Ácido micofenólico

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal
O que é
O Ácido micofenólico, DCI, ou micofenolato é um fármaco imunossupressor usado para prevenir a rejeição em transplante de órgãos.

Foi inicialmente comercializado como o pró-fármaco micofenolato mofetil (MMF) para melhorar a biodisponibilidade oral.
Usos comuns
O Ácido micofenólico é usado para evitar que seu corpo rejeite um transplante de rim.
Este medicamento é geralmente prescrito com a ciclosporina e um medicamento esteróide.
Tipo
Molécula pequena.
História
O ácido micofenólico foi inicialmente descoberto pelo italiano Bartolomeo Gosio em 1893.
Foi redescoberto em 1945 e 1968.
Foi aprovado para uso médico nos Estados Unidos em 1995, após a descoberta de suas propriedades imunossupressoras na década de 1990.
Indicações
Para a profilaxia da rejeição de órgãos em doentes que receberam transplantes alogénicos renais, administrados em combinação com ciclosporina e corticosteróides.
Classificação CFT

16.03 : IMUNOMODULADORES

Mecanismo De Ação
O AMF é um inibidor da desidrogenase da inosina-monofosfato, selectivo, não competitivo e reversível, que inibe a via de síntese de novo dos nucleótidos da guanosina sem incorporação no DNA.
Uma vez que a proliferação dos linfócitos T e B depende de forma crítica da síntese de novo das purinas, enquanto que outros tipos de células podem utilizar vias de recurso, o AMF tem efeitos citostáticos mais potentes sobre os linfócitos do que sobre outras células.
Posologia Orientativa
Dose adulta usual para Profilaxia da Rejeição:
A dose inicial: 720 mg por via oral duas vezes por dia
As doses devem ser tomados com o estômago vazio, uma hora antes ou duas horas depois da ingestão de alimentos.

Dose Usual Geriátrica para Profilaxia da Rejeição:
Dose: 720 mg duas vezes por dia
As doses devem ser tomados com o estômago vazio, uma hora antes ou duas horas depois da ingestão de alimentos.
A dose máxima recomendada para uso em Pacientes geriátricos é de 720 mg duas vezes por dia.

Usual Dose pediátrica para Profilaxia da Rejeição:
5 anos e 16 anos:
Dose: 400 mg/m2 duas vezes por dia (até um máximo de 720 mg duas vezes por dia)
Doses pediátricas para Pacientes com uma área de superfície corporal inferior a 1,19 m2 não pode ser administrado com precisão usando as formulações disponíveis actualmente dos comprimidos de libertação retardada.
Administração
Via oral.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao Micofenolato de mofetil, Micofenolato de sódio, Ácido micofenólico, os Pacientes alérgicos com polissorbato 80 (Tween) IV (apenas).
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Obtenha ajuda médica de emergência se tiver algum destes sinais de reacção alérgica: urticária, dificuldade em respirar, inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta.

Durante o tratamento com ácido micofenólico podem ocorrer infecções graves, e às vezes fatais.

Contacte o médico imediatamente se tiver sinais de infecção, tais como:
– Febre, sintomas de gripe, nariz a pingar ou entupido, tosse, dor de garganta, gânglios inchados;
– Dor de estômago, vómitos, diarreia, perda de peso;
– Dor de ouvido, dor de cabeça;
– Manchas brancas ou feridas na boca ou garganta;
– Pele pálida, hematomas fáceis ou hemorragias fora do normal;
– Confusão, alteração no estado mental, problemas de visão, fala, memória, equilíbrio, ou na marcha;
– Fraqueza nas pernas, falta de coordenação;
– Sangue na urina, dor ou ardor ao urinar;
– Inchaço, calor, vermelhidão, ou exsudação ao redor de uma ferida na pele, ou
– Um novo alto ou lesão na pele, ou um sinal que mudou de tamanho ou cor.

Contacte o Médico imediatamente se tiver um efeito colateral grave, tais como:
– Rápida taxa cardíaca, respiração rápida e superficial, desmaio;
– Tosse com sangue ou vómito que se parece com borra de café;
– Fezes escuras, negras ou sangrentas;
– Sede, aumento da frequência urinária, pele quente e seca;
– Dor no peito, tosse seca, chiado no peito, sensação de falta de ar;
– sensação de desmaio;
– Frequência cardíaca lenta ou irregular, pulso fraco, sensação de formigamento, sede excessiva, aumento da micção, desconforto nas pernas, fraqueza muscular ou sensação de coxear, ou
– Pancreatite (dor na parte superior do estômago que se estende para as costas, náuseas e vómitos, ritmo cardíaco acelerado).

Os efeitos secundários menos graves podem incluir:
– Prisão de ventre, aumento de peso;
– Dor muscular ou nas articulações, dor nas costas;
– Tonturas, ansiedade, problemas de sono (insónia), ou
– Inchaço nas mãos ou pés.
Advertências
Insuf. Renal
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Monitorizar criteriosamente para Cl cr < 25 ml/min/1,73 m2; dose diária máxima – 1440 mg (1 g, 2 vezes/ dia segundo alguns autores).
Gravidez
Gravidez
Gravidez:Contra-indicado durante a gravidez.
Precauções Gerais
Fale com o médico ou farmacêutico antes de tomar este medicamento:
- se tem, ou alguma vez teve, problemas do aparelho digestivo, por exemplo úlcera no estômago.
- se tem uma deficiência hereditária rara em hipoxantina-guanina fosforribosil-transferase (HGPRT), tais como as síndromes de Lesch-Nyhan e de Kelley-Seegmiller.

Também deve estar informado que:
- este medicamento reduz os mecanismos de defesa da pele aquando da exposição ao sol. Tal facto aumenta o risco de cancro da pele. Assim, deve limitar a sua exposição à luz solar e raios ultravioleta (UV) cobrindo as áreas da pele expostas o mais possível e aplicar frequentemente um protector solar com elevado índice de proteção. Peça ao seu médico conselhos sobre a proteção solar.
- se já teve hepatite B ou C, este medicamento pode aumentar o risco destas doenças reaparecerem. O médico pode efectuar análises ao sangue e avaliar sintomas destas doenças. Se sentir alguns sintomas (pele e olhos amarelos, náuseas, perda de apetite, urina escura) deve informar o médico imediatamente.
- se tiver tosse persistente ou se ficar com falta de ar, especialmente quando estiver a tomar outros imunossupressores, deve informar o médico imediatamente.
- o médico pode querer avaliar os seus níveis sanguíneos de antibióticos durante o tratamento com este medicamento, particularmente quando as infecções reaparecerem, especialmente se estiver também a tomar outros imunossupressores, e dir-lhe-á se pode continuar a tomar este medicamento.
- se tiver quaisquer sintomas de infecção (por exemplo, febre ou dor de garganta), aparecimento espontâneo de nódoas negras ou hemorragias, consulte imediatamente o médico.
- o médico pode querer verificar a contagem de glóbulos brancos durante o tratamento com este medicamento e irá informá-lo se pode continuar a tomar Ácido micofenólico.
- o uso de Ácido micofenólico durante a gravidez pode ser nocivo para o feto e aumentar o risco de aborto (aborto espontâneo).

Outros medicamentos e Ácido micofenólico
Informe o médico ou farmacêutico se estiver a tomar, tiver tomado recentemente, ou se vier a tomar outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Em particular, deve informar o médico se está a tomar algum dos seguintes medicamentos:
- outros medicamentos imunossupressores, tais como azatioprina ou tacrolímus;
- medicamentos usados para tratar níveis elevados de colesterol no sangue, tal como a colestiramina;
- carvão activado usado para tratar problemas digestivos tais como diarreia, problemas de estômago e gases; - antiácidos contendo magnésio ou alumínio;
- medicamentos usados para tratar infecções virais, tais como aciclovir ou ganciclovir.

Também deve informar o médico se planeia fazer alguma vacina.

Não deve doar sangue durante o tratamento com Ácido micofenólico e durante pelo menos 6 semanas após parar o tratamento.

Os homens não devem doar sémen durante o tratamento com este medicamento e durante pelo menos 90 dias após parar o tratamento.
Cuidados com a Dieta
Tome Ácido micofenólico com o estômago vazio, pelo menos 1 hora antes ou 2 horas após uma refeição.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose assim que se lembrar. Não tome a dose esquecida se for quase hora da sua próxima dose. Não tome medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Armazenar à temperatura ambiente longe da humidade e calor.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Ácido micofenólico + Aciclovir

Observações: N.D.
Interacções: Aciclovir e ganciclovir: O potencial para mielossupressão nos doentes em tratamento com Ácido micofenólico e aciclovir ou ganciclovir não foi estudado. Podem-se esperar níveis elevados de glucoronido do ácido micofenólico (GAMF) e aciclovir/ganciclovir quando o aciclovir/ganciclovir e Ácido micofenólico são administrados concomitantemente, possivelmente em resultado da competição pela via de excreção tubular. Não é provável que as alterações na farmacocinética do GAMF tenham significado clínico em doentes com função renal adequada. Em caso de insuficiência renal existe potencial para aumentos das concentrações plasmáticas de GAMF e aciclovir/ganciclovir; devem ser seguidas as recomendações posológicas para o aciclovir/ganciclovir e os doentes devem ser cuidadosamente observados. - Aciclovir
Sem efeito descrito

Belatacept + Ácido micofenólico

Observações: Belatacept é uma proteína de fusão que não é esperado que seja metabolizada pelas enzimas do citocromo P450 (CYPs) e UDP-glucuronosiltransferases (UGTs). Não foram formalmente realizados estudos de interação com belatacept.
Interacções: Não se espera que belatacept interrompa a recirculação enterohepática do ácido micofenólico. Com uma determinada dose de micofenolato de mofetil, a exposição ao ácido micofenólico é aproximadamente 40% mais elevada quando administrado concomitantemente com belatacept do que quando administrado concomitantemente com ciclosporina. - Ácido micofenólico
Usar com precaução

Ácido micofenólico + Ganciclovir

Observações: N.D.
Interacções: Aciclovir e ganciclovir: O potencial para mielossupressão nos doentes em tratamento com Ácido micofenólico e aciclovir ou ganciclovir não foi estudado. Podem-se esperar níveis elevados de glucoronido do ácido micofenólico (GAMF) e aciclovir/ganciclovir quando o aciclovir/ganciclovir e Ácido micofenólico são administrados concomitantemente, possivelmente em resultado da competição pela via de excreção tubular. Não é provável que as alterações na farmacocinética do GAMF tenham significado clínico em doentes com função renal adequada. Em caso de insuficiência renal existe potencial para aumentos das concentrações plasmáticas de GAMF e aciclovir/ganciclovir; devem ser seguidas as recomendações posológicas para o aciclovir/ganciclovir e os doentes devem ser cuidadosamente observados. - Ganciclovir
Não recomendado/Evitar

Ácido micofenólico + Antiácidos

Observações: N.D.
Interacções: Agentes gastroprotectores: Antiácidos com magnésio-alumínio Verificou-se que a AUC e a Cmáx do AMF diminui em aproximadamente 37% e 25%, respectivamente, quando é administrada uma dose única de antiácidos com magnésio-alumínio concomitantemente com Ácido micofenólico. Os antiácidos com magnésio-alumínio podem ser utilizados intermitentemente para o tratamento de dispépsia ocasional. No entanto, a utilização crónica diária de antiácidos com magnésio-alumínio com Ácido micofenólico não é recomendada devido ao potencial para diminuir a exposição do ácido micofenólico e reduzir a eficácia. - Antiácidos
Sem efeito descrito

Ácido micofenólico + Inibidores da Bomba de Protões (IBP)

Observações: N.D.
Interacções: Inibidores da bomba de protões: Não foram observadas, em voluntários saudáveis, alterações farmacocinéticas do AMF após a administração concomitante de 40 mg de Ácido micofenólico e pantoprazol, duas vezes por dia, durante os quatro dias anteriores. Não existem dados disponíveis com outros inibidores da bomba de protões administrados em doses elevadas. - Inibidores da Bomba de Protões (IBP)
Sem efeito descrito

Ácido micofenólico + Contracetivos orais

Observações: N.D.
Interacções: Contraceptivos orais: Os estudos de interacção entre o MMF e Contraceptivos orais não indicam interacção. Dado o perfil metabólico do AMF não são de esperar interacções entre Ácido micofenólico e Contraceptivos orais. - Contracetivos orais
Usar com precaução

Ácido micofenólico + Colestiramina

Observações: N.D.
Interacções: Colestiramina e fármacos que se ligam aos ácidos biliares: Deve-se ter cuidado durante a administração concomitante de fármacos ou terapêuticas que se possam ligar aos ácidos biliares, por exemplo, sequestrantes dos ácidos biliares ou carvão ativado oral, dado o potencial para diminuir a exposição do AMF e assim reduzir a eficácia de Ácido micofenólico. - Colestiramina
Usar com precaução

Ácido micofenólico + Carvão activado

Observações: N.D.
Interacções: Colestiramina e fármacos que se ligam aos ácidos biliares: Deve-se ter cuidado durante a administração concomitante de fármacos ou terapêuticas que se possam ligar aos ácidos biliares, por exemplo, sequestrantes dos ácidos biliares ou carvão ativado oral, dado o potencial para diminuir a exposição do AMF e assim reduzir a eficácia de Ácido micofenólico. - Carvão activado
Usar com precaução

Ácido micofenólico + Ácidos biliares - resinas sequestradoras

Observações: N.D.
Interacções: Colestiramina e fármacos que se ligam aos ácidos biliares: Deve-se ter cuidado durante a administração concomitante de fármacos ou terapêuticas que se possam ligar aos ácidos biliares, por exemplo, sequestrantes dos ácidos biliares ou carvão ativado oral, dado o potencial para diminuir a exposição do AMF e assim reduzir a eficácia de Ácido micofenólico. - Ácidos biliares - resinas sequestradoras
Sem significado Clínico

Ácido micofenólico + Ciclosporina

Observações: N.D.
Interacções: Ciclosporina: Quando estudado em doentes com transplante renal estável, as propriedades farmacocinéticas da ciclosporina não foram afetadas pela administração no estado estacionário de Ácido micofenólico. Quando administrada concomitantemente com micofenolato mofetil, sabe-se que a ciclosporina diminui a exposição do AMF. Quando administrada concomitantemente com Ácido micofenólico, a ciclosporina também pode diminuir a concentração do AMF (em aproximadamente 20%, extrapolada da informação do micofenolato mofetil), mas a extensão exata desta diminuição não é conhecida uma vez que esta interacção não foi estudada. No entanto, uma vez que foram realizados estudos de eficácia em associação com ciclosporina, esta interacção não altera a posologia recomendada de Ácido micofenólico. Em caso de interrupção ou descontinuação da administração de ciclosporina, a posologia de Ácido micofenólico deverá ser reavaliada dependendo do regime imunossupressor. - Ciclosporina
Usar com precaução

Ácido micofenólico + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interacções: Tacrolímus: Num estudo cruzado com inibidores da calcineurina em doentes transplantados renais estáveis, a farmacocinética de Ácido micofenólico no estado estacionário foi medida durante os tratamentos quer com ciclosporina quer com tacrolímus. A AUC média do AMF foi 19% superior (IC 90%: -3, +47) enquanto a AUC média do AMFG foi cerca de 30% inferior (IC 90%: 16, 42) com o tacrolímus, comparativamente com o tratamento com ciclosporina. Para além da AUC do AMF, a variabilidade intraindividual duplicou quando se mudou do tratamento com ciclosporina para tacrolímus. Os clínicos devem notar este aumento quer na AUC do AMF, quer na variabilidade e ajustes à posologia de Ácido micofenólico devem ser ditados pela situação clínica. Deve efetuar-se uma monitorização clínica cuidadosa quando se planeia mudar o tratamento com um inibidor da calcineurina para um outro. - Tacrolímus
Contraindicado

Ácido micofenólico + Vacinas vivas

Observações: N.D.
Interacções: Vacinas vivas atenuadas: Não devem ser administradas vacinas obtidas a partir de microorganismos vivos atenuados a doentes com resposta imunitária diminuída. A resposta em anticorpos a outras vacinas pode estar diminuída. - Vacinas vivas
Sem efeito descrito

Voriconazol + Ácido micofenólico

Observações: n.d.
Interacções: Ácido micofenólico (dose única de 1 g) [substrato da UDP- glucorunil transferase] Não necessário ajuste de dose - Ácido micofenólico
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Ácido micofenólico
Informe o seu Médico ou Farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica (OTC), Produtos de Saúde, Suplementos Alimentares ou Fitoterapêuticos.

Se engravidar durante o tratamento com micofenolato, deve informar o médico imediatamente. No entanto, deve continuar a tomar micofenolato até falar com o médico.

Micofenolato provoca uma percentagem muito alta de aborto (50%) e de malformações congénitas graves (23-27%) no feto.
As malformações congénitas que foram notificadas incluem anomalias dos ouvidos, dos olhos, do rosto (lábio leporino/ palato), do desenvolvimento dos dedos, do coração, esófago (tubo que liga a arganta e o estômago), rins e sistema nervoso (por exemplo espinha bífida (os ossos da coluna vertebral não são adequadamente desenvolvidos)).
O seu bebé pode ser afectado por uma ou mais destas anomalias.
Se é uma mulher com possibilidade de engravidar, deve apresentar um teste de gravidez negativo antes de iniciar o tratamento e deve seguir os conselhos de contracepção dados pelo médico.
O médico pode pedir mais do que um teste de gravidez para garantir que não está grávida antes de iniciar o tratamento.

Não tome Ácido micofenólico se estiver a amamentar. Isto porque pequenas quantidades do medicamento podem passar para o leite materno.
Informação revista e actualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 09 de Julho de 2021