NUTRIÇÃO

ON reclama revisão de carreira para os profissionais da classe

Cerca de 45 por cento dos nutricionistas a trabalhar no Serviço Nacional de Saúde (SNS) estão integrados na carreira de Técnico Superior de Saúde; 37 por cento como Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica e 17 por cento como Técnicos Superiores. Apesar da mesma carga horária, as mesmas funções e competências, estes profissionais estão integrados em diferentes carreiras, o que despoleta disparidades injustificadas.

ON reclama revisão de carreira para os profissionais da classe

Agora, a Ordem dos Nutricionistas quer acabar com esta situação e irá debater o tema da carreira profissional no âmbito do Congresso da Ordem dos Nutricionistas 2019.

Após o primeiro congresso de nutrição sem recurso a patrocínios da indústria, a Ordem dos Nutricionistas repete a iniciativa, que está já agendada para esta quinta e sexta-feira, dias 21 e 22 de março, na Culturgest, em Lisboa.

“Provámos que era possível fazer um grande congresso sem que, para isso, tivéssemos de recorrer a qualquer patrocínio. Contribuímos para o debate, ao mais alto nível, em torno da alimentação e nutrição. Por isso, temos a obrigação de repetir a iniciativa, com uma forte aposta em conferencistas de referência nacional e internacional”, sustenta Alexandra Bento, bastonária da Ordem dos Nutricionistas.

Durante os dois dias do Congresso da Ordem dos Nutricionistas, serão discutidas questões, como, por exemplo, “Padrões alimentares sustentáveis para o futuro”; a “Alimentação e a pegada ecológica em Portugal”; os “Desafios dos nutricionistas no mundo”; a “Alimentação como um aliado da saúde pública”; “As funções dos governos nas políticas económicas em nutrição”, “Desertos alimentares” e “Ambiente obesogénico em áreas urbanas portuguesas”.

Em 2019, a dimensão internacional continua a ser uma forte aposta, reunindo nomes incontornáveis do setor, como, por exemplo, a académica Marion Nestle, catedrática e ex-diretora do Departamento de Nutrição, Estudos de Alimentação e Saúde Pública na Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, que vem apresentar o tema “How food companies skew the science of what we eat”.

De regresso está também o “Prémio Mérito Jovem Nutricionista”, iniciativa lançada no I Congresso da Ordem que pretende distinguir jovens que se destacam na investigação e empreendedorismo do setor.

A Ordem pretende também que este congresso sirva para voltar a colocar em cima da mesa a criação da carreira de nutricionista, o que permitirá a regularização da dispersão destes profissionais, que, atualmente, se encontram distribuídos por três carreiras distintas e inadequadas – Técnico Superior de Saúde; Técnico Superior e Técnico de Diagnóstico e Terapêutica.

“Temos grandes expetativas que este Governo regularize a situação, garantindo que todos os nutricionistas a trabalhar no SNS estejam em igualdade de circunstâncias”, sustenta Alexandra Bento.

Recorde-se que 45 por cento dos nutricionistas a trabalhar no SNS estão integrados na carreira de Técnico Superior de Saúde; 37 por cento como Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica e 17 por cento como Técnicos Superior. Apesar da mesma carga horária, as mesmas funções e competências, estes profissionais estão integrados em diferentes carreiras, o que despoleta disparidades injustificadas.

Destinado a nutricionistas, estudantes, profissionais de saúde, responsáveis governamentais e a todos aqueles que, direta ou indiretamente, trabalham com a alimentação e nutrição, este será o II Congresso com assinatura da Ordem dos Nutricionistas, a instituição que regula a profissão, que volta a contar também com o Alto Patrocínio do Presidente da República.

Fonte: Ordem dos Nutricionistas

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS