INFANTIL

Punição e privação cognitiva promovem atrasos no desenvolvimento

Um estudo publicado no Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry e realizado por cientistas dos Estados Unidos concluiu que a disciplina física e a privação cognitiva estavam associadas a domínios específicos de atraso no desenvolvimento.

Punição e privação cognitiva promovem atrasos no desenvolvimento
CRESCIMENTO, OS MISTÉRIOS DO CORPO

MEDICINA E MEDICAMENTOS

CRESCIMENTO, OS MISTÉRIOS DO CORPO

 
Os investigadores analisaram 29 792 crianças entre os três e os seis anos de idade e os seus cuidadores, em 17 países, que completaram medidas de punição física, privação cognitiva e risco de atraso de desenvolvimento. 
 
Os fatores utilizados para determinar a punição física incluíram surras ou tapas no braço, mão ou perna, enquanto a privação cognitiva incluiu não contar histórias ou ler com uma criança assim como a ausência de livros em casa.
 
Os investigadores verificaram que a punição física foi associada a probabilidades 50 por cento mais elevadas de risco de atraso socioemocional, pelo menos 2,5 vezes superior ao risco de qualquer das experiências de privação cognitiva. 
 
O estudo mostrou ainda que não contar histórias ou não ler com a criança estava associado a probabilidades 47 e 62 por cento mais elevadas, respetivamente, de risco de atraso cognitivo. No entanto, a disciplina física não conferia qualquer risco de atraso cognitivo.
 
Os resultados sugerem que a distinção entre medo e privação no desenvolvimento infantil é importante para a investigação e intervenções de saúde pública.

Fonte: Science Daily

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS