GENÉTICA

Gene do Ébola pode combater glioblastoma

Um estudo publicado no Journal of Virology e liderado por Anthony van den Pol, da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, descobriu que a genética do vírus Ébola pode ser usada para eliminar o glioblastoma, um tipo de cancro cerebral difícil de tratar e um dos mais letais.

Gene do Ébola pode combater glioblastoma

 
Ao contrário das células normais, uma grande percentagem das células cancerígenas não consegue gerar uma resposta de defesa contra invasores como os vírus, o que leva a esta nova abordagem.
 
Durante este estudo, os cientistas criaram vírus quiméricos ou com combinação de vários genes de vários vírus, de forma a tornar o invasor capaz de atacar células cancerígenas, mas não células saudáveis.
 
A equipa de investigadores descobriu que um dos sete genes do vírus Ébola que o ajuda a evitar o sistema imunitário também contribui para a mortalidade: uma glicoproteína com domínio tipo mucina (MLD na sigla em inglês).
 
Os investigadores desenvolveram um vírus quimérico com este gene e injetaram-no no cérebro de ratinhos com glioblastoma. Foi observado que o MLD ajudou a selecionar e matar os glioblastomas.
 
Os efeitos benéficos do MDL podem advir do facto de proteger as células normais da infeção, mas não as células cancerígenas, que são invadidas pelo vírus. Mais, o vírus com MDL replica-se mais lentamente, tornando-o mais seguro, explicou o investigador.
 
Um vírus deste género, a par da cirurgia de remoção do glioblastoma, poderá ajudar a prevenir o reaparecimento do tumor.

Fonte: Science Daily

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS