PULMÃO

Máscaras não afetam função pulmonar durante atividade física

Há poucas provas de que o uso de uma máscara facial diminui significativamente a função pulmonar, afirmam cientistas da Universidade da Califórnia, nas Estados Unidos, num estudo publicado na revista Annals of the American Thoracic Society.

Máscaras não afetam função pulmonar durante atividade física
DOENÇAS DE VERÃO: DICAS PARA UMA ESTAÇÃO TRANQUILA

DOENÇAS E TRATAMENTOS

DOENÇAS DE VERÃO: DICAS PARA UMA ESTAÇÃO TRANQUILA

 
Durante o estudo, foram avaliados os efeitos de várias máscaras faciais e dispositivos de carga respiratória sobre as respostas fisiológicas e percetuais à atividade física, e examinados vários fatores, tais como o trabalho respiratório, os gases do sangue arterial, os efeitos sobre o fluxo sanguíneo muscular e a fadiga, a função cardíaca e o fluxo de sangue para o cérebro.
 
Pode haver uma perceção de maior esforço com a atividade física, mas os efeitos do uso de uma máscara no trabalho respiratório, em gases como o oxigénio e o CO2 no sangue ou outros parâmetros são demasiado pequenos para serem detetados, referiu Susan Hopkins, líder da investigação.
 
O estudo mostrou que não há provas que sustentem quaisquer diferenças por sexo ou idade nas respostas fisiológicas ao exercício, enquanto se usa uma máscara facial.

Contudo, o estudo destacou que as pessoas com doenças cardiopulmonares graves com qualquer resistência acrescida à respiração ou pequenas alterações nos gases sanguíneos podem ser mais suscetíveis à dispneia, sendo que esta pode afetar a capacidade de exercício.
 
As pessoas afetadas pela dispneia podem sentir-se demasiado desconfortáveis para se exercitarem, tendo de discutir esse fator com o seu médico. Contudo, o facto de estes indivíduos correrem um grande risco se contraírem COVID-19 também deve ser considerado.
 
O desconforto associado ao uso de máscara durante a atividade física estava maioritariamente associado às perceções sensoriais, não havendo qualquer impacto na função cardiopulmonar em pessoas saudáveis, concluiu o estudo.

Fonte: Science Daily

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS