Anagrelida

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
Este Medicamento está Sujeito a Monitorização Adicional.

Anagrelida é um fármaco utilizado para o tratamento de trombocitose essencial (ET; trombocitemia essencial), ou excesso de produção de plaquetas sanguíneas.

Também tem sido utilizado no tratamento de leucemia mieloide crónica.
Usos comuns
Anagrelida é utilizado para tratar a trombocitose essencial, especialmente quando o tratamento atual do Paciente é insuficiente.

Os Pacientes com trombocitose essencial com perfil adequado para usar Anagrelida frequentemente devem satisfazer a um ou mais dos seguintes factores:
– Idade superior a 60 anos; Contagem de plaquetas superior a 1000 × 109 / L; História de trombose.
Tipo
Molécula pequena.
História
Sem informação.
Indicações
Anagrelida está indicada na redução de contagens elevadas de plaquetas em doentes com risco com trombocitemia essencial (TE) que são intolerantes à terapêutica atual ou cujas contagens elevadas de plaquetas não são reduzidas para um nível aceitável com a terapêutica atual.

Doentes de risco.
Um doente com trombocitemia essencial de risco é definido por uma ou mais das seguintes características:
– idade superior a 60 anos ou
– contagem de plaquetas >1000 x 109/l ou
– história de episódios trombo-hemorrágicos.
Classificação CFT

16.03 : IMUNOMODULADORES

Mecanismo De Ação
Anagrelida funciona através da inibição da maturação das plaquetas de megacariócitos.

O mecanismo exacto de ação não é claro, embora seja conhecido por ser um inibidor da fosfodiesterase. É um (IC50 = 36nM) potente inibidor da fosfodiesterase-II. Inibe o PD-3 e a fosfolipase A2.
Posologia Orientativa
A dose inicial recomendada para Anagrelida é de 1mg/dia, que deve ser administrada por via oral, em duas doses divididas (0,5mg/dose). A dose inicial deve ser mantida durante pelo menos uma semana.

Após uma semana, a dose pode ser ajustada, individualmente, de modo a atingir a dose eficaz mais baixa necessária para reduzir e/ou manter uma contagem de plaquetas abaixo de 600 x 109/l e idealmente a níveis entre 150 x 109/l e 400 x 109/l.

O aumento da dose não deve exceder mais de 0,5mg/dia numa única semana e a dose individual máxima recomendada não deve exceder 2,5mg.

Durante o desenvolvimento clínico, utilizaram-se doses de 10mg/dia.
Administração
Via oral.

O tratamento com Anagrelida deve ser iniciado por um clínico com experiência no controlo da trombocitemia essencial.
Contraindicações
Hipersensibilidade a Anagrelida.
Doentes com afeção hepática moderada ou grave.
Doentes com compromisso renal moderado ou grave (depuração da creatinina <50ml/min).
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Efeitos secundários graves:
Dor forte no peito, palpitações associadas a tonturas ou à sensação de desmaio, desmaios, dor abdominal ou gastrointestinal forte, vomitar sangue ou eliminar sangue nas fezes ou eliminar fezes pretas, dificuldade em respirar ou falta de ar, particularmente se os lábios ou a pele ficarem azulados. Estes não ocorreram com frequência mas são problemas graves.

Se notar algum destes efeitos secundários, contate o seu Médico imediatamente.

Efeitos secundários muito frequentes: podem afetar mais de 1 em ca da 10 pessoas
– Dor de cabeça.

Efeitos secundários frequentes: podem afetar 1 em cada 10 pessoas
– Tonturas (raramente ao levantar-se ou ao sair da cama), fadiga, palpitações (estar consciente de um forte batimento cardíaco que pode ser rápido ou irregular), náuseas, diarreia, dores de estômago, indigestão e gases, vómitos, anemia (uma pequena redução da contagem dos glóbulos vermelhos e deficiência em ferro), retenção de líquidos (incluindo inchaço dos tornozelos) ou erupção cutânea.

Efeitos secundários pouco frequentes: podem afetar até 1 em cada 100 pessoas
– Sensação de fraqueza ou de mal-estar, tensão arterial elevada, arrepios ou febre, azia, anorexia, prisão de ventre, nódoas negras, inchaço localizado com líquido (edema), perda de peso, dores musculares, articulações dolorosas, dores de costas, sensações reduzidas ou formigueiro nos dedos dos pés e das mãos, sonolência, depressão, confusão, nervosismo, boca seca, perda de memória, tosse alérgica, falta de ar, sangrar do nariz, infeção pulmonar, perda de cabelo, comichão na pele ou descoloração, impotência ou um aumento das enzimas hepáticas (do figado).

O seu Médico pode fazer uma análise ao sangue que pode apresentar um aumento das enzimas hepáticas.

Efeitos secundários raros: podem afetar até 1 em cada 1.000 pessoas
– Ataque cardíaco, sangrar das gengivas, aumento de peso, doença do músculo cardíaco, perda de coordenação, dificuldade a falar, pele seca, enxaqueca, distúrbios visuais ou visão dupla, zumbido nos ouvidos, aumento da necessidade de urinar durante a noite, dor, sintomas do tipo gripal.

Os seguintes efeitos secundários foram notificados mas não se conhece exatamente a frequência com que ocorrem:
– Torsade de pointes (ritmo irregular do coração, que pode pôr a vida em risco);
– Hepatite (inflamação do fígado) com um aumento das enzimas hepáticas;
– Alveolite alérgica, incluindo doença pulmonar intersticial e pneumonite (inflamação dos pulmões);
– Nefrite túbulo - intersticial (inflamação dos rins).
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: C - Não há estudos adequados em mulheres. Em experiências animais ocorreram alguns efeitos colaterais no feto, mas o benefício do produto pode justificar o risco potencial durante a gravidez.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:A amamentação deve ser descontinuada durante o tratamento.
Condução
Condução
Condução:Os doentes são aconselhados a não conduzir se sentirem tonturas enquanto estiverem a tomar este medicamento.
Precauções Gerais
Afeção hepática
Os potenciais riscos e benefícios da terapêutica com Anagrelida num doente com afeção hepática ligeira devem ser avaliados antes do início do tratamento. Não é recomendado em doentes com transaminases elevadas (> 5 vezes o limite superior do valor normal).

Compromisso renal
Os potenciais riscos e benefícios da terapêutica com Anagrelida num doente com alteração da função renal devem ser avaliados antes do início do tratamento.

Monitorização
A terapêutica exige uma cuidadosa supervisão clínica do doente, o que incluirá uma contagem sanguínea total (hemoglobina e contagem de glóbulos brancos e plaquetas), avaliação da função hepática (ALT e AST), da função renal (creatinina sérica e ureia) e dos eletrólitos (potássio, magnésio e cálcio).

Plaquetas
A contagem das plaquetas aumentará num período de 4 dias após a suspensão do tratamento com as cápsulas e voltará aos níveis pré-tratamento em 10 a 14 dias.

Cardiovascular
Foram notificados acontecimentos adversos cardiovasculares graves incluindo casos de torsade de pointes, taquicardia ventricular, cardiomiopatia, cardiomegalia e insuficiência cardíaca congestiva.

Devem tomar-se precauções quando se utiliza o Anagrelida em doentes com fatores de risco conhecidos de prolongamento do intervalo QT, como a síndrome do QT longo congénito, antecedentes conhecidos de prolongamento de QTc adquirido, medicamentos que podem prolongar o intervalo QTc e hipocaliemia.

Também deve ter-se cuidado em populações que possam ter uma concentração plasmática máxima (Cmax) mais elevada de anagrelida ou do seu metabolito ativo, 3-hidroxianagrelida, p. ex., afeção hepática ou utilização com inibidores das CYP1A 2.

Aconselha-se que seja efetuada a monitorização frequente de um efeito sobre o intervalo QTc.

Recomenda-se a realização de um exame cardiovascular pré-tratamento, incluindo um ECG e ecocardiografia iniciais, antes do início da terapêutica com Anagrelida.

Os doentes devem ser monitorizados durante o tratamento para se obterem evidências de efeitos cardiovasculares que possam exigir exames e investigações adicionais ao nível cardiovascular.

A hipocaliemia ou a hipomagnesiemia devem ser corrigidas antes da administração de anagrelida e devem ser monitorizadas periodicamente durante a terapêutica.

O Anagrelida é um inibidor da fosfodiesterase III da AMP cíclica e dados os seus efeitos inotrópicos e cronotrópicos positivos, o anagrelida deve ser utilizado com precaução em doentes de qualquer idade com doença cardíaca conhecida ou suspeita.

Além disso, também ocorreram acontecimentos adversos cardiovasculares graves em doentes sem doença cardíaca suspeita e com exame cardiovascular pré-tratamento normal.

O Anagrelida só deve ser utilizado se os potenciais benefícios da terapêutica superarem os potenciais riscos.

População pediátrica
Os dados disponíveis sobre a utilização de Anagrelida na população pediátrica são limitados e, portanto, anagrelida deve ser utilizado com cuidado neste grupo de doentes.

Interações clinicamente relevantes
O Anagrelida é um inibidor da fosfodiesterase III da AMP cíclica (PDE III). Não é recomendado o uso concomitante de Anagrelida com outros inibidores da PDE III, tais como a milrinona, amrinona, enoximona, olprinona e cilostazol.
Cuidados com a Dieta
Os alimentos e bebidas não afetam a maneira como este medicamento atua.
Terapêutica Interrompida
Tome as suas cápsulas assim que se lembrar.
Tome a sua dose seguinte à hora habitual.
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar
Cuidados no Armazenamento
O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Sem efeito descrito

Anagrelida + Enoxacina

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: Anagrelida é principalmente metabolizado pelo CYP1A2. Sabe-se que o CYP1A2 é inibido por vários medicamentos, incluindo a fluvoxamina e enoxacina, e os referidos medicamentos poderão, teoricamente, influenciar de forma adversa a depuração do anagrelida. Estudos de interação in vivo efetuados em seres humanos demonstraram que a digoxina e a varfarina não afetam as propriedades farmacocinéticas do anagrelida. - Enoxacina
Sem efeito descrito

Anagrelida + Fluvoxamina

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: Anagrelida é principalmente metabolizado pelo CYP1A2. Sabe-se que o CYP1A2 é inibido por vários medicamentos, incluindo a fluvoxamina e enoxacina, e os referidos medicamentos poderão, teoricamente, influenciar de forma adversa a depuração do anagrelida. Estudos de interação in vivo efetuados em seres humanos demonstraram que a digoxina e a varfarina não afetam as propriedades farmacocinéticas do anagrelida. - Fluvoxamina
Sem efeito descrito

Anagrelida + Digoxina

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: Anagrelida é principalmente metabolizado pelo CYP1A2. Sabe-se que o CYP1A2 é inibido por vários medicamentos, incluindo a fluvoxamina e enoxacina, e os referidos medicamentos poderão, teoricamente, influenciar de forma adversa a depuração do anagrelida. Estudos de interação in vivo efetuados em seres humanos demonstraram que a digoxina e a varfarina não afetam as propriedades farmacocinéticas do anagrelida. Estudos de interação in vivo efetuados em seres humanos demonstraram que o anagrelida não afeta as propriedades farmacocinéticas da digoxina ou da varfarina. - Digoxina
Sem efeito descrito

Anagrelida + Varfarina

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: Anagrelida é principalmente metabolizado pelo CYP1A2. Sabe-se que o CYP1A2 é inibido por vários medicamentos, incluindo a fluvoxamina e enoxacina, e os referidos medicamentos poderão, teoricamente, influenciar de forma adversa a depuração do anagrelida. Estudos de interação in vivo efetuados em seres humanos demonstraram que a digoxina e a varfarina não afetam as propriedades farmacocinéticas do anagrelida. Estudos de interação in vivo efetuados em seres humanos demonstraram que o anagrelida não afeta as propriedades farmacocinéticas da digoxina ou da varfarina. - Varfarina
Usar com precaução

Anagrelida + Teofilina

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: O anagrelida demonstra ter uma atividade inibitória limitada em relação ao CYP1A2, o que poderá constituir um potencial teórico para interação com outros medicamentos coadministrados que partilhem o referido mecanismo de depuração, por exemplo, a teofilina. - Teofilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Anagrelida + Milrinona

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: A anagrelida é um inibidor da PDE III. Os efeitos de medicamentos com propriedades similares, tais como os inotrópos milrinona, enoximona, amrinona, olprinona e cilostazol, podem ser exacerbados pelo anagrelida. - Milrinona
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Anagrelida + Amrinona

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: A anagrelida é um inibidor da PDE III. Os efeitos de medicamentos com propriedades similares, tais como os inotrópos milrinona, enoximona, amrinona, olprinona e cilostazol, podem ser exacerbados pelo anagrelida. - Amrinona
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Anagrelida + Cilostazol

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: A anagrelida é um inibidor da PDE III. Os efeitos de medicamentos com propriedades similares, tais como os inotrópos milrinona, enoximona, amrinona, olprinona e cilostazol, podem ser exacerbados pelo anagrelida. - Cilostazol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Anagrelida + Olprinona

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: A anagrelida é um inibidor da PDE III. Os efeitos de medicamentos com propriedades similares, tais como os inotrópos milrinona, enoximona, amrinona, olprinona e cilostazol, podem ser exacerbados pelo anagrelida. - Olprinona
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Anagrelida + Enoximona

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: A anagrelida é um inibidor da PDE III. Os efeitos de medicamentos com propriedades similares, tais como os inotrópos milrinona, enoximona, amrinona, olprinona e cilostazol, podem ser exacerbados pelo anagrelida. - Enoximona
Potencialmente Grave

Anagrelida + Ácido Acetilsalicílico

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: Nas doses recomendadas para utilização no tratamento da trombocitemia essencial, o anagrelida pode potenciar os efeitos de outros medicamentos que inibem ou modificam a função plaquetária, por exemplo, o ácido acetilsalicílico. Um estudo clínico de interação realizado em indivíduos saudáveis demonstrou que a coadministração de doses múltiplas de 1 mg de anagrelida uma vez por dia e de 75 mg de ácido acetilsalicílico uma vez por dia, pode aumentar os efeitos de antiagregação plaquetária de cada fármaco em comparação com a administração do ácido acetilsalicílico em monoterapia. Em alguns doentes com trombocitopenia essencial (TE), tratados concomitantemente com ácido acetilsalicílico e anagrelida, ocorreram hemorragias graves. Portanto, deverão ser avaliados os riscos potenciais da utilização concomitante de anagrelida com ácido acetilsalicílico, especialmente em doentes com um perfil de alto risco de hemorragia, antes de ser iniciado o tratamento. - Ácido Acetilsalicílico
Usar com precaução

Anagrelida + Contracetivos orais

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: O anagrelida pode causar distúrbios intestinais em alguns doentes e comprometer a absorção de contracetivos hormonais orais. - Contracetivos orais
Sem significado Clínico

Anagrelida + Alimentos/Bebidas (Soja, fitinas, fitatos, oxalatos, taninos, pectinas)

Observações: Foram conduzidos estudos farmacocinéticos e/ou farmacodinâmicos limitados para investigar possíveis interações entre o anagrelida e outros medicamentos. Só foram realizados estudos de interação em adultos.
Interações: Os alimentos atrasam a absorção do anagrelida, mas não alteram de forma significativa a exposição sistémica. Os efeitos dos alimentos na biodisponibilidade não são considerados clinicamente relevantes para a utilização do anagrelida. - Alimentos/Bebidas (Soja, fitinas, fitatos, oxalatos, taninos, pectinas)
Não recomendado/Evitar

Enoximona + Anagrelida

Observações: N.d.
Interações: Evitar o uso concomitante com Anagrelida. - Anagrelida
Sem efeito descrito

Nilotinib + Anagrelida

Observações: O nilotinib é principalmente metabolizado no fígado e é também substrato para a bomba de efluxo multifármacos, glicoproteína-P (gp-P). Assim, a absorção e subsequente eliminação do nilotinib absorvido sistemicamente podem ser influenciadas por substâncias que afetem a CYP3A4 e/ou a gp-P.
Interações: Pode ser administrado com hidroxiureia ou anagrelida, se clinicamente indicado. - Anagrelida
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Anagrelida
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

As mulheres com potencial para engravidar devem utilizar medidas contracetivas adequadas durante o tratamento com anagrelida.

Não é recomendado durante a gravidez.

A doente deve ser avisada dos potenciais riscos para o feto, no caso deste medicamento ser utilizado durante a gravidez ou se a doente engravidar durante a utilização do medicamento.

A amamentação deve ser descontinuada durante o tratamento.

No desenvolvimento clínico, foram frequentemente comunicadas tonturas.

Os doentes são aconselhados a não conduzir ou utilizar máquinas se sentirem tonturas enquanto estiverem a tomar este medicamento.


Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020