ALZHEIMER

Lapsos de memória na juventude associados a maior risco de Alzheimer

Pequenos lapsos de memória, como esquecer as chaves ou de um compromisso de vez em quando pode parecer normal, mas, em casos de jovens com histórico familiar de doença de Alzheimer, esses esquecimentos, especialmente em pessoas na casa dos 20 anos, podem ser indícios precoces de algo mais grave no futuro.

Lapsos de memória na juventude associados a maior risco de Alzheimer

O estudo realizado em Phoenix, nos Estados Unidos, envolveu quase 60 mil homens e mulheres com idades entre 18 e 85 anos.

Todo estudante universitário perde as chaves ou esquece um compromisso de vez em quando. Geralmente não é grande coisa. Mas um novo estudo adverte que, quando os jovens com histórico familiar de doença de Alzheimer têm lapsos de memória, isso pode ser um sinal precoce de algo sério.

Essa é a preocupação levantada por um novo teste de memória feito por quase 60 mil homens e mulheres entre as idades de 18 e 85 anos, cujos resultados revelaram que os participantes que tinham membros da família com doença de Alzheimer pontuaram menos do que aqueles que não o fizeram. Isso incluiu até mesmo jovens adultos na faixa dos 20 anos de idade.

Para compreender melhor como a história familiar da doença de Alzheimer pode afetar o risco futuro de desenvolver a doença, a equipa lançou um teste on-line de memória de palavras em 2013. Chamado de “MindCrowd”, em agosto de 2018, quase 60 mil pessoas tinham-se inscrito em todos os 50 estados e em 150 países. A maioria (92 por cento) era branca.

Aos participantes do teste foram mostrados 12 conjuntos de duas palavras relacionadas.

Depois, apenas uma palavra foi exibida aleatoriamente e todos foram solicitados a relembrar a palavra que faltava. O processo foi repetido três vezes. Além disso, os participantes forneceram informações sobre a sua saúde geral e a saúde da sua família.

Quase cinco mil participantes que relataram uma história familiar de Alzheimer também forneceram uma amostra de sangue ou saliva. As amostras foram medidas para os níveis de uma proteína particular (apolipoproteína E, ou APOE) associada ao risco de Alzheimer.

Os cientistas encontraram uma ligação clara entre ter um histórico familiar de Alzheimer e scores mais baixos nos testes de memória.

Fonte: Boa Saúde

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS