Arginina

DCI com Advertência na Gravidez
O que é
O aminoácido Arginina (ácido 2-amino-5-guanidino-pentanoico)3 é um aminoácido básico.

A sua estrutura é H2N-C(=NH)-NH-[CH2]3-CH(NH2)-COO, possuindo seis átomos de carbono, quatro átomos de nitrogénio, dois átomos de oxigénio e quatorze átomos de hidrogénio.

Principal transportadora de nitrogénio em humanos e animais, a Arginina faz parte da síntese de moléculas importantes como agmatina, creatina, ornitina, óxido nítrico, poliaminas, prolina, entre outras.

Na estrutura do mRNA, os códons que codificam a Arginina durante a síntese de proteínas são: CGU, CGC, CGA, CGG, AGA, e AGG5.

A Arginina é classificada como semi-essencial ou condicionalmente essencial em seres humanos, pois pode ser sintetizada endogenamente numa quantidade suficiente para atender as necessidades, não sendo necessária na dieta de adultos saudáveis.

É importante na manutenção da resposta imunológica e cicatrização de feridas.
Usos comuns
Além de fazer parte de proteínas, a arginina tem papéis importantes na divisão celular, na cicatrização de feridas, na remoção de amónia do corpo, no sistema imunitário e na produção de hormonas.
Tipo
Molécula pequena.
História
Sem informação.
Indicações
Regeneração cutânea (úlceras de decúbito); suplemento nutricional em dietas pobres em proteína; fadiga cerebral.
Classificação CFT

06.09.02 : Medicamentos para tratamento da litíase biliar

Mecanismo De Ação
Muitas das atividades suplementares da L-arginina, incluindo suas possíveis ações antiaterogênicas, podem ser explicadas por seu papel como precursor do óxido nítrico ou NO.
O NO é produzido por todos os tecidos do corpo e desempenha papéis muito importantes no sistema cardiovascular, no sistema imunológico e no sistema nervoso.
O NO é formado a partir da L-arginina através da enzima óxido nítrico sintetase ou sintetase (NOS), e os efeitos do NO são mediados principalmente por 3, '5' -guanilato cíclico ou GMP cíclico.
O NO ativa a enzima guanilato ciclase, que catalisa a síntese de GMP cíclico a partir de trifosfato de guanosina ou GTP.
O GMP cíclico é convertido em ácido guanílico por meio da enzima GMP cíclica fosfodiesterase.
NOS é uma enzima que contém heme com algumas sequências semelhantes à redutase do citocromo P-450.
Existem várias isoformas de NOS, duas das quais são constitutivas e uma das quais é induzida por estímulos imunológicos.
O NOS constitutivo encontrado no endotélio vascular é denominado eNOS e aquele presente no cérebro, medula espinhal e sistema nervoso periférico é denominado nNOS.
A forma de NOS induzida por estímulos imunológicos ou inflamatórios é conhecida como iNOS.
A iNOS pode ser expressa constitutivamente em tecidos selecionados, como o epitélio pulmonar. Todas as sintases de óxido nítrico utilizam NADPH (nicotinamida adenina dinucleotídeo fosfato reduzido) e oxigênio (O2) como co-substratos, além dos cofatores FAD (flavina adenina dinucleotídeo), FMN (flavina mononucleotídeo), tetraidrobiopterina e heme.
Curiosamente, o ácido ascórbico parece aumentar a atividade da NOS, aumentando a tetrahidrobiopterina intracelular.
eNOS e nNOS sintetizam NO em resposta a um aumento da concentração de íons de cálcio ou, em alguns casos, em resposta a estímulos independentes de cálcio, como estresse de cisalhamento.
Estudos in vitro de NOS indicam que o Km da enzima para L-arginina está na faixa micromolar.
A concentração de L-arginina nas células endoteliais, bem como em outras células, e no plasma está na faixa milimolar.
O que isso significa é que, em condições fisiológicas, o NOS está saturado com seu substrato de L-arginina.
Em outras palavras, não se esperava que L-arginina fosse limitante da taxa para a enzima, e não pareceria que os níveis suprafisiológicos de L-arginina que poderiam ocorrer com a suplementação oral do aminoácido fariam qualquer diferença em relação a SEM produção.
A reação parece ter atingido seu nível máximo.
No entanto, estudos in vivo demonstraram que, sob certas condições, por ex. hipercolesterolemia, L-arginina suplementar pode aumentar a vasodilatação dependente do endotélio e a produção de NO.
Posologia Orientativa
Adultos: 1 a 2 frascos via oral (diariamente), de preferência em jejum por 2 a 3 semanas.

Crianças: 1 frasco, via oral, de preferência em jejum por 2 a 3 semanas.
Administração
Via oral.
Contraindicações
Hipersensibilidade à Arginina.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Dor de cabeça; diminuição da sensibilidade; náuseas e vómitos.
Advertências

Sem informação.

Precauções Gerais
Sem informação.
Cuidados com a Dieta
Deve ser adicionado à dieta habitual na própria refeição.
Terapêutica Interrompida
Não utilize uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potencialmente Fatal

Hidroclorotiazida + Amilorida + Arginina

Observações: N.D.
Interações: Interações com amilorida: Arginina: Ocorreu hipercaliémia severa, potencialmente fatal a seguir à terapia com arginina para alcalose metabólica em vários doentes com doença hepática severa que tinham recebido recentemente esperonalactona. Com base no mecanismo, prevê-se também a ocorrência desta interacção em doentes tomando outros diuréticos poupadores de potássio. - Arginina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Arginina
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 18 de Setembro de 2020