Brentuximab vedotina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento
O que é
Brentuximag vedotina é uma conjugação de anticorpo-fármaco que combina um anticorpo anti-CD30 e o fármaco monometil auristatina E (MMAE).

É um agente antineoplásico utilizado no tratamento de linfoma de Hodgkin e linfoma de células grandes anaplásico sistémico.
Usos comuns
Brentuximab vedotina é usado para tratar o linfoma de Hodgkin clássico.

Brentuximab vedotina também é usado para tratar o linfoma anaplásico de grandes células que afecta órgãos por todo o corpo (sistémico) ou que está confinado apenas à pele (cutâneo primário).

Brentuximab vedotina é algumas vezes administrado após o fracasso de outros tratamentos.
Tipo
Molécula pequena.
História
Brentuximab vedotina foi aprovado em 2011 e, em janeiro de 2012 a literatura do medicamento foi revista para incluir uma advertência de leucoencefalopatia multifocal progressiva e morte após a infecção pelo vírus JC.
Indicações
Usado no tratamento de linfoma de Hodgkin e linfoma de grandes células anaplásico sistémico.
Classificação CFT

16.03 : IMUNOMODULADORES

Mecanismo De Ação
Brentuximab vedotina é um CAF que liberta um agente anticancerígeno que resulta na morte apoptótica das células, de forma selectiva, em células tumorais que expressam a proteína CD30.
Dados não clínicos sugerem que a actividade biológica de brentuximab vedotina resulta de um processo de várias etapas.
A ligação do CAF à CD30 na superfície celular inicia a internalização do complexo CAF-CD30, que depois transita para o compartimento lisossómico.
Dentro da célula, uma espécie activa exclusivamente definida, a MMAE, é libertada através de clivagem proteolítica.
A ligação da MMAE à tubulina desagrega a rede de microtúbulos dentro da célula, induz a paragem do ciclo celular e resulta na morte apoptótica da célula tumoral que expressa a proteína CD30.
O LH clássico, LACGs e subtipos de LCCT (incluindo MF e LACGpc) expressam a proteína CD30 como um antigénio da superfície das suas células malignas.
A expressão é independente do estadio da doença, linha terapêutica ou estado do transplante.
Estas características tornam a proteína CD30 um alvo de intervenção terapêutica.
Devido ao mecanismo de acção direccionado para a proteína CD30, brentuximab vedotina é capaz de superar a resistência quimioterapêutica, uma vez que a proteína CD30 é consistentemente expressa em doentes refractários a quimioterapia combinada, independentemente do estadio do transplante anterior.
O mecanismo de acção direccionado para a proteína CD30 de brentuximab vedotina, a expressão consistente da proteína CD30 no LH clássico, LACGs, LCCT CD30+ e espectros terapêuticos, e a evidência clínica após múltiplas linhas terapêuticas em malignidades que expressam positivamente a proteína CD30, fornecem um racional biológico para a sua utilização em doentes com LH clássico, LACGs com ou sem TACE prévio e LCCT CD30+ após pelo menos 1 terapêutica sistémica prévia.
As contribuições de outras funções associadas ao anticorpo para o seu mecanismo de acção não foram excluídas.
Posologia Orientativa
A dose deste medicamento depende do seu peso corporal.
A dose normal de Brentuximab vedotina administrada em combinação com doxorrubicina, vinblastina e dacarbazina é de 1,2 mg/kg administrada a cada 2 semanas durante 6 meses.
A dose normal de Brentuximab vedotina administrada em combinação com ciclofosfamida, doxorrubicina e prednisona é de 1,8 mg/kg, administrada a cada 3 semanas durante aproximadamente 4 a 6 meses.
Administração
Via intravenosa.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao Brentuximab vedotina.
O uso combinado de bleomicina e Brentuximab vedotina causa toxicidade pulmonar.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
reacções relacionadas com a perfusão
Este tipo de medicamentos (anticorpos monoclonais) pode causar reacções relacionadas com a perfusão, tais como:
- erupção na pele
- falta de ar
- dificuldade em respirar
-tosse
- sensação de aperto no peito
- febre
- dor nas costas
- arrepios
- dor de cabeça
- enjoos (náuseas) ou indisposição (vómitos).

As reacções relacionadas com a perfusão resultantes deste medicamento podem afectar mais de 1 em 10 pessoas.
De forma geral, este tipo de reacções ocorre dentro de alguns minutos até várias horas após terminar a perfusão.
No entanto, estas podem desenvolver-se após várias horas da perfusão terminar, embora seja pouco frequente.
Estas reacções relacionadas com a perfusão podem ser graves ou mesmo fatais (conhecidas como reacções anafiláticas).
Desconhece-se a frequência com que as reacções relacionadas com a perfusão são graves ou fatais.
Podem ser-lhe administrados outros medicamentos, tais como
- anti-histamínicos, corticosteroides ou paracetamol para ajudar a reduzir o aparecimento de algumas das reacções referidas acima, se estas já tiverem ocorrido anteriormente ao receber este tipo de medicamento.
Se pensa que já teve uma reacção semelhante anteriormente, informe o médico ANTES de lhe ser administrado este medicamento.
Se desenvolver reacções relacionadas com a perfusão (como referido anteriormente), o médico pode interromper a administração deste medicamento e iniciar tratamento de suporte.
Se a perfusão for reiniciada, o médico pode aumentar o tempo de duração da perfusão de modo a conseguir tolerá-la melhor.
Informe imediatamente o médico se verificar algum dos sintomas seguintes, dado que alguns deles podem indicar um problema grave ou potencialmente fatal:
- sintomas de leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP) como confusão, problemas de raciocínio, perda de memória, visão turva ou perda de visão, diminuição da força, diminuição do controlo ou sensibilidade num braço ou perna, alteração da marcha ou falta de equilíbrio, (afecta menos de 1 em cada 100 pessoas)
- sintomas de inflamação do pâncreas (pancreatite), como dor de estômago grave e persistente, com ou sem náuseas e vómitos (pode afectar até 1 em cada 100 pessoas).
- falta de ar ou tosse (pode afectar mais de 1 em cada 10 pessoas)
- sintomas semelhantes aos da gripe acompanhados por erupção na pele avermelhada ou arroxeada dolorosa que se espalha e forma bolhas, incluindo extenso descolamento da pele (pode afectar até 1 em 100 pessoas)
- uma alteração na sensibilidade, especialmente na pele, dormência, formigueiro, desconforto, sensação de queimadura, fraqueza, dor nas mãos ou nos pés (neuropatia – pode afectar mais de 1 em 10 pessoas)
- sensação de fraqueza (pode afectar mais de 1 em 10 pessoas)
- obstipação (pode afectar mais de 1 em 10 pessoas)
- diarreia, vómitos (pode afectar mais de 1 em 10 pessoas)
- arrepios ou tremores (pode afectar até de 1 em 10 pessoas)
- sensação de cansaço, urina com frequência, aumento da sensação de sede, aumento de apetite acompanhado de perda de peso não intencional e irritabilidade (estes sinais podem indicar hiperglicemia, que pode afectar até 1 em 10 pessoas)
- hemorragia (perda de sangue) ou nódoas negras invulgares sob a pele, hemorragia (perda de sangue) com uma duração superior à habitual quando faz análises, hemorragia (perda de sangue)das gengivas (estes sintomas podem indicar trombocitopenia, que pode afectar até 1 em 10 pessoas)
- dores de cabeça, tonturas, palidez (estes sinais podem indicar anemia, que pode afectar mais de 1 em 10 pessoas).

Pode apresentar os seguintes efeitos indesejáveis:
Foram observados os seguintes efeitos indesejáveis com Brentuximab vedotina isolado:

Efeitos indesejáveis muito frequentes (podem afectar mais de 1 em 10 pessoas)
- níveis baixos de glóbulos brancos
- infecção do trato respiratório superior
- perda de peso-infecção-náuseas
- dor abdominal
- comichão
- dor muscular
- dor articular ou articulações dolorosas e inchadas

Efeitos indesejáveis frequentes (podem afectar até 1 em 10 pessoas)
- pneumonia
- manchas dolorosas com relevo, de cor creme-amarelada, na boca (sapinhos)
- níveis baixos de plaquetas no sangue
- tonturas
- bolhas que podem formar crosta ou escara
- níveis elevados de açúcar no sangue
- aumento dos níveis de enzimas hepáticas-perda ou enfraquecimento não habitual do cabelo

Efeitos indesejáveis pouco frequentes (podem afectar até 1 em 100 pessoas)
- síndrome de lise tumoral
– uma condição que coloca potencialmente a vida em risco, em que pode sentir tonturas, urinar com menos frequência, sentir confusão, vómitos, náuseas, inchaço, falta de ar ou perturbações do ritmo cardíaco
- infecção nova ou recorrente por citomegalovírus (CMV)
- infecção no sangue (septicemia) e/ou choque séptico (uma forma de septicemia com risco de vida)
- síndrome de Stevens-Johnson e Necrólise Epidérmica Tóxica
– um distúrbio raro e grave em que pode apresentar sintomas semelhantes aos da gripe, acompanhados por erupção na pele avermelhada ou arroxeada dolorosa que se espalha e forma bolhas, incluindo extenso descolamento da pele
- redução do número de células brancas do sangue com febre
- danos nos nervos e revestimento dos nervos (polineuropatia desmielinizante)

Desconhecido (a frequência não pode ser calculada a partir dos dados disponíveis)
- Extravasamento do medicamento para fora da veia para os tecidos circundantes.
Podem ocorrer reacções relacionadas com o extravasamento, tais como vermelhidão da pele, dor, inchaço, formação de bolhas ou descamação, no local da administração do medicamento.
Foram observados os seguintes efeitos indesejáveis com Brentuximab vedotina em combinação com quimioterapia:

Efeitos indesejáveis muito frequentes (podem afectar mais de 1 em 10 pessoas)
- níveis baixos de glóbulos brancos
- níveis baixos de plaquetas no sangue
- níveis baixos de glóbulos brancos, com febre
- infecção do trato respiratório superior
- perda de peso
- infecção
- náuseas
- dor abdominal
- perda ou enfraquecimento não habitual do cabelo
- dor muscular
- dor articular ou articulações dolorosas e inchadas
- tonturas
- perda de apetite
- incapacidade de dormir
- dor nos ossos
- bolhas que podem formar crosta ou escara

Efeitos indesejáveis frequentes (podem afectar até 1 em 10 pessoas)
- infecção no sangue (septicemia) e/ou choque séptico (uma forma de septicemia com risco de vida)
- aftas ou inflamação na boca
- manchas dolorosas com relevo, de cor creme-amarelada, na boca (sapinhos) -comichão-níveis elevados de açúcar no sangue
- aumento dos níveis de enzimas no fígado

Efeitos indesejáveis pouco frequentes (afectam menos de 1 em 100 pessoas)
- síndrome de lise tumoral
– uma condição que coloca potencialmente a vida em risco, em que pode sentir tonturas, urinar com menos frequência, sentir confusão, vómitos, náuseas, inchaço, falta de ar ou perturbações do ritmo cardíaco
- síndrome de Stevens-Johnson
– um distúrbio raro e grave em que pode sentir sintomas semelhantes aos da gripe, acompanhados por erupção na pele avermelhada ou arroxeada dolorosa que se espalha e forma bolhas, incluindo extenso descolamento da pele
- infecção nova ou recorrente por citomegalovírus (CMV)

Se for idoso (≥ 65 anos de idade), pode observar eventos adversos graves com maior frequência.
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
A primeira vez que receber este medicamento e durante o curso do tratamento, informe o seu médicose:
- sentir confusão, problemas de raciocínio, perda de memória, visão turva ou perda de visão, diminuição da força, diminuição do controlo ou sensibilidade num braço ou perna, alteração da marcha ou falta de equilíbrio, uma vez que estes sintomas podem estar associados a um problema cerebral grave e potencialmente fatal conhecido por leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP).

Se tiver estes sintomas antes de iniciar o tratamento com este medicamento, informe imediatamente o médico sobre quaisquer alterações nestes sintomas.

Também deve informar o seu cônjuge ou prestador de cuidados sobre o seu tratamento, uma vez que estes podem reparar em sintomas dos quais não se aperceba;
- tiver dores de estômago graves e persistentes, com ou sem náuseas e vómitos, uma vez que estes podem ser sintomas de uma doença grave e potencialmente fatal, conhecida como pancreatite (inflamação do pâncreas);
- tiver aparecimento ou agravamento de falta de ar ou tosse, pois estes podem ser sintomas de uma complicação pulmonar grave e potencialmente fatal (toxicidade pulmonar);
- está a tomar, ou tomou anteriormente, medicamentos que podem afectar o seu sistema imunitário, tais como agentes quimioterapêuticos ou imunossupressores;
- tem, ou pensa ter, uma infecção.
Algumas infecções podem ser graves e podem ser causadas por vírus, bactérias ou outras causas que poderão colocar a vida em risco;
- ouve um som sibilante quando respira (pieira)/tem dificuldade em respirar, urticária, comichão ou inchaço (sinais de uma reacção causada pela perfusão).
- tem qualquer problema com uma alteração na sensibilidade da pele, especialmente nas mãos ou pés, como dormência, formigueiro, sensação de queimadura, dor, desconforto ou fraqueza (neuropatia);
- tem dores de cabeça, sente cansaço, tonturas, palidez (anemia) ou tem hemorragia (perda de sangue) ou nódoas negras invulgares sob a pele, hemorragia (perda de sangue) com uma duração superior à habitual quando faz análises, ou hemorragia (perda de sangue) das gengivas (trombocitopenia);
- tem arrepios ou tremores, ou sente-se quente.
Deve medir a temperatura porque poderá ter febre.
A febre acompanhada com uma contagem baixa de glóbulos brancos pode indicar uma infecção grave;
- tem tonturas, urina com menos frequência, sente confusão, vómitos, náuseas, inchaço, falta de ar ou perturbações do ritmo cardíaco (estes sintomas podem indicar uma complicação potencialmente fatal conhecida por síndrome de lise tumoral);
- tem sintomas semelhantes aos da gripe acompanhados por erupção na pele avermelhada ou arroxeada dolorosa que se espalha e forma bolhas, incluindo extenso descolamento da pele que pode ser fatal (estes sintomas podem indicar uma reacção cutânea grave conhecida por síndrome de Stevens-Johnson e Necrólise Epidérmica Tóxica);
- surgirem ou tiver agravamento de dores de estômago, náuseas, vómitos, obstipação, pois estes podem ser sintomas de complicações no estômago ou intestino (complicações gastrointestinais) graves e potencialmente fatais;
- tem resultados anormais de testes da função hepática, pois estes podem estar relacionados com uma lesão hepática (hepatoxicidade) grave e potencialmente fatal.
A doença hepática e outras condições médicas que possam ter existido antes de começar a tomar Brentuximab vedotina, bem como outras medicações que esteja a tomar actualmente, podem aumentar o risco de lesão hepática;
- sente cansaço, urina com frequência, aumento de sensação de sede, aumento de apetite acompanhado de perda de peso não intencional, ou irritabilidade (hiperglicemia);
- tem problemas nos rins ou no fígado.
O médico irá realizar análises ao sangue para certificar-se de que é seguro para si receber este medicamento.

Informe o médico se estiver a tomar, tiver tomado recentemente ou se vier a tomar outros medicamentos.
Isto inclui medicamentos à base de plantas e outros medicamentos que pode obter sem receita.
Cuidados com a Dieta
Sem informação.
Terapêutica Interrompida
Se falhar uma dose de Vedotin, contacte o médico imediatamente.
Cuidados no Armazenamento
Guardar os frascos entre 2 ° e 8 ° C na embalagem original para proteger da luz.
Armazenamento da solução e / ou uma solução diluída para infusão entre 2° e 8°C e reconstituída a utilizar dentro de 24 horas após a reconstituição. Não congelar. Elimine qualquer porção não utilizada deixada no frasco.
Este medicamento é armazenado em meio hospitalar.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Brentuximab vedotina + Inibidores do CYP3A4

Observações: N.D.
Interacções: interacção com medicamentos metabolizados através do CYP3A4 (inibidores/indutores do CYP3A4): A administração concomitante de brentuximab vedotina e cetoconazol, um inibidor potente do CYP3A4 e da P-gp, aumentou a exposição ao agente antimicrotúbulo MMAE em aproximadamente 73%, e não alterou a exposição plasmática a brentuximab vedotina. Por conseguinte, a administração concomitante de brentuximab vedotina e inibidores potentes do CYP3A4 e da P-gp pode aumentar a incidência de neutropenia. A administração concomitante de brentuximab vedotina e rifampicina, um indutor potente do CYP3A4, não alterou a exposição plasmática a brentuximab vedotina. No entanto, reduziu a exposição ao MMAE em aproximadamente 31%. - Inibidores do CYP3A4
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Lumacaftor + Brentuximab vedotina

Observações: N.D.
Interacções: A concentração de soro de Brentuximabe vedotin pode ser reduzida quando é combinado com Lumacaftor. - Brentuximab vedotina
Usar com precaução

Brentuximab vedotina + Indutores do CYP3A4

Observações: N.D.
Interacções: interacção com medicamentos metabolizados através do CYP3A4 (inibidores/indutores do CYP3A4): A administração concomitante de brentuximab vedotina e cetoconazol, um inibidor potente do CYP3A4 e da P-gp, aumentou a exposição ao agente antimicrotúbulo MMAE em aproximadamente 73%, e não alterou a exposição plasmática a brentuximab vedotina. Por conseguinte, a administração concomitante de brentuximab vedotina e inibidores potentes do CYP3A4 e da P-gp pode aumentar a incidência de neutropenia. A administração concomitante de brentuximab vedotina e rifampicina, um indutor potente do CYP3A4, não alterou a exposição plasmática a brentuximab vedotina. No entanto, reduziu a exposição ao MMAE em aproximadamente 31%. - Indutores do CYP3A4
Usar com precaução

Brentuximab vedotina + Cetoconazol

Observações: N.D.
Interacções: interacção com medicamentos metabolizados através do CYP3A4 (inibidores/indutores do CYP3A4): A administração concomitante de brentuximab vedotina e cetoconazol, um inibidor potente do CYP3A4 e da P-gp, aumentou a exposição ao agente antimicrotúbulo MMAE em aproximadamente 73%, e não alterou a exposição plasmática a brentuximab vedotina. Por conseguinte, a administração concomitante de brentuximab vedotina e inibidores potentes do CYP3A4 e da P-gp pode aumentar a incidência de neutropenia. A administração concomitante de brentuximab vedotina e rifampicina, um indutor potente do CYP3A4, não alterou a exposição plasmática a brentuximab vedotina. No entanto, reduziu a exposição ao MMAE em aproximadamente 31%. - Cetoconazol
Usar com precaução

Brentuximab vedotina + Inibidores da glicoproteína-P (Gp-P)

Observações: N.D.
Interacções: interacção com medicamentos metabolizados através do CYP3A4 (inibidores/indutores do CYP3A4): A administração concomitante de brentuximab vedotina e cetoconazol, um inibidor potente do CYP3A4 e da P-gp, aumentou a exposição ao agente antimicrotúbulo MMAE em aproximadamente 73%, e não alterou a exposição plasmática a brentuximab vedotina. Por conseguinte, a administração concomitante de brentuximab vedotina e inibidores potentes do CYP3A4 e da P-gp pode aumentar a incidência de neutropenia. A administração concomitante de brentuximab vedotina e rifampicina, um indutor potente do CYP3A4, não alterou a exposição plasmática a brentuximab vedotina. No entanto, reduziu a exposição ao MMAE em aproximadamente 31%. - Inibidores da glicoproteína-P (Gp-P)
Usar com precaução

Brentuximab vedotina + Rifampicina

Observações: N.D.
Interacções: interacção com medicamentos metabolizados através do CYP3A4 (inibidores/indutores do CYP3A4): A administração concomitante de brentuximab vedotina e cetoconazol, um inibidor potente do CYP3A4 e da P-gp, aumentou a exposição ao agente antimicrotúbulo MMAE em aproximadamente 73%, e não alterou a exposição plasmática a brentuximab vedotina. Por conseguinte, a administração concomitante de brentuximab vedotina e inibidores potentes do CYP3A4 e da P-gp pode aumentar a incidência de neutropenia. A administração concomitante de brentuximab vedotina e rifampicina, um indutor potente do CYP3A4, não alterou a exposição plasmática a brentuximab vedotina. No entanto, reduziu a exposição ao MMAE em aproximadamente 31%. - Rifampicina
Sem efeito descrito

Brentuximab vedotina + Substratos do CYP3A4

Observações: N.D.
Interacções: A administração concomitante de midazolam, um substrato do CYP3A4, e brentuximab vedotina não alterou o metabolismo de midazolam. Por conseguinte, não se prevê que brentuximab vedotina altere a exposição a medicamentos que são metabolizados por enzimas CYP3A4. - Substratos do CYP3A4
Sem efeito descrito

Brentuximab vedotina + Midazolam

Observações: N.D.
Interacções: A administração concomitante de midazolam, um substrato do CYP3A4, e brentuximab vedotina não alterou o metabolismo de midazolam. Por conseguinte, não se prevê que brentuximab vedotina altere a exposição a medicamentos que são metabolizados por enzimas CYP3A4. - Midazolam
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Brentuximab vedotina
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Juntamente com o seu parceiro sexual, devem utilizar dois métodos contraceptivos efectivos durante o seu tratamento com este medicamento.
As mulheres devem continuar a utilizar métodos contraceptivos durante 6 meses após a última dose de Brentuximab vedotina.
Não deve utilizar este medicamento se estiver grávida, excepto se decidir juntamente com o médico que os benefícios ultrapassam os riscos potenciais para o feto.
É importante informar o médico antes e durante o tratamento se está grávida, se pensa estar grávida ou planeia engravidar.

Se está a amamentar, deve ponderar com o médico se deve receber este medicamento.

Os homens tratados com este medicamento são aconselhados a congelar e guardar amostras de esperma antes do tratamento.
Os homens a receber tratamento com este medicamento são aconselhados a não ter filhos durante o tratamento e até 6 meses após a última dose.

O tratamento pode influenciar a sua capacidade de conduzir ou operar máquinas.
Se se sentir indisposto durante o tratamento não conduza ou opere máquinas.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 24 de Março de 2021