Carvedilol + Ivabradina

O que é
Antianginoso, Bloqueadores beta e alfa
Usos comuns
Carvedilol + Ivabradina está indicado como terapêutica de substituição em doentes adultos com ritmo sinusal normal já controlado com ivabradina e carvedilol em coadministração no mesmo nível de doses para:
- tratamento sintomático da angina de peito crónica estável em doentes com doença arterial coronária.
- tratamento de insuficiência cardíaca crónica (classes NYHA II-IV) com disfunção sistólica.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Carvedilol + Ivabradina é usado em doentes adultos para tratar: A angina de peito estável sintomática (que causa dor de peito). Insuficiência cardíaca crónica.
Classificação CFT

03.05.01 : Antianginosos

03.04.04.02.03 : Bloqueadores beta e alfa

Mecanismo De Ação
Carvedilol:
Mecanismo de ação: O carvedilol é um bloqueador beta, não seletivo, vasodilatador, que reduz a resistência vascular periférica ao bloquear seletivamente os recetores alfa 1 e suprimir o sistema da renina-angiotensina através do bloqueio beta não seletivo.
A atividade da renina plasmática é reduzida e a retenção de líquidos é rara.

O carvedilol não tem atividade simpatomimética intrínseca. Tal como o propranolol, apresenta propriedades estabilizadoras da membrana.

O carvedilol é uma mistura racémica de dois estereoisómeros. Em modelos animais, ambos os enantiómeros mostraram características de bloqueio alfa-adrenérgico. O bloqueio dos adrenorecetores não seletivos beta1e beta2 é atribuído maioritariamente ao enantiómero S (-).

As propriedades antioxidantes de carvedilol e dos seus metabolitos foram demonstradas em estudos animais in vitro e in vivo e em diversos tipos de células humanas in vitro.

Ivabradina:
Mecanismo de ação: A ivabradina é um agente que diminui puramente a frequência cardíaca, atuando através da inibição seletiva e específica da corrente If do “pacemaker” cardíaco que controla a despolarização diastólica espontânea no nódulo sinusal e regula a frequência cardíaca. Os efeitos cardíacos são específicos do nódulo sinusal sem efeito nos tempos de condução intra-auricular, auriculo-ventricular ou intraventricular, nem sobre a contractilidade do miocárdio ou sobre a repolarização ventricular.

A ivabradina pode também interagir com a corrente Ih retiniana que é muito parecida com a If cardíaca. Participa na resolução temporal do sistema visual reduzindo a resposta da retina aos estímulos luminosos brilhantes. Em circunstâncias específicas (tais como alterações repentinas da luminosidade), a inibição parcial da Ih pela ivabradina justifica os fenómenos luminosos que podem ser ocasionalmente experimentados pelos doentes. Os fenómenos luminosos (fosfenos) são descritos como um aumento transitório da luminosidade numa área limitada do campo visual.
Posologia Orientativa
A dose recomendada de Carvedilol + Ivabradina é de um comprimido, duas vezes por dia, de manhã e à noite.
Administração
Via oral.
Contraindicações
Hipersensibilidade às substâncias ativas ou a qualquer outro bloqueador-beta; Compromisso hepático grave; Insuficiência cardíaca aguda ou instável/descompensada; Angina instável; Angina de Prinzmetal; Bloqueio AV de 2º e 3º graus; Síndrome do nódulo sinusal (inclusive bloqueio sino-auricular); Bradicardia sintomática ou grave (<50 bpm); Enfarte agudo do miocárdio; Choque cardiogénico; Dependência de pacemaker (frequência cardíaca imposta exclusivamente pelo pacemaker); Doença vascular periférica grave (p.ex. fenómeno de Raynaud); Hipotensão grave (pressão arterial sistólica <90mmHg, pressão arterial diastólica <50 mmHg); Doença pulmonar obstrutiva crónica associada a obstrução brônquica;
História de broncospasmo ou asma; Acidose metabólica; Feocromocitoma não tratado; Associação com verapamilo ou diltiazem, que são inibidores moderados do CYP3A4, com propriedades de reduzir a frequência cardíaca; Associação com inibidores potentes do citocromo P450 3A4, tais como antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona; Gravidez, aleitamento e mulheres com potencial para engravidar que não estejam a usar medidas contracetivas apropriadas.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Como todos os medicamentos, este medicamento pode ter efeitos secundários, embora estes não se manifestem em todas as pessoas.

Muito frequentes (pode afetar mais que 1 em 10 pessoas):
- Fenómenos luminosos visuais (breves momentos de luminosidade aumentada, causados frequentemente por alterações súbitas na intensidade da luz). Também podem ser descritos como uma auréola, luzes coloridas intermitentes, decomposição de imagens ou imagens múltiplas. Geralmente, estes ocorrem durante os primeiros dois meses de tratamento, após os quais podem ocorrer repetidamente e desaparecer durante ou após o tratamento,
- dor de cabeça,
- vertigens,
- problemas cardíacos que podem provocar respiração fraca ou inchaço dos pés ou pernas devido a retenção de líquidos (insuficiência cardíaca),
- pressão arterial baixa (os sinais incluem sentir-se tonto ou com cabeça oca), fraqueza generalizada, sensação de cansaço.

Frequentes (pode afetar até 1 em 10 pessoas):
- infeções pulmonares ou do tórax tais como bronquite ou pneumonia e infeções das vias respiratórias superiores,
- infeções urinárias,
- diminuição do número de glóbulos vermelhos (os sinais incluem sensação de cansaço, palidez, sensação de agitação no seu coração (palpitações) e abrandamento da respiração quando faz exercício),
- aumento dos níveis de colesterol no sangue,
- aumento dos níveis de açúcar no sangue (diabetes), descontrolo do açúcar no sangue em pessoas com diabetes,
- aumento de peso,
- ficar ou sentir-se deprimido,
- diminuição da secreção lacrimal (olhos secos), diminuição da visão, irritação ocular, visão turva (visão nebulada),
- retenção de líquidos (os sinais incluem inchaço global do corpo, inchaço de partes do corpo por exemplo mãos, pés, tornozelos e pernas e um aumento do volume do sangue no corpo),
- armazenamento de líquido nos pulmões,
- modificação do funcionamento cardíaco (os sintomas são uma diminuição do ritmo do coração), - bloqueio do coração (batimentos cardíacos irregulares),
- contração rápida e irregular do coração,
- sensação de vertigem, cabeça oca ou desmaio quando está de pé ou se levanta rapidamente,
- problemas com a circulação sanguínea tais como mãos e pés frios, obstrução das grandes artérias nos braços e pernas, agravamento dos sintomas em doentes com doença de Raynaud (formigueiros e alteração da cor (branco, azul e depois vermelho) nos dedos das mãos e pés quando expostos ao frio) ou claudicação (dor na perna que piora quando anda),
- pressão arterial não controlada,
- dificuldade em respirar, asma,
- sentir-se doente (náuseas, dor de estômago, indigestão, diarreia, vómitos,
- dor nas extremidades,
- doença com dor, articulações inchadas devido a cristais de ácido úrico (gota),
- problemas nos rins incluindo problemas de início, passagem ou paragem de urina ou alteração da frequência em urinar,
- dor.

Pouco frequentes (pode afetar até 1 em 100 pessoas): - aumento do nível de alguns glóbulos brancos,
- aumento do nível de ácido úrico no sangue,
- alterações do sono incluindo pesadelos, confusão,
- desmaio (síncope), cabeça oca, fraqueza muscular, visão turva e sensação de desmaio (pré sincope), formigueiro ou adormecimento nas mãos ou pés,
- visão dupla, sensação de rotação (vertigem),
- dor ou sensação de desconforto no peito, palpitações, alterações no ritmo cardíaco (rápido, lento ou irregular),
- pressão arterial baixa (possivelmente relacionada com frequência cardíaca baixa),
- obstipação,
- certas reações cutâneas (tais como erupção cutânea, urticária, comichão, aumento da transpiração, sintomas psoriáticos ou de líquen plano semelhantes a reações cutâneas),
- queda de cabelo,
- inchaço da face, lábios, língua ou garganta, dificuldade em respirar ou engolir, (angioedema), erupção cutânea,
- cãibras musculares,
- creatinina elevada no sangue (produto de degradação do músculo), traçado anormal do ECG, - disfunção sexual, impotência (incapacidade de conseguir ou manter uma ereção).

Raros (pode afetar até 1 em 1.000 pessoas):
- aparecimento de hemorragias ou hematomas mais facilmente que o habitual (baixo número de plaquetas no sangue),
- nariz entupido, respiração ofegante,
- boca seca,
- vermelhidão da pele,
- sensação de mal-estar.

Muito raros (pode afetar até 1 em 10.000 pessoas): - baixo número de glóbulos brancos,
- testes hepáticos fora do normal,
- uma reação alérgica (inchaço dos lábios, face ou pescoço provocando grave dificuldade em respirar, erupção cutânea ou urticária),
- problemas com o ritmo cardíaco (segundo ou terceiro grau de bloqueio atrioventricular, síndroma do nódulo sinoatrial,
- reações cutâneas graves:
- manchas circulares e irregulares de cor vermelha na pele das mãos e braços (eritema multiforme), erupção cutânea grave com vermelhidão, febre, bolhas ou úlceras (síndroma de Stevens Johnson), erupção cutânea grave envolvendo vermelhidão, escamas e inchaço na pele e que lembra queimaduras graves (necrólise epidérmica tóxica),
- em mulheres, a incapacidade de controlar a urina.
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
Interromper o tratamento: Caso seja necessário, pode interromper-se a toma de ivabradina, contudo, deve evitar-se a cessação abrupta da terapêutica com um bloqueador-beta, especialmente em doentes com doença isquémica. O fim do tratamento com Carvedilol + Ivabradina deve ser imediatamente seguido da toma de um comprimido individual de carvedilol de forma a assegurar que o doente é mantido numa dose ótima de carvedilol. A posologia individual de carvedilol deve ser reduzida gradualmente, por exemplo, reduzindo a dose diária para metade, a cada três dias. Caso seja necessário, deve ser iniciada simultaneamente terapêutica de substituição para evitar a exacerbação da angina de peito. Se o doente desenvolver sintomas, a dose deve ser reduzida mais lentamente.

Função renal na insuficiência cardíaca congestiva: Foi observado agravamento reversível da função renal com carvedilol, em doentes com insuficiência cardíaca crónica e baixa pressão arterial (PAS < 100 mmHg), doença cardíaca isquémica e doença vascular difusa e/ou insuficiência renal subjacente.

Doentes com hipotensão: Os dados existentes em doentes com hipotensão ligeira a moderada são limitados e, consequentemente, a ivabradina deve ser utilizada com precaução nestes doentes. O Carvedilol + Ivabradina é contraindicado em doentes com hipotensão grave (pressão arterial sistólica < 90 mmHg, pressão arterial diastólica <50 mmHg).

Fibrilhação auricular – Arritmias cardíacas: Não existe evidência de risco de bradicardia (excessiva) no retorno ao ritmo sinusal quando é iniciada cardioversão farmacológica em doentes tratados com ivabradina. No entanto, na ausência de mais dados, deve ser considerada cardioversão elétrica não urgente 24 horas após a última dose de Carvedilol + Ivabradina.

Utilização em doentes com síndrome QT congénito ou tratados com medicamentos que prolongam o intervalo QT: A utilização de Carvedilol + Ivabradina em doentes com síndrome QT congénito ou tratados com medicamentos que prolongam o intervalo QT deve ser evitada. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. A diminuição da frequência cardíaca, como a causada pela ivabradina, pode exacerbar o prolongamento do intervalo QT, o que pode dar origem a arritmias graves, em particular Torsades de pointes.

Doentes hipertensos que requerem modificações do tratamento da pressão arterial: No estudo SHIFT houve mais doentes a apresentarem episódios de aumento da pressão arterial quando tratados com ivabradina (7,1%) comparativamente aos doentes tratados com placebo (6,1%). Estes episódios ocorreram com maior frequência pouco tempo após a modificação do tratamento da pressão arterial, foram transitórios e não afetaram o efeito do tratamento da ivabradina. Quando forem feitas modificações ao tratamento de doentes com insuficiência cardíaca crónica tratados com ivabradina, a pressão arterial deve ser monitorizada em intervalos apropriados.

Doentes diabéticos: O carvedilol pode mascarar os sintomas e sinais de hipoglicemia aguda. Ocasionalmente, pode ocorrer deficiente controlo da glicemia em doentes com diabetes mellitus e insuficiência cardíaca, associado à utilização de carvedilol. Assim, é necessária a monitorização cuidadosa dos doentes diabéticos medicados com Carvedilol + Ivabradina através de medições regulares da glicemia e do ajuste da medicação hipoglicemiante, conforme necessário.

Doença vascular periférica: Carvedilol + Ivabradina deve ser utilizado com precaução em doentes com doença vascular periférica, uma vez que os bloqueadores-beta podem precipitar ou agravar os sintomas da doença. O mesmo se aplica aos doentes com síndrome de Raynaud, uma vez que poder haver exacerbação ou agravamento dos sintomas. Carivalan está contraindicado em caso de doença vascular periférica grave.

Anestesia e cirurgia major: Os bloqueadores-beta diminuem o risco de arritmias sob anestesia, mas o risco de hipotensão pode aumentar. Assim, devem ser tomadas precauções quando são utilizados determinados anestésicos, devido ao sinergismo nos efeitos inotrópicos negativos do carvedilol e dos anestésicos.

Tirotoxicose/hipertiroidismo: Os bloqueadores-beta, como é o caso do carvedilol, podem mascarar os sinais de hipertiroidismo e os sintomas de tirotoxicose.

Lentes de contacto: Os utilizadores de lentes de contacto medicados com Carvedilol + Ivabradina devem ser advertidos da possibilidade de redução de produção de lágrimas devido ao componente carvedilol.

Hipersensibilidade: Carvedilol + Ivabradina deve ser administrado com precaução em doentes com história de reações de hipersensibilidade graves e em doentes submetidos a terapêutica de dessensibilização, uma vez que os bloqueadores-beta, como o carvedilol, podem aumentar a sensibilidade aos alergénios e a gravidade das reações anafiláticas.

Psoríase: Em doentes com história pessoal ou familiar de psoríase associada a tratamento com bloqueadoresbeta, o Carvedilol + Ivabradina só deve ser prescrito após uma avaliação cuidadosa dos riscos e benefícios dado os bloqueadores-beta poderem agravar as reações cutâneas.

Feocromocitoma: Em doentes com feocromocitoma, deve ser iniciado tratamento com um bloqueador-alfa antes da utilização de um bloqueador-beta. Apesar de o carvedilol ter atividade farmacológica alfa e beta-bloqueadora, não existem dados relativos à utilização de carvedilol nesta patologia. Assim, em doentes em que se suspeite de feocromocitoma, a administração de Carvedilol + Ivabradina deve ser feita com precaução.

Outras precauções: Devido à insuficiência de dados clínicos, carvedilol não deve ser administrado a doentes com hipertensão lábil ou hipertensão secundária, hipotensão ortostática, miocardite aguda, estenose hemodinamicamente relevante das válvulas cardíacas ou da câmara de saída ventricular, doença arterial periférica em fase terminal ou que estejam medicados concomitantemente com um antagonista dos recetor alfa1 ou com um agonista dos recetores alfa2.

Excipientes: Como os comprimidos contêm lactose, doentes com problemas hereditários raros de intolerância à galactose, de deficiência de lactase ou de mal absorção de glucose-galactose não deverão tomar este medicamento.
Cuidados com a Dieta
Os comprimidos devem ser tomados com as refeições.
Terapêutica Interrompida
Caso se tenha esquecido de tomar uma dose de Carvedilol + Ivabradina, tome a próxima dose à hora habitual. Não tome uma dose a dobrar para compensar a dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Sem efeito descrito

Carvedilol + Ivabradina + Substratos do CYP3A4

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: A ivabradina é metabolizada só pelo CYP3A4 e é um inibidor muito fraco deste citocromo. A ivabradina demonstrou não influenciar o metabolismo e as concentrações plasmáticas de outros substratos do CYP3A4 (inibidores fracos, moderados e potentes). - Substratos do CYP3A4
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Indutores do CYP3A4

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Os inibidores e indutores do CYP3A4 são suscetíveis de interação com a ivabradina e influenciam o seu metabolismo e farmacocinética num grau clinicamente significativo. Estudos de interação medicamentosa estabeleceram que os inibidores do CYP3A4 aumentam as concentrações plasmáticas de ivabradina, enquanto os indutores as diminuem. O aumento das concentrações plasmáticas de ivabradina pode estar associado ao risco de bradicardia excessiva. Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Indutores enzimáticos citocromo P450. Ivabradina - Utilização concomitante precauções: Indutores do CYP3A4: os indutores do CYP3A4 (por ex. rifampicina, barbitúricos, fenitoína, Hypericum perforatum [Hipericão - Erva de S. João]) podem diminuir a exposição e a atividade da ivabradina. A utilização concomitante de medicamentos indutores do CYP3A4 pode requerer um ajuste de dose de ivabradina. A combinação de ivabradina 10 mg duas vezes por dia com o hipericão mostrou reduzir a AUC da ivabradina em metade. A ingestão do hipericão deve ser restringida durante o tratamento com ivabradina. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com rifampicina: Num estudo em 12 indivíduos saudáveis, a administração de rifampicina com carvedilol diminuiu as concentrações plasmáticas de carvedilol em cerca de 70%, muito provavelmente ao induzir a glicoproteína-P, o que provocou uma diminuição na absorção intestinal de carvedilol e um efeito anti-hipertensor. - Indutores do CYP3A4
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Inibidores do CYP3A4

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Os inibidores e indutores do CYP3A4 são suscetíveis de interação com a ivabradina e influenciam o seu metabolismo e farmacocinética num grau clinicamente significativo. Estudos de interação medicamentosa estabeleceram que os inibidores do CYP3A4 aumentam as concentrações plasmáticas de ivabradina, enquanto os indutores as diminuem. O aumento das concentrações plasmáticas de ivabradina pode estar associado ao risco de bradicardia excessiva. Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Inibidores moderados do CYP3A4 (além do diltiazem, verapamilo) por ex. fluconazol. Ivabradina - Utilização concomitante precauções: A utilização concomitante de ivabradina com outros inibidores moderados do CYP3A4 (por ex. fluconazol) pode ser considerada na dose inicial de 2,5 mg duas vezes por dia e se a frequência cardíaca em repouso for superior a 70 bpm, com monitorização da frequência cardíaca. - Inibidores do CYP3A4
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Inibidores da glicoproteína-P (Gp-P)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: O carvedilol é tanto um substrato como um inibidor da glicoproteína-P. Por conseguinte, é possível que a biodisponibilidade dos fármacos transportados pela glicoproteína-P aumente com a administração concomitante de carvedilol. Além disso, a biodisponibilidade do carvedilol pode ser alterada pelos indutores ou inibidores da glicoproteína-P. Tanto os inibidores como os indutores das isoenzimas CYP2D6 e CYP2C9 podem alterar o metabolismo sistémico e pré-sistémico de carvedilol de forma estereosseletiva, o que pode diminuir ou aumentar a concentração plasmática de R e S-carvedilol. - Inibidores da glicoproteína-P (Gp-P)
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Indutores da glicoproteína-P (Gp-P)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: O carvedilol é tanto um substrato como um inibidor da glicoproteína-P. Por conseguinte, é possível que a biodisponibilidade dos fármacos transportados pela glicoproteína-P aumente com a administração concomitante de carvedilol. Além disso, a biodisponibilidade do carvedilol pode ser alterada pelos indutores ou inibidores da glicoproteína-P. Tanto os inibidores como os indutores das isoenzimas CYP2D6 e CYP2C9 podem alterar o metabolismo sistémico e pré-sistémico de carvedilol de forma estereosseletiva, o que pode diminuir ou aumentar a concentração plasmática de R e S-carvedilol. - Indutores da glicoproteína-P (Gp-P)
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Inibidores do CYP2D6

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: O carvedilol é tanto um substrato como um inibidor da glicoproteína-P. Por conseguinte, é possível que a biodisponibilidade dos fármacos transportados pela glicoproteína-P aumente com a administração concomitante de carvedilol. Além disso, a biodisponibilidade do carvedilol pode ser alterada pelos indutores ou inibidores da glicoproteína-P. Tanto os inibidores como os indutores das isoenzimas CYP2D6 e CYP2C9 podem alterar o metabolismo sistémico e pré-sistémico de carvedilol de forma estereosseletiva, o que pode diminuir ou aumentar a concentração plasmática de R e S-carvedilol. - Inibidores do CYP2D6
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Indutores do CYP2D6

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: O carvedilol é tanto um substrato como um inibidor da glicoproteína-P. Por conseguinte, é possível que a biodisponibilidade dos fármacos transportados pela glicoproteína-P aumente com a administração concomitante de carvedilol. Além disso, a biodisponibilidade do carvedilol pode ser alterada pelos indutores ou inibidores da glicoproteína-P. Tanto os inibidores como os indutores das isoenzimas CYP2D6 e CYP2C9 podem alterar o metabolismo sistémico e pré-sistémico de carvedilol de forma estereosseletiva, o que pode diminuir ou aumentar a concentração plasmática de R e S-carvedilol. - Indutores do CYP2D6
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Inibidores do CYP2C9

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: O carvedilol é tanto um substrato como um inibidor da glicoproteína-P. Por conseguinte, é possível que a biodisponibilidade dos fármacos transportados pela glicoproteína-P aumente com a administração concomitante de carvedilol. Além disso, a biodisponibilidade do carvedilol pode ser alterada pelos indutores ou inibidores da glicoproteína-P. Tanto os inibidores como os indutores das isoenzimas CYP2D6 e CYP2C9 podem alterar o metabolismo sistémico e pré-sistémico de carvedilol de forma estereosseletiva, o que pode diminuir ou aumentar a concentração plasmática de R e S-carvedilol. - Inibidores do CYP2C9
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Indutores do CYP2C9

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: O carvedilol é tanto um substrato como um inibidor da glicoproteína-P. Por conseguinte, é possível que a biodisponibilidade dos fármacos transportados pela glicoproteína-P aumente com a administração concomitante de carvedilol. Além disso, a biodisponibilidade do carvedilol pode ser alterada pelos indutores ou inibidores da glicoproteína-P. Tanto os inibidores como os indutores das isoenzimas CYP2D6 e CYP2C9 podem alterar o metabolismo sistémico e pré-sistémico de carvedilol de forma estereosseletiva, o que pode diminuir ou aumentar a concentração plasmática de R e S-carvedilol. - Indutores do CYP2C9
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Antifúngicos (Azol)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. - Antifúngicos (Azol)
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Cetoconazol

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. - Cetoconazol
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Itraconazol

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. - Itraconazol
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Macrólidos

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. - Macrólidos
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Claritromicina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. - Claritromicina
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Eritromicina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Eritromicina
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Telitromicina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. - Telitromicina
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Josamicina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. - Josamicina
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Inibidores da Protease (IP)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. - Inibidores da Protease (IP)
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Nefazodona

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. - Nefazodona
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Nelfinavir

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. - Nelfinavir
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Ritonavir

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. - Ritonavir
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Fluoxetina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Fluoxetina: Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Num estudo cruzado e aleatorizado em 10 doentes com insuficiência cardíaca, a coadministração de carvedilol e fluoxetina, um potente inibidor do CYP2D6, resultou na inibição estereosseletiva do metabolismo de carvedilol com um aumento de 77% na AUC média do enantiómero R(+). No entanto, não se observaram diferenças entre os grupos de tratamento nos eventos adversos, pressão arterial ou frequência cardíaca. - Fluoxetina
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Cimetidina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Cimetidina: Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: A cimetidina aumentou a AUC de carvedilol em cerca de 30% sem provocar alterações na Cmax. Poderá ser necessário ter cuidado com os doentes medicados com inibidores das oxidases de função mista (por ex. cimetidina), uma vez que podem aumentar os níveis séricos de carvedilol. No entanto, com base no efeito relativamente pequeno da cimetidina nos níveis de carvedilol, a probabilidade de interações clínicas importantes é mínima. - Cimetidina
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Verapamilo

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores moderados do CYP3A4 (diltiazem, verapamilo). Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética e farmacodinâmica: estudos específicos de interação em voluntários saudáveis e doentes mostraram que a combinação de ivabradina com os agentes que reduzem a frequência cardíaca diltiazem ou verapamilo resultou num aumento da exposição à ivabradina (aumento de 2 a 3 vezes na AUC) e numa redução adicional da frequência cardíaca de 5 bpm. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com diltiazem ou verapamilo. À semelhança de outros bloqueadores-beta, caso se pretenda coadministrar carvedilol com bloqueadores dos canais do cálcio do tipo verapamilo ou diltiazem, recomenda-se a monitorização do ECG e da pressão arterial, uma vez que esta coadministração pode aumentar o risco de perturbações da condução AV. Utilização concomitante não recomendada de Carvedilol / Ivabradina Fármacos antiarrítmicos intravenosos (além do verapamilo, diltiazem): Carvedilol - Utilização concomitante não recomendada: Existe risco de insuficiência cardíaca em caso de coadministração intravenosa de fármacos antiarrítmicos de classe Ia ou Ic e carvedilol. A utilização concomitante de bloqueadores-beta com este tipo de fármacos deve ser cuidadosamente monitorizada. - Verapamilo
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Haloperidol

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores potentes do CYP3A4 (antifúngicos azois (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrólidos (claritromicina, eritromicina oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do VIH (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona. Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética: A utilização concomitante de inibidores potentes do CYP3A4 é contraindicada. Os inibidores potentes do CYP3A4, tais como o cetoconazol (200 mg uma vez por dia) e a josamicina (1 g duas vezes por dia) aumentaram a exposição plasmática média à ivabradina em 7 a 8 vezes. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados com inibidores enzimáticos do citocromo P450 (p.ex. cimetidina, fluoxetina, verapamilo, cetoconazol, haloperidol, eritromicina) devem ser cuidadosamente monitorizados durante o tratamento concomitante com carvedilol. - Haloperidol
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Diltiazem

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores moderados do CYP3A4 (diltiazem, verapamilo). Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética e farmacodinâmica: estudos específicos de interação em voluntários saudáveis e doentes mostraram que a combinação de ivabradina com os agentes que reduzem a frequência cardíaca diltiazem ou verapamilo resultou num aumento da exposição à ivabradina (aumento de 2 a 3 vezes na AUC) e numa redução adicional da frequência cardíaca de 5 bpm. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com diltiazem ou verapamilo. À semelhança de outros bloqueadores-beta, caso se pretenda coadministrar carvedilol com bloqueadores dos canais do cálcio do tipo verapamilo ou diltiazem, recomenda-se a monitorização do ECG e da pressão arterial, uma vez que esta coadministração pode aumentar o risco de perturbações da condução AV. Utilização concomitante não recomendada de Carvedilol / Ivabradina Fármacos antiarrítmicos intravenosos (além do verapamilo, diltiazem): Carvedilol - Utilização concomitante não recomendada: Existe risco de insuficiência cardíaca em caso de coadministração intravenosa de fármacos antiarrítmicos de classe Ia ou Ic e carvedilol. A utilização concomitante de bloqueadores-beta com este tipo de fármacos deve ser cuidadosamente monitorizada. - Diltiazem
Contraindicado

Carvedilol + Ivabradina + Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante contraindicada do Carvedilol / Ivabradina: Inibidores moderados do CYP3A4 (diltiazem, verapamilo). Ivabradina - Utilização concomitante contraindicada: Interação farmacocinética e farmacodinâmica: estudos específicos de interação em voluntários saudáveis e doentes mostraram que a combinação de ivabradina com os agentes que reduzem a frequência cardíaca diltiazem ou verapamilo resultou num aumento da exposição à ivabradina (aumento de 2 a 3 vezes na AUC) e numa redução adicional da frequência cardíaca de 5 bpm. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com diltiazem ou verapamilo. À semelhança de outros bloqueadores-beta, caso se pretenda coadministrar carvedilol com bloqueadores dos canais do cálcio do tipo verapamilo ou diltiazem, recomenda-se a monitorização do ECG e da pressão arterial, uma vez que esta coadministração pode aumentar o risco de perturbações da condução AV. Estudos específicos de interação medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. - Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Quinidina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Quinidina
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Disopiramida

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Disopiramida
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Sotalol

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Sotalol
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Bepridilo

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Bepridilo
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Amiodarona

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Amiodarona
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Ibutilida

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Ibutilida
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Pimozida

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Pimozida
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Ziprasidona

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Ziprasidona
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Sertindol

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Sertindol
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Mefloquina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Mefloquina
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Pentamidina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Pentamidina
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Halofantrina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Halofantrina
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Cisaprida

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada do Carvedilol / Ivabradina: Medicamentos cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. quinidina, disopiramida, bepridilo, sotalol, ibutilida, amiodarona). Medicamentos não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (por ex. pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida e eritromicina intravenosa). Ivabradina - Utilização concomitante não recomendada: A utilização concomitante de medicamentos cardiovasculares e não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT e de ivabradina deve ser evitada, uma vez que o prolongamento do QT pode ser exacerbado pela diminuição da frequência cardíaca. Se a combinação for necessária, impõe-se cuidadosa monitorização cardíaca. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com a amiodarona: Em doentes com insuficiência cardíaca a amiodarona diminuiu a depuração do S-carvedilol, muito provavelmente através da inibição do CYP2C9. A concentração plasmática média de R-carvedilol permaneceu inalterada. Consequentemente, existe um risco potencial de aumento do bloqueio- beta provocado por um aumento da concentração plasmática de S- carvedilol. Foram observados casos isolados de perturbações da condução (raramente com implicação hemodinâmica) quando o carvedilol foi administrado com amioradona. A coadministração de carvedilol e amiodarona (oral) deve ser cuidadosamente monitorizada dado já terem sido notificados casos de bradicardia, paragem cardíaca e fibrilhação ventricular pouco tempo após o início do tratamento concomitante. - Cisaprida
Não recomendado/Evitar

Carvedilol + Ivabradina + Sumo de toranja

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante não recomendada de Carvedilol / Ivabradina. Sumo de toranja: Ivabradina - Utilização concomitante recomendada: A exposição à ivabradina aumentou 2 vezes após a coadministração com sumo de toranja. Assim, deve evitar-se a ingestão de sumo de toranja com ivabradina. - Sumo de toranja
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Fluconazol

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Inibidores moderados do CYP3A4 (além do diltiazem, verapamilo) por ex. fluconazol. Ivabradina - Utilização concomitante precauções: A utilização concomitante de ivabradina com outros inibidores moderados do CYP3A4 (por ex. fluconazol) pode ser considerada na dose inicial de 2,5 mg duas vezes por dia e se a frequência cardíaca em repouso for superior a 70 bpm, com monitorização da frequência cardíaca. - Fluconazol
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Hipericão (Erva de S. João)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Indutores enzimáticos citocromo P450. Ivabradina - Utilização concomitante precauções: Indutores do CYP3A4: os indutores do CYP3A4 (por ex. rifampicina, barbitúricos, fenitoína, Hypericum perforatum [Hipericão - Erva de S. João]) podem diminuir a exposição e a atividade da ivabradina. A utilização concomitante de medicamentos indutores do CYP3A4 pode requerer um ajuste de dose de ivabradina. A combinação de ivabradina 10 mg duas vezes por dia com o hipericão mostrou reduzir a AUC da ivabradina em metade. A ingestão do hipericão deve ser restringida durante o tratamento com ivabradina. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com rifampicina: Num estudo em 12 indivíduos saudáveis, a administração de rifampicina com carvedilol diminuiu as concentrações plasmáticas de carvedilol em cerca de 70%, muito provavelmente ao induzir a glicoproteína-P, o que provocou uma diminuição na absorção intestinal de carvedilol e um efeito anti-hipertensor. - Hipericão (Erva de S. João)
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Barbitúricos

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Indutores enzimáticos citocromo P450. Ivabradina - Utilização concomitante precauções: Indutores do CYP3A4: os indutores do CYP3A4 (por ex. rifampicina, barbitúricos, fenitoína, Hypericum perforatum [Hipericão - Erva de S. João]) podem diminuir a exposição e a atividade da ivabradina. A utilização concomitante de medicamentos indutores do CYP3A4 pode requerer um ajuste de dose de ivabradina. A combinação de ivabradina 10 mg duas vezes por dia com o hipericão mostrou reduzir a AUC da ivabradina em metade. A ingestão do hipericão deve ser restringida durante o tratamento com ivabradina. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com rifampicina: Num estudo em 12 indivíduos saudáveis, a administração de rifampicina com carvedilol diminuiu as concentrações plasmáticas de carvedilol em cerca de 70%, muito provavelmente ao induzir a glicoproteína-P, o que provocou uma diminuição na absorção intestinal de carvedilol e um efeito anti-hipertensor. Utilização concomitante a ter em consideração (devido ao carvedilol): Barbitúricos: A administração concomitante de carvedilol e barbitúricos pode provocar diminuição da eficácia de carvedilol por indução enzimática. - Barbitúricos
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Rifampicina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Indutores enzimáticos citocromo P450. Ivabradina - Utilização concomitante precauções: Indutores do CYP3A4: os indutores do CYP3A4 (por ex. rifampicina, barbitúricos, fenitoína, Hypericum perforatum [Hipericão - Erva de S. João]) podem diminuir a exposição e a atividade da ivabradina. A utilização concomitante de medicamentos indutores do CYP3A4 pode requerer um ajuste de dose de ivabradina. A combinação de ivabradina 10 mg duas vezes por dia com o hipericão mostrou reduzir a AUC da ivabradina em metade. A ingestão do hipericão deve ser restringida durante o tratamento com ivabradina. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com rifampicina: Num estudo em 12 indivíduos saudáveis, a administração de rifampicina com carvedilol diminuiu as concentrações plasmáticas de carvedilol em cerca de 70%, muito provavelmente ao induzir a glicoproteína-P, o que provocou uma diminuição na absorção intestinal de carvedilol e um efeito anti-hipertensor. - Rifampicina
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Fenitoína

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Indutores enzimáticos citocromo P450. Ivabradina - Utilização concomitante precauções: Indutores do CYP3A4: os indutores do CYP3A4 (por ex. rifampicina, barbitúricos, fenitoína, Hypericum perforatum [Hipericão - Erva de S. João]) podem diminuir a exposição e a atividade da ivabradina. A utilização concomitante de medicamentos indutores do CYP3A4 pode requerer um ajuste de dose de ivabradina. A combinação de ivabradina 10 mg duas vezes por dia com o hipericão mostrou reduzir a AUC da ivabradina em metade. A ingestão do hipericão deve ser restringida durante o tratamento com ivabradina. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções com rifampicina: Num estudo em 12 indivíduos saudáveis, a administração de rifampicina com carvedilol diminuiu as concentrações plasmáticas de carvedilol em cerca de 70%, muito provavelmente ao induzir a glicoproteína-P, o que provocou uma diminuição na absorção intestinal de carvedilol e um efeito anti-hipertensor. - Fenitoína
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Digoxina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Glicosídeos cardíacos (digoxina, digitoxina). Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: As concentrações de digoxina e digitoxina aumentam quando a digoxina e o carvedilol são administrados concomitantemente. Tanto a digoxina, como a digitoxina e o carvedilol prolongam o tempo de condução AV e, portanto, recomenda-se maior monitorização dos níveis de digoxina ao iniciar, ajustar ou descontinuar o tratamento com Carvedilol / Ivabradina. Estudos específicos de interação medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. - Digoxina
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Digitoxina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Glicosídeos cardíacos (digoxina, digitoxina). Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: As concentrações de digoxina e digitoxina aumentam quando a digoxina e o carvedilol são administrados concomitantemente. Tanto a digoxina, como a digitoxina e o carvedilol prolongam o tempo de condução AV e, portanto, recomenda-se maior monitorização dos níveis de digoxina ao iniciar, ajustar ou descontinuar o tratamento com Carvedilol / Ivabradina. - Digitoxina
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Ciclosporina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Ciclosporina. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Dois estudos em doentes com transplante renal e cardíaco medicados com ciclosporina oral mostraram um aumento da concentração plasmática de ciclosporina após o início do tratamento com carvedilol. O carvedilol parece aumentar a absorção da ciclosporina administrada por via oral, ao inibir a atividade da glicoproteína-P no intestino. De forma a manter os níveis terapêuticos, foi necessário reduzir a dose de ciclosporina em cerca de 30% dos doentes, enquanto outros não necessitaram de qualquer ajuste de dose. Em média, a dose nestes doentes foi reduzida em cerca de 20%. Devido à elevada variabilidade de dose entre indivíduos, recomenda-se que as concentrações de ciclosporina sejam cuidadosamente monitorizadas após o início de Carvedilol / Ivabradina e que a dose de ciclosporina seja ajustada adequadamente. Não se prevê interação entre o carvedilol e a ciclosporina em administração intravenosa. - Ciclosporina
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Insulinas

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Insulina ou hipoglicemiantes orais. Carvedilol - Utilização concomitante precauçõe com: Os bloqueadores-beta podem aumentar os efeitos da insulina e dos hipoglicemiantes orais na redução do açúcar no sangue. Os sintomas de hipoglicemia (especialmente taquicardia e palpitações) podem ser mascarados ou atenuados. Assim, os níveis de glicemia devem ser cuidadosamente monitorizados em doentes medicados com insulina ou hipoglicemiantes orais. - Insulinas
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Hipoglicemiantes

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Insulina ou hipoglicemiantes orais. Carvedilol - Utilização concomitante precauçõe com: Os bloqueadores-beta podem aumentar os efeitos da insulina e dos hipoglicemiantes orais na redução do açúcar no sangue. Os sintomas de hipoglicemia (especialmente taquicardia e palpitações) podem ser mascarados ou atenuados. Assim, os níveis de glicemia devem ser cuidadosamente monitorizados em doentes medicados com insulina ou hipoglicemiantes orais. - Hipoglicemiantes
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Catecolaminas

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Fármacos depletores das catecolaminas:. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados concomitantemente com bloqueadores-beta (como o carvedilol) e fármacos depletores das catecolaminas [por ex. reserpina, guanetidina, metildopa, guanfacina e inibidores da monoamino-oxidases (exceto inibidores da MAO-B)] devem ser seguidos para deteção de sinais de hipotensão e/ou bradicardia graves. - Catecolaminas
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Guanetidina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Fármacos depletores das catecolaminas:. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados concomitantemente com bloqueadores-beta (como o carvedilol) e fármacos depletores das catecolaminas [por ex. reserpina, guanetidina, metildopa, guanfacina e inibidores da monoamino-oxidases (exceto inibidores da MAO-B)] devem ser seguidos para deteção de sinais de hipotensão e/ou bradicardia graves. - Guanetidina
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Reserpina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Fármacos depletores das catecolaminas:. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados concomitantemente com bloqueadores-beta (como o carvedilol) e fármacos depletores das catecolaminas [por ex. reserpina, guanetidina, metildopa, guanfacina e inibidores da monoamino-oxidases (exceto inibidores da MAO-B)] devem ser seguidos para deteção de sinais de hipotensão e/ou bradicardia graves. - Reserpina
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Metildopa

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Fármacos depletores das catecolaminas:. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados concomitantemente com bloqueadores-beta (como o carvedilol) e fármacos depletores das catecolaminas [por ex. reserpina, guanetidina, metildopa, guanfacina e inibidores da monoamino-oxidases (exceto inibidores da MAO-B)] devem ser seguidos para deteção de sinais de hipotensão e/ou bradicardia graves. - Metildopa
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Guanfacina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Fármacos depletores das catecolaminas:. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados concomitantemente com bloqueadores-beta (como o carvedilol) e fármacos depletores das catecolaminas [por ex. reserpina, guanetidina, metildopa, guanfacina e inibidores da monoamino-oxidases (exceto inibidores da MAO-B)] devem ser seguidos para deteção de sinais de hipotensão e/ou bradicardia graves. - Guanfacina
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Fármacos depletores das catecolaminas:. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os doentes medicados concomitantemente com bloqueadores-beta (como o carvedilol) e fármacos depletores das catecolaminas [por ex. reserpina, guanetidina, metildopa, guanfacina e inibidores da monoamino-oxidases (exceto inibidores da MAO-B)] devem ser seguidos para deteção de sinais de hipotensão e/ou bradicardia graves. - Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Clonidina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Clonidina. Carvedilol - Utilização concomitante comprecauções: A coadministração de clonidina e bloqueadores -beta (como o carvedilol) pode potenciar os efeitos de diminuição da pressão arterial e da frequência cardíaca. Em caso de interrupção do tratamento concomitante de bloqueadores-beta e clonidina, o bloqueador-beta deve ser o primeiro a ser descontinuado. O tratamento com clonidina poderá ser descontinuado alguns dias depois, diminuindo gradualmente a dose. - Clonidina
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Dihidropiridinas

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Dihidropiridina. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: A coadministração de dihidropiridinas e carvedilol deve ser cuidadosamente monitorizada dado terem já havido relatos de insuficiência cardíaca e hipotensão grave nesta situação. - Dihidropiridinas
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Anestésicos

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Anestésicos. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Recomenda-se a monitorização cuidadosa dos sinais vitais durante a anestesia devido ao sinergismo nos efeitos inotrópicos negativo e hipotensor de carvedilol e anestésicos. - Anestésicos
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Broncodilatadores

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Broncodilatadores beta-agonistas. Carvedilol - Utilização concomitante com precauções: Os bloqueadores-beta não cardiosselectivos opõem-se aos efeitos broncodilatadores dos broncodilatadores beta-agonistas. Recomenda-se a monitorização cuidadosa destes doentes. - Broncodilatadores
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Diuréticos depletores de potássio (diuréticos tiazídicos e diuréticos de ansa). Ivabradina - Utilização concomitante com precauções: A hipocaliemia pode aumentar o risco de arritmias. Uma vez que a ivabradina pode causar bradicardia, a combinação de hipocalemia e bradicardia que daí resulta é um fator de predisposição para o aparecimento de arritmias graves, especialmente em doentes com síndrome do QT longo, quer seja de origem congénita ou induzido por uma substância. - Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)
Usar com precaução

Carvedilol + Ivabradina + Diuréticos da ansa

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante com precauções de Carvedilol / Ivabradina: Diuréticos depletores de potássio (diuréticos tiazídicos e diuréticos de ansa). Ivabradina - Utilização concomitante com precauções: A hipocaliemia pode aumentar o risco de arritmias. Uma vez que a ivabradina pode causar bradicardia, a combinação de hipocalemia e bradicardia que daí resulta é um fator de predisposição para o aparecimento de arritmias graves, especialmente em doentes com síndrome do QT longo, quer seja de origem congénita ou induzido por uma substância. - Diuréticos da ansa
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carvedilol + Ivabradina + Antihipertensores

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante a ter em consideração (devido ao carvedilol): Fármacos anti-hipertensores: Tal como com outros fármacos com atividade beta- bloqueadora, o carvedilol pode potenciar o efeito de outros fármacos coadministrados com efeito anti- hipertensor (por ex. antagonistas dos recetores alfa1) ou ter a hipotensão como parte do seu perfil de efeitos adversos. - Antihipertensores
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carvedilol + Ivabradina + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante a ter em consideração (devido ao carvedilol): Anti-inflamatórios não esteroides (AINE): A administração concomitante de AINE e bloqueadores-beta pode levar a um aumento da pressão arterial e diminuir a capacidade de controlar a pressão arterial. O efeito anti-hipertensor de carvedilol diminui devido à retenção de água e de sódio. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carvedilol + Ivabradina + Estrogénios

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante a ter em consideração (devido ao carvedilol): Estrogénios e corticosteroides: A atividade anti-hipertensora de carvedilol pode diminuir devido à retenção de água e de sódio em doentes com pressão arterial estabilizada, medicados com outros fármacos, tais como estrógenos ou corticosteroides. - Estrogénios
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carvedilol + Ivabradina + Corticosteroides

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante a ter em consideração (devido ao carvedilol): Estrogénios e corticosteroides: A atividade anti-hipertensora de carvedilol pode diminuir devido à retenção de água e de sódio em doentes com pressão arterial estabilizada, medicados com outros fármacos, tais como estrógenos ou corticosteroides. - Corticosteroides
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carvedilol + Ivabradina + Nitratos

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante a ter em consideração (devido ao carvedilol): Nitratos: Os nitratos aumentam os efeitos hipotensores. Nos principais ensaios clínicos de fase III os seguintes medicamentos foram combinados normalmente com a ivabradina sem evidência de problemas de segurança: Inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas da angiotensina II, bloqueadores-beta, diuréticos, antagonistas da aldosterona, nitratos de curta e longa ação, inibidores da redutase HMG CoA, fibratos, inibidores da bomba de protões, antidiabéticos orais, Ácido acetilsalicílico e outros medicamentos anti-agregantes plaquetários. - Nitratos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carvedilol + Ivabradina + Simpaticomiméticos

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante a ter em consideração (devido ao carvedilol): Simpaticomiméticos com efeitos alfa-mimético e beta-mimético: Os simpaticomiméticos com efeitos alfa-mimético e beta-mimético aumentam o risco de hipotensão e de bradicardia excessiva. - Simpaticomiméticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carvedilol + Ivabradina + Ergotamina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante a ter em consideração (devido ao carvedilol): Ergotamina: Aumento da vasoconstrição. - Ergotamina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carvedilol + Ivabradina + Bloqueadores neuromusculares

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante a ter em consideração (devido ao carvedilol): Agentes bloqueadores neuromusculares: Aumento do bloqueio neuromuscular. - Bloqueadores neuromusculares
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Carvedilol + Ivabradina + Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Utilização concomitante a ter em consideração (devido ao carvedilol): Bloqueadores-beta sob a forma de gotas oculares: A utilização concomitante de carvedilol e outros bloqueadores-beta sob a forma de gotas oculares pode aumentar os efeitos adversos, com os bloqueadores-beta a representarem um risco específico para bradicardia excessiva. Nos principais ensaios clínicos de fase III os seguintes medicamentos foram combinados normalmente com a ivabradina sem evidência de problemas de segurança: Inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas da angiotensina II, bloqueadores-beta, diuréticos, antagonistas da aldosterona, nitratos de curta e longa ação, inibidores da redutase HMG CoA, fibratos, inibidores da bomba de protões, antidiabéticos orais, Ácido acetilsalicílico e outros medicamentos anti-agregantes plaquetários. - Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)
Sem significado Clínico

Carvedilol + Ivabradina + Inibidores da Bomba de Protões (IBP)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estudos específicos de interação medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. Nos principais ensaios clínicos de fase III os seguintes medicamentos foram combinados normalmente com a ivabradina sem evidência de problemas de segurança: Inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas da angiotensina II, bloqueadores-beta, diuréticos, antagonistas da aldosterona, nitratos de curta e longa ação, inibidores da redutase HMG CoA, fibratos, inibidores da bomba de protões, antidiabéticos orais, Ácido acetilsalicílico e outros medicamentos anti-agregantes plaquetários. - Inibidores da Bomba de Protões (IBP)
Sem significado Clínico

Carvedilol + Ivabradina + Lansoprazol

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estudos específicos de interação medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. - Lansoprazol
Sem significado Clínico

Carvedilol + Ivabradina + Omeprazol

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estudos específicos de interação medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. - Omeprazol
Sem significado Clínico

Carvedilol + Ivabradina + Sildenafil

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estudos específicos de interação medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. - Sildenafil
Sem significado Clínico

Carvedilol + Ivabradina + Inibidores da HMG-CoA redutase (Estatinas)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estudos específicos de interação medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. Nos principais ensaios clínicos de fase III os seguintes medicamentos foram combinados normalmente com a ivabradina sem evidência de problemas de segurança: Inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas da angiotensina II, bloqueadores-beta, diuréticos, antagonistas da aldosterona, nitratos de curta e longa ação, inibidores da redutase HMG CoA, fibratos, inibidores da bomba de protões, antidiabéticos orais, Ácido acetilsalicílico e outros medicamentos anti-agregantes plaquetários. - Inibidores da HMG-CoA redutase (Estatinas)
Sem significado Clínico

Carvedilol + Ivabradina + Sinvastatina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estudos específicos de interação medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. - Sinvastatina
Sem significado Clínico

Carvedilol + Ivabradina + Amlodipina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estudos específicos de interação medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. - Amlodipina
Sem significado Clínico

Carvedilol + Ivabradina + Lacidipina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estudos específicos de interação medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. - Lacidipina
Sem significado Clínico

Carvedilol + Ivabradina + Varfarina

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estudos específicos de interação medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. - Varfarina
Sem significado Clínico

Carvedilol + Ivabradina + Ácido Acetilsalicílico

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Estudos específicos de interação medicamentosa demonstraram que não existe efeito clinicamente significativo dos seguintes medicamentos na farmacocinética e farmacodinâmica da ivabradina: Inibidores da bomba de protões (omeprazol, lansoprazol), sildenafil, inibidores da redutase HMG CoA (sinvastatina), bloqueadores dos canais de cálcio dihidropiridinicos (amlodipina,lacidipina), digoxina e varfarina. Adicionalmente não houve qualquer efeito clinicamente significativo da ivabradina sobre a farmacocinética da sinvastatina, amlodipina, lacidipina, sobre a farmacocinética e farmacodinâmica da digoxina e da varfarina e sobre a farmacodinâmica do ácido acetilsalicílico. Nos principais ensaios clínicos de fase III os seguintes medicamentos foram combinados normalmente com a ivabradina sem evidência de problemas de segurança: Inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas da angiotensina II, bloqueadores-beta, diuréticos, antagonistas da aldosterona, nitratos de curta e longa ação, inibidores da redutase HMG CoA, fibratos, inibidores da bomba de protões, antidiabéticos orais, Ácido acetilsalicílico e outros medicamentos anti-agregantes plaquetários. - Ácido Acetilsalicílico
Sem efeito descrito

Carvedilol + Ivabradina + Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Nos principais ensaios clínicos de fase III os seguintes medicamentos foram combinados normalmente com a ivabradina sem evidência de problemas de segurança: Inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas da angiotensina II, bloqueadores-beta, diuréticos, antagonistas da aldosterona, nitratos de curta e longa ação, inibidores da redutase HMG CoA, fibratos, inibidores da bomba de protões, antidiabéticos orais, Ácido acetilsalicílico e outros medicamentos anti-agregantes plaquetários. - Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)
Sem efeito descrito

Carvedilol + Ivabradina + Antagonistas da angiotensina II (AAII)

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Nos principais ensaios clínicos de fase III os seguintes medicamentos foram combinados normalmente com a ivabradina sem evidência de problemas de segurança: Inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas da angiotensina II, bloqueadores-beta, diuréticos, antagonistas da aldosterona, nitratos de curta e longa ação, inibidores da redutase HMG CoA, fibratos, inibidores da bomba de protões, antidiabéticos orais, Ácido acetilsalicílico e outros medicamentos anti-agregantes plaquetários. - Antagonistas da angiotensina II (AAII)
Sem efeito descrito

Carvedilol + Ivabradina + Diuréticos

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Nos principais ensaios clínicos de fase III os seguintes medicamentos foram combinados normalmente com a ivabradina sem evidência de problemas de segurança: Inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas da angiotensina II, bloqueadores-beta, diuréticos, antagonistas da aldosterona, nitratos de curta e longa ação, inibidores da redutase HMG CoA, fibratos, inibidores da bomba de protões, antidiabéticos orais, Ácido acetilsalicílico e outros medicamentos anti-agregantes plaquetários. - Diuréticos
Sem efeito descrito

Carvedilol + Ivabradina + Diuréticos antagonistas da aldosterona

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Nos principais ensaios clínicos de fase III os seguintes medicamentos foram combinados normalmente com a ivabradina sem evidência de problemas de segurança: Inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas da angiotensina II, bloqueadores-beta, diuréticos, antagonistas da aldosterona, nitratos de curta e longa ação, inibidores da redutase HMG CoA, fibratos, inibidores da bomba de protões, antidiabéticos orais, Ácido acetilsalicílico e outros medicamentos anti-agregantes plaquetários. - Diuréticos antagonistas da aldosterona
Sem efeito descrito

Carvedilol + Ivabradina + Fibratos

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Nos principais ensaios clínicos de fase III os seguintes medicamentos foram combinados normalmente com a ivabradina sem evidência de problemas de segurança: Inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas da angiotensina II, bloqueadores-beta, diuréticos, antagonistas da aldosterona, nitratos de curta e longa ação, inibidores da redutase HMG CoA, fibratos, inibidores da bomba de protões, antidiabéticos orais, Ácido acetilsalicílico e outros medicamentos anti-agregantes plaquetários. - Fibratos
Sem efeito descrito

Carvedilol + Ivabradina + Antidiabéticos Orais

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Nos principais ensaios clínicos de fase III os seguintes medicamentos foram combinados normalmente com a ivabradina sem evidência de problemas de segurança: Inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas da angiotensina II, bloqueadores-beta, diuréticos, antagonistas da aldosterona, nitratos de curta e longa ação, inibidores da redutase HMG CoA, fibratos, inibidores da bomba de protões, antidiabéticos orais, Ácido acetilsalicílico e outros medicamentos anti-agregantes plaquetários. - Antidiabéticos Orais
Sem efeito descrito

Carvedilol + Ivabradina + Antiagregantes plaquetários

Observações: Não se observaram interações entre o carvedilol e a ivabradina num estudo de interações efetuado em voluntários saudáveis. Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Nos principais ensaios clínicos de fase III os seguintes medicamentos foram combinados normalmente com a ivabradina sem evidência de problemas de segurança: Inibidores da enzima de conversão da angiotensina, antagonistas da angiotensina II, bloqueadores-beta, diuréticos, antagonistas da aldosterona, nitratos de curta e longa ação, inibidores da redutase HMG CoA, fibratos, inibidores da bomba de protões, antidiabéticos orais, Ácido acetilsalicílico e outros medicamentos anti-agregantes plaquetários. - Antiagregantes plaquetários
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações do Carvedilol + Ivabradina
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020