DERMATOLOGIA

Novos tratamentos para DA precisos para melhorar vida dos doentes

As doenças inflamatórias da pele afetam uma percentagem significativa da população global. A dermatite atópica (DA) é uma das doenças inflamatórias crónicas de pele mais comum e tem um impacto elevado na qualidade de vida dos doentes, no sistema de saúde e na sociedade.

Novos tratamentos para DA precisos para melhorar vida dos doentes
DERMATITES

DOENÇAS E TRATAMENTOS

DERMATITES

Esta patologia pode manifestar-se em todas as idades e afeta entre dez a 20 por cento das crianças e entre um a três por cento dos adultos em todo o mundo, sendo que aproximadamente 4,4 por cento da população europeia vive com DA.

No Dia Mundial da Dermatite Atópica (DA), que se assinala esta terça-feira, 14 de setembro, Joana Camilo, presidente da ADERMAP - Associação Dermatite Atópica Portugal, relembra que “a DA é mais do que uma doença de pele e tem de ser valorizada e tratada como tal. Continua a existir uma subvalorização da doença e dos seus impactos, quer por parte da sociedade em geral quer dos profissionais de saúde, e é urgente esta realidade. Devido à importância que a DA tem na vida de cada pessoa e da sua envolvente familiar e profissional, é indispensável um diagnóstico atempado e conclusivo, uma abordagem personalizada e multidisciplinar à pessoa e um seguimento por parte de um médico especialista, sobretudo nos casos moderados a graves”.

“É fundamental que a investigação científica nesta área continue para que os doentes, as suas famílias e os cuidadores sintam que a inovação terapêutica vem responder às suas necessidades mais urgentes”, refere o diretor médico da LEO Pharma Ibéria, Marcin Kozarzewski.

“A dermatite atópica é uma área prioritária para a LEO Pharma. Investimos continuamente em I&D com o objetivo de apoiar estes doentes para devolver-lhes a qualidade de vida, assim como os profissionais de saúde para garantir soluções cada vez mais inovadoras que permitam um tratamento adequado e cada vez mais eficiente”, refere o grupo num comunicado.

As pessoas com DA apresentam sintomas físicos como vermelhidão, edema (inchaço), prurido (comichão), fissuras, lesões descamativas e escoriações. Nos casos mais graves, as lesões dolorosas estão localizadas em áreas vastas e mais sensíveis do corpo, podendo chegar a cobrir mais de 50 por cento da superfície corporal.

Além disso, a DA é por vezes acompanhada por outras patologias atópicas e não atópicas que afetam a saúde global e qualidade de vida dos doentes, incluindo asma, rinite alérgica, alergias alimentares, complicações cardiovasculares, entre outras, e ainda efeitos psicológicos como ansiedade, perturbações do sono e depressão.

O diagnóstico é essencialmente clínico, segundo as características próprias da erupção cutânea e utilizando informação sobre a existência de alergias na família. Exames complementares alergológicos, como testes cutâneos ou testes sanguíneos de alergias ajudam ao diagnóstico e a orientar o tratamento.

“Apesar de (ainda) não existir uma cura para a dermatite atópica, a investigação nesta área tem sido muito promissora e os novos tratamentos existentes permitem um cada vez maior e melhor controlo da doença e, por conseguinte, uma melhor qualidade de vida”, acrescenta Joana Camilo.

O tratamento da DA passa por, em primeiro lugar, incitar a restauração da barreira cutânea com cremes específicos, em segundo lugar a utilização de cremes com corticoides e outros compostos semelhantes que têm por objetivo desinflamar a pele. Nos casos moderados a graves é necessário tratamento sistémico, tradicional e inovador ou biológico.

Fonte: ADERMAP - Associação Dermatite Atópica Portugal

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS