O FÁRMACO MAIS SAUDÁVEL DO MUNDO: UMA GARGALHADA!

100


O FÁRMACO MAIS SAUDÁVEL DO MUNDO: UMA GARGALHADA!

  Tupam Editores

You don’t stop laughing because you grow old. You grow old because you stop laughing.

O aclamado orador Michael Pritchard não estava a brincar quando proferiu esta afirmação, que se deveria tornar numa máxima de vida, pois rir é, sem dúvida, o melhor remédio.

Pode não ser uma panaceia, mas é, com certeza, meio caminho andado para levar uma vida saudável, sendo uma mais-valia psicossomática, pois, para além dos seus efeitos catárticos, pode reduzir o risco de doenças cardíacas, artrites e úlceras.

A nível psíquico, rir expurga, momentaneamente, sentimentos de angústia, medo e devolve ao indivíduo um sentimento de bem-estar, leveza e esperança. Conseguir encontrar um lado cómico no ambiente que nos rodeia é uma das formas de elevar o nosso espírito, de o nutrir e de o proteger contra os desgastes do dia-a-dia.

A nível fisiológico, o riso reverte os efeitos do stress, associado a um aumento da pressão sanguínea, tensão muscular, imunossupressão e a muitos outros malefícios.

De acordo com investigações científicas desenvolvidas um pouco por todo o mundo, rir é muito benéfico para o nosso organismo, pois diminui os níveis séricos de cortisol, aumenta não só a quantidade de linfócitos T activos, como também o número e níveis de actividade das células assassinas naturais, fundamentais no ataque às células cancerígenas ou virais.

Rir torna a respiração mais profunda e o sangue mais oxigenado, pois quando uma pessoa ri, os níveis da pressão arterial diminuem abaixo dos normais.

Investigadores da "University of Maryland Medical Centre" demonstraram que o sentido de humor poderá proteger contra um ataque cardíaco. O seu estudo evidenciou que as pessoas que sofriam de doenças do coração, em determinadas situações, se riam menos 40% do que pessoas saudáveis da mesma idade.

Dar uma gargalhada é também uma boa maneira de estar em forma. Rir exercita os abdominais, os músculos do diafragma, respiratórios, faciais, das pernas e das costas, para além de facilitar a digestão.

Num outro estudo, desenvolvido por uma equipa de investigadores da "State University of New York", "Western New England College" e "University of Waterloo", foram apuradas as influências do humor sobre a imunoglobulina A salivar. Esta faz parte da primeira linha de defesa contra os organismos patogénicos que entram pelo tracto respiratório. Os investigadores concluíram que os níveis de resposta da imunoglobulina A salivar eram mais baixos nos dias de mau humor e mais elevados nos dias de bom humor.

Outros dois investigadores, de diferentes Universidades, inferiram que o riso pode ter influência na diminuição da dor, pois este estimula a sintetização das beta-endorfinas, substâncias semelhantes às morfinas, mas com um poder analgésico cem vezes maior.

Rir estimula e equilibra a actividade cerebral nos dois hemisférios.

Investigadores da "College of William and Mary, em Williamsburg", mostraram, através de electroencefalogramas, que durante o processo de apreensão do humor existe um padrão de actividade cerebral único.

riso

Quando o indivíduo está a ouvir uma anedota, o córtex do hemisfério esquerdo inicia o processamento das palavras. Em seguida, a actividade cerebral principal, desloca-se para o lobo frontal, onde está localizado o centro das emoções. Momentos depois, os dois hemisférios começam a trabalhar em simultâneo para que o indivíduo possa entender a piada. Decorridos alguns milisegundos, antes de o indivíduo ter tempo para se rir, a actividade cerebral aumenta e espraia-se para o lobo occipital, área cerebral responsável pelo processamento sensorial.

Apesar de a terapia do riso ser uma prática milenar, pois já Hipócrates, pai da Medicina, no século IV aC, recorria a animações e brincadeiras para curar os seus pacientes, só a partir de meados do século XX é que começou a ser objecto de estudo e a granjear reconhecimento.

O responsável por este volteface foi Norman Cousin. A comunidade científica despertou para este novo tipo de tratamento em 1979, data da publicação do seu estudo de caso no "New England Journal of Medicine". Cousin recorreu à terapia do riso para debelar a sua doença, a espondilose cervical, passando os últimos 12 anos da sua vida na "UCLA Medical School " a demonstrar cientificamente que o riso era capaz de curar. Ele foi o criador da "Humor Research Task Force" que coordena e apoia investigações clínicas por todo o mundo.

Porém, já no início dos anos 70, Hunter Adams, mais conhecido por Patch Adams, recorria a esse valioso fármaco capaz de combater muitas doenças em simultâneo e cujo efeito colateral mais reportado é "bem-estar".

Ao reparar que os seus doentes tinham pouca ou nenhuma alegria, decidiu adoptar a terapia do riso nas suas prescrições.

No seguimento desta linha de pensamento, nos anos 90, o médico Madan Kataria formou o primeiro clube do riso. Os exercícos praticados nesta instuição inspiram-se nas técnicas de respiração lenta e profunda do ioga, cujo objectivo é levar os alunos a aprender a rir sem motivo. Actualmente, existem cerca de 33 clubes do riso espalhados pelo mundo.

Em Portugal, o recurso a esta terapia começa a ser comum. Os médicos palhaços da Associação Nariz Vermelho, que recentemente foi agraciada com o prémio Serviço Social do Hospital do Futuro, percorrem os hospitais pediátricos para animar as crianças doentes.

Há também uma clínica do riso do Dr. Madan Kataria, o "Portugal Laughter ClubRiso", no Porto, no qual se ministram cursos de Líder do Riso e se realizam programas e actividades anti-stress para que as pessoas libertem as suas gargalhadas escondidas.

Em suma, o bom humor e o riso podem estimular uma atitude positiva e de confiança e como dizia Mark Twain: The human race has one really effective weapon, and that is laughter.

ARTIGO

Autor:
Tupam Editores

Última revisão:
28 de Abril de 2017

Referências Externas:

Relacionados

FILHO, OS PAIS VÃO SEPARAR-SE!

De repente tudo muda! As rotinas diárias passam a ser feitas a dois (em vez da equipa de três inicial) e os tempos livres organizados num calendário, repartido entre o pai e a mãe. A separação (ou div...

AVÓS E NETOS - Uma ligação insubstituível

Que lembranças tem de sua avó? E da casa, e das receitinhas saborosas que ela fazia só para lhe agradar? E do seu avô, e dos seus ensinamentos sempre pertinentes, que ainda hoje segue? Possivelmente,...

Destaques

CONHECE O PODER DO SORRISO?

Dias cansativos, trabalho que nunca mais acaba, stress, correrias, casa para arrumar, filhos para acompanhar, contas para pagar, para além daqueles problemas ou situações mais negativas que, por vezes...

BIOTECNOLOGIA: A ALQUIMIA DOS TEMPOS MODERNOS

O toque de alvorada da indústria da biotecnologia soou quando se realizaram as primeiras experiências de splicing genético, isto é, a modificação da informação genética do DNA para o RNA após a transc...
0 Comentários