Barnidipina

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência na Condução DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
A barnidipina é um fármaco utilizado pela medicina como anti-hipertensivo.

É um antagonista do cálcio.
Usos comuns
A Barnidipina pertence ao grupo de medicamentos chamados antagonistas dos canais de cálcio.

A Barnidipina causa a dilatação dos vasos sanguíneos diminuindo a pressão sanguínea.
Tipo
Sem informação.
História
Sem informação.
Indicações
Hipertensão essencial ligeira a moderada.
Classificação CFT
n.d.     n.d.
Mecanismo De Ação
A barnidipina (isómero puro S,S) é um antagonista do cálcio da classe das 1,4-dihidropiridinas lipofílicas que apresenta uma elevada afinidade para os canais do cálcio das células do músculo liso da parede vascular.

A cinética dos receptores da barnidipina é caracterizada por um lento início de acção e uma ligação forte e longa aos receptores.

A redução da resistência periférica provocada pela barnidipina resulta na diminuição da pressão arterial.

Ao utilizar barnidipina, o efeito anti-hipertensor permanece durante todo o intervalo de 24 horas entre as doses.

A utilização do barnidipina no tratamento crónico não leva ao aumento na frequência cardíaca.

O impacto da barnidipina na morbilidade ou mortalidade cardiovascular não foi estudado.

No entanto, estudos controlados recentemente concluídos, de outras dihidropiridinas de longa acção, indicam efeitos benéficos semelhantes sobre a morbilidade e mortalidade comparativamente a outros anti-hipertensores na hipertensão dos idosos.
Posologia Orientativa
Inicialmente a dose recomendada é de 1 cápsula 10 mg uma vez por dia.
Administração
Via oral.
Contraindicações
Não tomar:
- se tiver alergia (hipersensibilidade) à barnidipina.

- se tiver alergia (hipersensibilidade) às dihidropiridinas (encontradas em medicamentos para tratar pressão sanguínea elevada).

- se sofrer de doença hepática.

- se sofrer de uma doença renal grave.

- se sofrer das seguintes doenças específicas do coração: falência cardíaca não tratada, dores no peito (angina pectoris instável) ou enfarte agudo do miocárdio.

- se tomar algum dos seguintes medicamentos: inibidores da protease (medicamentos usados para o tratamento da SIDA), cetoconazol ou itraconazol (medicamentos usados para tratar infecções fúngicas), eritromicina ou claritromicina (antibióticos).
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Efeitos secundários muito frequentes (podendo afectar mais de 1 em 10 doentes)
- dor de cabeça
- rubor facial
- acumulação de fluidos (edema) nos braços ou nas pernas.

Efeitos secundários frequentes (podendo afectar mais de 1 em 100 e menos de 1 em 10 doentes)
- vertigens
- palpitações.

Estes efeitos secundários normalmente tendem a diminuir ou desaparecer durante o tratamento (num mês para a acumulação de fluidos, e em duas semanas para o rubor facial, dor de cabeça e palpitações).
Advertências
Gravidez
Gravidez:Não administrar durante a gravidez
Conducao
Conducao:Pode causar vertigens.
Precauções Gerais
Tomar especial cuidado:
- se tiver uma doença renal.
- se tiver uma doença do coração.

Não deve ser administrado a crianças e adolescentes com idade inferior a 18 anos.
Cuidados com a Dieta
Tomar especial cuidado quando beber álcool ou sumo de uva, porque pode causar o
aumento do efeito da Barnidipina.

Tomar preferencialmente a Barnidipina com um copo de água.

As cápsulas podem tomar-se antes, durante e depois da refeição.
Terapêutica Interrompida
Se se esquecer de tomar à hora habitual, tomar a cápsula assim que possível no próprio dia.

Se só se lembrar no dia seguinte, não tomar uma dose a dobrar para compensar a cápsula que se esqueceu de tomar.

Continuar simplesmente com a toma diária regular.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não conservar acima de 25º C.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
 Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Barnidipina + Antihipertensores

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: A administração concomitante da barnidipina com outros medicamentos antihipertensores pode resultar num efeito anti-hipertensivo adicional.

Barnidipina + Bloqueadores beta-adrenérgicos

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: O Barnidipina pode ser tomado concomitantemente com beta-bloqueadores ou IECAs.

Barnidipina + Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: O Barnidipina pode ser tomado concomitantemente com beta-bloqueadores ou IECAs.

Barnidipina + Ciclosporina

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Os dados in vitro mostram que a ciclosporina pode inibir o metabolismo da barnidipina.

Barnidipina + Inibidores do CYP3A4

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Enquanto a informação in vivo não estiver disponível, a barnidipina não deve ser prescrita concomitantemente com inibidores fortes da CYP3A4, como as antiproteases, cetoconazol, itraconazol, eritromicina e claritromicina. Deve tomar-se precaução com o uso concomitante com inibidores ou indutores ligeiros da CYP3A4. No caso do uso concomitante com inibidores da CYP3A4 desaconselha-se o aumento da posologia da barnidipina para 20 mg.

Barnidipina + Cetoconazol

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Enquanto a informação in vivo não estiver disponível, a barnidipina não deve ser prescrita concomitantemente com inibidores fortes da CYP3A4, como as antiproteases, cetoconazol, itraconazol, eritromicina e claritromicina. Deve tomar-se precaução com o uso concomitante com inibidores ou indutores ligeiros da CYP3A4. No caso do uso concomitante com inibidores da CYP3A4 desaconselha-se o aumento da posologia da barnidipina para 20 mg.

Barnidipina + Itraconazol

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Enquanto a informação in vivo não estiver disponível, a barnidipina não deve ser prescrita concomitantemente com inibidores fortes da CYP3A4, como as antiproteases, cetoconazol, itraconazol, eritromicina e claritromicina. Deve tomar-se precaução com o uso concomitante com inibidores ou indutores ligeiros da CYP3A4. No caso do uso concomitante com inibidores da CYP3A4 desaconselha-se o aumento da posologia da barnidipina para 20 mg.

Barnidipina + Claritromicina

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Enquanto a informação in vivo não estiver disponível, a barnidipina não deve ser prescrita concomitantemente com inibidores fortes da CYP3A4, como as antiproteases, cetoconazol, itraconazol, eritromicina e claritromicina. Deve tomar-se precaução com o uso concomitante com inibidores ou indutores ligeiros da CYP3A4. No caso do uso concomitante com inibidores da CYP3A4 desaconselha-se o aumento da posologia da barnidipina para 20 mg.

Barnidipina + Eritromicina

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Enquanto a informação in vivo não estiver disponível, a barnidipina não deve ser prescrita concomitantemente com inibidores fortes da CYP3A4, como as antiproteases, cetoconazol, itraconazol, eritromicina e claritromicina. Deve tomar-se precaução com o uso concomitante com inibidores ou indutores ligeiros da CYP3A4. No caso do uso concomitante com inibidores da CYP3A4 desaconselha-se o aumento da posologia da barnidipina para 20 mg.

Barnidipina + Antiproteases

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Enquanto a informação in vivo não estiver disponível, a barnidipina não deve ser prescrita concomitantemente com inibidores fortes da CYP3A4, como as antiproteases, cetoconazol, itraconazol, eritromicina e claritromicina. Deve tomar-se precaução com o uso concomitante com inibidores ou indutores ligeiros da CYP3A4. No caso do uso concomitante com inibidores da CYP3A4 desaconselha-se o aumento da posologia da barnidipina para 20 mg.

Barnidipina + Indutores do CYP3A4

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Enquanto a informação in vivo não estiver disponível, a barnidipina não deve ser prescrita concomitantemente com inibidores fortes da CYP3A4, como as antiproteases, cetoconazol, itraconazol, eritromicina e claritromicina. Deve tomar-se precaução com o uso concomitante com inibidores ou indutores ligeiros da CYP3A4. No caso do uso concomitante com inibidores da CYP3A4 desaconselha-se o aumento da posologia da barnidipina para 20 mg.

Barnidipina + Cimetidina

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: A administração concomitante de cimetidina num estudo de interacção específico levou, em média, à duplicação dos níveis plasmáticos da barnidipina. Por isso, deve-se ter cuidado ao usar concomitantemente a barnidipina com a cimetidina.

Barnidipina + Fenitoína

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Pode ser necessária uma dose mais elevada de barnidipina quando esta é administrada concomitantemente com medicamentos indutores enzimáticos, como a fenitoína, a carbamazepina e a rifampicina. Caso o doente deixe de usar o medicamento indutor enzimático, deve ser considerada a diminuição da dose de barnidipina.

Barnidipina + Carbamazepina

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Pode ser necessária uma dose mais elevada de barnidipina quando esta é administrada concomitantemente com medicamentos indutores enzimáticos, como a fenitoína, a carbamazepina e a rifampicina. Caso o doente deixe de usar o medicamento indutor enzimático, deve ser considerada a diminuição da dose de barnidipina.

Barnidipina + Rifampicina

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Pode ser necessária uma dose mais elevada de barnidipina quando esta é administrada concomitantemente com medicamentos indutores enzimáticos, como a fenitoína, a carbamazepina e a rifampicina. Caso o doente deixe de usar o medicamento indutor enzimático, deve ser considerada a diminuição da dose de barnidipina.

Barnidipina + Metoprolol

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Com base nos resultados de estudos de interacção in vitro com, entre outros produtos, sinvastatina, metoprolol, diazepam e terfenadina, considera-se pouco provável que a barnidipina tenha qualquer efeito sobre a farmacocinética de outros medicamentos metabolizados pelas isoenzimas do citocromo P450.

Barnidipina + Sinvastatina

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Com base nos resultados de estudos de interacção in vitro com, entre outros produtos, sinvastatina, metoprolol, diazepam e terfenadina, considera-se pouco provável que a barnidipina tenha qualquer efeito sobre a farmacocinética de outros medicamentos metabolizados pelas isoenzimas do citocromo P450.

Barnidipina + Diazepam

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Com base nos resultados de estudos de interacção in vitro com, entre outros produtos, sinvastatina, metoprolol, diazepam e terfenadina, considera-se pouco provável que a barnidipina tenha qualquer efeito sobre a farmacocinética de outros medicamentos metabolizados pelas isoenzimas do citocromo P450.

Barnidipina + Terfenadina

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Com base nos resultados de estudos de interacção in vitro com, entre outros produtos, sinvastatina, metoprolol, diazepam e terfenadina, considera-se pouco provável que a barnidipina tenha qualquer efeito sobre a farmacocinética de outros medicamentos metabolizados pelas isoenzimas do citocromo P450.

Barnidipina + Digoxina

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Um estudo de interacção in vivo mostrou que a barnidipina não influencia a farmacocinética da digoxina.

Barnidipina + Álcool

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Num estudo de interacção específico, o álcool levou a um aumento dos níveis plasmáticos da barnidipina (40%), cujo aumento pode ser considerado clinicamente não-relevante. Como acontece com todos os agentes vasodilatadores e anti-hipertensivos, deve-se ter cuidado quando o álcool é tomado concomitantemente, pois este pode potenciar o efeito daqueles.
 Sem significado Clínico

Barnidipina + Sumo de uva

Observações: O perfil de interacção farmacocinética da barnidipina não foi estudado na totalidade. Estudos in vitro mostram que a barnidipina é metabolizada pelo citocromo P450 3A4 (CYP3A4). Não foram efectuados estudos complexos de interacção in vivo sobre o efeito de fármacos inibidores ou indutores da enzima CYP3A4 na farmacocinética da barnidipina.
Interações: Embora a farmacocinética da barnidipina não tenha sido significativamente alterada pela ingestão de sumo de uva, observou-se um efeito modesto.
 Sem significado Clínico
Deve informar o médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Pode causar vertigens, por isso tenha a certeza que sabe como o medicamento o pode afectar antes de conduzir ou utilizar máquinas.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017