ALZHEIMER

Marcadores oxidativos indiciam início de Alzheimer

Uma equipa de investigadores do Centro Nacional de Pesquisa Científica de França (CNRS), coordenada por Charles Ramassamy, descobriu, através de um exame de marcadores oxidativos, que um desequilíbrio entre componentes oxidantes e antioxidantes do sangue, é um indicador precoce da doença de Alzheimer e não uma consequência.

Marcadores oxidativos indiciam início de Alzheimer
DIA MUNDIAL DO DOENTE DE ALZHEIMER

DOENÇAS E TRATAMENTOS

DIA MUNDIAL DO DOENTE DE ALZHEIMER


A equipa concentrou-se especificamente na doença de Alzheimer “esporádica”, a forma mais comum da doença, que resulta principalmente da presença do gene de suscetibilidade designado por APOE4 (gene que aumenta o risco para a doença de Alzheimer), um tipo de doença já antes estudado pela equipa para outros marcadores iniciais.

Através do exame de marcadores oxidativos descobriram que os marcadores, conhecidos por estarem envolvidos na doença de Alzheimer, começam a subir até cinco anos antes do início dos sintomas da doença, facto que sugere que a oxidação pode ser um marcador precoce desta doença.

Assim sendo, os marcadores oxidativos podem ser detetados através de um exame de sangue, substituindo um conjunto de testes invasivos e dispendiosos atualmente usados para diagnosticar a doença de Alzheimer.

Esses marcadores podem ser encontrados nas vesículas extracelulares do plasma, que são bolsas libertadas por todas as células do corpo, incluindo as do cérebro.

Para além facilitar em muito o exame, esta descoberta vem fornecer uma nova via para uma intervenção preventiva, através da ingestão de antioxidantes.

Segundo o professor Charles Ramassamy, “uma vez que há um aumento do stress oxidativo nas pessoas que desenvolvem a doença, nós podemos regular os sistemas antioxidantes”, isto é, “poderíamos por exemplo modular os sistemas antioxidantes, como as apolipoproteínas J e D, que transportam os lipídios e colesterol no sangue e desempenham um papel importante na função cerebral e na doença de Alzheimer”. "Outra via seria aumentar a ingestão de antioxidantes através da nutrição," refere o professor Ramassamy.

Fonte: Tupam Editores

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS