TERAPIA

Sobreviventes de AVC sem acesso a reabilitação devido à pandemia

A Portugal AVC - União de Sobreviventes, Familiares e Amigos (PTAVC) alerta para as consequências da atual crise sanitária nos cuidados prestados aos indivíduos afetados por acidente vascular cerebral (AVC), que é a principal causa de morte e incapacidade em Portugal.

Sobreviventes de AVC sem acesso a reabilitação devido à pandemia

Num inquérito realizado entre 20 e 27 de abril e ao qual responderam 868 sobreviventes de AVC, 91 por cento dos doentes com indicação para cuidados de reabilitação reportaram terem sido obrigados a interromper os tratamentos ou não ter tido possibilidade de os iniciar.

Existe múltipla evidência científica que o atraso do programa de reabilitação individualizado e multidisciplinar leva a um agravamento do prognóstico funcional, conduzindo a uma pior integração e menor qualidade de vida, como o que se verificou durante este período.

Por outro lado, apenas 15 por cento dos inquiridos mantiveram as consultas de seguimento da forma habitual, durante a pandemia; 66 por cento referiram adiamento das consultas sem possibilidade, sequer, de teleconsulta, só utilizada por 19 por cento dos inquiridos; e 48 por cento dos sobreviventes com consultas agendadas, referiu ainda ter tido exames cancelados ou adiados durante este período.

Cerca de um terço refere sentir-se pior ou muito pior relativamente ao seu estado geral de saúde, com a situação gerada pela pandemia. Percentagem que sobe para 44 por cento entre os que habitualmente beneficiavam de cuidados de reabilitação, e atinge 50 por cento nos que sofreram AVC há menos de um ano.

A maioria dos inquiridos (58 por cento) referiu sentimentos de maior nervosismo e/ou ansiedade, sendo as queixas de maior dificuldade na movimentação e/ou comunicação do que antes deste período, a maior preocupação relativamente à recuperação, e mesmo ao risco de ter um novo AVC, as preocupações mais referidas.

Verificou-se que 38 por cento afirmou ainda que a situação atual está a ter repercussões negativas na sua economia familiar, muitas vezes já fragilizada.

A Portugal AVC destaca, portanto, que, na fase atual, em que se desenham as estratégias para retorno ao funcionamento prévio de serviços de saúde, é imperativo o investimento na expansão, readaptação e reorganização dos cuidados de reabilitação do AVC em Portugal, tanto a nível hospitalar bem como extra-hospitalar, com uma interligação que privilegie a proximidade entre as diversas entidades envolvidas, nunca esquecendo que a qualidade deve estar sempre presente. Ou seja, reabilitação coordenada e multidisciplinar, como é defendido por diversas entidades internacionais.

Fonte: Portugal AVC - União de Sobreviventes, Familiares e Amigos

TEMAS

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS