Modelo inovador prevê hipoglicemia em pacientes com diabetes

  Tupam Editores

Cientistas do Instituto Regenstrief, nos Estados Unidos, em parceria com outras instituições, criaram e testaram um modelo que prevê episódios de índices baixos de glicose no sangue (hipoglicemia) em pacientes com diabetes. O estudo foi publicado na revista Current Medical Research and Opinion.

Muitos pacientes com diabetes, especialmente os que têm episódios recorrentes de hipoglicemia, não têm consciência que esses eventos podem ter consequências muito negativas na sua saúde como problemas cardiovasculares, défice cognitivo, coma e mesmo morte.

Os cientistas analisaram dez anos de dados de processos clínicos eletrónicos de quase 39 mil pacientes com diabetes nos Estados Unidos. A análise da equipa foi feita com a recorrência a resultados de análises clínicas, códigos de diagnóstico e episódios de hipoglicemia relatados nas notas clínicas.

Os resultados da análise revelaram que os fatores preditivos de hipoglicemia nos pacientes diabéticos eram: infeções recentes, o uso de outras insulinas que não a insulina de ação prolongada, episódios recentes de hipoglicemia e demência.

Prevenção-diabetes

Por outro lado, a equipa indicou que as variáveis associadas ao menor risco de hipoglicemia eram a insulina de ação prolongada em combinação com outros fármacos e ter 75 ou mais anos de idade, o que os autores consideram como surpreendente.

“O conhecimento destes fatores poderá ajudar os médicos a identificar os pacientes com um risco mais elevado de hipoglicemia, permitindo-lhes intervir para ajudarem os seus pacientes a baixarem esse risco”, afirmou Michael Weiner, autor sénior do estudo.

O investigador acrescentou ainda que este modelo poderá, futuramente, ser aplicado na prática clínica e levar a alterações na mesma, assim como a novas estratégias que ajudem os pacientes a diminuírem o seu risco de episódios de hipoglicemia.

ARTIGO

Relacionados

NOOTRÓPICOS - Aumente o poder da sua mente

Desde o início da civilização que os seres humanos recorrem a substâncias externas ao organismo para alcançar estados alterados de consciência, prazer, analgesia, euforia, relaxamento, entre outros.

Destaques

CEFALEIAS, O MELHOR É NÃO PERDER A CABEÇA

Popularmente conhecida por dor de cabeça, a cefaleia é um problema muito frequente e uma das queixas mais comuns nas consultas de clínicos, pediatras ou neurologistas.

NÃO SE ESQUEÇA DE DORMIR!

Dormir é uma necessidade fisiológica indispensável e pode funcionar como um excelente tratamento de beleza e de saúde. Mas dormir o “sono dos justos” parece ser o privilégio só de alguns.
0 Comentários