SONO

Portugueses dormem pior desde o início da pandemia

Um estudo realizado pela DECO Proteste sugere que o novo contexto de pandemia teve impacto na qualidade do sono dos portugueses, na saúde mental e no ganho de peso.

Portugueses dormem pior desde o início da pandemia
NÃO SE ESQUEÇA DE DORMIR!

DOENÇAS E TRATAMENTOS

NÃO SE ESQUEÇA DE DORMIR!

A DECO Proteste, organização de defesa do consumidor, revela que os portugueses dizem dormir pior desde que a pandemia começou. Apenas sete por cento dos 940 inquiridos referiram dormir mal na maioria ou em todas as noites durante o período anterior à pandemia (fevereiro de 2020), um valor que subiu para 15 a 17 por cento quando se recordam da qualidade do seu sono desde o primeiro confinamento até ao dia do inquérito.

Bruno Santos, Public Affairs da DECO Proteste, refere que “a COVID-19 teve um impacto considerável na ansiedade dos portugueses – uma das consequências da incerteza vivenciada neste período”.

Para Bruno Santos, “a quebra de rotinas sociais está a ter efeitos a médio-prazo, entre os quais a diminuição da qualidade de sono das pessoas, atendendo ao aumento dos níveis de stress, às limitações de liberdade e às alterações constantes e necessárias ao combate da pandemia”.

O inquérito sobre a qualidade do sono dos portugueses, realizado em junho deste ano, sugere que desde maio de 2021, as mulheres têm dormido pior do que os homens. De acordo com o estudo, 61 por cento dos homens inquiridos diz dormir bem a maioria ou todas as noites, já apenas 49 por cento das mulheres relatam a mesma experiência.

Apesar de todos estes resultados, é interessante salientar, que a pandemia não parece ter aumentado o consumo de medicamentos para o sono. Antes da pandemia 76 por cento dos inquiridos diziam nunca ter tomado nenhum destes tipos de medicamentos, valor que se manteve durante o segundo confinamentos e desde maio de 2021. 

Por outro lado, mais de 60 por cento das mulheres salientaram o impacto deste contexto na sua saúde mental, o que contrasta com a perceção de 60 por cento dos homens que negam qualquer relação negativa entre a pandemia e o seu bem-estar.

O estudo realizado pela DECO Proteste revela ainda que 61 por cento das mulheres e 55 por cento dos homens admitem ter ganho peso durante o período de pandemia.

Fonte: DECO Proteste

TEMAS

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS