AVÓS E NETOS - Uma ligação insubstituível

  Tupam Editores

Que lembranças tem de sua avó? E da casa, e das receitinhas saborosas que ela fazia só para lhe agradar? E do seu avô, e dos seus ensinamentos sempre pertinentes, que ainda hoje segue? Possivelmente, é com carinho e nostalgia que a maior parte de nós se recorda dos seus avós.

Prata nos cabelos e ouro no coração, os avós deixam sempre uma marca indelével nos seus netos. Nos laços fortes e especiais que se estabelecem entre ambos não tem havido alterações, todavia os avós de hoje são bastante diferentes dos de outrora.

Ainda não há muito tempo, o perfil dos avós podia ser desenhado com estes a tirar água do poço, a lavar a roupa num tanque exterior à casa, de carrapito e avental branco a cozinhar no fogão a lenha, o avô sentado na cadeira de baloiço a ler o jornal, a jogar cartas à volta de uma mesa, e a visitar os amigos.

Atualmente existem as torneiras, as máquinas de lavar, fogões a gás, fornos elétricos e micro-ondas, computadores onde se joga às cartas, as notícias dos amigos chegam pelo telefone ou computador, e os avós são, entre outras coisas, mais longevos, porém jovens e mais ativos.

Esta geração de avós é a primeira na história que pode esperar ter, em média, vinte anos para ver os netos crescer e tornarem-se adultos.

Estão nos meados da vida, envolvidos em atividades profissionais e sociais, praticam exercício físico regularmente, são mais saudáveis, têm maior poder económico, mais educação e formação, e rendem-se ao papel de avós com satisfação. Não é raro vê-los a saltar e a jogar com os netos nos parques infantis – são companheiros e cúmplices, alinham nas brincadeiras e esforçam-se por agradar aos petizes.

Avós e netos na praia

Portugal é, aliás, um dos países da União Europeia onde se assume, de forma generalizada, que os avós estão disponíveis para prestar cuidados informais aos netos e onde esse apoio é dado de forma intensiva, perfazendo em média mais de 30 horas semanais. O facto de avós e netos viverem juntos favorece esse apoio, mas Portugal é um país de exceção, pois o apoio dos avós que vivem separados dos netos está ao mesmo nível dos que vivem debaixo do mesmo teto.

Existem, contudo, várias formas de se ser avó ou avô, e vários tipos de avós.

Os avós cuidadores são aqueles que se dedicam a tomar conta dos netos e a dar assistência à família, assumindo-se frequentemente como substitutos dos pais, pois vão levar e buscar as crianças à escola, cuidam delas durante as férias escolares, preparam-lhes as refeições e tratam do que for necessário para o seu bem-estar. Depois existem os avós companheiros ou envolvidos, que aproveitam o tempo que estão com os netos de uma forma mais descontraída e lúdica sem a preocupação de os educar, ou seja, dão um apoio complementar aos pais. Por fim, os avós distantes, que pelos mais variados motivos se encontram afastados do dia-a-dia dos seus netos.

Jogar futebol

Os papéis dos avós podem assumir diferentes formas distinguindo-se vários estilos de se ser avô: o lúdico (há predomínio da valorização da brincadeira, da satisfação e prazer mútuos e das atividades informais); o formal (existe uma definição clara de papéis, nomeadamente em relação aos dos pais, e adotam-se comportamentos convencionais, segundo as representações que têm do papel dos avós); o autoritário (colocam os netos e os pais destes numa situação de subordinação); o distante (os contactos com os netos são reduzidos e ocorrem ocasionalmente, por ex. em aniversários e festas); e o substitutivo (os avós assumem os cuidados e as responsabilidades educativas na ausência ou por incapacidade dos pais).

Não existem dúvidas sobre o papel central dos avós na vida dos netos e, quando os elos emocionais são fortes entre ambos, esta relação é extremamente benéfica e insubstituível.

Benefícios de uma ligação insubstituível

Ouve-se dizer muitas vezes que ser avó/avô é ser mãe/pai duas vezes, e é verdade! Quando os filhos nascem tanto o homem como a mulher mudam, mas quando os netos nascem essas mudanças são ainda mais visíveis.

Aprende-se a ser mais paciente e flexível, e a disponibilidade permite uma maior convivência e cumplicidade entre ambos – conseguem conversar, realizar tarefas juntos, partilhar momentos especiais, brincar... resultado: acaba por se fazer todas as vontades à criançada.

Os netos são a “vida” dos avós. Para além de representarem um tempo de renovação que os aproxima da juventude, os netos afastam a depressão e a solidão, dão-lhes estímulo físico, pois contribuem para que estes sejam ativos – ao brincar no parque, passear no centro comercial, etc; estímulo intelectual – graças às crianças aprendem novas expressões da moda, como funcionam e para que servem as novas tecnologias, como a internet, o computador e o telemóvel; e amor, uma vez que os avós retiram tanto amor da relação com os netos como aquele que dão. Os netos simbolizam ainda a continuidade do nome, dos genes, das memórias, dos valores e do património.

Mas os benefícios desta saudável convivência são mútuos. Na relação com os netos, os avós contribuem fazendo a transmissão das histórias familiares, das tradições, e de conhecimentos. A companhia da avó ou do avô faz com que a criança entenda como é ser mais velha e aprenda a respeitar os mais idosos, aceitando as suas diferenças e entendendo as suas limitações.

Os avós são confidentes, protegem, dão atenção, amor, carinho, segurança e estabilidade aos netos, inclusive a nível financeiro, desempenhando, muitas vezes, um papel essencial de apoio nessa área.

Os avós que têm um contacto diário com os netos, e que desempenham as mais variadas atividades – desde as tarefas do quotidiano até às tarefas lúdicas –, ocupam um lugar privilegiado na vida da criança podendo fazê-las viver experiências únicas que, mais tarde, serão lembradas com saudade e carinho.

Momentos que não se esquecem

As atividades mais simples do dia-a-dia são as que, na maior parte das vezes, favorecem a proximidade e aumentam a afinidade entre avós e netos. Uma tarde na cozinha é um ótimo exemplo. Levar os netos para a cozinha para ajudarem a preparar o lanche para um piquenique no parque, ou fazer um bolo para a sobremesa do almoço de domingo vai garantir momentos de diversão inesquecíveis para todos… e muita farinha por todo o lado.

avó na cozinha

Ajudar na horta é outra atividade divertida, educativa, e que deixa boas lembranças. Arrancar ervas, aprender a conhecer os legumes, plantar algumas sementes, apanhar frutas ou plantar uma árvore no quintal, e acompanhar o seu crescimento, dão imenso prazer às crianças. Ir à pesca ou andar de barco, descobrir a natureza – por exemplo num passeio pela floresta para que a criança observe os animais no seu meio natural –, são exemplos de atividades de que todos gostam e que podem partilhar com os avós.

Os álbuns de família e as fotografias antigas trazem recordações de bons momentos vividos e garantem algumas histórias e risadas. Contar aos netos como foi a sua meninice, como era no Natal, ensinar-lhes as canções da infância dos pais e mostrar-lhes alguns dos seus brinquedos permitem descobrir novas personagens e novas brincadeiras.

Falar-lhes dos jogos tradicionais de rua, ensinando-os a jogar, por exemplo ao jogo da macaca, às escondidas, ao pião, aos berlindes, e a saltar à corda.

Avós passeio

Fazer caminhadas, uma caçada ao tesouro, acampar no quintal, ver o pôr do sol, ir ao cinema ou ao circo são mais alguns exemplos de atividades bastante enriquecedoras e inocentes que contribuirão para fortalecer os laços afetivos, para que a criança aprenda a valorizar a simplicidade e os bons momentos em família, e além disso, irá mantê-los afastados da consola e do computador.

Os netos ocupam um lugar muito especial no coração dos avós e vice-versa. Qualquer pessoa que teve a felicidade de ter uma relação próxima com os seus avós sabe da importância dessa proximidade. Um momento de brincadeira, uma frase marcante, um ensinamento…. Quem não guarda com carinho e uma dose de nostalgia pelo menos uma lembrança dos bons tempos passados com os seus avós?

ARTIGO

Relacionados

FILHO, OS PAIS VÃO SEPARAR-SE!

De repente tudo muda! As rotinas diárias passam a ser feitas a dois (em vez da equipa de três inicial) e os tempos livres organizados num calendário, repartido entre o pai e a mãe. A separação (ou div...

DEPENDÊNCIAS ONLINE

A nova era dos dispositivos móveis e dos serviços online não só vieram mudar o tradicional conceito de sociabilização como alteraram comportamentos, em particular entre os mais jovens, mas igualmente...

Destaques

DOENÇAS DE VIAGENS

As viagens internacionais aumentaram surpreendentemente nos últimos anos. Segundo as estatísticas disponíveis mais recentes (2006) do World Tourism Organization, o número de viagens internacionais de...

CELULITE, UM PRIVILÉGIO FEMININO

O pesadelo da maior parte das mulheres tem nome e sobrenome: hidrolipodistrofia ginoide – mais conhecida por celulite. E não é à toa que é tão temida, pois ataca as partes mais sensuais do seu corpo,...
0 Comentários