IDOSO

Atividade física pode prever risco de doença cardíaca em idosos

Avaliar o quanto as pessoas idosas se exercitam pode ajudar a determinar o seu risco de doenças cardíacas, segundo um estudo da Escola de Medicina Icahn do Hospital do Monte Sinai, nos Estados Unidos.

Atividade física pode prever risco de doença cardíaca em idosos

A investigação revelou que os idosos que avaliaram os seus níveis de atividade física como mais baixos numa escala de zero a dez tinham quase duas vezes mais probabilidade de morrer de doença arterial coronária do que aqueles que obtiveram maior pontuação.

Fazer uma avaliação sobre a atividade física dos utentes durante consultas médicas de rotina pode levar ao diagnóstico e tratamento mais precoces de condições como aterosclerose ou endurecimento das artérias, uma causa subjacente comum de morte relacionada com doenças cardíacas, disseram os autores.

Para o estudo, foram avaliados 2 318 pacientes entre os 65 e os 84 anos de idade, usando a artéria coronária de cálcio (CAC) - uma tomografia computadorizada do tórax que deteta e mede a quantidade de placa calcificada nas artérias coronárias.

Os participantes do estudo preencheram um questionário antes da digitalização, que incluía avaliar o nível atual de atividade física numa escala de zero (nenhum) a dez (sempre).

Também foram registados os batimentos cardíacos, pressão arterial, altura e peso dos participantes, além do histórico médico, incluindo hipertensão, diabetes e uso de tabaco.

Os investigadores acompanharam os participantes por dez anos. Aqueles que relataram menos atividade física apresentaram as maiores taxas de mortalidade, 2,9 por cento ao ano, em comparação com os pacientes que relataram mais atividade física, 1,7 por cento ao ano.

Aqueles com pouca ou nenhuma evidência de aterosclerose apresentaram baixas taxas de mortalidade, independentemente das suas pontuações de atividade física.

No entanto, participantes com evidência de aterosclerose significativa (scores CAC acima de 400) que relataram níveis mais altos de atividade física apresentaram menor risco de morte.

As taxas de mortalidade entre aqueles com altos scores de CAC que relataram alta atividade física foram semelhantes às encontradas em participantes com baixos scores de CAC e baixa atividade física.

Para os autores do estudo, os resultados indicam que a simples avaliação da atividade física da vida diária autorreferida pode melhorar substancialmente a eficácia da varredura CAC para estratificar os idosos e por isso deveria ser mais utilizada.


OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS