VITAMINA D

Vitamina D em excesso pode ser perigosa para a saúde

Recentemente, cientistas internacionais alertaram para a desinformação que existe sobre os suplementos de vitamina D, o que leva a uma falta de critérios na recomendação desses suplementos.

Vitamina D em excesso pode ser perigosa para a saúde
MINERAIS ESSENCIAIS: CÁLCIO

DIETA E NUTRIÇÃO

MINERAIS ESSENCIAIS: CÁLCIO

Como um primeiro esforço de controlo e orientação, o Instituto Federal Alemão de Avaliação de Risco (BfR) - a principal entidade de saúde da Alemanha - preparou uma avaliação de risco para saúde para produtos vendidos no mercado como suplementos alimentares contendo uma dose diária de col-calciferol - o precursor da vitamina D ativa.

Nos humanos, a vitamina D é formada na pele pela exposição à luz solar. Em comparação com a produção da vitamina D pelo próprio corpo, a sua ingestão pelos alimentos geralmente representa apenas uma proporção pequena do suprimento de vitamina D ao corpo.

Contudo, embora uma overdose resultante da produção do próprio corpo não seja possível, certamente pode haver uma superdosagem pelo consumo de altas doses de vitamina D - por exemplo, por meio da ingestão de suplementos alimentares ou vitamínicos.

Uma sobredosagem deste tipo leva a valores elevados de cálcio no soro sanguíneo (hipercalcemia). Os sintomas clínicos associados à hipercalcemia variam de fadiga e fraqueza muscular a vómitos e constipação, e podem até levar a arritmias cardíacas e calcificação dos vasos sanguíneos. Se persistente, a hipercalcemia pode causar cálculos renais, calcificação renal e, em última instância, perda da função renal.

Segundo a autoridade de saúde alemã, mesmo sem exposição ao Sol, o consumo diário de 20 microgramas (ug) de vitamina D seria suficiente para atender às necessidades do organismo dessa vitamina para a grande maioria (97,5 por cento) da população.

A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), por sua vez, estabeleceu um valor UL (nível máximo de ingestão tolerável) de 100 ug para a vitamina D. De acordo com os estudos científicos mais recentes, se adultos e crianças com 11 anos ou mais de idade consumirem uma quantidade diária de não mais do que 100 ug, quaisquer danos à saúde são improváveis.

Este valor UL inclui a ingestão de vitamina D de todas as fontes e, portanto, inclui a ingestão de suplementos, ingestão alimentar normal e ingestão de alimentos que foram fortificados com vitamina D. Se preparações de vitamina D em altas doses também forem consumidas, este valor pode ser excedido.

Do ponto de vista da ciência nutricional, o consumo diário de preparações de vitamina D contendo doses de 50 ug ou 100 ug é desnecessário. Por outro lado, o BfR considera que prejuízos para a saúde resultantes do consumo de altas doses de vitamina D só devem ocorrer se essas altas doses forem consumidas diariamente por um longo período de tempo, embora, nesses casos, as pesquisas mais recentes apontem para um risco elevado para a saúde.

A entidade alemã observa que, com um período adequado de tempo ao ar livre, com a correspondente exposição da pele à luz solar, além de uma dieta equilibrada, as pessoas terão um suprimento adequado de vitamina D sem a necessidade de tomar preparações de vitamina D ou suplementos.

Indivíduos em grupos de risco, para os quais uma falta grave de vitamina D ou deficiência de vitamina requeira intervenção médica, devem primeiro esclarecer qualquer necessidade de tomar tais preparações ou suplementos com o seu médico, orienta a autoridade de saúde alemã.

Com esta primeira orientação de um órgão nacional de saúde pública, a expetativa é que as autoridades de saúde dos demais países produzam as suas próprias orientações sobre a ingestão de vitamina D nas suas várias formas, mas sobretudo no caso dos suplementos.


OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS