DIAGNÓSTICO

Teste Rápido permite o diagnóstico precoce do cancro do intestino

Em Portugal surgem, todos os anos, cerca de 10 mil novos casos de cancro do cólon e reto. A maioria dos doentes não apresenta sintomatologia.
Segundo a Sociedade Portuguesa de Gastroenterologia, o cancro do intestino é o segundo cancro mais mortal a seguir ao do pulmão, sendo fundamental a sua prevenção. Esta prevenção passa por uma deteção precoce, pois é um dos cancros mais tratáveis e curáveis em cerca de 90% dos casos, se for detetado a tempo.

Teste Rápido permite o diagnóstico precoce do cancro do intestino
CANCRO, INVESTIGAÇÃO E NOVAS TERAPIAS

DOENÇAS E TRATAMENTOS

CANCRO, INVESTIGAÇÃO E NOVAS TERAPIAS


O primeiro laboratório português licenciado pelo INFARMED para o fabrico de testes rápidos por imunocromatografia, a Pantest, produz o teste rápido FOB (Sangue Oculto nas Fezes/Human Occult Blood in feces)) que permite acelerar o diagnóstico precoce do cancro do intestino.

Na sua fase inicial, muitas doenças gastrointestinais tais como o cancro do cólon, úlceras, pólipos, colite, diverticulite e fissuras podem não mostrar quaisquer sintomas visíveis, apenas sangue oculto. Os métodos tradicionais baseados em guaiaco possuem falta de sensibilidade e especificidade e também requerem restrições dietéticas antes do teste.

O Teste rápido FOB (Sangue Oculto nas Fezes) é um imunoensaio cromatográfico rápido para a deteção qualitativa de sangue oculto nas fezes. O teste usa um ensaio de dupla sanduíche de anticorpo para detetar seletivamente sangue oculto nas fezes a partir de 40ng/ml ou superior, ou a 4.8μg/g de fezes. É importante referir que, ao contrário dos ensaios por guaiaco, a precisão deste teste não é afetada pela dieta dos pacientes.

Segundo refere Catarina Almeida, Country Manager da Pantest, estes testes rápidos são um método de diagnóstico precoce na deteção deste tipo de cancro, acelerando o tratamento e as possibilidades de cura dos doentes.
O laboratório segue a nova abordagem proposta pela União Europeia no plano de ação “Combater o Cancro” que assenta em quatro áreas: deteção num estado inicial, diagnóstico e tratamento e melhoria da qualidade de vida.

Os testes apenas podem ser realizados por profissionais de saúde em Laboratórios ou Clínicas e por profissionais de saúde.

Fonte: Tupam Editores

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS