Bevacizumab

DCI com Advertência na Gravidez Uso Hospitalar DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
Bevacizumab é um anticorpo monoclonal recombinante humanizado IgG1 que se liga e inibe a actividade biológica do factor de crescimento endotelial vascular humano (VEGF).

Bevacizumab contém regiões de estrutura humana e as regiões determinantes de complementaridade de um anticorpo de murino, que se liga ao VEGF.

Bevacizumab é produzido num sistema de expressão de células de mamífero de ovário de hamster chinês, num meio nutriente contendo o antibiótico gentamicina e tem um peso molecular de cerca de 149 quilodaltons.
Usos comuns
Em combinação com quimioterapia IV 5 baseada-fluorouracil como primeira ou segunda linha de tratamento de carcinoma metastático do cólon ou reto, em combinação com carboplatina e paclitaxel como tratamento de primeira linha de irressecável, localmente avançado, recorrente ou metastático; no cancro do pulmão de pequenas células não escamosas como terapia de agente único para o glioblastoma com doença progressiva após terapia anterior; em combinação com o interferão alfa para o tratamento de carcinoma de células renais metastático.
Tipo
biotecnologia
História
Sem informação.
Indicações
Como parte da terapia de combinação para o cancro colorretal metastático e o cancro de mama metastático HER2-negativo.
Classificação CFT
16.03     IMUNOMODULADORES
Mecanismo De Ação
Bevacizumab liga-se ao VEGF e evita a interacção do VEGF aos seus receptores (Flt-1 e KDR) sobre a superfície de células endoteliais.

Isto evita a proliferação de vasos sanguíneos e metástase do tumor.
Posologia Orientativa
Glioblastoma
Adultos:
Infusão IV de 10 mg / kg a cada 14 dias.

Carcinoma metastizado do cólon ou do reto
Adultos:
Infusão IV de 5 ou 10 mg / kg a cada 14 dias, em combinação com quimioterapia IV à base de 5-fluorouracilo.

A dosagem recomendada é de 5 mg / kg a cada 14 dias, quando administrados com irinotecan/5-fluorouracil/leucovorin, e 10 mg / kg a cada 14 dias, quando administrados com 5-fluorouracil/leucovorina/oxaliplatina (FOLFOX4).

Carcinoma de células renais metastático
Adultos:
Infusão IV de 10 mg / kg a cada 14 dias, em combinação com interferão alfa.

Cancro de pulmão de pequenas células não escamosass
Adultos:
Infusão IV de 15 mg / kg a cada 21 dias em combinação com carboplatina e paclitaxel.
Administração
Via intravenosa.
Contraindicações
Não usar solução Bevacizumab se:
– é alérgico a qualquer ingrediente em solução Bevacizumab;
– tem uma ruptura ou perfuração no estômago ou intestinos;
– tem uma ferida (incluindo ferida cirúrgica) que não tenha curado ou se tenha aberto;
– teve uma cirurgia nos últimos 28 dias;
– tem hemorragia grave ou que tenha recentemente cuspido sangue;
– está a tomar Sunitinib;
Contatar o seu Médico ou profissional de saúde imediatamente se alguma destas situaçãoes se aplicar a si.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Obtenha ajuda médica de emergência se tiver algum destes sinais de reacção alérgica: urticária; dificuldade em respirar, inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta.

Bevacizumab pode causar uma doença neurológica rara, mas grave que afeta o cérebro.

Chame o seu Médico imediatamente se tem uma dor de cabeça, confusão, problemas de visão, sentindo-se muito fraco ou cansado, desmaio, ou apreensão (lapsos de memória ou convulsões).

Estes sintomas raros podem ocorrer dentro do horário de sua primeira dose de bevacizumab, ou podem não aparecer até um ano após o tratamento ter começado.

Algumas pessoas que receberam Bevacizumab desenvolveram uma fístula (uma passagem anormal) dentro da garganta, pulmões, da vesícula biliar, do rim, da bexiga ou da vagina.

Chame o seu Médico se tiver: dor no peito e dificuldade para respirar, dor de estômago ou inchaço, perda de urina, ou se sentir como se estivesse sufocando e engasgando-se ao comer ou beber.

Bevacizumab pode facilitar o aparecimento de hemorragias; Contacte o seu Médico ou procure atendimento médico de emergência se tiver uma hemorragia que não dá sinais de parar.

Também pode ter hemorragias no interior do organismo, como no estômago ou intestinos, ou em seu cérebro.

Chame o Médico imediatamente se tem:
– sinais de hemorragia no aparelho digestivo - dor intensa no estômago, fezes pretas ou sanguinolentas, ou se você tossir sangue ou vómito que se parece com borra de café;

– sinais de sangramento no cérebro - dormência súbita ou fraqueza (especialmente num lado do corpo), dor de cabeça súbita e grave, fala arrastada, ou problemas de visão ou de equilíbrio;

– sinais de qualquer infecção de pele - vermelhidão súbita, calor, inchaço, ou qualquer ferida da pele ou de incisão cirúrgica que não cicatriza;

– nódoas negras, hemorragia invulgar (nariz, boca, vagina, reto), manchas roxas ou vermelhas puntiformes sob a pele, ou qualquer sangramento que não vai parar;

– febre, vómitos e constipação;

– gengivas inchadas, feridas dolorosas na boca, dor ao engolir, feridas na pele, sintomas de resfriado ou gripe, tosse;

– dor, inchaço, calor, vermelhidão em uma ou ambas as pernas;

– aperto no peito ou sensação de peso, dor que se estende para a mandíbula ou os ombros, náusea, suores, mal-estar geral;

– falta de períodos menstruais, ou

– pressão arterial perigosamente alta (cefaléia, visão turva, zumbido nos ouvidos, ansiedade, confusão, falta de ar, batimentos cardíacos irregulares).

Algumas pessoas que receberam uma injeção de Bevacizumab tiveram uma reação à infusão (quando o medicamento é injetado na veia).

Informe o seu cuidador imediatamente se sentir tonturas, náuseas, suores, ou tiver uma dores de cabeça, respiração ofegante, ou dor no peito durante a injeção.

Efeitos colaterais comuns incluem:
– dor de cabeça leve ou ocasional;
– corrimento nasal, espirros;
– olhos secos ou lacrimejantes;
– pele seca ou escamosa, perda de cabelo;
– mudanças em seu sentido do paladar, ou
– dor nas costas.

Esta não é uma lista completa dos efeitos secundários e outros podem ocorrer.

Peça aconselhamento médico sobre os efeitos secundários.
Advertências
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: C - Não há estudos adequados em mulheres. Em experiências animais ocorreram alguns efeitos colaterais no feto, mas o benefício do produto pode justificar o risco potencial durante a gravidez.
Precauções Gerais
É muito importante que o seu Médico verifique o seu progresso em visitas regulares para se certificar de que o Bevacizumab está funcionando corretamente e para verificar se há efeitos indesejáveis.

O seu Médico terá que verificar sua urina e pressão arterial em visitas regulares enquanto estiver a receber Bevacizumab.

Certifique-se de que mantém todos os compromissos.

Pode ser treinado para verificar sua pressão arterial em casa.

Usar Bevacizumab enquanto estiver grávida pode ser prejudicial ao feto.

Utilize dupla forma de controle de natalidade para não ficar grávida.

Continue a usar duas formas de controle de natalidade durante pelo menos 6 meses após o tratamento terminar.

Se acha que engravidou durante o uso do medicamento, informe o seu Médico imediatamente.

Bevacizumab pode afetar a forma como o corpo regenera de cortes e feridas.

Certifique-se de que qualquer Médico que o trata sabe que está a usar Bevacizumab.

Pode precisar de parar de usar Bevacizumab várias semanas antes e após uma cirurgia.

Bevacizumab pode aumentar o risco de ter problemas hemorrágicos.

Suspenda o uso de Bevacizumab e informe o seu médico imediatamente se começar a notar qualquer sinal de sangramento.

Bevacizumab pode aumentar o seu risco de ter coágulos de sangue ou uma doença do cérebro chamada de síndrome de leucoencefalopatia posterior reversível (RPLS).

Suspenda o uso de Bevacizumab e informe o seu Médico imediatamente se desenvolver dor no peito, dores de cabeça súbitas e graves, desmaios, convulsões, sonolência incomum, confusão, ou problemas com a visão, a fala, ou o pé, enquanto estiver a usar Bevacizumab.

Informe o seu Médico imediatamente se tiver dor de estômago grave acompanhada de outros sintomas, tais como prisão de ventre, febre, náuseas e vómitos. Estes podem ser sintomas de uma situação médica séria.

Bevacizumab pode também aumentar o risco de ter uma doença grave chamada fístula traqueoesofágica (uma abertura anormal em um ou mais lugares entre o esófago ea traquéia).

Informe o seu Médico imediatamente se começar a ter dificuldade para engolir, tiver tosse ou asfixia enquanto come, dificuldade para respirar ou dor no peito ou desconforto enquanto você estiver usando bevacizumab.

Bevacizumab pode reduzir temporariamente o número de glóbulos brancos no sangue, aumentando a hipótese de contrair uma infecção.

Também pode reduzir o número de plaquetas, que são necessárias para a coagulação sanguínea adequada. Se isso ocorrer, existem algumas precauções que pode tomar, especialmente quando a sua contagem de sangue está baixa, para reduzir o risco de infecção ou hemorragia:

Verifique com o seu Médico imediatamente se achar que está a adquirir uma infeção ou se tiver sintomas de febre ou calafrios, tosse ou rouquidão, parte inferior das costas ou de lado com dor, ou dor e dificuldade ao urinar.

– Verifique com o seu Médico imediatamente se começar a tossir sangue ou se notar qualquer sangramento incomum ou contusão; fezes pretas, sangue na urina ou nas fezes, ou manchas vermelhas na pele.

– Tenha cuidado ao usar uma escova normal, fio dental, ou palito.

O seu Médico, Dentista ou Enfermeiro pode recomendar outras maneiras de limpar seus dentes e gengivas.

Converse com seu Médico antes de iniciar qualquer tratamento dentário.

– Não toque nos olhos ou no interior do seu nariz, a menos que tenha acabado de lavar as mãos.

– Tenha cuidado para não se cortar quando estiver a usar objetos pontiagudos, como um aparelho de barbear ou corta-unhas.

– Evite desportos de contato ou outras situações em que possam ocorrer contusões ou lesões.

Bevacizumab pode causar um efeito colateral grave chamada reacção à perfusão.

Pode envolver risco de vida e requer atenção médica imediata.

Informe o seu Médico ou Enfermeiro imediatamente se tiver febre, calafrios, dificuldade em respirar, tonturas, desmaios, dor no peito ou dentro de algumas horas após receber o medicamento.

Se pretende ter filhos, fale com o seu Médico antes de usar o bevacizumab.

Algumas mulheres que utilizam Bevacizumab tornaram-se inférteis.
Cuidados com a Dieta
Como é administrado por via intravenosa, não são necessárias restrições relativas à comida ou bebidas.
Terapêutica Interrompida
Fale com o seu Médico para obter instruções se perder uma marcação para a injeção de Bevacizumab.
Cuidados no Armazenamento
Guardar os frascos no frigorífico (2 ° a 8 ° C) na embalagem original até o momento de uso. Proteger da luz e congelamento. Não agite os frascos.

A solução diluída para infusão pode ser refrigerado (36 ° a 46 ° F) durante até 8 horas.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Irinotecano + Bevacizumab

Observações: N.D.
Interações: A co-administração de 5-fluorouracilo/ácido folínico em regimes de associação não altera a farmacocinética do irinotecano. Não existem indícios de que o perfil de segurança do irinotecano é influenciado pelo cetuximab ou vice-versa. Num estudo, as concentrações de irinotecano foram semelhantes em doentes que receberam irinotecano/5FU/AF isoladamente e em associação com o bevacizumab. As concentrações de SN-38, o metabolito activo do irinotecano, foram analisadas num subconjunto de doentes (aproximadamente 30 por cada braço de tratamento). As concentrações de SN-38 foram em média 33% superiores nos doentes que receberam irinotecano/5FU/AF em associação com bevacizumab em comparação com os que receberam apenas irinotecano/5FU/AF. Devido à elevada variabilidade entre os doentes e ao pequeno tamanho da amostra, não é certo se o aumento observado dos níveis de SN-38 foi devido ao bevacizumab. Verificou-se um pequeno aumento dos eventos adversos de diarreia e de leucopenia. Foram referidas mais reduções da dose de irinotecano para os doentes que recebem irinotecano/5FU/AF em associação com o bevacizumab. Os doentes que desenvolvem diarreia, leucopenia, ou neutropenia graves com a associação de bevacizumab e irinotecano devem ter alterações da dose de irinotecano.

Bevacizumab + Quimioterapia

Observações: N.D.
Interações: Efeito de fármacos antineoplásicos na farmacocinética do bevacizumab: Com base nos resultados de uma análise farmacocinética populacional, não se observaram interações farmacocinéticas clinicamente relevantes para a farmacocinética de Bevacizumab, decorrentes da co-administração com quimioterapia. Não houve diferença estatisticamente significativa ou clinicamente relevante na depuração de Bevacizumab em doentes tratados com Bevacizumab em monoterapia comparativamente a doentes tratados com Bevacizumab em associação com Interferão alfa-2a ou outras quimioterapias (IFL, 5-FU/LV, carboplatina/paclitaxel, capecitabina, doxorrubicina ou cisplatina/gemcitabina).

Bevacizumab + Interferão alfa-2a

Observações: N.D.
Interações: Efeito de fármacos antineoplásicos na farmacocinética do bevacizumab: Com base nos resultados de uma análise farmacocinética populacional, não se observaram interações farmacocinéticas clinicamente relevantes para a farmacocinética de Bevacizumab, decorrentes da co-administração com quimioterapia. Não houve diferença estatisticamente significativa ou clinicamente relevante na depuração de Bevacizumab em doentes tratados com Bevacizumab em monoterapia comparativamente a doentes tratados com Bevacizumab em associação com Interferão alfa-2a ou outras quimioterapias (IFL, 5-FU/LV, carboplatina/paclitaxel, capecitabina, doxorrubicina ou cisplatina/gemcitabina). Os resultados de um ensaio em doentes com cancro renal demonstraram não existir efeito significativo do bevacizumab na farmacocinética do interferão alfa-2a.

Bevacizumab + Carboplatina + Paclitaxel

Observações: N.D.
Interações: Efeito de fármacos antineoplásicos na farmacocinética do bevacizumab: Com base nos resultados de uma análise farmacocinética populacional, não se observaram interações farmacocinéticas clinicamente relevantes para a farmacocinética de Bevacizumab, decorrentes da co-administração com quimioterapia. Não houve diferença estatisticamente significativa ou clinicamente relevante na depuração de Bevacizumab em doentes tratados com Bevacizumab em monoterapia comparativamente a doentes tratados com Bevacizumab em associação com Interferão alfa-2a ou outras quimioterapias (IFL, 5-FU/LV, carboplatina/paclitaxel, capecitabina, doxorrubicina ou cisplatina/gemcitabina).

Bevacizumab + Capecitabina

Observações: N.D.
Interações: Efeito de fármacos antineoplásicos na farmacocinética do bevacizumab: Com base nos resultados de uma análise farmacocinética populacional, não se observaram interações farmacocinéticas clinicamente relevantes para a farmacocinética de Bevacizumab, decorrentes da co-administração com quimioterapia. Não houve diferença estatisticamente significativa ou clinicamente relevante na depuração de Bevacizumab em doentes tratados com Bevacizumab em monoterapia comparativamente a doentes tratados com Bevacizumab em associação com Interferão alfa-2a ou outras quimioterapias (IFL, 5-FU/LV, carboplatina/paclitaxel, capecitabina, doxorrubicina ou cisplatina/gemcitabina). Os resultados de um ensaio realizado em doentes com cancro colo-retal metastizado demonstraram não existir efeito significativo do bevacizumab na farmacocinética da capecitabina e dos seus metabolitos, nem na farmacocinética da oxaliplatina, como determinado pelas concentrações plasmáticas de platina livre e total.

Bevacizumab + Doxorrubicina

Observações: N.D.
Interações: Efeito de fármacos antineoplásicos na farmacocinética do bevacizumab: Com base nos resultados de uma análise farmacocinética populacional, não se observaram interações farmacocinéticas clinicamente relevantes para a farmacocinética de Bevacizumab, decorrentes da co-administração com quimioterapia. Não houve diferença estatisticamente significativa ou clinicamente relevante na depuração de Bevacizumab em doentes tratados com Bevacizumab em monoterapia comparativamente a doentes tratados com Bevacizumab em associação com Interferão alfa-2a ou outras quimioterapias (IFL, 5-FU/LV, carboplatina/paclitaxel, capecitabina, doxorrubicina ou cisplatina/gemcitabina).

Bevacizumab + Cisplatina

Observações: N.D.
Interações: Efeito de fármacos antineoplásicos na farmacocinética do bevacizumab: Com base nos resultados de uma análise farmacocinética populacional, não se observaram interações farmacocinéticas clinicamente relevantes para a farmacocinética de Bevacizumab, decorrentes da co-administração com quimioterapia. Não houve diferença estatisticamente significativa ou clinicamente relevante na depuração de Bevacizumab em doentes tratados com Bevacizumab em monoterapia comparativamente a doentes tratados com Bevacizumab em associação com Interferão alfa-2a ou outras quimioterapias (IFL, 5-FU/LV, carboplatina/paclitaxel, capecitabina, doxorrubicina ou cisplatina/gemcitabina). O efeito potencial do bevacizumab na farmacocinética da cisplatina e gemcitabina foi estudado em doentes com cancro do pulmão de células não pequenas não escamosas. Os resultados do ensaio demonstraram que o bevacizumab não tem um efeito significativo na farmacocinética da cisplatina.

Bevacizumab + Gemcitabina

Observações: N.D.
Interações: Efeito de fármacos antineoplásicos na farmacocinética do bevacizumab: Com base nos resultados de uma análise farmacocinética populacional, não se observaram interações farmacocinéticas clinicamente relevantes para a farmacocinética de Bevacizumab, decorrentes da co-administração com quimioterapia. Não houve diferença estatisticamente significativa ou clinicamente relevante na depuração de Bevacizumab em doentes tratados com Bevacizumab em monoterapia comparativamente a doentes tratados com Bevacizumab em associação com Interferão alfa-2a ou outras quimioterapias (IFL, 5-FU/LV, carboplatina/paclitaxel, capecitabina, doxorrubicina ou cisplatina/gemcitabina). O efeito potencial do bevacizumab na farmacocinética da cisplatina e gemcitabina foi estudado em doentes com cancro do pulmão de células não pequenas não escamosas. Os resultados do referido ensaio não permitem concluir com certeza sobre o impacto do bevacizumab na farmacocinética da gemcitabina, devido à grande variabilidade entre doentes e ao limitado tamanho da amostra.

Bevacizumab + Irinotecano

Observações: N.D.
Interações: Efeito do bevacizumab na farmacocinética de outros fármacos antineoplásicos: Os resultados de um ensaio específico de interação fármaco-fármaco demonstraram não existir efeito significativo do bevacizumab na farmacocinética do irinotecano e do seu metabolito ativo SN38.

Bevacizumab + Oxaliplatina

Observações: N.D.
Interações: Os resultados de um ensaio realizado em doentes com cancro colo-retal metastizado demonstraram não existir efeito significativo do bevacizumab na farmacocinética da capecitabina e dos seus metabolitos, nem na farmacocinética da oxaliplatina, como determinado pelas concentrações plasmáticas de platina livre e total.

Bevacizumab + Sunitinib

Observações: N.D.
Interações: Associação de bevacizumab e malato de sunitinib: Em dois ensaios clínicos no carcinoma de células renais metastizado foi notificada anemia hemolítica microangiopática (MAHA), em 7 de 19 doentes tratados com a associação de bevacizumab (10 mg/kg cada duas semanas) e malato de sunitinib (50 mg uma vez por dia). A MAHA é uma alteração hemolítica que pode apresentar-se com fragmentação de glóbulos vermelhos, anemia e trombocitopenia. Adicionalmente, foi observada em alguns destes doentes hipertensão (incluindo crise hipertensiva), aumento nos níveis de creatinina e sintomas neurológicos. Todos estes efeitos foram reversíveis após a descontinuação do bevacizumab e malato de sunitinib.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Bevacizumab + Platina

Observações: N.D.
Interações: Associação com terapêuticas baseadas em compostos de platina ou em taxanos: Foram observadas taxas aumentadas de neutropenia grave, neutropenia febril, ou infeção com ou sem neutropenia grave (incluindo algumas mortes) principalmente em doentes com CPCNP e CMm tratados com terapêuticas baseadas em compostos de platina ou em taxanos.

Bevacizumab + Radioterapia

Observações: N.D.
Interações: Radioterapia: A segurança e a eficácia da administração concomitante de radioterapia e Bevacizumab não foram estabelecidas.

Bevacizumab + Anticorpos monoclonais EGFR

Observações: N.D.
Interações: Anticorpos monoclonais EGFR em associação com regimes de quimioterapia com bevacizumab: Não foram realizados estudos de interação. Os anticorpos monoclonais EGFR não devem ser administrados para o tratamento do carcinoma metastizado do cólon ou do reto em associação com quimioterapia contendo bevacizumab. Os resulta dos dos estudos aleatorizados de fase III PACCE e CAIRO-2, em doentes com carcinoma metastizado do cólon ou do reto sugerem que a utilização dos anticorpos monoclonais anti-EGFR panitumumab e cetuximab, respetivamente, em combinação com bevacizumab mais quimioterapia, está associada a uma PFS e/ou OS diminuídas, e a toxicidade aumentada, comparativamente a bevacizumab sozinho com quimioterapia.

Capecitabina + Bevacizumab

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: O bevacizumab não teve efeitos clinicamente significativos nos parâmetros farmacocinéticos da capecitabina ou seus metabolitos, na presença de oxaliplatina. Quando a capecitabina foi administrada em associação com oxaliplatina ou em associação com oxaliplatina e bevacizumab, não ocorreram diferenças clinicamente significativas na exposição à capecitabina ou seus metabolitos, platina livre ou platina total.
 Sem significado Clínico

Interferão alfa-2a + Bevacizumab

Observações: Como os interferões alfa alteram o metabolismo celular, este medicamento possui potencial para modificar a atividade de outros fármacos. Num pequeno estudo, Interferão alfa-2a demonstrou atuar sobre sistemas enzimáticos microssomais específicos. Desconhece-se a importância clínica destes factos. Os interferões alfa podem afetar o processo metabólico oxidativo; este facto deve ser tido em consideração ao prescrever-se uma terapêutica concomitante com fármacos metabolizados por esta via. Contudo, atualmente não existe disponível informação específica sobre o assunto.
Interações: Os resultados de um estudo clínico controlado em doentes com cancro do rim não demonstraram nenhum efeito significativo do bevacizumab na farmacocinética do interferão alfa-2.

Panitumumab + Bevacizumab

Observações: N.D.
Interações: Panitumumab não deve ser administrado em combinação com quimioterapia contendo bevacizumab. Foi observado um aumento da toxicidade e das mortes, quando o panitumumab foi combinado com bevacizumab e quimioterapia.
Aconselhar os Pacientes ou cuidadores para que a medicação seja preparada e administrada por um prestador de cuidados de saúde num ambiente de cuidados de saúde.

Avisar os Pacientes ou cuidadores que a medicação será administrada em combinação com outros medicamentos de quimioterapia.

Aconselhar os Doentes, famílias ou cuidadores para relatar qualquer das seguintes ocorrências para o seu prestador de cuidados de saúde: fezes negras ou com sangue, dor abdominal grave, constipação severa ou vómito; tosse com sangue, febre alta, reação no local da injeção, problemas de cicatrização; erupção cutânea, comichão ou urticária; hemorragias nasais graves, dor de estómago em associação com a prisão de ventre e / ou vómitos, inchaço da face, lábios, olhos ou língua, chiado, falta de ar, ou dificuldade em respirar; ou quaisquer outros sentimentos ou sintomas incomuns ou inexplicáveis.

Aconselhe os Pacientes a terem monitorazação BP de rotina e contactarem o seu Médico se o BP for elevado.

Aconselhar mulheres em idade fértil a utilizar métodos contraceptivos eficazes durante e até pelo menos 6 meses após o tratamento.

Informar os acientes sobre o aumento do risco de falência ovariana após o tratamento.

Aconselhar os Pacientes do aumento do risco de um evento tromboembólico arterial e na cicatrização durante e após o tratamento.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017