FARMACÊUTICO

Formações da Geração Saudável chegaram a mais de 16 mil jovens

O Projeto Geração Saudável concluiu mais um ano letivo, abrangendo mais de 16 mil jovens, professores e encarregados de educação, em mais de 600 sessões de formação e consciencialização, realizadas em cerca de uma centena de escolas do país.

Formações da Geração Saudável chegaram a mais de 16 mil jovens

A iniciativa desenvolvida pela Secção Regional do Sul e Regiões Autónomas da Ordem dos Farmacêuticos, com o apoio da farmacêutica Novo Nordisk, visa a educação e promoção da saúde junto das faixas etárias mais novas, estimulando a adoção de hábitos mais saudáveis e alertando para as patologias associadas a estilos de vida mais sedentários, bem como para a problemática das dependências e comportamentos aditivos e do uso responsável do medicamento.

“Esta edição do Projeto Geração Saudável permitiu, mais uma vez, consciencializar mais de 16 mil jovens e crianças para a importância de um estilo de vida saudável e ativo. É muito importante alertar todos os envolvidos neste projeto, sejam alunos, professores ou famílias, de que, por exemplo, a diabetes é uma patologia cuja incidência tem aumentado junto da população mais jovem. Aliás, estima-se que a prevalência da diabetes no território nacional seja de 13,3 por cento, sendo que cerca de 44 por cento da população portuguesa ainda não estará diagnosticada”, refere Luís Lourenço, presidente da Direção da Seção Regional do Sul e Regiões Autónomas da Ordem dos Farmacêuticos.

Ao longo do último ano letivo, o projeto Geração Saudável realizou mais de 600 sessões de formação sobre a Diabetes, o Uso Responsável do Medicamento, e aos Dependências e os Comportamentos Aditivos.

Esta iniciativa pretende consciencializar para o facto de a diabetes estar associada a outras patologias como, por exemplo, patologias renais e cardiovasculares, que são significativamente responsáveis pelos casos de morbilidade e mortalidade na sociedade europeia.

Através do diagnóstico precoce, acompanhamento dos doentes e acesso aos tratamentos adaptados às necessidades de cada doente é possível reduzir o risco de complicações e melhorar a qualidade de vida das pessoas com diabetes.

“O papel do farmacêutico na sociedade também foi um tema abordado nestas sessões, pois é necessário olhar para estes profissionais de saúde como intervenientes ativos na saúde pública, próximos das comunidades, e alguém a quem se pode recorrer. Em suma, este foi um ano muito positivo para o projeto, pois conseguimos ter mais 83 novos formadores e aumentámos tanto o número de escolas interessadas em receber as nossas palestras, como o número de alunos que realizaram as nossas formações”, conclui Luís Lourenço.

Fonte: Hill+Knowlton Strategies Portugal (press release)

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS