INFANTIL

Problemas de crescimento infantil motivam muitas consultas

A medida do crescimento das crianças é um indicador muito importante para a sua saúde. E, apesar de não existirem dados concretos relativamente ao número de crianças portuguesas com problemas de crescimento, Teresa Borges, presidente da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia e Diabetologia Pediátrica, explica que “os problemas de crescimento e, em particular, a baixa estatura são sem dúvida motivos frequentes de referenciação às consultas de Pediatria a nível hospitalar”.

Problemas de crescimento infantil motivam muitas consultas
CRESCIMENTO, OS MISTÉRIOS DO CORPO

MEDICINA E MEDICAMENTOS

CRESCIMENTO, OS MISTÉRIOS DO CORPO

O Dia Internacional da Sensibilização para o Crescimento das Crianças, assinalado a 20 de setembro, alerta para esta questão e reforça a importância do controlo do crescimento anual dos mais pequenos. Uma sensibilização que, segundo Teresa Borges, vai existindo cada vez mais.

Ou seja, são muitos os que hoje já sabem que o crescimento é “um parâmetro imprescindível de vigilância do bem-estar e de saúde de qualquer criança. Temos também assistido a um maior conhecimento geral relativo ao potencial genético de cada criança. Relativamente aos Cuidados de Saúde Primárias, muito em parte devido às formações levadas a cabo pela Pediatria e pela Endocrinologia Pediátrica, temos vindo a assistir a uma maior consciencialização e valorização da temática do crescimento”, acrescenta a especialista.

O impacto dos problemas a esta associados pode ser, de resto, muito relevante, como explica a médica. “A maior parte das situações de baixa estatura, a partir do segundo ano de vida, são a baixa estatura familiar e o Atraso Constitucional do Crescimento e Maturação, que são variantes não patológicas de crescimento. No entanto, as alterações de crescimento podem resultar de doenças sistémicas crónicas como a insuficiência renal crónica, a doença celíaca, assim como as patologias endócrinas como hipotiroidismo e insuficiência da hormona de crescimento. Sem dúvida que o impacto final está relacionado com a estatura final na idade adulta”, refere.

O tratamento desta última, a insuficiência da hormona de crescimento, “quando se comprova como eficaz, é mantido até a finalização do crescimento”. E, nestes casos, “tem sem dúvida um efeito importante na autoestima destes doentes”. De resto, se não for feito o tratamento para colmatar a insuficiência da hormona de crescimento, “a baixa estatura na idade adulta constitui um resultado inequívoco, mas inevitável”, indica Teresa Borges.

É importante, por isso, não esquecer que o “normal” para as crianças é um crescimento de pelo menos cinco centímetros por ano após os 2,5 anos de idade e antes da puberdade. E que, caso isto não se verifique, é importante avaliar a situação, através de uma consulta a um profissional de saúde.

Fonte: Sociedade Portuguesa de Endocrinologia e Diabetologia Pediátrica

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS