ALZHEIMER

Teste de memória pode prever risco de Alzheimer

Um teste da memória durante quatro semanas poderia identificar quem está em maior risco de desenvolver a doença de Alzheimer, afirmaram cientistas da Universidade de Bristol, Reino Unido, num estudo publicado na revista Alzheimers Research and Therapy.

Teste de memória pode prever risco de Alzheimer
NOVA TECNOLOGIA VISA PROPORCIONAR QUIETUDE A PACIENTES COM DEMÊNCIA

MATURIDADE E REFORMA

NOVA TECNOLOGIA VISA PROPORCIONAR QUIETUDE A PACIENTES COM DEMÊNCIA

 
O estudo teve como objetivo verificar se testar a memória das pessoas com uma lista de palavras quatro semanas após a sua leitura inicial poderia prever quem iria sofrer mais de declínio cognitivo durante o ano seguinte.
 
Os cientistas analisaram 46 idosos cognitivamente saudáveis e fizeram-nos executar três tarefas de memória em que a recordação tardia foi testada após 30 minutos e quatro semanas, realizando também um teste comummente utilizado para a deteção de perturbações cognitivas e uma ressonância magnética ao cérebro dos participantes.
 
Os dados mostraram que a memória de 15 participantes diminuiu ao longo do ano e que os testes de memória de quatro semanas previam um declínio cognitivo nestas pessoas idosas saudáveis melhor do que os testes clínicos de memória padrão. 
 
A previsão foi ainda mais precisa ao combinar a pontuação dos testes de memória de quatro semanas com a informação da ressonância magnética do cérebro que mostrava o tamanho de uma parte do cérebro responsável pela memória, que é danificada pela doença de Alzheimer.

O estudo mostrou provas de uma ferramenta de rastreio de baixo custo e rápida administração que poderia ser utilizada para identificar os sinais mais precoces da doença de Alzheimer, acelerando também diretamente o desenvolvimento de terapias eficazes contra a doença e permitindo um tratamento mais precoce, disse Alfie Wearn, um dos autores da investigação.

Fonte: Bristol

TEMAS

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS