HIPERTENSÃO

Aumento da pressão arterial é mais acentuada em mulheres

As medidas da pressão arterial progridem mais rapidamente nas mulheres do que nos homens e começam cedo, colocando as mulheres em risco de doenças cardiovasculares posteriores que tendem a apresentar-se de maneira diferente.

Aumento da pressão arterial é mais acentuada em mulheres

Historicamente, acredita-se que os homens correm maior risco de sofrer doenças cardíacas do que as mulheres, e que são mais propensos a desenvolver sinais comuns como pressão alta numa idade mais jovem. No entanto, um novo estudo da Cedars-Sinai Medical Center, nos Estados Unidos, questiona essa hipótese.

Os cientistas descobriram que a pressão arterial progride mais rapidamente nas mulheres do que nos homens e começa cedo na vida, talvez colocando as mulheres em risco de doenças cardiovasculares posteriores que tendem a apresentar-se de maneira diferente, não apenas mais tarde.

Os investigadores usaram dados do repositório BioLINCC do Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue dos Estados Unidos e examinaram as medições de pressão arterial recolhidas dos participantes em quatro estudos principais sobre saúde do coração: o Framingham Heart Study, o Atherosclerosis Risk in Communities Study, o Coronary Artery Risk Development in Young Adults Study e o Multi-Ethnic Study of Atherosclerosis.

Os dados selecionados desses quatro estudos eram relativos a um total de 32 833 participantes únicos entre cinco e 98 anos de idade, 17 733 dos quais eram mulheres.

Os autores avaliaram medidas longitudinais da pressão arterial para cada um dos participantes do estudo, incluindo pressão arterial sistólica, pressão diastólica, pressão arterial média e pressão de pulso.

Com base na análise realizada, embora os homens tenham medidas de pressão arterial sistólica e diastólica mais altas do que as mulheres aos 20 anos, as mulheres parecem experimentar aumentos mais altos na pressão arterial sistólica – o maior número de leituras – a partir dos 40 anos, eventualmente alcançando e passando homens na casa dos 60 anos. No início dos 80 anos, as mulheres geralmente têm medidas sistólicas mais elevadas da pressão arterial do que os homens.

Geralmente, as tendências da pressão arterial diastólica são semelhantes entre os sexos, com os homens tendo leituras um pouco mais altas ao longo da vida.

Da mesma forma, as mulheres parecem experimentar aumentos mais acentuados na pressão arterial média e pressão de pulso do que os homens durante os 40, 50 e 60 anos, eventualmente superando os homens em ambas as medidas quando atingem os 80 anos.

Os autores também examinaram a incidência de novas doenças cardiovasculares entre os participantes do estudo e descobriram, como esperado, que a incidência cumulativa era maior em homens, quase 30 por cento, do que em mulheres, pouco mais de 20 por cento, ao longo da vida adulta.

Os autores concluíram que, ao contrário da noção de que doenças vasculares importantes nas mulheres ficam atrás dos homens entre 10 e 20 anos, o estudo mostrou que certas alterações vasculares não apenas se desenvolvem mais cedo, mas também progridem mais rapidamente nas mulheres do que nos homens.

Fonte: Boa Saúde

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS