POLUIÇÃO

Morar perto de muito trânsito aumenta risco de doença neurológica

Um novo estudo investigou associações entre proximidade da estrada e exposições à poluição do ar e efeitos conjuntos de ruídos e de presença de plantas/áreas relvadas, na demência não-Alzheimer, na doença de Parkinson e de Alzheimer e na esclerose múltipla num grupo populacional.

Morar perto de muito trânsito aumenta risco de doença neurológica

Cientistas da Universidade da Colúmbia Britânica em Vancouver, no Canadá, e colegas examinaram as correlações entre proximidade de estradas e exposições à poluição do ar e efeitos conjuntos de ruído e presença de plantas na demência não-Alzheimer, doença de Parkinson, doença de Alzheimer e esclerose múltipla.

Uma coorte de cerca de 678 mil residentes (com idades entre os 45 e os 84 anos) da área metropolitana de Vancouver foi analisada.

Os cientistas observaram uma correlação para a proximidade da estrada com todos os resultados (por exemplo, taxa de risco, 1,14 para demência que não seja Alzheimer, por viver a menos de 50 m de uma estrada principal ou menos de 150 m de uma rodovia).

Houve correlações entre poluentes do ar com incidência de doença de Parkinson e demência não-Alzheimer; não foram observadas correlações com a doença de Alzheimer ou esclerose múltipla.

Não houve associação entre ruído e quaisquer resultados; foram sugeridos efeitos protetores da presença de plantas e áreas verdes com a doença de Parkinson e a demência não-Alzheimer.
O estudo, publicado na revista Environmental Health, concluiu que a proximidade das estradas está associada a um aumento da incidência de distúrbios neurológicos específicos.


OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS