GRIPE

Gripe e vacina antigripal afetam organismo de forma diferente

De acordo com os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, a vacina contra a gripe é eficaz apenas entre 40 e 60 por cento das vezes, mas já houve épocas menos eficazes: a vacina da gripe de 2018 teve apenas 20 por cento de eficácia.

Gripe e vacina antigripal afetam organismo de forma diferente

Com o objetivo de melhorar esses resultados, cientistas internacionais conseguiram medir como os níveis de RNA celular mudam após uma infeção pelo vírus da gripe ou pela vacinação contra a gripe.

O trabalho promete ajudar a fazer as futuras vacinas contra a gripe funcionarem melhor, ou até mesmo ajudar no projeto de uma vacina universal, que não precise de ser recriada a cada época gripal.

“Compreender essas diferenças pode ajudar-nos a identificar novos alvos para a construção de melhores vacinas, além de nos ajudar a descobrir melhores formas de tratar a doença”, disse o professor George Mias, da Universidade do Estado de Michigan, nos Estados Unidos.

As novas informações surgem de dados de 18 estudos científicos publicados anteriormente, onde os cientistas haviam recolhido amostras de sangue de pacientes com gripe e recetores de vacina e estudado essas amostras para medir a sua expressão génica.

Quando um gene é expresso numa célula, isso significa que o ADN foi usado para produzir RNA para esse gene. Assim, essa expressão génica pode ser medida pelos níveis de RNA nas células. E a expressão génica nas células pode mudar em resposta a estímulos, incluindo doenças.

Os pesquisadores encontraram 978 genes com expressão alterada para a infeção e a vacinação. Aproximadamente um terço desses genes (334) sobrepuseram-se, enquanto cerca de dois terços (644) eram únicos para a infeção ou para a vacinação.

Ou seja, genes distintos estão envolvidos nos dois diferentes processos no organismo. Vários genes que foram expressos de maneira diferente na infeção da gripe, por exemplo, estão envolvidos nos mecanismos defensivos do corpo. Por outro lado, genes expressos exclusivamente na vacinação estão envolvidos no processamento de antígenos, o que estimula a resposta imune do corpo.

Os cientistas também encontraram 907 genes relacionados com a idade e 48 relacionados com o sexo que afetam as alterações na expressão génica da gripe/vacina contra gripe. Compreender essas diferenças pode ajudar na procura pelo desenvolvimento de uma vacina universal.


OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS