DIAGNÓSTICO

ULisboa lança programa de rastreio para cuidadores informais

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Ciências ULisboa), através do seu Centro de Testes (CT), e em parceria com a Associação Nacional de Cuidadores Informais (ANCI) lançam este mês “Famílias Seguras - Cuidar de Quem Cuida”, um programa gratuito de rastreio regular à COVID-19 para cuidadores informais, pessoas cuidadas e seus familiares em convivência direta.

ULisboa lança programa de rastreio para cuidadores informais

O programa pretende chegar a 200 famílias a nível nacional, prevendo-se a realização de 13 600 testes em cerca de 800 pessoas.

Os testes semanais durante quatro meses visam detetar casos desta doença no seio das famílias, procurando promover uma resposta médica e social atempada e prevenir a transmissão dentro destes grupos altamente vulneráveis. Também estão previstos questionários epidemiológicos e de satisfação.

As famílias encontram-se a ser identificadas pela ANCI e outros parceiros sociais, com base na vulnerabilidade e vontade de participação. “Famílias Seguras – Cuidar de Quem Cuida” tem como principal objetivo proteger cuidadores informais, pessoas cuidadas e seus familiares em convivência direta num período extraordinariamente desafiante.

O rastreio poderá ser estendido a mais pessoas e prolongar-se por mais tempo caso se obtenham os apoios financeiros necessários.

“Não podemos ficar indiferentes, temos de agir. Com esta iniciativa colocamos a nossa capacidade de inovação e o nosso melhor espírito colaborativo ao serviço desta população tão vulnerável, tão pouco visível, mas essencial”, diz Luís Carriço, diretor da Ciências ULisboa.

Sílvia Artilheiro Alves, presidente da ANCI, acredita que “a inclusão dos cuidadores informais neste projeto trará benefícios aos próprios cuidadores e respetivos agregados familiares, uma vez que o programa pretende realizar testes semanais de rastreio à SARS-CoV-2; mas também trará benefícios a todos os outros cuidadores, no sentido do reconhecimento, possibilitando uma sensação de confiança e segurança, tendo em conta a vigilância ativa do programa”, acrescentando ainda que “os resultados serão proveitosos para a comunidade científica e futuros programas governativos”.

Ricardo Dias, investigador da Ciências ULisboa e responsável pelo CT Ciências ULisboa, considera que “este é um excelente exemplo de cooperação entre a academia, a sociedade civil, o tecido empresarial e as instituições do Estado, para encontrar uma rápida solução para este problema emergente”, acrescentando que “temos o dever de cuidar de quem cuida”. Ricardo Dias deixa ainda o apelo à sociedade civil: “junte-se a esta causa”.

Estima-se que existam cerca de 1,4 milhões de cuidadores informais atualmente em Portugal, um número que quase duplicou durante a pandemia, segundo uma estimativa apresentada pela Eurocarers no Encontro Nacional de Cuidadores Informais, promovido pela ANCI. Destes, cerca de 240 mil são cuidadores a tempo inteiro.

Durante a pandemia, a diminuição da resposta social e a dificuldade no acesso a cuidados de saúde veio agravar a sobrecarga e o número de cuidadores informais por todo o país. Muitas das pessoas cuidadas - crianças, jovens adultos, ou idosos - pertencem a grupos de risco para a COVID-19 devido a doença crónica, deficiência, necessidade de cuidados continuados, ou à idade.

Também os próprios cuidadores, muitos deles com idade superior a 65 anos, estão expostos a maior risco. Isto coloca o grupo dos cuidadores informais numa posição particularmente vulnerável, quer a nível de desgaste físico e psicológico, quer a nível de desigualdades sociais.

Fonte: Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS