Mulheres que fazem aborto com maior risco de tomar antidepressivos

100


Mulheres que fazem aborto com maior risco de tomar antidepressivos

  Tupam Editores

A probabilidade de usar antidepressivos pode estar aumentada entre as mulheres que fazem um aborto, mas o aumento do uso não é atribuído aos abortos, mas a diferenças nos fatores de risco para depressão, revela um estudo publicado na revista JAMA Psychiatry.

Uma equipa de cientistas dos Estados Unidos avaliou dados de 396 397 mulheres (30 834 com primeiro aborto registado no primeiro trimestre e 85 592 com um primeiro parto) para examinar a correlação com o início de uma primeira prescrição de um antidepressivo.

Mulher a tomar comprimido

Os pesquisadores descobriram que, em relação às mulheres que não fizeram um aborto, as mulheres que realizaram um primeiro aborto apresentavam um risco elevado de uso de antidepressivos pela primeira vez em modelos básicos e totalmente ajustados.

No entanto, comparando com mulheres que fizeram um aborto com mulheres que não fizeram aborto, as taxas de incidência totalmente ajustadas não foram estatisticamente diferentes no ano anterior ao aborto e no ano após o aborto.

No modelo totalmente ajustado, os fatores de risco mais fortes associados ao uso de antidepressivos foram ter tido um tratamento psiquiátrico anterior, ter anteriormente usado uma medicação anti-ansiedade e ter previamente feito uso de medicação antipsicótica.

O estudo concluiu que o aumento do uso de antidepressivos não é atribuível ao fato de se ter abortado, mas a diferenças nos fatores de risco para depressão.

ARTIGO

Relacionados

BEBÉS PREMATUROS - A pressa de viver!

Mais de um bebé em dez nasce prematuro. O que faz estas crianças querem nascer antes de estarem completamente formados e que cuidados devemos ter para assegurar a sua sobrevivência?

RECÉM-NASCIDOS: Bolçar! - É normal?

A regurgitação é frequente nos primeiros 4 meses de vida, sendo observada na maioria dos bebés. Existem, contudo, algumas situações em que o refluxo persistente pode indicar outros problemas…

Destaques

CEFALEIAS, O MELHOR É NÃO PERDER A CABEÇA

Popularmente conhecida por dor de cabeça, a cefaleia é um problema muito frequente e uma das queixas mais comuns nas consultas de clínicos, pediatras ou neurologistas.

NÃO SE ESQUEÇA DE DORMIR!

Dormir é uma necessidade fisiológica indispensável e pode funcionar como um excelente tratamento de beleza e de saúde. Mas dormir o “sono dos justos” parece ser o privilégio só de alguns.
0 Comentários