Ambroxol + Clenbuterol

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento
O que é
Ambroxol + Clenbuterol pertence ao grupo farmacoterapêutico dos expectorantes.

Ambroxol é um medicamento que elimina o catarro, utilizado no tratamento de doenças respiratórias associadas ao muco viscoso ou excessivo.
Recentemente, uma hipótese sugeriu que ele pode ter um papel potencial no tratamento da doença óssea de Paget, parkinsonismo e outras doenças comuns de doenças associadas ao envelhecimento envolvendo disfunção da autofagia.
Ambroxol é frequentemente administrado como um ingrediente ativo em xarope para tosse.

O clenbuterol é uma amina simpatomimética usada por pessoas que sofrem de distúrbios respiratórios como descongestionante e broncodilatador. Pessoas com distúrbios respiratórios crónicos, como asma, usam-no como broncodilatador para facilitar a respiração. É mais comummente disponível como sal cloridrato, cloridrato de clembuterol.
Usos comuns
Está indicado no tratamento de afecções das vias respiratórias agudas e crónicas que decorram com broncospasmo e alteração da formação e transporte das secreções, em especial: bronquite aguda e crónica, asma brônquica, enfisema, laringotraqueíte, bronquiectasias e mucoviscidose (fibrose quística).
Tipo
Sem informação.
História
Ambroxol foi patenteado em 1966 e entrou em uso médico em 1979.

O clenbuterol foi patenteado em 1967 e entrou em uso médico em 1977.
Indicações
Afecções das vias respiratórias agudas e crónicas que decorram com broncospasmo e alteração da formação e transporte das secreções, em especial:
bronquite aguda e crónica, asma brônquica, enfisema, laringotraqueíte, bronquiectasias e mucoviscidose (Fibrose Quística).
Classificação CFT

05.02.02 : expectorantes

Mecanismo De Acção
As características do expectorante Ambroxol (propriedades antidiscrínicas, mucolíticas brônquicas e estimulante da actividade ciliar), aliadas com as de uma substância broncodilatadora (clenbuterol).

Este medicamento é adequado quando se verifique compromisso, em simultâneo, da função motora ciliar, alterações da secreção e do seu transporte, broncospasmo e, inclusivamente patologias das pequenas vias aéreas.

A este nível este medicamento estimula a formação e secreção da substância tensioactiva surfactante.
Posologia Orientativa
Adultos e crianças com mais de 12 anos:
- 1 comprimido, 2 x /dia.
- 10 ml, 2 x / dia de xarope.
- 1 saqueta 2 x /dia.

Xarope infantil:
6 - 12 anos: 15 ml, 2 x/ dia
4 - 6 anos: 10 ml, 2 x / dia
2 - 4 anos: 7,5 ml, 2 x / dia
8 - 24 meses: 5,0 ml, 2 x / dia
Até 8 meses: 2,5 ml, 2 x / dia.
Administração
Via oral.

Aconselha-se a administração às refeições.

O conteúdo das saquetas deve ser disperso num copo com água.

Os comprimidos devem ser ingeridos com um pouco de líquido.

Nota: é de esperar um aumento do fluxo das secreções e consequentemente aumento da expectoração e da tosse.
Contra-Indicações
Hipersensibilidade ao ambroxol e ao clenbuterol.

Este medicamento não deve ser utilizado em doentes com tireotoxicose, estenose aórtica hipertrófica subvalvular idiopática, taquidisritmias.

Doentes com úlcera gastroduodenal.
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Devidos ao clenbuterol: especialmente no início do tratamento, poder-se-ão registar sensações de inquietação, tremor ligeiro dos dedos e palpitações, que normalmente desaparecem ao fim de 1 a 2 semanas de tratamento.

Devidos ao ambroxol: O ambroxol é bem tolerado em praticamente todos os casos em que é administrado.

Apenas se referem, ocasional e raramente, perturbações dispépticas menores.

Foram descritas, muito raramente, reacções alérgicas, principalmente rash cutâneo.

Desconhecidas: Isquemia do miocárdio*

* notificações espontâneas pós-comercialização com uma frequência desconhecida.
Advertências
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Este medicamento deve ser evitado durante a gravidez, especialmente no primeiro trimestre.
Aleitamento
Aleitamento
Aleitamento:Deve ser evitado o seu uso durante o aleitamento.
Precauções Gerais
Em doentes hipersensíveis podem verificar-se, no início do tratamento, tremor fino dos dedos e palpitações, as quais podem desaparecer com o prosseguimento da terapêutica.

Nos doentes com enfarte recente do miocárdio o tratamento deve efectuar-se com prudência e posologia reduzida.

Os mucolíticos (ambroxol) têm a capacidade de destruir a barreira gástrica, pelo que devem ser utilizados com precaução em indivíduos com antecedentes de úlcera péptica.

Podem ser observados efeitos cardiovasculares com o uso de fármacos simpaticomiméticos.

Existe alguma evidência, através dos dados pós-comercialização e da literatura, de ocorrência de isquemia do miocárdio associada a Agonistas Beta.

Doentes que sofram de doença cardíaca grave (i.e. cardiopatia isquémica, arritmia ou insuficiência cardíaca grave) e que estejam em tratamento com Ambroxol + Clenbuterol, devem ser advertidos a procurar assistência médica, em caso de dor torácica ou outros sintomas de agravamento da doença coronária.

Deve ser dada especial atenção para o aparecimento de sintomas como a dispneia ou dor torácica, uma vez que as mesmas podem ter origem tanto respiratória como cardíaca.

Nos últimos dias que precedem o parto, o uso de Ambroxol + Clenbuterol só deve ser feito por recomendação médica.
Cuidados com a Dieta
Aconselha-se a administração às refeições.
Terapêutica Interrompida
Tente tomar a dose em falta logo que possível, reajustando o horário de acordo com a última toma.

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no Armazenamento
Não conservar acima de 25ºC.
Conservar na embalagem de origem.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ambroxol + Clenbuterol Amoxicilina

Observações: n.d.
Interacções: A administração concomitante de ambroxol com antibióticos (amoxicilina, cefuroxima, eritromicina, doxiciclina) conduz a uma maior concentração de antibiótico no tecido pulmonar. - Amoxicilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ambroxol + Clenbuterol Cefuroxima

Observações: n.d.
Interacções: A administração concomitante de ambroxol com antibióticos (amoxicilina, cefuroxima, eritromicina, doxiciclina) conduz a uma maior concentração de antibiótico no tecido pulmonar. - Cefuroxima
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ambroxol + Clenbuterol Eritromicina

Observações: n.d.
Interacções: A administração concomitante de ambroxol com antibióticos (amoxicilina, cefuroxima, eritromicina, doxiciclina) conduz a uma maior concentração de antibiótico no tecido pulmonar. - Eritromicina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ambroxol + Clenbuterol Doxiciclina

Observações: n.d.
Interacções: A administração concomitante de ambroxol com antibióticos (amoxicilina, cefuroxima, eritromicina, doxiciclina) conduz a uma maior concentração de antibiótico no tecido pulmonar. - Doxiciclina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ambroxol + Clenbuterol Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)

Observações: n.d.
Interacções: Os bloqueadores dos β-receptores podem inibir a acção simpaticomimética do clenbuterol, e vice-versa. - Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Ambroxol + Clenbuterol
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Este medicamento deve ser evitado durante a gravidez, especialmente no primeiro trimestre.

Deve ser evitado o seu uso durante o aleitamento.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Novembro de 2021