TRATAMENTO

COVID-19: hidroxicloroquina é inútil e perigosa

Um novo estudo que acaba de ser publicado na revista The Lancet é a mais recente de uma longa linha de investigações que sugere que a hidroxicloroquina é inútil contra o novo coronavírus causador da COVID-19.

COVID-19: hidroxicloroquina é inútil e perigosa

O grupo do Centro de Doenças Cardíacas Avançadas de Brigham and Womens Hospital, em Boston, nos Estados Unidos, analisou dados de quase 15 mil pacientes com COVID-19 hospitalizados que receberam hidroxicloroquina ou cloroquina, com ou sem antibióticos azitromicina ou claritromicina, e um grupo controlo de cerca de 81 mil pacientes hospitalizados que não receberam os medicamentos. Os pacientes foram internados em 671 hospitais entre 20 de dezembro e 14 de abril e todos tiveram alta ou morreram em 21 de abril.

A taxa de mortalidade no grupo controlo, que não recebeu hidroxicloroquina ou cloroquina, foi de 9,3. Um valor muito menor do que a taxa de mortalidade de 16,4 por cento registada no grupo que recebeu cloroquina sozinha ou a taxa de mortalidade de 18 por cento nos pacientes que receberam hidroxicloroquina sozinha.

Adicionar antibióticos à mistura também não ajudou: para os que receberam cloroquina e um antibiótico, a taxa de mortalidade foi de 22,2 por cento, tendo sido de 23,8 por cento para os que receberam hidroxicloroquina e um antibiótico.

Embora outros fatores, incluindo idade, obesidade e condições de saúde preexistentes, como doenças cardíacas, doenças pulmonares e diabetes, possam ter desempenhado um papel nas diferenças nas taxas de mortalidade, a hidroxicloroquina/cloroquina estava, ainda assim, associada a um risco aumentado de morte.

Além disso, problemas graves no ritmo cardíaco eram mais comuns em pacientes que receberam um dos quatro regimes de tratamento. A taxa mais alta (oito por cento) foi entre os pacientes que receberam hidroxicloroquina e um antibiótico, em comparação com 0,3 por cento dos pacientes no grupo controlo.

Depois de considerar outros fatores, calculou-se que essa combinação de drogas estava associada a um risco mais de cinco vezes maior de problemas graves no ritmo cardíaco.

Este é o primeiro estudo em larga escala a encontrar evidências estatisticamente robustas de que o tratamento com cloroquina ou hidroxicloroquina não beneficia pacientes com COVID-19. Em vez disso, as descobertas sugerem que pode estar associado a um risco aumentado de problemas cardíacos graves e risco de morte.

Os resultados sugerem que o uso dos dois medicamentos em pacientes com COVID-19 deve ser restrito a ensaios clínicos até que haja provas de ensaios clínicos randomizados “padrão ouro” de que os medicamentos são, de facto, seguros e eficazes.

Fonte: Boa Saúde

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS