SISTEMA-IMUNITÁRIO

Doentes com COVID-19 têm risco de desenvolver sépsis

A sépsis é uma inflamação sistémica que surge como uma resposta aguda do sistema imunitário a uma infeção grave generalizada, isto é, ocorre quando o sistema imunitário responde de forma exagerada a uma infeção, levando à falência de órgãos e, em última instância, à morte.

Doentes com COVID-19 têm risco de desenvolver sépsis

No âmbito do Dia Mundial da Sépsis, e em plena pandemia de COVID-19, os dados apontam para que dois a cinco por cento dos doentes com COVID-19, entre o oitavo e o décimo dia, apresentem sinais de lesão em diversos órgãos.

A sépsis pode desenvolver-se em qualquer indivíduo que contraia uma infeção, contudo, em indivíduos com o sistema imunitário mais debilitado o risco torna-se mais acrescido, como é o caso dos doentes com COVID-19 que, devido à fragilidade do seu sistema imunitário, apresentam maior probabilidade de desenvolver sépsis.

“É fundamental conhecer os primeiros sinais de sépsis para iniciar o tratamento o mais atempadamente possível e evitar um agravamento das lesões. A eficácia do tratamento depende muito da rapidez do diagnóstico”, lembra Eleonora Bunsow, especialista na área de Microbiologia Clínica e Doenças Infeciosas e Medical Advisor da bioMérieux Portugal e Espanha.

Grande parte dos indivíduos apresenta sintomas como febre, podendo ter calafrios e fraqueza. À medida que a infeção se agrava, podem verificar-se o aumento da frequência respiratória e/ou cardíaca, pele manchada ou sem cor devido ao fluxo sanguíneo reduzido, menor frequência nas idas à casa-de-banho e urina em quantidades menores, fala arrastada ou confusão e tremor extremo ou dor muscular. O fluxo sanguíneo reduzido pode levar à morte dos tecidos, incluindo órgãos vitais, como rins, pulmões, coração e cérebro.

A especialista acrescenta ainda que “A taxa de mortalidade aumenta nos casos em que o diagnóstico é mais demorado e, sobretudo, nos casos em que o doente tem o sistema imunitário debilitado ou uma doença crónica”.

Este ano, para assinalar o Dia Mundial da Sépsis, a bioMérieux, empresa líder em soluções de diagnóstico in vitro, convida sobreviventes, familiares, amigos e profissionais de saúde a partilharem testemunhos relacionados com a sépsis. Procuram-se histórias de superação ou de perda, testemunhos pessoais ou experiências com pessoas próximas que relatem vivências com esta condição.

A iniciativa “Juntos Vamos Dar Rosto à Sépsis” pretende reunir testemunhos reais e envolver a sociedade, ao contribuir para aumentar o conhecimento sobre esta infeção potencialmente fatal. As histórias podem ser submetidas através da Internet, no seguinte formulário https://biomerieux.wufoo.com/forms/z107n6kz0wzxbxw/.

A sépsis afeta milhões de pessoas todos os anos, estimando-se que seja responsável por 20 por cento das mortes por ano em todo o mundo. De acordo com um estudo publicado na revista The Lancet, em 2017, morreram 11 milhões de pessoas com sépsis.

Em Portugal, segundo a Direcção-Geral da Saúde (DGS), 22 por cento dos internamentos em unidade de cuidados intensivos são devidos à sépsis e 40% por cento destes doentes acabam por morrer.

Apesar de ser uma infeção ainda desconhecida para grande parte dos portugueses, causa mais mortes a nível hospitalar do que o acidente vascular cerebral (AVC). Os efeitos a longo prazo para os sobreviventes da sépsis incluem danos permanentes nos órgãos, assim como incapacidade física e cognitiva.

Fonte: bioMérieux Portugal

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS