INFANTIL

Biberão de plástico pode libertar microplásticos quando aquecido

Os biberões de plástico podem libertar microplásticos para o leite quando aquecidos, os quais são ingeridos pelo bebé, alerta um novo estudo do Trinity College Dublin, na Irlanda.

Biberão de plástico pode libertar microplásticos quando aquecido

Os plásticos libertam partículas à medida que se desgastam. Estão a aumentar as evidências de que os humanos consomem regularmente grandes quantidades de partículas micro e nanoplásticas, seja através da cadeia alimentar ou pela libertação direta de partículas de embalagens plásticas ou materiais de armazenamento de alimentos.

As partículas microplásticas têm cinco milímetros ou menos, não maiores do que uma semente de sésamo. As partículas nanoplásticas são ainda mais minúsculas.

No início deste ano, um estudo apresentado na reunião anual da American Chemical Society encontrou partículas microscópicas de plástico em todos os principais órgãos de filtragem do corpo humano.

O plástico contaminou amostras de tecido retiradas dos pulmões, fígado, baço e rins de cadáveres humanos doados.

Para o estudo, os cientistas testaram dez marcas de biberões mais usados em todo o mundo para alimentar bebés e descobriram que o calor estava intimamente ligado à libertação de partículas.

Frascos de plástico de polipropileno libertaram até 16,2 milhões de partículas microplásticas por litro de líquido quando esterilizados e depois expostos a água quente a 70°C.

A água mais quente (95°C) promoveu uma libertação ainda maior de partículas microplásticas: 55 milhões de partículas por litro.

O número de partículas microplásticas detetadas parece muito alto, mas os cientistas não sabem qual o impacto da ingestão de tais níveis de microplásticos nos bebés ou em geral na saúde humana. Contudo, é possível concluir que quanto mais quente o líquido estiver dentro do biberão, mais microplásticos são libertados.

Ainda não existe informação suficiente sobre as consequências potenciais dos microplásticos na saúde infantil, mas os cientistas recomendam que os legisladores reavaliem as diretrizes atuais para preparação de fórmulas ao usar biberões de plástico.

Os pais podem reduzir a quantidade de partículas de plástico no leite seguindo estas recomendações, disseram os autores do estudo: deixar o frasco arrefecer após a esterilização e enxaguar pelo menos três vezes antes de usar; preparar a fórmula infantil num recipiente que não seja de plástico e, em seguida, transferi-la para um biberão após arrefecer à temperatura ambiente; não agitar a fórmula na garrafa em nenhum momento e não reaquecer a fórmula preparada em recipientes de plástico.


TEMAS

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS