OUVIDO

Aparelho flexível pode tratar perda auditiva sem baterias

Um protótipo desenvolvido por cientistas revelou que uma nova membrana condutora traduziu as ondas sonoras em sinais elétricos correspondentes quando implantada dentro do ouvido - e isto sem a necessidade de qualquer ajuda externa de eletricidade. Para além de ser um passo em direção a uma cóclea artificial avançada, o protótipo mostra a possibilidade de construir implantes auditivos sem baterias.

Aparelho flexível pode tratar perda auditiva sem baterias
RUÍDO

MEDICINA E MEDICAMENTOS

RUÍDO


Algumas pessoas nascem com perda auditiva, enquanto outras a adquirem com a idade, devido a infeções ou pela exposição prolongada ao ruído. Em muitos casos lesionam-se os diminutos pelos da cóclea do ouvido interno que permitem que o cérebro reconheça os impulsos elétricos como som.

Quando as células ciliadas dentro do ouvido interno param de funcionar, não é possível reverter os danos. Atualmente, o tratamento está limitado a aparelhos auditivos ou implantes cocleares, mas esses dispositivos requerem fontes de alimentação externa e podem ter dificuldade em amplificar corretamente a voz humana. Uma solução possível é simular os pelos cocleares saudáveis, convertendo ruído em sinais elétricos processados pelo cérebro como sons reconhecíveis.

Na tentativa de o conseguir, uma equipa de cientistas testou materiais piezoelétricos autoalimentados, que produzem eletricidade quando são comprimidos pela pressão das próprias ondas sonoras, e materiais triboelétricos, que produzem atrito e eletricidade estática quando as ondas sonoras os atingem. No entanto, esses protótipos não são fáceis de fabricar e não produzem sinal suficiente nas frequências da fala humana.

Mas a equipa do professor Jiaqi Zheng, da Universidade de Ciência e Tecnologia de Huazhong, na China, desenvolveu uma maneira simples de fabricar um material que aproveita simultaneamente a compressão e a fricção das ondas sonoras, criando um dispositivo de deteção acústica com alta eficiência e sensibilidade numa ampla faixa de frequências de áudio.

O material é uma mistura de nanopartículas de titanato de bário revestidas com dióxido de silício, tudo misturado num polímero condutor. Quando a mistura seca forma um filme fino e flexível semelhante a uma esponja, com espaços ao redor das nanopartículas, permitindo que elas se agitem livremente quando atingidas pelas ondas sonoras.

Durante os testes, os cientistas constataram que o contacto entre as nanopartículas e o polímero aumenta a produção elétrica da membrana em 55%, em comparação com o polímero puro. Quando comprimiram a membrana entre duas finas grades metálicas, o dispositivo de deteção acústica produziu sinais elétricos com frequências correspondentes aos sons no ambiente.

Os cientistas afirmam que o dispositivo com alimentação própria é sensível à ampla faixa acústica necessária para ouvir a maioria dos sons e vozes, e pretendem agora dar início aos testes com pacientes.

Fonte: Tupam Editores

TEMAS

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS