Fármaco para diabetes reduz risco de Parkinson

  Tupam Editores

Um estudo da Universidade de Bergen, na Noruega, revelou que uma classe de medicamentos atualmente utilizada para tratar a diabetes pode reduzir o risco de desenvolver Parkinson. Esta revelação pode oferecer esperança para o desenvolvimento de novas estratégias de prevenção e tratamento da doença.

Ao analisar mais de 100 milhões de prescrições de medicamentos na Noruega, os investigadores descobriram que pacientes que usavam glitazonas (GTZ) viram o risco de desenvolver doença de Parkinson diminuir em mais de um quarto.

As GTZ estão aprovadas nos Estados Unidos para o tratamento da diabetes tipo 2, e funcionam aumentando a sensibilidade do corpo à insulina.

Medicação parkinson

A investigação, publicada na revista Movement Disorders, analisou o vínculo entre o uso de GTZ, a metformina (que é o principal medicamento prescrito para a diabetes tipo 2) e o desenvolvimento da doença de Parkinson; durante um período de dez anos, entre janeiro de 2005 e dezembro de 2014, a equipa identificou 94 349 utilizadores de metformina e 8 396 utilizadores de GTZ que atendiam aos critérios do estudo.

Em comparação com os utilizadores de metformina, os pacientes que consumiam GTZ tinham 28 por cento menos probabilidade de desenvolver a doença de Parkinson.

Os investigadores acreditam que as GTZ podem melhorar a função das mitocôndrias. Um estudo anterior, descobriu que pacientes com doença de Parkinson experimentam uma redução na produção mitocondrial.

A equipa acredita que o estudo pode levar ao desenvolvimento de novas estratégias para a prevenção e tratamento da doença de Parkinson.

ARTIGO

Relacionados

ARTRITES - Viver sem dores articulares

Com origem nos étimos gregos árthron (articulação) e ite (inflamação), a palavra artrite é utilizada para designar uma inflamação nas articulações independentemente da sua etiologia. Confundida por ve...

Destaques

DOENÇAS DE VIAGENS

As viagens internacionais aumentaram surpreendentemente nos últimos anos. Segundo as estatísticas disponíveis mais recentes (2006) do World Tourism Organization, o número de viagens internacionais de...

CELULITE, UM PRIVILÉGIO FEMININO

O pesadelo da maior parte das mulheres tem nome e sobrenome: hidrolipodistrofia ginoide – mais conhecida por celulite. E não é à toa que é tão temida, pois ataca as partes mais sensuais do seu corpo,...
0 Comentários