LOMBALGIA

2021 é o Ano Global Sobre a Lombalgia

A Associação Internacional para o Estudo da Dor (IASP) definiu 2021 como o “Ano Global Sobre a Lombalgia”, campanha à qual a European Pain Association (EFIC) e a Associação Portuguesa para o Estudo da Dor (APED) se unem, promovendo ações com o intuito de apoiar médicos, cientistas e doentes na compreensão dos desafios globais de prevenção e tratamento da lombalgia.

2021 é o Ano Global Sobre a Lombalgia
DOENÇAS DE VERÃO: DICAS PARA UMA ESTAÇÃO TRANQUILA

DOENÇAS E TRATAMENTOS

DOENÇAS DE VERÃO: DICAS PARA UMA ESTAÇÃO TRANQUILA

“A prevalência da lombalgia ao longo da vida é superior a 70% nos países industrializados, estimando-se que entre 15% e 45% dos casos, os sintomas persistam durante um ano ou mais, sendo uma das condições de dor crónica mais comuns no mundo. Com o tema deste ano pretende- se ajudar os profissionais de saúde, a comunidade científica e doentes a compreender a natureza da lombalgia e a utilidade das modalidades de tratamento disponíveis”, refere Ana Pedro, presidente da Associação Portuguesa para o Estudo da Dor (APED).

O grande objetivo deste Ano Global Sobre a Lombalgia é promover uma comunicação mais eficaz entre clínicos e doentes, fornecendo e disponibilizando recursos úteis, práticos e relevantes para auxiliar na abordagem da prevenção e tratamento da lombalgia. A especialista acrescenta ainda que “a APED vai continuar a trabalhar neste sentido, com a missão de melhorar a qualidade de vida dos doentes que vivem com lombalgia”.

No âmbito do Ano Global Sobre a Lombalgia, a IASP definiu os seguintes temas prioritários para 2021:
• Identificar as barreiras e propor soluções para melhorar a prevenção, investigação e tratamento da lombalgia;

• Resumir as modalidades mais eficazes e económicas para o sucesso da gestão da lombalgia, especialmente em comunidades com poucos recursos;

• Integrar o uso de ferramentas para estratificar pessoas com lombalgia à prestação de cuidados centrados no doente;

• Facilitar a investigação, gestão, educação e defesa necessárias para reduzir o fardo global da incapacidade devido à lombalgia.

Fonte: Associação Internacional para o Estudo da Dor (IASP)

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS