Cientistas exploram causas da insónia

  Tupam Editores

Cientistas internacionais estudaram os fatores que poderão estar implicados na interrupção do sono noturno, destaca um artigo publicado na revista Sleep.

O estudo, liderado por Christine Spadola, da Universidade Florida Atlantic, em colaboração com o Hospital Brigham and Women’s e outros, nos Estados Unidos, analisou a associação entre o uso de bebidas alcoólicas, cafeína e tabaco antes de dormir e parâmetros de sono.

Os investigadores analisaram 785 indivíduos norte-americanos de origem africana que usaram actígrafos (sensores semelhantes a um relógio de pulso que medem os ciclos de atividade/repouso) e registaram em diários de sono o seu consumo das substâncias indicadas, no espaço de quatro horas antes de irem dormir.

Foram registados um total de 5 164 dias de actigrafia e registos do consumo de nicotina, álcool e cafeína e sono. Os participantes permaneceram em casa e não no laboratório.

Como resultado, a equipa não detetou uma associação entre o consumo de cafeína, no espaço de quatro horas antes de dormir, e nenhum dos parâmetros de sono.

Homem-insónia

Contudo, os investigadores chamaram a atenção para o facto de não ter sido possível medir as variações na sensibilidade e tolerância dos participantes à cafeína, as quais podem interferir com o sono.

No caso da nicotina e das bebidas alcoólicas, foi encontrada uma associação entre o uso destas substâncias e uma pior continuidade do sono, em relação a uma noite sem o consumo das mesmas.

Estes resultados tiveram em conta fatores como idade, stress, ansiedade, sintomas depressivos, obesidade, trabalho no dia seguinte, etc.

A nicotina foi a substância mais fortemente associada a perturbações do sono, tendo sido detetada uma interação estatisticamente significativa entre o seu uso à noite e insónias em relação à duração do sono.

Foi ainda observada uma redução média de 42,47 minutos na duração do sono em participantes com insónia que usavam nicotina no espaço de quatro horas antes de dormirem.

ARTIGO

Relacionados

NOOTRÓPICOS - Aumente o poder da sua mente

Desde o início da civilização que os seres humanos recorrem a substâncias externas ao organismo para alcançar estados alterados de consciência, prazer, analgesia, euforia, relaxamento, entre outros.

Destaques

STRESS, COMO CONVIVER COM ELE

Nunca se falou tanto de stress como agora. Todos se queixam, mas poucos sabem que não se pode viver sem ele.

CEFALEIAS, O MELHOR É NÃO PERDER A CABEÇA

Popularmente conhecida por dor de cabeça, a cefaleia é um problema muito frequente e uma das queixas mais comuns nas consultas de clínicos, pediatras ou neurologistas.
0 Comentários