Ácido micofenólico

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal Uso Hospitalar DCI/Medicamento Sujeito a Receita Médica (a ausência deste simbolo pressupõe Medicamento Não Sujeito a Receita Médica)
O que é
O Ácido micofenólico, DCI, ou micofenolato é um fármaco imunossupressor usado para prevenir a rejeição em transplante de órgãos.

Foi inicialmente comercializado como o pró-fármaco micofenolato mofetil (MMF) para melhorar a biodisponibilidade oral.
Usos comuns
O Ácido micofenólico é usado para evitar que seu corpo rejeite um transplante de rim.

Este medicamento é geralmente prescrito com a ciclosporina (Sandimmun, Neoral) e um medicamento esteróide.
Tipo
pequena molécula
História
Sem informação.
Indicações
Para a profilaxia da rejeição de órgãos em doentes que receberam transplantes alogénicos renais, administrados em combinação com ciclosporina e corticosteroides.
Classificação CFT
16.03     IMUNOMODULADORES
Mecanismo De Ação
O Ácido micofenólico é um inibidor potente, seletivo, não competitivo e reversível de inosina monofosfato desidrogenase ( IMPDH ) e, portanto, inibe a via de síntese de novo de nucleótidos de guanosina sem incorporação no ADN .

Por serem linfócitos B e T são extremamente dependentes para a sua proliferação em síntese de novo das purinas, enquanto que outros tipos de células podem utilizar vias de recurso, o Ácido micofenólico tem efeitos citostáticos potentes sobre os linfócitos. O Ácido micofenólico inibe a resposta proliferativa de linfócitos T e B para estimulação mitogénica e aloespecífica.

A adição de guanosina ou desoxiguanosina inverte os efeitos citostáticos do Ácido micofenólico em linfócitos. O Ácido micofenólico também suprime a formação de anticorpos por linfócitos - B.

O Ácido micofenólico impede a glicosilação de linfócitos e monócitos glicoproteínas que estão envolvidos na adesão intercelular de células endoteliais e pode inibir o recrutamento de leucócitos para locais de inflamação e rejeição de enxerto.
Posologia Orientativa
Dose adulta usual para Profilaxia da Rejeição:
A dose inicial: 720 mg por via oral duas vezes por dia
As doses devem ser tomados com o estômago vazio, uma hora antes ou duas horas depois da ingestão de alimentos.

Dose Usual Geriátrica para Profilaxia da Rejeição:
Dose: 720 mg duas vezes por dia
As doses devem ser tomados com o estômago vazio, uma hora antes ou duas horas depois da ingestão de alimentos.
A dose máxima recomendada para uso em Pacientes geriátricos é de 720 mg duas vezes por dia.

Usual Dose pediátrica para Profilaxia da Rejeição:
5 anos e 16 anos:
Dose: 400 mg/m2 duas vezes por dia (até um máximo de 720 mg duas vezes por dia)
Doses pediátricas para Pacientes com uma área de superfície corporal inferior a 1,19 m2 não pode ser administrado com precisão usando as formulações disponíveis atualmente dos comprimidos de libertação retardada.
Administração
Via oral.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao Micofenolato de mofetil, Micofenolato de sódio, Ácido micofenólico, ou qualquer outro componente do produto, os Pacientes alérgicos com polissorbato 80 (Tween) IV (apenas).
Efeitos Indesejáveis/Adversos
Obtenha ajuda médica de emergência se tiver algum destes sinais de reação alérgica: urticária, dificuldade em respirar, inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta.

Durante o tratamento com ácido micofenólico podem ocorrer infeções graves, e às vezes fatais.

Contacte o Médico imediatamente se tiver sinais de infeção, tais como:
– Febre, sintomas de gripe, nariz a pingar ou entupido, tosse, dor de garganta, gânglios inchados;
– Dor de estômago, vómitos, diarreia, perda de peso;
– Dor de ouvido, dor de cabeça;
– Manchas brancas ou feridas na boca ou garganta;
– Pele pálida, hematomas fáceis ou hemorragias fora do normal;
– Confusão, alteração no estado mental, problemas de visão, fala, memória, equilíbrio, ou na marcha;
– Fraqueza nas pernas, falta de coordenação;
– Sangue na urina, dor ou ardor ao urinar;
– Inchaço, calor, vermelhidão, ou exsudação ao redor de uma ferida na pele, ou
– Um novo alto ou lesão na pele, ou um sinal que mudou de tamanho ou cor.

Contacte o Médico imediatamente se tiver um efeito colateral grave, tais como:
– Rápida taxa cardíaca, respiração rápida e superficial, desmaio;
– Tosse com sangue ou vómito que se parece com borra de café;
– Fezes escuras, negras ou sangrentas;
– Sede, aumento da frequência urinária, pele quente e seca;
– Dor no peito, tosse seca, chiado no peito, sensação de falta de ar;
– Sensação de desmaio;
– Frequência cardíaca lenta ou irregular, pulso fraco, sensação de formigamento, sede excessiva, aumento da micção, desconforto nas pernas, fraqueza muscular ou sensação de coxear, ou
– Pancreatite (dor na parte superior do estômago que se estende para as costas, náuseas e vómitos, ritmo cardíaco acelerado).

Os efeitos secundários menos graves podem incluir:
– Prisão de ventre, aumento de peso;
– Dor muscular ou nas articulações, dor nas costas;
– Tonturas, ansiedade, problemas de sono (insónia), ou
– Inchaço nas mãos ou pés.

Esta não é uma lista completa dos efeitos secundários, podendo ocorrer outros.

Peça aconselhamento médico sobre os efeitos secundários.
Advertências
Insuf. Renal
Insuf. Renal:Monitorizar criteriosamente para Cl cr < 25 ml/min/1,73 m2; dose diária máxima – 1440 mg (1 g, 2 vezes/ dia segundo alguns autores).
Gravidez
Gravidez:Todos os trimestres: D - Há evidências de risco em fetos humanos. Só usar se o benefício justificar o risco potencial. Em situação de risco de vida ou em caso de doenças graves para as quais não se possa utilizar drogas mais seguras, ou se estas drogas não forem eficazes.
Aleitamento
Aleitamento:Evitar, segundo o produtor; presente no leite em estudos animais.
Precauções Gerais
Não usar Ácido micofenólico se estiver grávida. Pode prejudicar o feto.

A paciente será obrigada a utilizar duas formas de controle de natalidade para evitar a gravidez antes e durante o seu tratamento com Ácido micofenólico.

O Ácido micofenólico é dado às vezes a mulheres grávidas que são incapazes de tomar outros medicamentos face a transplantes necessários.

O seu Médico irá decidir se você deve receber este medicamento.

O tratamento com Ácido micofenólico pode aumentar o risco de desenvolvimento de certas condições de risco de vida, incluindo infeções graves, cancro ou insucesso do transplante.

Converse com seu Médico sobre os riscos e benefícios do uso desta medicação.

Chame o seu Médico imediatamente se tiver sinais de infeção, tais como: febre, gânglios inchados, sintomas de gripe, mudança no seu estado mental, problemas com a linguagem ou equilíbrio, diminuição da visão, feridas na boca, contusões fácies ou sangramento, dor ou ardor quando urina, sangue na urina, uma nova lesão na pele ou um sinal que mudou de tamanho ou cor.
Cuidados com a Dieta
Tome Ácido micofenólico com o estômago vazio, pelo menos 1 hora antes ou 2 horas após uma refeição.
Terapêutica Interrompida
Tome a dose assim que se lembrar. Não tome a dose esquecida se for quase hora da sua próxima dose. Não tome medicamento extra para compensar a dose esquecida.
Cuidados no Armazenamento
Armazenar à temperatura ambiente longe da humidade e calor.
Espetro de Suscetibilidade e Tolerância Bacteriológica
Sem informação.

Belatacept + Ácido micofenólico

Observações: Belatacept é uma proteína de fusão que não é esperado que seja metabolizada pelas enzimas do citocromo P450 (CYPs) e UDP-glucuronosiltransferases (UGTs). Não foram formalmente realizados estudos de interação com belatacept.
Interações: Não se espera que belatacept interrompa a recirculação enterohepática do ácido micofenólico. Com uma determinada dose de micofenolato de mofetil, a exposição ao ácido micofenólico é aproximadamente 40% mais elevada quando administrado concomitantemente com belatacept do que quando administrado concomitantemente com ciclosporina.

Ácido micofenólico + Aciclovir

Observações: N.D.
Interações: Aciclovir e ganciclovir: O potencial para mielossupressão nos doentes em tratamento com Ácido micofenólico e aciclovir ou ganciclovir não foi estudado. Podem-se esperar níveis elevados de glucoronido do ácido micofenólico (GAMF) e aciclovir/ganciclovir quando o aciclovir/ganciclovir e Ácido micofenólico são administrados concomitantemente, possivelmente em resultado da competição pela via de excreção tubular. Não é provável que as alterações na farmacocinética do GAMF tenham significado clínico em doentes com função renal adequada. Em caso de insuficiência renal existe potencial para aumentos das concentrações plasmáticas de GAMF e aciclovir/ganciclovir; devem ser seguidas as recomendações posológicas para o aciclovir/ganciclovir e os doentes devem ser cuidadosamente observados.

Ácido micofenólico + Ganciclovir

Observações: N.D.
Interações: Aciclovir e ganciclovir: O potencial para mielossupressão nos doentes em tratamento com Ácido micofenólico e aciclovir ou ganciclovir não foi estudado. Podem-se esperar níveis elevados de glucoronido do ácido micofenólico (GAMF) e aciclovir/ganciclovir quando o aciclovir/ganciclovir e Ácido micofenólico são administrados concomitantemente, possivelmente em resultado da competição pela via de excreção tubular. Não é provável que as alterações na farmacocinética do GAMF tenham significado clínico em doentes com função renal adequada. Em caso de insuficiência renal existe potencial para aumentos das concentrações plasmáticas de GAMF e aciclovir/ganciclovir; devem ser seguidas as recomendações posológicas para o aciclovir/ganciclovir e os doentes devem ser cuidadosamente observados.

Ácido micofenólico + Antiácidos

Observações: N.D.
Interações: Agentes gastroprotectores: Antiácidos com magnésio-alumínio Verificou-se que a AUC e a Cmáx do AMF diminui em aproximadamente 37% e 25%, respetivamente, quando é administrada uma dose única de antiácidos com magnésio-alumínio concomitantemente com Ácido micofenólico. Os antiácidos com magnésio-alumínio podem ser utilizados intermitentemente para o tratamento de dispépsia ocasional. No entanto, a utilização crónica diária de antiácidos com magnésio-alumínio com Ácido micofenólico não é recomendada devido ao potencial para diminuir a exposição do ácido micofenólico e reduzir a eficácia.

Ácido micofenólico + Inibidores da Bomba de Protões (IBP)

Observações: N.D.
Interações: Inibidores da bomba de protões: Não foram observadas, em voluntários saudáveis, alterações farmacocinéticas do AMF após a administração concomitante de 40 mg de Ácido micofenólico e pantoprazol, duas vezes por dia, durante os quatro dias anteriores. Não existem dados disponíveis com outros inibidores da bomba de protões administrados em doses elevadas.

Ácido micofenólico + Contracetivos orais

Observações: N.D.
Interações: Contracetivos orais: Os estudos de interação entre o MMF e contracetivos orais não indicam interação. Dado o perfil metabólico do AMF não são de esperar interações entre Ácido micofenólico e contracetivos orais.

Ácido micofenólico + Colestiramina

Observações: N.D.
Interações: Colestiramina e fármacos que se ligam aos ácidos biliares: Deve-se ter cuidado durante a administração concomitante de fármacos ou terapêuticas que se possam ligar aos ácidos biliares, por exemplo, sequestrantes dos ácidos biliares ou carvão ativado oral, dado o potencial para diminuir a exposição do AMF e assim reduzir a eficácia de Ácido micofenólico.

Ácido micofenólico + Carvão activado

Observações: N.D.
Interações: Colestiramina e fármacos que se ligam aos ácidos biliares: Deve-se ter cuidado durante a administração concomitante de fármacos ou terapêuticas que se possam ligar aos ácidos biliares, por exemplo, sequestrantes dos ácidos biliares ou carvão ativado oral, dado o potencial para diminuir a exposição do AMF e assim reduzir a eficácia de Ácido micofenólico.

Ácido micofenólico + Ácidos biliares - resinas sequestradoras

Observações: N.D.
Interações: Colestiramina e fármacos que se ligam aos ácidos biliares: Deve-se ter cuidado durante a administração concomitante de fármacos ou terapêuticas que se possam ligar aos ácidos biliares, por exemplo, sequestrantes dos ácidos biliares ou carvão ativado oral, dado o potencial para diminuir a exposição do AMF e assim reduzir a eficácia de Ácido micofenólico.
 Sem significado Clínico

Ácido micofenólico + Ciclosporina

Observações: N.D.
Interações: Ciclosporina: Quando estudado em doentes com transplante renal estável, as propriedades farmacocinéticas da ciclosporina não foram afetadas pela administração no estado estacionário de Ácido micofenólico. Quando administrada concomitantemente com micofenolato mofetil, sabe-se que a ciclosporina diminui a exposição do AMF. Quando administrada concomitantemente com Ácido micofenólico, a ciclosporina também pode diminuir a concentração do AMF (em aproximadamente 20%, extrapolada da informação do micofenolato mofetil), mas a extensão exata desta diminuição não é conhecida uma vez que esta interação não foi estudada. No entanto, uma vez que foram realizados estudos de eficácia em associação com ciclosporina, esta interação não altera a posologia recomendada de Ácido micofenólico. Em caso de interrupção ou descontinuação da administração de ciclosporina, a posologia de Ácido micofenólico deverá ser reavaliada dependendo do regime imunossupressor.

Ácido micofenólico + Tacrolímus

Observações: N.D.
Interações: Tacrolímus: Num estudo cruzado com inibidores da calcineurina em doentes transplantados renais estáveis, a farmacocinética de Ácido micofenólico no estado estacionário foi medida durante os tratamentos quer com ciclosporina quer com tacrolímus. A AUC média do AMF foi 19% superior (IC 90%: -3, +47) enquanto a AUC média do AMFG foi cerca de 30% inferior (IC 90%: 16, 42) com o tacrolímus, comparativamente com o tratamento com ciclosporina. Para além da AUC do AMF, a variabilidade intraindividual duplicou quando se mudou do tratamento com ciclosporina para tacrolímus. Os clínicos devem notar este aumento quer na AUC do AMF, quer na variabilidade e ajustes à posologia de Ácido micofenólico devem ser ditados pela situação clínica. Deve efetuar-se uma monitorização clínica cuidadosa quando se planeia mudar o tratamento com um inibidor da calcineurina para um outro.

Ácido micofenólico + Vacinas vivas

Observações: N.D.
Interações: Vacinas vivas atenuadas: Não devem ser administradas vacinas obtidas a partir de microorganismos vivos atenuados a doentes com resposta imunitária diminuída. A resposta em anticorpos a outras vacinas pode estar diminuída.

Voriconazol + Ácido micofenólico

Observações: n.d.
Interações: Ácido micofenólico (dose única de 1 g) [substrato da UDP- glucorunil transferase] Não necessário ajuste de dose
Tome exatamente como prescrito pelo seu Médico. Não tomar em quantidades maiores ou menores, ou por mais tempo do que o recomendado.

O Ácido micofenólico é normalmente administrado duas vezes por dia. Siga as instruções da prescrição.

Tome o Ácido micofenólico com o estômago vazio, pelo menos 1 hora antes ou 2 horas após uma refeição. Não esmague, mastigue, ou parta um comprimido com revestimento entérico. Engula-o inteiro. A pílula com revestimento entérico tem um revestimento especial para proteger o estômago. Ao quebrar a pílula pode danificar este revestimento.

O Ácido micofenólico (Myfortic) comprimidos e micofenolato de mofetil (CellCept cápsulas não são absorvidos igualmente pelo organismo. Se mudar de uma marca para outra, tome apenas o prescrito pelo seu Médico. Verifique sempre as suas recargas para se certificar de ter recebido a marca e tipo de medicamento correto.

Vai precisar de fazer exames médicos regulares para ter certeza que esta medicação não está a causar efeitos nocivos.

Visite o seu Médico regularmente. Não perca nenhuma visita de acompanhamento ao seu Médico para exames de sangue ou urina.

Armazenar à temperatura ambiente longe da humidade e calor.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 11 de Outubro de 2017