Antibióticos podem aumentar em quase 30% risco de pedras nos rins

100


Antibióticos podem aumentar em quase 30% risco de pedras nos rins

  Tupam Editores

Um novo estudo conduzido por cientistas do Hospital Infantil da Filadélfia, nos Estados Unidos, revelou uma conexão entre antibióticos, saúde intestinal e a formação de cálculos renais.

De acordo com os investigadores, os antibióticos poderão ser os responsáveis pelo aumento do número de casos de pedras nos rins em doentes pediátricos.

Durante a investigação, cujos resultados foram publicados no Journal of American Society of Nefrology, os cientistas examinaram os registos médicos de adultos e crianças no Reino Unido durante um período de 21 anos (de 1994 a 2015).

A equipa avaliou a exposição prévia a antibióticos em cerca de 26 mil pacientes com pedras nos rins - e comparou-os com os registos de mais de 260 mil indivíduos controlo.

Rins-Urologia

Os dados apurados mostraram que cinco classes de antibióticos - sulfanomidas, cefalosporinas, fluoroquinolonas, nitrofurantoína e penicilinas de amplo espetro - estavam associadas a um aumento significativo do risco de pedra nos rins - de até 27 por cento.

Verificou-se ainda que o maior risco era para pacientes mais jovens que tinham sido expostos recentemente a antibióticos. O risco permaneceu elevado mesmo vários anos após o uso dessa classe de medicamentos.

O estudo sugere que as práticas de prescrição de antibióticos são um “fator de risco modificável” para pedras nos rins, disse o líder do estudo.

Estudos já realizados demonstraram que o consumo de antibióticos pode perturbar o equilíbrio do microbioma intestinal, a comunidade de bactérias que vive no trato gastrointestinal, afetando a imunidade e favorecendo o desenvolvimento de várias doenças, incluindo pedras nos rins.

Um estudo publicado no JAMA mostrou ainda que 30 por cento dos antibióticos prescritos pelos médicos são inadequados ou desnecessários.

ARTIGO

Relacionados

NOOTRÓPICOS - Aumente o poder da sua mente

Desde o início da civilização que os seres humanos recorrem a substâncias externas ao organismo para alcançar estados alterados de consciência, prazer, analgesia, euforia, relaxamento, entre outros.

Destaques

MEMÓRIA, BASE DO CONHECIMENTO - O que é e como funciona?

De forma razoavelmente simplificada, a memória humana pode ser definida como a capacidade inata do cérebro para obter, armazenar e evocar informações disponíveis no cérebro – a chamada memória biológi...
0 Comentários