MEDICAMENTO

Medicamento vaginal com progesterona previne aborto

Dois estudos liderados por Arri Coomarasamy, da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, uma das figuras mais importantes nas ciências biomédicas e da saúde naquele país, e pelo Tommy´s National Centre for Miscarriage, evidenciam a existência de resultados científicos de que a administração de duas cápsulas de progesterona vaginal (Utrogestan®) a mulheres que apresentam sinais de gravidez de risco e sangramento até às 16 semanas poderá reduzir o risco de aborto.

Medicamento vaginal com progesterona previne aborto

Um dos dois estudos foi publicado no American Journal Of Obstetrics and Ginecology, que se debruçou sobre os resultados de dois ensaios clínicos – PROMISE e PRISM – ambos financiados pelo Programa de Tecnologia em Saúde (HTA) do NIHR, National Institute for Heath Research, onde se avaliou a evidência existente relacionada com a toma de Utrogestan®.

O ensaio clínico PROMISE, estudou cerca de 836 mulheres com abortos recorrentes e idiopáticos ​​em 45 hospitais no Reino Unido e nos Países Baixos, onde encontrou uma taxa de nados vivos três por cento mais alta com progesterona, embora com incerteza estatística substancial.

O ensaio clínico PRISM estudou 4 153 mulheres com hemorragia precoce na gravidez em 48 hospitais no Reino Unido. Nas mulheres que já sofreram um ou mais abortos no passado e que receberam agora progesterona, foi observado um aumento estatisticamente significativo de cinco por cento no número de partos com nados-vivos, em comparação com aqueles que receberam um placebo.

O benefício foi ainda maior para mulheres que tiveram anteriores “abortos recorrentes” (três ou mais abortos) – com um aumento estatisticamente significativo de 15 por cento na taxa de nados vivos no grupo da progesterona, em comparação ao grupo do placebo.

Já o segundo estudo, publicado no British Journal of Obstetrics & Gynecology, concluiu que a progesterona é custo efetivo custando em média, 204£ por gravidez (cerca de 241€).

Segundo Arri Coomarasamy, “este tratamento permite uma taxa de sucesso elevada, dando a oportunidade a mulheres com gravidez de risco e hemorragia precoce na gravidez – com um histórico de um ou mais abortos – de fazer o tratamento de 400 mg de progesterona duas vezes ao dia, iniciado no momento de apresentação de sinais de sangramento e continuando até às 16 semanas de gestação”.

As conclusões dos dois estudos permitem apurar que a administração de progesterona via vaginal, pode ser uma solução económica e bem-sucedida no tratamento profilático de abortos recorrentes.

Utrogestan® é um medicamento sujeito a receita médica, cuja substância ativa é progesterona. A forma farmacêutica deste medicamento é em cápsulas moles, que são administradas por via oral ou por via vaginal (conforme orientação do seu médico), retirando as suas propriedades farmacológicas da progesterona natural – antiestrogénico, gestagénico, fracamente antiandrogénico e antialdosterona.

Fonte: Tommy´s National Centre for Miscarriage

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS