso se tenha esquecido de tomar uma dose, ignore a dose esquecida. Tome então a próxima dose quando for devida.
Não tome uma dose a dobrar (duas doses ao mesmo tempo) para compensar a
dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Conservar dentro da embalagem de origem.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Não recomendado/Evitar

Cilazapril + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Lítio: Foram notificados toxicidade e aumentos reversíveis das concentrações séricas de lítio durante a administração concomitante de lítio e inibidores da ECA. A utilização concomitante de diuréticos tiazídicos pode aumentar o risco de toxicidade do lítio e agravar o já existente risco aumentado de toxicidade do lítio com inibidores da ECA. A utilização de cilazapril com lítio não é recomendada, mas caso a associação seja necessária, deve ser realizada a monitorização cuidadosa dos níveis séricos do lítio. - Lítio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Antihipertensores

Observações: N.D.
Interações: Outros agentes antihipertensores: Pode observar-se um efeito aditivo quando cilazapril é administrado em associação com outros agentes antihipertensores. - Antihipertensores
Não recomendado/Evitar

Cilazapril + Diuréticos poupadores de potássio

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio ou substitutos do sal contendo potássio: Embora o potássio sérico permaneça geralmente dentro dos limites normais, pode ocorrer hipercaliemia em alguns doentes tratados com cilazapril. Os diuréticos poupadores de potássio (por ex. espironolactona, amilorida, triamtereno), suplementos de potássio ou os substitutos do sal contendo potássio podem levar a aumentos significativos do potássio sérico. Por conseguinte, a associação de cilazapril com os fármacos acima mencionados não é recomendada. Caso a utilização concomitante seja indicada devido a hipocaliemia observada, estes devem ser administrados com precaução e o potássio sérico deve ser monitorizado frequentemente. - Diuréticos poupadores de potássio
Não recomendado/Evitar

Cilazapril + Suplementos de potássio

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio ou substitutos do sal contendo potássio: Embora o potássio sérico permaneça geralmente dentro dos limites normais, pode ocorrer hipercaliemia em alguns doentes tratados com cilazapril. Os diuréticos poupadores de potássio (por ex. espironolactona, amilorida, triamtereno), suplementos de potássio ou os substitutos do sal contendo potássio podem levar a aumentos significativos do potássio sérico. Por conseguinte, a associação de cilazapril com os fármacos acima mencionados não é recomendada. Caso a utilização concomitante seja indicada devido a hipocaliemia observada, estes devem ser administrados com precaução e o potássio sérico deve ser monitorizado frequentemente. - Suplementos de potássio
Não recomendado/Evitar

Cilazapril + Potássio

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio ou substitutos do sal contendo potássio: Embora o potássio sérico permaneça geralmente dentro dos limites normais, pode ocorrer hipercaliemia em alguns doentes tratados com cilazapril. Os diuréticos poupadores de potássio (por ex. espironolactona, amilorida, triamtereno), suplementos de potássio ou os substitutos do sal contendo potássio podem levar a aumentos significativos do potássio sérico. Por conseguinte, a associação de cilazapril com os fármacos acima mencionados não é recomendada. Caso a utilização concomitante seja indicada devido a hipocaliemia observada, estes devem ser administrados com precaução e o potássio sérico deve ser monitorizado frequentemente. - Potássio
Não recomendado/Evitar

Cilazapril + Espironolactona

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio ou substitutos do sal contendo potássio: Embora o potássio sérico permaneça geralmente dentro dos limites normais, pode ocorrer hipercaliemia em alguns doentes tratados com cilazapril. Os diuréticos poupadores de potássio (por ex. espironolactona, amilorida, triamtereno), suplementos de potássio ou os substitutos do sal contendo potássio podem levar a aumentos significativos do potássio sérico. Por conseguinte, a associação de cilazapril com os fármacos acima mencionados não é recomendada. Caso a utilização concomitante seja indicada devido a hipocaliemia observada, estes devem ser administrados com precaução e o potássio sérico deve ser monitorizado frequentemente. - Espironolactona
Não recomendado/Evitar

Cilazapril + Amilorida

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio ou substitutos do sal contendo potássio: Embora o potássio sérico permaneça geralmente dentro dos limites normais, pode ocorrer hipercaliemia em alguns doentes tratados com cilazapril. Os diuréticos poupadores de potássio (por ex. espironolactona, amilorida, triamtereno), suplementos de potássio ou os substitutos do sal contendo potássio podem levar a aumentos significativos do potássio sérico. Por conseguinte, a associação de cilazapril com os fármacos acima mencionados não é recomendada. Caso a utilização concomitante seja indicada devido a hipocaliemia observada, estes devem ser administrados com precaução e o potássio sérico deve ser monitorizado frequentemente. - Amilorida
Não recomendado/Evitar

Cilazapril + Triamtereno

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos poupadores de potássio, suplementos de potássio ou substitutos do sal contendo potássio: Embora o potássio sérico permaneça geralmente dentro dos limites normais, pode ocorrer hipercaliemia em alguns doentes tratados com cilazapril. Os diuréticos poupadores de potássio (por ex. espironolactona, amilorida, triamtereno), suplementos de potássio ou os substitutos do sal contendo potássio podem levar a aumentos significativos do potássio sérico. Por conseguinte, a associação de cilazapril com os fármacos acima mencionados não é recomendada. Caso a utilização concomitante seja indicada devido a hipocaliemia observada, estes devem ser administrados com precaução e o potássio sérico deve ser monitorizado frequentemente. - Triamtereno
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos (tiazidas ou diuréticos da ansa): O tratamento prévio com elevadas doses de diuréticos pode resultar em depleção de volume e risco de hipotensão quando a terapêutica com cilazapril é iniciada. Os efeitos hipotensivos podem ser reduzidos através da descontinuação do diurético, pelo aumento do volume ou da ingestão de sal ou pelo início da terapêutica com uma dose baixa de cilazapril. - Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Diuréticos da ansa

Observações: N.D.
Interações: Diuréticos (tiazidas ou diuréticos da ansa): O tratamento prévio com elevadas doses de diuréticos pode resultar em depleção de volume e risco de hipotensão quando a terapêutica com cilazapril é iniciada. Os efeitos hipotensivos podem ser reduzidos através da descontinuação do diurético, pelo aumento do volume ou da ingestão de sal ou pelo início da terapêutica com uma dose baixa de cilazapril. - Diuréticos da ansa
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: N.D.
Interações: Antidepressivos tricíclicos/antipsicóticos/anestésicos/narcóticos: A utilização concomitante de determinados medicamentos anestésicos, antidepressivos tricíclicos e antipsicóticos com inibidores da ECA pode resultar no aumento da redução da pressão arterial. - Antidepressores (Tricíclicos)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Antipsicóticos

Observações: N.D.
Interações: Antidepressivos tricíclicos/antipsicóticos/anestésicos/narcóticos: A utilização concomitante de determinados medicamentos anestésicos, antidepressivos tricíclicos e antipsicóticos com inibidores da ECA pode resultar no aumento da redução da pressão arterial. - Antipsicóticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Anestésicos

Observações: N.D.
Interações: Antidepressivos tricíclicos/antipsicóticos/anestésicos/narcóticos: A utilização concomitante de determinados medicamentos anestésicos, antidepressivos tricíclicos e antipsicóticos com inibidores da ECA pode resultar no aumento da redução da pressão arterial. - Anestésicos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Narcóticos

Observações: N.D.
Interações: Antidepressivos tricíclicos/antipsicóticos/anestésicos/narcóticos: A utilização concomitante de determinados medicamentos anestésicos, antidepressivos tricíclicos e antipsicóticos com inibidores da ECA pode resultar no aumento da redução da pressão arterial. - Narcóticos
Usar com precaução

Cilazapril + Ácido Acetilsalicílico

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) incluindo Ácido Acetilsalicílico ≥ 3 g/dia: Quando os inibidores da ECA são administrados simultaneamente com fármacos anti-inflamatórios não esteroides (isto é, ácido acetilsalicílico em regimes de doses anti-inflamatórias, inibidores da COX-2 e AINEs não seletivos), pode ocorrer atenuação do efeito anti-hipertensivo. A utilização concomitante dos inibidores da ECA e AINEs pode levar a um risco aumentado de agravamento da função renal, incluindo possível insuficiência renal aguda e um aumento do potássio sérico, especialmente em doentes com função renal deficiente pré-existente. A associação deve ser administrada com precaução, especialmente nos idosos. Os doentes devem ser adequadamente hidratados e deve ter-se em consideração a monitorização da função renal após o início da terapia concomitante, e de forma periódica, posteriormente. - Ácido Acetilsalicílico
Usar com precaução

Cilazapril + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) incluindo Ácido Acetilsalicílico ≥ 3 g/dia: Quando os inibidores da ECA são administrados simultaneamente com fármacos anti-inflamatórios não esteroides (isto é, ácido acetilsalicílico em regimes de doses anti-inflamatórias, inibidores da COX-2 e AINEs não seletivos), pode ocorrer atenuação do efeito anti-hipertensivo. A utilização concomitante dos inibidores da ECA e AINEs pode levar a um risco aumentado de agravamento da função renal, incluindo possível insuficiência renal aguda e um aumento do potássio sérico, especialmente em doentes com função renal deficiente pré-existente. A associação deve ser administrada com precaução, especialmente nos idosos. Os doentes devem ser adequadamente hidratados e deve ter-se em consideração a monitorização da função renal após o início da terapia concomitante, e de forma periódica, posteriormente. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Simpaticomiméticos

Observações: N.D.
Interações: Simpaticomiméticos: Os simpaticomiméticos podem reduzir os efeitos antihipertensores dos inibidores da ECA. - Simpaticomiméticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Antidiabéticos Orais

Observações: N.D.
Interações: Antidiabéticos: Os estudos epidemiológicos sugeriram que a administração concomitante dos inibidores da ECA e medicamentos antidiabéticos (insulinas, agentes hipoglicemiantes orais) pode causar um aumento do efeito hipoglicemiante com risco de hipoglicemia. Este fenómeno parece ocorrer com maior probabilidade durante as primeiras semanas do tratamento combinado e em doentes com compromisso renal. - Antidiabéticos Orais
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Insulinas

Observações: N.D.
Interações: Antidiabéticos: Os estudos epidemiológicos sugeriram que a administração concomitante dos inibidores da ECA e medicamentos antidiabéticos (insulinas, agentes hipoglicemiantes orais) pode causar um aumento do efeito hipoglicemiante com risco de hipoglicemia. Este fenómeno parece ocorrer com maior probabilidade durante as primeiras semanas do tratamento combinado e em doentes com compromisso renal. - Insulinas
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Cilazapril + Hipoglicemiantes

Observações: N.D.
Interações: Antidiabéticos: Os estudos epidemiológicos sugeriram que a administração concomitante dos inibidores da ECA e medicamentos antidiabéticos (insulinas, agentes hipoglicemiantes orais) pode causar um aumento do efeito hipoglicemiante com risco de hipoglicemia. Este fenómeno parece ocorrer com maior probabilidade durante as primeiras semanas do tratamento combinado e em doentes com compromisso renal. - Hipoglicemiantes
Sem significado Clínico

Cilazapril + Aurotiomalato de sódio

Observações: N.D.
Interações: Ouro: Foram notificadas raramente reações nitritóides (os sintomas incluem afrontamento facial, náuseas, vómitos e hipotensão) em doentes em terapia com ouro injetável (aurotiomalato de sódio) e terapia concomitante com inibidores da ECA. - Aurotiomalato de sódio
Sem significado Clínico

Cilazapril + Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)

Observações: N.D.
Interações: Ouro: Foram notificadas raramente reações nitritóides (os sintomas incluem afrontamento facial, náuseas, vómitos e hipotensão) em doentes em terapia com ouro injetável (aurotiomalato de sódio) e terapia concomitante com inibidores da ECA. - Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)
Sem significado Clínico

Cilazapril + Digoxina

Observações: N.D.
Interações: Outros: Não se observaram interações clinicamente significativas quando o cilazapril foi administrado concomitantemente com digoxina, nitratos, anticoagulantes cumarínicos e bloqueadores dos recetores H2. - Digoxina
Sem significado Clínico

Cilazapril + Nitratos

Observações: N.D.
Interações: Outros: Não se observaram interações clinicamente significativas quando o cilazapril foi administrado concomitantemente com digoxina, nitratos, anticoagulantes cumarínicos e bloqueadores dos recetores H2. - Nitratos
Sem significado Clínico

Cilazapril + Anticoagulantes orais (Derivados da Cumarina)

Observações: N.D.
Interações: Outros: Não se observaram interações clinicamente significativas quando o cilazapril foi administrado concomitantemente com digoxina, nitratos, anticoagulantes cumarínicos e bloqueadores dos recetores H2. - Anticoagulantes orais (Derivados da Cumarina)
Sem significado Clínico

Cilazapril + Antagonistas dos Receptores H2 da Histamina

Observações: N.D.
Interações: Outros: Não se observaram interações clinicamente significativas quando o cilazapril foi administrado concomitantemente com digoxina, nitratos, anticoagulantes cumarínicos e bloqueadores dos recetores H2. - Antagonistas dos Receptores H2 da Histamina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Cilazapril
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Os inibidores da ECA não devem ser iniciados durante a gravidez.
A não ser que a manutenção do tratamento com inibidor da ECA seja considerada essencial, nas doentes que planeiem engravidar a medicação deve ser substituída por terapêuticas anti hipertensoras alternativas cujo perfil de segurança durante a gravidez esteja estabelecido.
A utilização de inibidores da ECA como o Cilazapril não é recomendada durante o primeiro trimestre da gravidez. A utilização dos inibidores da ECA como o Cilazapril é contraindicada durante o segundo e terceiro trimestres da gravidez.

O Cilazapril não é recomendado durante o aleitamento.

Quando conduzir e utilizar máquinas, deve ter-se em consideração que podem ocorrer ocasionalmente tonturas e fadiga, especialmente quando se inicia a terapêutica.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 18 de Setembro de 2020