Amissulprida

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
A Amissulprida é um antipsicótico atípico utilizado para tratar a psicose na esquizofrenia e episódios de mania no transtorno bipolar.

Em Itália, também é utilizado como tratamento da distimia.
Usos comuns
A a+Amissulprida é utilizada no tratamento das perturbações esquizofrénicas agudas e crónicas.

Esta situação causa sintomas como estado de ausência, sensação de ver e ouvir coisas que não existem, acreditar em coisas irreais ou ter desconfianças sem fundamento.
Por vezes as pessoas com estes sintomas podem também sentir-se tensas, ansiosas ou deprimidas.

A Amissulprida atua também nas alterações de humor associadas à depressão.
Tipo
Molécula pequena.
História
Sem informação.
Indicações
A Amissulprida está indicada no tratamento das perturbações esquizofrénicas agudas e crónicas, nas quais são predominantes os sintomas positivos (tais como ideias delirantes, alucinações, perturbações do pensamento) e/ou sintomas negativos (tais como atitudes bruscas, afastamento social e emocional), incluindo Doentes com predomínio de sintomas negativos.
Classificação CFT

02.09.02 : Antipsicóticos

Mecanismo De Ação
No Homem, a Amissulprida liga-se selectivamente, e com elevada afinidade, às subclasses de receptores dopaminérgicos D2/D3, e não apresenta afinidade para as subclasses D1, D4 e D5.

Ao contrário dos neurolépticos clássicos e atípicos, a Amissulprida não tem afinidade para os receptores serotoninérgicos, α-adrenérgicos, histamínicos H1 e colinérgicos.
Além disso, a Amissulprida não se fixa aos locais de ligação sigma.

Em estudos animais, e em doses elevadas, a Amissulprida bloqueia os receptores da dopamina localizados nas estruturas límbicas, em preferência dos localizados no estriatumo.

Em doses baixas, a Amissulprida bloqueia preferencialmente os receptores D2/D3 pré-sinápticos, produzindo um aumento da libertação da dopamina, responsável pelos efeitos desinibidores.

Este perfil farmacológico explica a eficácia clínica da Amissulprida no tratamento dos sintomas positivos e negativos da esquizofrenia.
Posologia Orientativa
Nos episódios psicóticos agudos são recomendadas doses orais entre 400 mg/dia e 800 mg/dia.
Em casos individuais, a dose diária pode ser aumentada até 1200 mg/dia.
Administração
Se estiver a tomar uma dose até 300 mg de Amissulprida por dia, esta deverá ser tomada em dose única.

Se estiver a tomar uma dose superior a 300 mg por dia, deverá tomar a dose em duas tomas divididas de manhã e à noite.

A Amissulprida pode ser administrada independentemente das refeições.
Os comprimidos podem ser tomados inteiros ou divididos em duas metades com uma quantidade suficiente de água.
Contraindicações
Hipersensibilidade à Amissulprida ou a qualquer um dos excipientes
Tumores prolactino-dependentes concomitantes, por exemplo, prolactinomas da glândula pituitária e cancro da mama.

Feocromacitoma
Crianças com idade inferior a 15 anos.

Gravidez ou aleitamento.

Mulheres em idade fértil, a não ser que seja utilizada contracepção adequada.

A associação com os seguintes medicamentos, a qual poderá induzir torsades de pointes:
Agentes anti-arrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida.

Agentes anti-arrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol.

Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina (esta lista não é exaustiva).

Associação com Levodopa.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Observaram-se, em ensaios clínicos controlados, os seguintes efeitos adversos (em alguns casos, pode ser difícil diferenciar os efeitos indesejáveis dos sintomas associados à doença):

Frequentes (5-10%):
Insónia, ansiedade, agitação.

Pouco frequentes (0.1-5%):
Sonolência
Perturbações gastrointestinais tais como obstipação, náuseas, vómitos, boca seca.

Tal como para outros neurolépticos:
Doenças do sistema imunitário: Muito raramente foram reportadas reações alérgicas.

Doenças do metabolismo e da nutrição: Pode ocorrer aumento de peso durante o tratamento com Amissulprida.

Doenças do sistema nervoso: Pode aparecer distonia aguda (espasmos torcicolis, crises oculogiras, trimus), reversível sem a descontinuação da Amissulprida mas com tratamento com um agente antiparkinsónico.

Podem ocorrer sintomas extrapiramidais: tremor, rigidez, hipoquinesia; hipersalivação, acatisia.
Nas dosagens recomendadas estes sintomas são geralmente ligeiros e parcialmente reversíveis sem a descontinuação da Amissulprida, mas com administração de medicação antiparkinsónica.
A incidência dos sintomas extrapiramidais é dose-dependente e, no tratamento de doentes com predominância de sintomas negativos, esta incidência é baixa, nas doses de 50-300 mg/dia.

Foi reportada disquinésia tardia, caracterizada por movimentos involuntários rítmicos, principalmente da língua e/ou da face, normalmente após tratamentos prolongados.
A medicação antiparkinsónica não é eficaz ou pode induzir agravamento dos sintomas.

Foram reportados, muito raramente, casos de convulsões.

Foram reportados casos muito raros do Síndrome Maligno dos Neurolépticos
Cardiopatias: Reportaram-se, ocasionalmente, casos de hipotensão e bradicardia.

Prolongamento do QT, arritmias ventriculares – VF, VT (raros), morte súbita explicada, paragem cardíaca, torsades de pointes.

Afeções hepatobiliares: Foram reportados, muito raramente, aumentos dos enzimas hepáticos, principalmente das transaminases.

Doenças do sangue e do sistema linfático: Casos de tromboembolismo venoso, incluindo embolia pulmonar e casos de trombose venosa profunda, foram notificados com medicamentos antipsicóticos – frequência desconhecida.

Doenças dos órgãos genitais e da mama: A Amissulprida aumenta o nível plasmático de prolactina, o qual é reversível após descontinuação do tratamento.
Isto pode resultar em galactorreia, amenorreia, ginecomastia, dores mamárias, disfunção orgástica e impotência.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Recomenda-se evitar. Ver Antipsicóticos. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados. Trimestre: 3º
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Evitar; Ver Antipsicóticos.
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Reduzir dose para metade na IR ligeira; para 1/3 na IR moderada e reduzir dose e prolongar intervalo de administração na IR grave.
Condução
Condução
Condução:Altera a capacidade de condução.
Precauções Gerais
Como com outros neurolépticos, pode ocorrer a Síndrome Maligna dos Neurolépticos
caracterizada por hipertermia, rigidez muscular, instabilidade autónoma, alteração do estado de consciência e elevação da CPK.

Em caso de hipertermia, particularmente quando se administram doses diárias elevadas, todos os fármacos antipsicóticos, incluindo a Amissulprida, devem ser descontinuados.

A Amissulprida é eliminada por via renal.
No caso de insuficiência renal grave, a dose deve ser reduzida e deverá ser considerado um tratamento de forma intermitente.

A Amissulprida pode baixar o limiar epileptogénico.
Assim, os doentes com antecedentes de epilepsia deverão ser rigorosamente monitorizados durante o tratamento com Amissulprida.

Neurolépticos concomitantes deverão ser evitados
Nos Doentes idosos, tal como para outros neurolépticos, a Amissulprida deverá ser utilizado com particular precaução devido ao possível risco de hipotensão ou sedação.

Tal como para outros agentes antidopaminérgicos, dever-se-á ter precaução aquando da prescrição de Amissulprida a doentes com doença de Parkinson, visto poder ocorrer agravamento da doença.
A Amissulprida só deverá ser usada se o tratamento com neurolépticos não puder ser evitado.

Prolongamento do intervalo QT
A Amissulprida provoca prolongamento, dose-dependente, do intervalo QT.
Este efeito, conhecido por aumentar o risco de arritmia ventricular grave tal como torsades de pointes, é potenciado pela pré-existência de bradicardia, hipocaliémia ou intervalo QT longo congénito ou adquirido.

A hipocaliémia deve ser corrigida.

Antes de administrar este medicamento, e se o quadro clínico o permitir, é necessário verificar se existem factores que possam promover a ocorrência de arritmia:
– bradicardia inferior a 55 bpm,
– hipocaliémia,
– prolongamento congénito do intervalo QT,
– existência de medicação passível de provocar bradicardia pronunciada (< 55 bpm), hipocaliémia, condução intracardíaca diminuída ou prolongamento do intervalo QTc
Deverão ser tomadas medidas de precaução em Doentes com doença cardiovascular ou com antecedentes familiares do prolongamento QT.

Doentes com problemas hereditários raros de intolerância a galactose, deficiência Lapp lactase ou mal-absorção galactose-glucose, não devem tomar este medicamento.

Foram notificados casos de tromboembolismo venoso (TEV) com medicamentos antipsicóticos.
Uma vez que os Doentes tratados com antipsicóticos apresentam, frequentemente, factores de risco para o TEV, quaisquer factores de risco possíveis devem ser identificados antes e durante o tratamento com Amissulprida Actavis e devem ser adoptadas medidas preventivas adequadas.
Cuidados com a Dieta
Não beba álcool enquanto estiver a tomar Amissulprida.
Terapêutica Interrompida
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Tome a dose seguinte no horário habitual.
Cuidados no Armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.
Este medicamento não necessita de precauções especiais de conservação.
Espectro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antiarrítmicos + Amissulprida

Observações: Aumentam a depressão do miocárdio quando são administrados com outros AA. Aumentam o risco de arritmias ventriculares quando são dados com AA que prolongam o intervalo QT
Interações: Amiodarona: aumento do risco de arritmias ventriculares em uso concomitante com: - Amissulprida - Amissulprida
Contraindicado

Amissulprida + Antiarrítmicos

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Antiarrítmicos
Usar com precaução

Carbonato de lítio + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., amissulprida. - Amissulprida
Usar com precaução

Cloropromazina + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Fármacos que prolongam o intervalo QT: Antiarrítmicos (ex.: quinidina, disopiramida, amiodarona, sotalol, etc.), neurolépticos (ex.: fenotiazinas, sulpirida, amissulprida, haloperidol), antidepressivos tricíclicos, medicamentos tais como cisaprida, eritromicina, moxifloxacina, entre outros. Quando a associação com medicamentos que prolongam o intervalo QT não puder ser evitada é necessário o controlo prévio do intervalo QT e a vigilância monitorizada do ECG devido ao risco de arritmias graves nomeadamente do tipo torsade de pointes. - Amissulprida
Contraindicado

Amissulprida + Quinidina

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Quinidina
Contraindicado

Amissulprida + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Procainamida
Contraindicado

Amissulprida + Disopiramida

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Disopiramida
Contraindicado

Amissulprida + Amiodarona

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Amiodarona
Contraindicado

Amissulprida + Sotalol

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Sotalol
Contraindicado

Amissulprida + Bepridilo

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Bepridilo
Contraindicado

Amissulprida + Cisaprida

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Cisaprida
Contraindicado

Amissulprida + Sultoprida

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Sultoprida
Contraindicado

Amissulprida + Tioridazina

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Tioridazina
Contraindicado

Amissulprida + Eritromicina

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Eritromicina
Contraindicado

Amissulprida + Vincamina

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Vincamina
Contraindicado

Amissulprida + Halofantrina

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Halofantrina
Contraindicado

Amissulprida + Pentamidina

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Pentamidina
Contraindicado

Amissulprida + Esparfloxacina

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. - Esparfloxacina
Contraindicado

Amissulprida + Levodopa (L-dopa)

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Medicamentos que podem induzir o prolongamento QT e torsades de pointes: - Agentes Antiarrítmicos da classe Ia tais como quinidina, disopiramida, procainamida. - Agentes Antiarrítmicos da classe III tais como amiodarona, sotalol. - Outros medicamentos tais como bepridil, cisaprida, sultoprida, tioridazina, eritromicina IV, vincamina IV, halofantrina, pentamidina, sparfloxacina. Levodopa: antagonismo recíproco dos efeitos entre levodopa e neurolépticos. Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Levodopa (L-dopa)
Não recomendado/Evitar

Amissulprida + Álcool

Observações: N.D.
Interações: Associações não recomendadas: Amissulprida pode aumentar os efeitos centrais do álcool. - Álcool
Usar com precaução

Amissulprida + Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Bloqueadores da entrada de cálcio (antagonistas de cálcio)
Usar com precaução

Amissulprida + Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)
Usar com precaução

Amissulprida + Diltiazem

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Diltiazem
Usar com precaução

Amissulprida + Verapamilo

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Verapamilo
Usar com precaução

Amissulprida + Clonidina

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Clonidina
Usar com precaução

Amissulprida + Guanfacina

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Guanfacina
Usar com precaução

Amissulprida + Glicósideos digitálicos

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Glicósideos digitálicos
Usar com precaução

Amissulprida + Diuréticos

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Diuréticos
Usar com precaução

Amissulprida + Laxantes

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Laxantes
Usar com precaução

Amissulprida + Glucocorticoides

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Glucocorticoides
Usar com precaução

Amissulprida + Tetracosactido

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Tetracosactido
Usar com precaução

Amissulprida + Neurolépticos

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Neurolépticos
Usar com precaução

Amissulprida + Pimozida

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Pimozida
Usar com precaução

Amissulprida + Haloperidol

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Haloperidol
Usar com precaução

Amissulprida + Antidepressores

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Antidepressores
Usar com precaução

Amissulprida + Lítio

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Lítio
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Amissulprida + Depressores do SNC

Observações: N.D.
Interações: Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Depressores do SNC
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Amissulprida + Anestésicos

Observações: N.D.
Interações: Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Anestésicos
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Amissulprida + Narcóticos

Observações: N.D.
Interações: Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Narcóticos
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Amissulprida + Analgésicos

Observações: N.D.
Interações: Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Analgésicos
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Amissulprida + Sedativos

Observações: N.D.
Interações: Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Sedativos
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Amissulprida + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interações: Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Barbitúricos
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Amissulprida + Benzodiazepinas

Observações: N.D.
Interações: Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Benzodiazepinas
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Amissulprida + Ansiolíticos

Observações: N.D.
Interações: Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Ansiolíticos
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Amissulprida + Antihipertensores

Observações: N.D.
Interações: Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Antihipertensores
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Amissulprida + Hipotensores

Observações: N.D.
Interações: Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Hipotensores
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Amissulprida + Antagonistas da dopamina

Observações: N.D.
Interações: Associações a serem consideradas: Depressores do SNC incluindo narcóticos, anestésicos, analgésicos, sedativos anti-histamínicos H1, barbiturícos, benzodiazepinas e outros ansiolíticos, clonidina e derivados. Medicamentos antihipertensores e outras medicações hipotensivas: Agonistas da dopamina (p.ex: levodopa), visto que pode atenuar a sua acção. - Antagonistas da dopamina
Usar com precaução

Amissulprida + Anfotericina B

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Anfotericina B
Usar com precaução

Amlodipina + Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Interações potenciais relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante que requer precaução: Medicamentos afetados pelos desequilíbrios do potássio sérico: É recomendada uma monitorização periódica do potássio sérico e a realização de ECG quando Amlodipina / Olmesartan medoxomilo / Hidroclorotiazida é administrada com medicamentos afetados pelos desequilíbrios do potássio sérico (por exemplo, glicosidos digitálicos e antiarrítmicos) e com os seguintes medicamentos indutores de “torsades de pointes” (taquicardia ventricular) (incluindo alguns antiarrítmicos), sendo a hipocaliemia um fator de predisposição para “torsades de pointes” (taquicardia ventricular): - Antiarrítmicos Classe Ia (por exemplo, quinidina, hidroquinidina, disopiramida). - Antiarrítmicos Classe III (por exemplo, amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida). - Alguns antipsicóticos (por exemplo, tioridazina, cloropromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol). - Outros (por exemplo, bepridilo, cisaprida, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, esparfloxacina, terfenadina, vincamina I.V.). - Amissulprida
Usar com precaução

Benazepril + Hidroclorotiazida + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos influenciados por desequilíbrios nos níveis séricos de potássio: Recomenda-se a vigilância rigorosa dos níveis séricos de potássio e do ECG se Benazepril / Hidroclorotiazida 10 mg/12,5 mg for utilizado em simultâneo com medicamentos cuja farmacocinética e farmacodinâmica são influenciadas por desequilíbrios nos níveis séricos de potássio (como glicósidos digitálicos, agentes antiarrítmicos) ou com outros medicamentos, como os apresentados na seguinte lista (incluindo alguns agentes antiarrítmicos), que induzem torsades de pointes, em que a hipocaliemia é um factor predisponente. Agentes antiarrítmicos da classe Ia (como quinidina, hidroquinidina, disopiramida). Agentes antiarrítmicos da classe III (como amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida). Alguns agentes antipsicóticos (como tioridazina, clorpromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, doperidol). Outros (como bepridil, cisaprida, difemanil, eritromicina intravenosa, halofantrina, cetanserina, mizolastina, pentamidina, esparfloxacina, terfenadina, vincamina intravenosa). - Amissulprida
Usar com precaução

Candesartan + Hidroclorotiazida + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: A hipocaliemia e hipomagnesemia induzidas pelos diuréticos predispõem a ocorrência de efeitos cardiotóxicos dos glicosidos digitálicos e antiarrítmicos. Recomenda-se a monitorização periódica dos níveis de potássio sérico quando Candesartan / Hidroclorotiazida é administrado com estes medicamentos e com os seguintes medicamentos que possam induzir torsades de pointes: Alguns antipsicóticos (exemplo, tioridazina, clorpromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amisulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperiodol). - Amissulprida
Contraindicado

Ciamemazina + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Associações contraindicadas: Risco de torsade de pointes: - alguns neurolépticos (tioridazina, cloropromazina, levomepromazina, trifluoperazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol) e outros fármacos como: bepridilo, cisaprida, difemanil, eritromicina IV, mizolastina, vincamina IV. - Amissulprida
Usar com precaução

Perindopril + Indapamida + Amlodipina + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Uso concomitante que requer cuidados especiais: INDAPAMIDA: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a outros medicamentos que induzem “torsades de pointes” como: - fármacos Antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); - fármacos Antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); - alguns neurolépticos (clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol), outros neurolépticos (pimozida); - outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanil, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, IV vincamina, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção de baixos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Amissulprida
Usar com precaução

Indapamida + Amlodipina + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Associações que necessitam de precauções de utilização: Medicamentos que induzem « torsades de pointes »: - antiarrítmicos classe Ia (quinidina, hidroquinidina, disopiramida), - antiarrítmicos classe III (amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida), - alguns antipsicóticos: fenotiazinas (clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol), outros: bepridilo, cisaprida, difemanil, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, pentamidina, esparfloxacina, moxifloxacina, vincamina IV. Risco aumentado de arritmias ventriculares, particularmente torsades de pointes (a hipocaliemia é um factor de risco). Vigilância e, se necessário, correcção da hipocaliemia antes da introdução desta associação. Monitorização clínica, dos electrólitos e do ECG. Utilizar substâncias que não provoquem « torsades de pointes » em presença de hipocaliemia. - Amissulprida
Não recomendado/Evitar

Vandetanib + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Interações farmacodinâmicas: Combinações não recomendadas: Metadona, haloperidol, amissulprida, cloropromazina, sulpirida, zuclopentixol, halofantrina, pentamidina e lumefantrina. Se não existir terapêutica alternativa apropriada, combinações não recomendadas com vandetanib podem ser feitas com monitorização adicional do intervalo QTc do ECG, avaliação eletrolítica e controlo redobrado no início ou agravamento de diarreia. - Amissulprida
Não recomendado/Evitar

Pentamidina + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Associações desaconselhadas: Medicamentos que podem induzir torsade de pointes: Antiarrítmicos de classe Ia (quinidina, hidroquinidina, disopiramida) Antiarrítmicos de classe III (amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida) Alguns neurolépticos (tioridazina, clorpromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, haloperidol, droperidol) Outros medicamentos como bepridil, cisaprida, eritromicina iv, halofantrina, mizolastina. Dado o risco aumentado de perturbações do ritmo ventricular, nomeadamente de torsade de pointes, a associação destes medicamentos com a administração de pentamidina deve ser evitada. Caso seja absolutamente necessária, deve controlar-se previamente o intervalo QT e fazer monitorização cuidadosa do ECG. - Amissulprida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Timolol + Amissulprida

Observações: Não foram realizados estudos específicos de interação com o timolol.
Interações: Amissulprida: Risco aumentado de arritmia ventricular, particularmente torsades de pointes. - Amissulprida
Usar com precaução

Eprosartan + Hidroclorotiazida + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Interações potenciais relacionadas com a HIDROCLOROTIAZIDA: Administração concomitante requerendo precaução: Medicamentos afetados por alterações no potássio sérico: Recomenda-se monitorização periódica dos níveis de potássio sérico e ECG quando o Eprosartan / Hidroclorotiazida é administrado com medicamentos que são afetados por alterações no potássio sérico (por ex. glicosídeos digitálicos e antiarrítmicos) e com as seguintes “torsades de pointes” (taquicardia ventricular) induzidas por alguns medicamentos (incluindo alguns antiarrítmicos), sendo a hipocaliemia um fator predisponente ao aparecimento de “torsades de pointes” (taquicardia ventricular): - Antiarrítmicos de Classe Ia (por ex. quinidina, hidroquinidina, disopiramida). - Antiarrítmicos de Classe III (por ex. amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida) - Alguns antipsicóticos (por ex. tioridazina, clorpromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol) - Outros (por ex. bepridil, cisaprida, difemanil, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, pentamidina, terfenadina, vincamina IV). - Amissulprida
Usar com precaução

Esmolol + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Deve ter-se especial atenção aquando da utilização de floctafenina ou amisulpride concomitantemente com beta-bloqueantes. - Amissulprida
Não recomendado/Evitar

Halofantrina + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Medicamentos que possam provocar torsades de pointes: Antiarrítmicos de classe IA (por exemplo quinidina, hidroquinidina, disopiramida), antiarrítmicos de classe III (por exemplo amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida), alguns neurolépticos (por exemplo tioridazina, cloropromazina, levomepormazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, amisilprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol, sultoprida), antiparasíticos (lumefantrina, pentamidina), bepridil, cisaprida, difemanil, eritromicina IV, metadona, mizolastina, veraliprida, vincamicina IV. A interacção com a mefloquina demonstrou prolongar ainda mais o intervalo QTc. Risco aumentado de disrritmias ventriculares, especialmente torsades de pointes. Medicamentos passíveis de provocar torsade de pointes não anti-infecciosos devem ser interrompidos, mas se tal não for possível, o intervalo QTc deve ser controlado antes do início do tratamento e o ECG deve ser monitorizado durante o tratamento. Inibidores da protease (amprenavir, atazanavir, fosamprenavir, indinavir, lopinavir, nelfinavir, ritonavir, saquinavir, tipranavir): risco aumentado de disrritmias ventrículares, especialmente torsades de pointes. - Amissulprida
Usar com precaução

Amissulprida + Medicamentos hipocalémicos

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Medicamentos hipocalémicos
Usar com precaução

Amissulprida + Diuréticos hipocalémicos

Observações: N.D.
Interações: Associações que requerem precaução: Medicamentos que aumentem o risco de torsades de pointes: - medicamentos indutores de bradicardia tais como beta-bloqueantes, bloqueadores dos canais de cálcio que induzem bradicardia tais como diltiazem e verapamil, clonidina, guanfacina; digitálicos. - medicamentos que provocam desequilíbrios electrólitos tais como, hipocaliémia: diuréticos hipocalémicos, laxantes estimulantes, anfotericina B IV, glucocorticóides, tetracosactidos. - o uso concomitante de neurolépticos, como pimozida, haloperidol e também antidepressivos e lítio deve ser evitado. - Diuréticos hipocalémicos
Usar com precaução

Indapamida + Amissulprida

Observações: N.D.
Interações: Associações que exigem precauções de utilização: Alguns antipsicóticos: Fenotiazinas (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol). - Amissulprida
Usar com precaução

Lítio + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: Outros: Recomenda-se precaução na administração concomitante de lítio com outros medicamentos conhecidos por prolongarem o intervalo QT, por ex., Antiarrítmicos das classes IA (ex. quinidina, disopiramida) ou III (ex. amiodarona), cisaprida, antibióticos tais como a eritromicina, antipsicóticos como a tioridazina ou amissulprida. - Amissulprida
Usar com precaução

Losartan + Hidroclorotiazida + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: HIDROCLOROTIAZIDA: Quando administrados concomitantemente, os seguintes fármacos podem interferir com os medicamentos diuréticos tiazídicos. Medicamentos afectados pelos distúrbios no potássio sérico: É recomendada a monitorização periódica do potássio sérico e ECG quando losartan/hidroclorotiazida é administrado com medicamentos afectados pelos distúrbios no potássio sérico (ex., glicosídeos digitálicos e antiarrítmicos) e com os seguintes medicamentos (incluindo alguns antiarrítmicos) indutores de torsades de pointes (taquicardia ventricular), sendo que a hipocaliémia constitui um factor predisponente para torsades de pointes (taquicardia ventricular): • Antiarrítmicos da classe Ia (ex., quinidina, hidroquinidina, disopiramida) • Antiarrítmicos da classe III (ex., amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida) • Alguns antipsicóticos (ex., tioridazina, clorpromazina, levomepromazina, trifluoroperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol) • Outros (ex. bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, pentamidina, terfenatida, vincamida IV). - Amissulprida
Usar com precaução

Nebivolol + Hidroclorotiazida + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacodinâmicas: HIDROCLOROTIAZIDA: Potenciais interações relacionadas com a hidroclorotiazida: Precauções necessárias em caso de uso concomitante com: Medicamentos afetados pelos distúrbios do potássio sérico: Recomenda-se uma monitorização periódica dos níveis séricos do potássio e a realização de ECG quando se administra Nevivolol / Hidroclorotiazida com medicamentos afetados pelos distúrbios do potássio sérico (por exemplo, glicosidos digitálicos e antiarrítmicos) e com os seguintes medicamentos indutores de “torsades de pointes” (taquicardia ventricular) (incluindo alguns antiarrítmicos), sendo que a hipocaliemia é um fator de predisposição para “torsades de pointes” (taquicardia ventricular): Antiarrítmicos Classe IA (por exemplo, quinidina, hidroquinidina, disopiramida). Antiarrítmicos Classe III (por exemplo, amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida). Alguns antipsicóticos (por exemplo, tioridazina, cloropromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol). Outros (por exemplo, bepridilo, cisaprida, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, esparfloxacina, terfenadina, vincamina I.V.). - Amissulprida
Usar com precaução

Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: Interações potenciais relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Uso concomitante com precaução: Medicamentos afetados pelos desequilíbrios do potássio sérico: É recomendada uma monitorização periódica do potássio sérico e a realização de ECG quando o Olmesartan / Hidroclorotiazida é administrado com medicamentos afetados pelos desequilíbrios do potássio sérico (por exemplo, glicósidos digitálicos e antiarrítmicos) e com os seguintes medicamentos indutores de “torsades de pointes” (taquicardia ventricular) (incluindo alguns antiarrítmicos), sendo a hipocaliemia um fator de predisposição para “torsades de pointes” (taquicardia ventricular): Antiarrítmicos Classe Ia (por exemplo, quinidina, hidroquinidina, disopiramida). Antiarrítmicos Classe III (por exemplo, amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida). Alguns antipsicóticos (por exemplo, tioridazina, cloropromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol) Outros (por exemplo, bepridilo, cisaprida, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, esparfloxacina, terfenadina, vincamina I.V.). - Amissulprida
Usar com precaução

Pasireotido + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: Interações farmacodinâmicas previstas: Medicamentos que prolongam o intervalo QT: O pasireotido deve ser utilizado com precaução em doentes que estão a tomar concomitantemente medicamentos que prolongam o intervalo QT, tais como antiarrítmicos de classe Ia (por exemplo, quinidina, procainamida, disopiramida), antiarrítmicos de classe III (por exemplo amiodarona, dronedarona, sotalol, dofetilida, ibutilida), determinados antibacterianos ( eritromicina endovenosa, injeção de pentamidina, claritromicina, moxifloxacina), determinados antipsicóticos (por exemplo cloropromazina, tioridazina, flufenazina, pimozida, haloperidol, tiaprida, amissulprida, sertindol, metadona ), determinados antihistamínicos (por exemplo, terfenadina, astemizol, mizolastina), antimaláricos (por exemplo, cloroquina, halofantrina, lumefantrina) determinados antifúngicos (cetoconazol, exceto no champô). - Amissulprida
Usar com precaução

Perindopril + Indapamida + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: Ligadas à INDAPAMIDA: Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “Torsades de pointes”: Devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); fármacos antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. - Amissulprida
Usar com precaução

Telmisartan + Hidroclorotiazida + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: Medicamentos influenciados pelos distúrbios de potássio sérico: Recomenda-se a monitorização periódica dos níveis séricos de potássio e ECG quando se procede à administração de Telmisartan / Hidroclorotiazida com estes medicamentos influenciados por distúrbios do potássio sérico (por exemplo, glicósidos digitálicos, antiarrítmicos) e os seguintes medicamentos indutores de torsades de pointes (que incluem alguns antiarrítmicos), quando a hipocaliemia é um fator predisponente a torsades de pointes: Antiarrítmicos classe Ia (por exemplo, quinidina, hidroquinidina, disopiramida) Antiarrítmicos classe III (por exemplo, amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida) Alguns antipsicóticos (por exemplo, tioridazina, cloropromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol). - Amissulprida
Usar com precaução

Valsartan + Hidroclorotiazida + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: Interações relacionadas com HIDROCLOROTIAZIDA: Utilização concomitante com precaução: Medicamentos que podem induzir “Torsade de pointes”: Antiarritmícos classe Ia (ex. quinidina, hidroquinidina, disopiramida) Antiarritmícos classe III (e.g. amiodarona, sotalol, dofetilida, ibutilida) Alguns antipsicóticos: (ex. tioridazina, clorpromazina, levomepromazina, trifluoperazina, ciamemazina, sulpirida, sultoprida, amissulprida, tiaprida, pimozida, haloperidol, droperidol) Outros: (ex. bepridilo, cisaprida, difemanila, eritromicina i.v., halofantrina, cetanserina, mizolastina, pentamidina, esparfloxacina, terfenadina, vincamina i.v.). Devido ao risco de hipocaliemia, a hidroclorotiazida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos indutores de “torsade de pointes”. - Amissulprida
Usar com precaução

Xipamida + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Amissulprida
Usar com precaução

Rosuvastatina + Perindopril + Indapamida + Amissulprida

Observações: n.d.
Interações: Relacionados com indapamida Uso concomitante que requer cuidados especiais: Medicamentos que induzem “torsades de pointes”: devido ao risco de hipocaliemia, a indapamida deve ser administrada com precaução quando associada a medicamentos que induzem “torsades de pointes” tais como agentes antiarrítmicos classe IA (quinidina, hidroquinidina, disopiramida); agentes antiarrítmicos classe III (amiodarona, dofetilida, ibutilida, bretilio, sotalol); certos neurolépticos (cloropromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamidas (amissulprida, sulpirida, sultoprida, tiaprida), butirofenonas (droperidol, haloperidol) outros neurolépticos (pimozida); outras substâncias tais como bepridilo, cisaprida, difemanilo, eritromicina IV, halofantrina, mizolastina, moxifloxacina, pentamidina, esparfloxacina, vincamina IV, metadona, astemizol, terfenadina. Prevenção da descida dos níveis de potássio e correção se necessário: monitorização do intervalo QT. - Amissulprida
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Amissulprida
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

A Amissulprida pode interagir com os seguintes medicamentos:
– Depressores do sistema nervoso central (fármacos que actuam a nível cerebral) como a pimozida, haloperidol, imipramina e lítio, incluindo narcóticos (utilizados para o alívio da dor aguda).

– Anestésicos
– Sedativos anti-histamínicos H1, (que causam sonolência)
– Barbitúricos e benzodiazepinas (comprimidos para dormir).

– Medicamentos utilizados para tratar a pressão arterial elevada e enxaqueca como a clonidina e seus derivados, diltiazem e verapamil, guanfacina e digitálicos.

– Diuréticos, laxantes, glucocorticoides, certos antibióticos, que podem baixar os níveis de potássio do sangue.

Não se recomenda a utilização deste medicamento durante o período de gravidez, nem em mulheres em idade fértil, a não ser que seja utilizada uma contracepção eficaz.

Não se sabe se a Amissulprida é excretada no leite materno, pelo que a amamentação está contra-indicada.

Mesmo nas doses recomendadas, a Amissulprida pode afectar o tempo de reacção pelo que a capacidade de condução de veículos e utilização de máquinas pode estar diminuída.


Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 08 de Setembro de 2020