ORGANISMO

Temperatura corporal média dos seres humanos está a diminuir

A temperatura média do corpo humano é de 37 °C, mas o organismo está gradualmente a registar uma redução da temperatura interna desde a década de 1860.

Temperatura corporal média dos seres humanos está a diminuir

Médicos internacionais que estudaram a temperatura corporal humana sabem há décadas que 37 °C era um valor muito alto, explica a investidora Julie Parsonnet, da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos. “Mas eles sempre pensaram que era apenas um erro de medição no passado, e não que a temperatura havia realmente caído”, refere.

Com o objetivo de estudar mais a fundo esta questão, Parsonnet e a sua equipa combinaram três conjuntos de dados.

O primeiro abrangeu 23 710 veteranos do Exército da União da Guerra Civil Norte-Americana, cujas temperaturas foram medidas entre 1860 e 1940. Os outros conjuntos de dados abrangeram os períodos de 1971 a 1975 e de 2007 a 2017. No total, a equipa analisou 677 423 medições de temperatura.

Em média, a temperatura corporal entre os norte-americanos analisados diminuiu 0,03 °C por década. Homens nascidos no início do século 19 tinham temperaturas corporais 0,59 °C mais altas que os homens de hoje. Os dados para as mulheres não atingem todo o período, mas a temperatura do corpo feminino caiu 0,32 °C desde a década de 1890.

Isso significa que a temperatura corporal média hoje é de cerca de 36,6 °C, e não 37 °C, como se pensa.

Parsonnet oferece duas evidências de que essa redução é real, e não simplesmente o resultado de os termómetros mais antigos não serem fiáveis.

Primeiro, a tendência de resfriamento é visível nos conjuntos de dados mais modernos, nos quais os termómetros usados eram presumivelmente mais fiáveis.

“O declínio que vimos nas décadas de 1860 a 1960 foi registado também na década de 1960 até hoje”, afirmou Parsonnet.

Segundo, se as medições estivessem erradas, seria de se esperar que as temperaturas fossem determinadas pelo período em que as medições foram realizadas, uma vez que a tecnologia dos termómetros mudou com o tempo.

Mas não é esse o caso, uma vez que o agrupamento das medidas pelas datas de nascimento dos indivíduos se alinha com as mudanças de temperatura.

As pessoas mais velhas apresentaram temperaturas corporais mais altas do que as pessoas mais jovens quando as medições foram realizadas ao mesmo tempo. Isso significa que mudanças nos termómetros não podem explicar o efeito.

“A explicação mais provável, na minha opinião, é que, microbiologicamente, somos pessoas muito diferentes do que éramos”, disse Parsonnet. “As pessoas modernas têm menos infeções, graças a vacinas e antibióticos, por isso o nosso sistema imunológico é menos ativo e os nossos tecidos corporais menos inflamados”, acrescentou.

Se isso é verdade, a temperatura corporal também deve ter caído noutros países onde a saúde das pessoas melhorou – mas isso precisará de ser aferido por conjuntos de dados nacionais em cada caso.
E a tendência de resfriamento do corpo humano não mostra sinais de interrupção num futuro próximo, disse Parsonnet.


OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS