Dispositivos de exercício físico melhoram disposição de sobreviventes de cancro

100


Dispositivos de exercício físico melhoram disposição de sobreviventes de cancro

  Tupam Editores

Um novo estudo mostrou que os rastreadores de atividade, como pedómetros e aplicações para smartphones, estão ligados a contagens de passos aprimoradas e a um maior empenhamento na prática de exercício físico entre sobreviventes de cancro.

Os dispositivos têm o apelo de serem convenientes e não supervisionados, e podem ajudar na precisão dos registos de exercícios e, em alguns casos, podem servir como ferramenta de comunicação para equipas de saúde.

Investigadores do Wilmot Cancer Institute, nos Estados Unidos, analisaram os resultados de uma dúzia de diferentes ensaios clínicos que envolveram cerca de 1 450 sobreviventes de cancro.

Estes sobreviventes concordaram em participar em estudos que avaliaram o uso dos dispositivos por períodos que variaram entre um a seis meses.

Os investigadores descobriram que as taxas de adesão eram, por vezes, superiores a 70 por cento e que os dispositivos tiveram um impacto positivo na aptidão geral e em sintomas como a fadiga. O estudo foi publicado no Journal of National Comprehensive Cancer Network.

Smartphone - exercício-físico

Em vez de ser sedentário, o tempo gasto em caminhadas ou outras atividades moderadas a vigorosas tende a reduzir os fatores de risco cardiovascular, ajuda as pessoas a controlar o seu peso e melhora a força, a resistência e a função cardíaca e pulmonar.

Isto é especialmente importante porque os sobreviventes de cancro, que estão frequentemente sob risco elevado de efeitos secundários de curto e longo prazo, como doenças cardíacas, hipertensão, ossos enfraquecidos e diabetes.

A equipa sugeriu que estudos futuros devem avaliar a relação custo-eficácia e desenvolver prescrições de exercícios ideais para reduzir os sintomas relacionados com o cancro e melhorar a qualidade de vida dos sobreviventes.

Em 2022, estima-se que existam 18 milhões de sobreviventes de cancro em todo o mundo.

“Com o aumento das taxas de sobrevivência em muitos tipos de cancro, é importante que se incorpore o exercício físico no tratamento do paciente, pois este tipo intervenções pode ter um impacto positivo na aptidão, nível de atividade, qualidade de vida e bem-estar geral”, explicaram os autores do estudo.

ARTIGO

Relacionados

VIGOREXIA - A obsessão pelo corpo perfeito!

Corpos esbeltos são, desde há muito, sinónimo de beleza, juventude, e saúde. Mas o novo milénio é mais exigente: um físico perfeito também é essencial à felicidade e realização pessoal, sucesso e infl...

Destaques

DPOC - DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÓNICA

Apesar de ser uma das principais causas de morbilidade crónica, de perda de qualidade de vida e de mortalidade em Portugal, a prevalência da DPOC no país está subvalorizada
0 Comentários