Exercício físico ativa gene que protege contra Alzheimer

Exercício físico ativa gene que protege contra Alzheimer

EXERCÍCIO FÍSICO

  Tupam Editores

5

Cientistas da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, descobriram que a prática de atividade física ativa um gene que protege contra o desenvolvimento da doença de Alzheimer.

Segundo explicaram os cientistas, o exercício físico interrompe a acumulação da proteína neuronal alfa-sinucleína nas células cerebrais. Atualmente, acredita-se que os aglomerados de alfa-sinucleína desempenham um papel central na morte celular cerebral associada à doença de Parkinson.

Idosos exercício

Em testes realizados em laboratório em ratos que tinham Parkinson, verificou-se que nos animais que passaram a praticar exercícios físicos houve um aumento na expressão cerebral e muscular de um gene protetor chamado DJ-1.

Os seres humanos que nascem com uma mutação que inibe o gene DJ-1 apresentam uma forma grave de Parkinson numa idade relativamente jovem.

"Depois de três meses, os animais que passaram a correr em rodas mostraram movimentação e função cognitiva muito melhores, em comparação com os animais geneticamente modificados do grupo controlo [que não se exercitavam]," disseram Wenbo Zhou e Curt Freed, autores do estudo, cujos resultados foram publicados na revista PLoS ONE.

"As pessoas com doença de Parkinson que se exercitam têm maior probabilidade de evitar que as suas células cerebrais morram", afirmaram os cientistas.

MEMÓRIA, BASE DO CONHECIMENTO - O que é e como funciona?

MENTE E RELACIONAMENTOS

MEMÓRIA, BASE DO CONHECIMENTO - O que é e como funciona?

De forma razoavelmente simplificada, a memória humana pode ser definida como a capacidade inata do cérebro para obter, armazenar e evocar informações disponíveis no cérebro – a chamada memória biológi...
CEFALEIAS, O MELHOR É NÃO PERDER A CABEÇA

DOENÇAS E TRATAMENTOS

CEFALEIAS, O MELHOR É NÃO PERDER A CABEÇA

Popularmente conhecida por dor de cabeça, a cefaleia é um problema muito frequente e uma das queixas mais comuns nas consultas de clínicos, pediatras ou neurologistas.
0 Comentários